Return to Video

O Despertar da Mente Parte 1, "Conhece-te a Ti Mesmo" (2023) - Filme Completo em HD

  • 0:06 - 0:09
    Uma produção
    Awakening Mind Films
  • 0:10 - 0:11
    Despertar
  • 0:11 - 0:14
    é o próximo estágio lógico
  • 0:14 - 0:15
    no desenvolvimento humano.
  • 0:15 - 0:18
    Despertar é apenas reconhecer
  • 0:18 - 0:20
    a natureza de nosso ser essencial.
  • 0:21 - 0:26
    Não se trata de uma experiência religiosa
    mística e distinta.
  • 0:26 - 0:28
    disponível apenas para alguns.
  • 0:28 - 0:30
    Está disponível para todos.
  • 0:30 - 0:33
    Nosso ser essencial já é
  • 0:34 - 0:36
    completamente consciente e desperto.
  • 0:36 - 0:38
    E é totalmente ilimitada.
  • 0:38 - 0:40
    Sua verdadeira natureza
  • 0:40 - 0:41
    está mais próxima
  • 0:42 - 0:45
    do que a pessoa que você pensa ser.
  • 0:45 - 0:46
    A consciência
  • 0:46 - 0:49
    é a realidade suprema do Universo.
  • 0:49 - 0:51
    O próximo passo da ciência
  • 0:51 - 0:52
    é perceber
  • 0:52 - 0:54
    que a consciência é fundamental.
  • 0:54 - 0:56
    O que é despertar, afinal?
  • 0:56 - 0:58
    Alguém me explica?
  • 1:05 - 1:09
    O DESPERTAR DA MENTE
  • 1:10 - 1:15
    Parte 1: CONHECE-TE A TI MESMO
  • 1:24 - 1:26
    O que significa despertar?
  • 1:27 - 1:30
    Se chamar de o Eu Verdadeiro,
  • 1:30 - 1:33
    o Eu Iminente, o Não Eu,
  • 1:33 - 1:34
    Natureza Buda,
  • 1:34 - 1:37
    Tao ou Consciência de Cristo,
  • 1:37 - 1:39
    não faz diferença alguma.
  • 1:40 - 1:45
    Neste filme,
    utilizaremos o termo Consciência.
  • 1:46 - 1:49
    Consciência não pertence a nenhuma
    religião.
  • 1:50 - 1:53
    Despertar ou perceber a consciência
  • 1:53 - 1:55
    é como acordar de um sonho.
  • 1:56 - 1:58
    O sonho do seu personagem
  • 1:58 - 2:00
    na trama da vida.
  • 2:02 - 2:05
    Por meio de nossos personagens,
    desfrutamos o mundo
  • 2:06 - 2:10
    em toda a sua beleza e feiura.
  • 2:10 - 2:14
    Podemos chamar a experiência de
    vida e morte de dualidade.
  • 2:15 - 2:17
    Damos voltas em círculos
  • 2:18 - 2:22
    obcecados pelos pensamentos e sensações
    do personagem.
  • 2:23 - 2:24
    Bom e mau.
  • 2:24 - 2:26
    Guerra e paz.
  • 2:26 - 2:27
    Luz e escuridão.
  • 2:28 - 2:30
    Nascimento e morte.
  • 2:30 - 2:34
    Até que despertamos
    e descobrimos que não somos o personagem.
  • 3:00 - 3:02
    O CONVITE
  • 3:03 - 3:06
    Neste filme, convidamos você
  • 3:06 - 3:10
    a experienciar na prática sua
    verdadeira natureza.
  • 3:11 - 3:13
    A descobrir na prática,
  • 3:13 - 3:15
    não intelectualmente:
  • 3:15 - 3:17
    -Quem é você?
  • 3:18 - 3:20
    Refaremos o convite
  • 3:20 - 3:22
    de diversas formas.
  • 3:23 - 3:26
    Ao questionar sua natureza,
  • 3:26 - 3:30
    deixe que tudo permaneça como está.
  • 3:31 - 3:35
    Não recorra à mente em busca
    de algo,
  • 3:35 - 3:38
    ou para encontrar respostas em nível
    intelectual.
  • 3:39 - 3:42
    E mesmo assim, não a expulse.
  • 3:42 - 3:47
    Busque apenas sentir na prática
    quem você é.
  • 3:47 - 3:51
    Permitindo que a mente permaneça alheia.
  • 4:02 - 4:06
    Despertar é a solução para todos
    os problemas do mundo.
  • 4:07 - 4:08
    Em todos os níveis.
  • 4:09 - 4:13
    Todos os problemas do mundo decorrem
    de um equívoco.
  • 4:14 - 4:17
    O equívoco primordial da mente.
  • 4:18 - 4:22
    O equívoco é que sou este personagem
    limitado.
  • 4:23 - 4:25
    Quando nos identificamos com o eu pequeno
    e individual,
  • 4:26 - 4:30
    há sempre uma sensação constante
    de insatisfação.
  • 4:30 - 4:34
    Pode ser uma
    insatisfação forte, como trauma,
  • 4:35 - 4:38
    ou apenas uma sensação vaga.
  • 4:38 - 4:40
    -Algo não está certo.
  • 4:40 - 4:42
    -Há algo de errado.
    -Algo me falta.
  • 4:43 - 4:48
    Mesmo quando sinto prazer,
    ou quando conquisto as coisas.
  • 4:48 - 4:51
    Mesmo quando tenho um bom relacionamento.
  • 4:51 - 4:55
    Se eu parar por um instante,
  • 4:55 - 4:58
    vem aquele sentimento de insatisfação
  • 4:59 - 5:00
    como se eu tivesse isolado ou
  • 5:01 - 5:02
    desconectado.
  • 5:03 - 5:08
    Portanto, este sentimento, que muitos
    parecem ter
  • 5:09 - 5:12
    pode nos levar a despertar
  • 5:12 - 5:14
    do eu pequeno e individual,
  • 5:14 - 5:19
    cuja natureza se assemelha
    à ansiedade de separação.
  • 5:19 - 5:25
    O personagem limitado
    tende a se agarrar ao que deseja.
  • 5:25 - 5:28
    Opera como um acumulado de padrões
    condicionados
  • 5:28 - 5:31
    que implora por seus desejos,
  • 5:31 - 5:33
    ou afasta as coisas indesejadas.
  • 5:33 - 5:36
    É um processo interminável
  • 5:37 - 5:40
    do princípio de prazer,
  • 5:40 - 5:42
    buscando o prazer,
    evitando a dor.
  • 5:43 - 5:45
    E se acreditarmos
  • 5:45 - 5:47
    ser esse personagem,
  • 5:48 - 5:49
    esse padrão condicionado,
  • 5:49 - 5:53
    então sofremos,
    e criamos sofrimento no mundo.
  • 5:53 - 5:59
    O mundo se torna o reflexo de tal
    consciência egoica.
  • 6:00 - 6:02
    A vantagem de despertar
  • 6:02 - 6:05
    é que você sofre menos,
  • 6:05 - 6:08
    e as pessoas ao seu redor
    sofrem menos.
  • 6:09 - 6:10
    Não tenho dúvidas
  • 6:10 - 6:13
    de que minha conexão inicial com
  • 6:14 - 6:16
    minha compreensão de Deus
  • 6:17 - 6:19
    foi um despertar em minha vida.
  • 6:20 - 6:22
    O maior despertar pelo qual
    já passei.
  • 6:23 - 6:24
    Foi
  • 6:24 - 6:28
    como se estivesse adormecido
    por 50 anos.
  • 6:28 - 6:30
    Andando por aí como um robô,
  • 6:30 - 6:32
    fazendo as coisas como haviam me ensinado.
  • 6:33 - 6:37
    Desde garoto, eu já tinha aprendido
    a fórmula,
  • 6:37 - 6:39
    Arrumar uma namorada,
    um carro,
  • 6:39 - 6:42
    um trabalho, uma casa,
    uma esposa.
  • 6:42 - 6:45
    A fórmula que pensei ser
  • 6:45 - 6:46
    como a vida deveria funcionar.
  • 6:46 - 6:50
    Até que fiz 53 anos e percebi que,
  • 6:50 - 6:54
    apesar de ter feito a maioria daquelas
    coisas e ter obtido...
  • 6:54 - 6:56
    sucesso profissional,
  • 6:56 - 6:57
    até certo ponto,
  • 6:58 - 7:00
    foi que percebi que nada daquilo
    importava.
  • 7:00 - 7:04
    Acordei por volta dos 53 anos
    me dando conta que...
  • 7:04 - 7:06
    nada disso importa.
  • 7:06 - 7:08
    Nada disso tem significado algum.
  • 7:09 - 7:12
    Fiquei chocado ao me dar conta
  • 7:13 - 7:15
    do quão sem sentido era
    tudo aquilo.
  • 7:20 - 7:25
    QUEM É VOCÊ?
  • 7:30 - 7:32
    Quando você deixa de seguir o roteiro
  • 7:32 - 7:35
    que foi estabelecido para seu personagem.
  • 7:35 - 7:38
    Aquele herdado dos pais, da sociedade,
  • 7:38 - 7:41
    e do condicionamento biológico.
  • 7:41 - 7:45
    Aí, novas dimensões se abrem no jogo.
  • 7:45 - 7:47
    O caminho se abre.
  • 7:48 - 7:52
    Mas não é um caminho que o leva a
    certo destino.
  • 7:52 - 7:55
    É um caminho sem caminho.
  • 7:55 - 7:57
    O despir da ilusão
  • 7:57 - 8:01
    para chegar
    exatamente aonde você está.
  • 8:01 - 8:02
    No presente momento.
  • 8:11 - 8:13
    Meu nome é Rupert Spira.
  • 8:13 - 8:15
    Eu falo sobre
  • 8:15 - 8:18
    a compreensão essencial da
    não-dualidade que
  • 8:19 - 8:20
    fundamenta todas
  • 8:20 - 8:23
    as grandes tradições religiosas
    e espirituais.
  • 8:23 - 8:27
    Também escrevo e conduzo
  • 8:27 - 8:29
    meditações guiadas e proponho
  • 8:29 - 8:31
    conversas
  • 8:31 - 8:34
    cujo propósito é levar
  • 8:34 - 8:38
    a um reconhecimento empírico
  • 8:39 - 8:42
    dessa compreensão.
  • 8:42 - 8:44
    Entenda que
  • 8:44 - 8:47
    a paz e a felicidade
  • 8:47 - 8:49
    pelas quais todos nós almejamos,
  • 8:49 - 8:53
    acima de tudo, jamais podem,
  • 8:53 - 8:54
    por definição,
  • 8:54 - 8:57
    ser encontradas na experiência objetiva.
  • 8:58 - 9:00
    Jamais podem ser oferecidas
    por objetos,
  • 9:00 - 9:02
    substâncias, atividades
  • 9:03 - 9:04
    ou relacionamentos.
  • 9:05 - 9:06
    Sugiro
  • 9:07 - 9:10
    entender isso claramente.
  • 9:10 - 9:12
    E não passar o resto da vida
  • 9:12 - 9:14
    buscado realização
  • 9:14 - 9:17
    onde ela não pode ser encontrada.
  • 9:17 - 9:19
    Todos que assistem a este filme,
  • 9:19 - 9:20
    fazem isso
  • 9:20 - 9:22
    exatamente porque
  • 9:22 - 9:25
    ou entenderam
  • 9:25 - 9:27
    ou pelo menos perceberam
  • 9:27 - 9:30
    que a paz e a felicidade pelas quais
    almejam
  • 9:30 - 9:34
    não podem ser encontradas na
    experiência objetiva.
  • 9:34 - 9:36
    E iniciaram
  • 9:36 - 9:39
    essa investigação
    sobre sua verdadeira natureza.
  • 9:39 - 9:42
    Essa é a investigação mais importante
  • 9:43 - 9:46
    que alguém pode fazer e é
    a investigação
  • 9:46 - 9:49
    da qual depende
  • 9:50 - 9:51
    nossa felicidade.
  • 9:52 - 9:55
    A grande questão da
    minha vida, sem dúvidas,
  • 9:55 - 9:57
    que acredito ser a questão
  • 9:57 - 9:59
    que todos enfrentam, uma hora ou outra,
  • 9:59 - 10:00
    é:
  • 10:01 - 10:03
    -Qual é o objetivo, de fato?
  • 10:03 - 10:06
    -Qual é o sentido da vida?
  • 10:06 - 10:08
    E, para minha surpresa,
  • 10:08 - 10:10
    soube que
  • 10:10 - 10:12
    o sentido da vida não tinha nada a ver
  • 10:13 - 10:15
    com o que eu vinha fazendo.
  • 10:16 - 10:18
    Não se tratava do meu emprego.
  • 10:18 - 10:20
    Nem da minha carreira.
  • 10:20 - 10:22
    Não se tratava de
  • 10:22 - 10:25
    praticamente
    nada da minha vida física.
  • 10:25 - 10:27
    Esses eram aspectos da minha vida,
  • 10:27 - 10:29
    mas não o sentido em si.
  • 10:30 - 10:33
    O sentido da minha vida,
    como passei a entendê-lo,
  • 10:34 - 10:35
    era que eu
  • 10:35 - 10:39
    vivenciasse, expressasse, demonstrasse
    e preenchesse
  • 10:40 - 10:41
    minha identidade verdadeira.
  • 10:41 - 10:43
    Quem eu realmente sou.
  • 10:44 - 10:46
    Creio que a pergunta mais importante
  • 10:46 - 10:48
    que a maioria enfrenta
  • 10:48 - 10:52
    é a pergunta que quase ninguém
    se faz.
  • 10:52 - 10:53
    Muito menos responde.
  • 10:54 - 10:56
    A grande pergunta da vida,
  • 10:57 - 10:58
    segundo meu entendimento é:
  • 10:58 - 10:59
    -Quem sou eu?
  • 11:01 - 11:02
    -Quem sou eu?
  • 11:06 - 11:08
    Sou apenas uma entidade física,
  • 11:08 - 11:11
    como um pássaro no céu
    ou peixe no mar?
  • 11:11 - 11:14
    Claro, talvez mais sofisticado.
  • 11:15 - 11:16
    Mas apenas uma entidade física.
  • 11:16 - 11:19
    Eu nasço, vivo e morro.
  • 11:19 - 11:21
    Nada além disso.
  • 11:21 - 11:23
    Ou seria possível,
  • 11:24 - 11:25
    quem sabe,
  • 11:26 - 11:27
    que sou mais do que isso?
  • 11:28 - 11:31
    Será que sou uma entidade espiritual
  • 11:31 - 11:34
    apenas tendo uma experiência física?
  • 11:39 - 11:42
    Todas as experiências da sua vida
  • 11:42 - 11:45
    te levam à grande questão universal:
  • 11:46 - 11:48
    -Quem é você?
  • 11:51 - 11:54
    Não busque uma resposta com a mente.
  • 11:57 - 12:01
    Deixe as coisas exatamente como estão.
  • 12:05 - 12:08
    -Quem percebe a mente?
  • 12:11 - 12:14
    -Sinta tudo que vier à tona.
  • 12:17 - 12:20
    -Quem percebe esses sentimentos?
  • 12:23 - 12:27
    -Experiencie plenamente tudo que
    vier à tona
  • 12:27 - 12:29
    ao se fazer essas perguntas.
  • 12:42 - 12:45
    Sou o Donald Hoffman e sou
    professor emérito
  • 12:45 - 12:48
    de ciências cognitivas
    na Universidade da Califórnia em Irvine.
  • 12:48 - 12:53
    Meu trabalho era lecionar, mas agora
    sou emérito e não leciono mais.
  • 12:53 - 12:54
    Agora sou pesquisador.
  • 12:54 - 12:57
    Atualmente pesquiso sobre a consciência.
  • 12:57 - 12:59
    Modelos matemáticos da consciência,
  • 12:59 - 13:03
    e como a física e o espaço-tempo
    podem surgir
  • 13:03 - 13:05
    de uma teoria da consciência
    completamente precisa
  • 13:05 - 13:07
    do ponto de vista matemático.
  • 13:08 - 13:11
    Minha própria jornada tem sido
  • 13:11 - 13:14
    tanto do lado espiritual
    quanto do lado científico.
  • 13:15 - 13:17
    Meu pai era pastor,
  • 13:18 - 13:20
    um pastor cristão fundamentalista.
  • 13:20 - 13:23
    Então, eu aprendia isso aos domingos
  • 13:23 - 13:25
    e aprendia ciência na escola,
  • 13:25 - 13:26
    e os dois colidiam, certo?
  • 13:26 - 13:30
    As histórias que
    ouvia eram contraditórias.
  • 13:30 - 13:31
    Então,
  • 13:31 - 13:34
    na adolescência, percebi que
    precisaria descobrir as coisas
  • 13:34 - 13:35
    por conta própria.
  • 13:35 - 13:37
    E decidi...
  • 13:38 - 13:40
    A pergunta que queria
    responder era:
  • 13:40 - 13:41
    -Somos máquinas?
  • 13:41 - 13:44
    -As pessoas são simplesmente
    máquinas ou não?
  • 13:44 - 13:46
    Do ponto de vista físico,
  • 13:47 - 13:49
    éramos apenas máquinas.
  • 13:49 - 13:52
    Do ponto de vista
    espiritual, não seríamos máquinas.
  • 13:52 - 13:55
    Não podia afirmar
    com certeza o que seríamos.
  • 13:55 - 13:58
    Então, decidi fazer a pergunta
  • 13:59 - 14:00
    cientificamente.
  • 14:00 - 14:01
    -Somos apenas máquinas?
  • 14:01 - 14:03
    E a melhor forma que encontrei
  • 14:03 - 14:05
    foi estudar inteligência artificial.
  • 14:05 - 14:07
    Então, ingressei no MIT
  • 14:07 - 14:10
    e fiquei no laboratório
    de inteligência artificial
  • 14:10 - 14:12
    estudando inteligência artificial.
  • 14:12 - 14:15
    E no departamento de
    neurociência e ciências cognitivas
  • 14:15 - 14:17
    estudando o lado humano
    das coisas.
  • 14:17 - 14:18
    Pois queria ambos.
  • 14:18 - 14:20
    O que as máquinas podem fazer?
  • 14:20 - 14:22
    E o que há de especial,
    se é que há,
  • 14:22 - 14:24
    nos humanos e na neurociência
    humana.
  • 14:24 - 14:26
    Para responder essa...
  • 14:26 - 14:27
    essa pergunta:
  • 14:27 - 14:29
    -As tradições espirituais têm razão?
  • 14:29 - 14:31
    -Somos mais do que meras máquinas?
  • 14:31 - 14:34
    Ou o ponto de vista físico científico
  • 14:34 - 14:36
    tem razão e
    somos meras máquinas e
  • 14:36 - 14:39
    a consciência é um mero artefato
  • 14:39 - 14:40
    da atividade cerebral?
  • 14:43 - 14:49
    O paradigma científico materialista
    em predominância no último século,
  • 14:49 - 14:53
    nega a existência de qualquer coisa
    além do físico.
  • 14:54 - 14:58
    Qualquer coisa que não possa ser
    verificada pelo método científico.
  • 14:59 - 15:01
    A ciência está diante de um impasse.
  • 15:01 - 15:04
    Ela não consegue ir além do paradoxo
  • 15:04 - 15:06
    fundamental à física quântica.
  • 15:06 - 15:09
    Que a trouxe cara a cara com o observador,
  • 15:10 - 15:12
    com a consciência em si.
  • 15:13 - 15:18
    Da mesma forma, as religiões funcionam,
    em geral, apenas no nível da crença.
  • 15:19 - 15:22
    Perderam seu propósito original,
  • 15:22 - 15:24
    que era levar à experiência
  • 15:24 - 15:27
    da verdade de quem e o que somos.
  • 15:28 - 15:31
    A separação entre a ciência
    e a espiritualidade
  • 15:31 - 15:34
    empobreceu ambas.
  • 15:35 - 15:37
    Religiões e sistemas espirituais
  • 15:37 - 15:40
    carecem intensamente de
    métodos rigorosos
  • 15:40 - 15:42
    que possam criar condições
    favoráveis
  • 15:42 - 15:43
    para o despertar.
  • 15:44 - 15:47
    E a ciência precisa desesperadamente
    se abrir
  • 15:47 - 15:50
    à possibilidade de algo além
    do físico.
  • 15:50 - 15:54
    Não se trata de largar a religião
    ou a ciência,
  • 15:54 - 15:56
    mas de se aprofundar.
  • 15:56 - 15:59
    De estarmos dispostos a mudar a nós mesmos
  • 15:59 - 16:03
    para que nos tornemos uma melhor
    ferramenta de investigação.
  • 16:03 - 16:06
    Conduzimos o experimento
  • 16:06 - 16:09
    e somos o experimento em si.
  • 16:11 - 16:13
    A religião tem sido a linguagem
  • 16:13 - 16:15
    e o instrumento
  • 16:15 - 16:17
    dessas tradições
  • 16:17 - 16:19
    de meditação
  • 16:19 - 16:21
    e espiritualidade.
  • 16:21 - 16:24
    Que foram registradas e
  • 16:24 - 16:26
    transmitidas
  • 16:26 - 16:27
    pelas gerações.
  • 16:28 - 16:31
    Sem dúvida, há linguagens
  • 16:31 - 16:33
    muito literais
  • 16:33 - 16:36
    que separam religiões e separam
  • 16:36 - 16:39
    culturas quando as coisas
    são levadas ao pé da letra.
  • 16:39 - 16:44
    Mas quando se sente o espírito
    da religião,
  • 16:44 - 16:50
    é possível traçar o caminho de volta ao
    autêntico despertar.
  • 16:50 - 16:52
    O potencial existe em todos,
  • 16:52 - 16:55
    independentemente de crença ou
    falta de crença,
  • 16:55 - 16:58
    pois despertar é
  • 16:58 - 17:00
    inerente à nossa consciência humana
  • 17:00 - 17:01
    simplesmente por
  • 17:02 - 17:03
    estarmos vivos.
  • 17:03 - 17:05
    Portanto,
    independentemente do nome
  • 17:05 - 17:06
    ou da linguagem usada,
  • 17:07 - 17:10
    há certos princípios que parecem ser
    os mesmos
  • 17:11 - 17:14
    em todas essas diferentes religiões,
  • 17:14 - 17:17
    espiritualidades e tradições de meditação.
  • 17:17 - 17:20
    Quando eu era mais novo,
  • 17:20 - 17:22
    essa compreensão existia
    predominantemente
  • 17:22 - 17:25
    nas tradições espirituais do Oriente.
  • 17:25 - 17:27
    Ele existia nas tradições...
  • 17:28 - 17:28
    do Ocidente.
  • 17:28 - 17:32
    Mas ficava tão disfarçada e codificada
  • 17:32 - 17:33
    em tais tradições
  • 17:34 - 17:36
    que se tornou praticamente inacessível.
  • 17:36 - 17:37
    Então, muitas pessoas
  • 17:37 - 17:40
    da minha geração foram fisicamente,
  • 17:40 - 17:43
    ou pelo menos intelectualmente,
    ao Oriente
  • 17:43 - 17:45
    para encontrar essa compreensão.
  • 17:46 - 17:50
    E a cultura oriental, comparada à
  • 17:50 - 17:53
    cultura ocidental, é exótica.
  • 17:54 - 17:56
    E portanto, essa compreensão
  • 17:56 - 17:59
    adquiriu traços exóticos
  • 17:59 - 18:03
    das culturas nas quais ela era expressada.
  • 18:04 - 18:06
    E muitos, inclusive eu,
  • 18:08 - 18:10
    acabaram imaginando
  • 18:10 - 18:13
    que havia algo de exótico
  • 18:12 - 18:14
    na compreensão da não-dualidade.
  • 18:14 - 18:17
    Que era necessário um
  • 18:17 - 18:19
    estilo de vida extraordinário.
  • 18:19 - 18:21
    Que era preciso renunciar à
    vida familiar,
  • 18:21 - 18:22
    ou, ou
  • 18:22 - 18:23
    deixar o cabelo crescer
  • 18:23 - 18:25
    ou usar um nome especial,
  • 18:25 - 18:28
    ou se associar a um tipo de professor
  • 18:29 - 18:30
    ou tradição.
  • 18:30 - 18:32
    Envolver-se em práticas inusitadas.
  • 18:32 - 18:34
    Esse monte de coisas
  • 18:34 - 18:37
    que não tinham nada a ver com a
    compreensão central.
  • 18:37 - 18:40
    Tinham a ver com a cultura na qual
  • 18:40 - 18:42
    a compreensão era expressada
  • 18:42 - 18:43
    em um dado momento.
  • 18:44 - 18:45
    Hoje,
  • 18:45 - 18:48
    ela foi completamente despida
  • 18:48 - 18:51
    da roupagem cultural tradicional
  • 18:51 - 18:53
    através da qual muitos de nós tivemos
  • 18:53 - 18:54
    o primeiro contato.
  • 18:55 - 18:56
    E agora, apenas
  • 18:56 - 18:59
    a compreensão essencial
  • 18:59 - 19:00
    é passada
  • 19:00 - 19:02
    de uma forma que nos permite
  • 19:02 - 19:04
    continuar levando nossas vidas
  • 19:04 - 19:06
    exatamente como elas são.
  • 19:06 - 19:08
    Vida familiar, vida profissional.
  • 19:08 - 19:10
    Não é preciso fazer nenhuma
  • 19:11 - 19:13
    mudança externa em nossa vida.
  • 19:14 - 19:16
    O desafio que enfrentamos neste planeta
  • 19:17 - 19:19
    é que achamos que há mais do que uma
  • 19:20 - 19:21
    essência.
  • 19:21 - 19:23
    Portanto, vivemos em um...
  • 19:23 - 19:26
    um mundo que chamaria de
    "mundo da dualidade".
  • 19:27 - 19:29
    Há macho e fêmea,
    preto e branco.
  • 19:30 - 19:32
    Grande e pequeno,
    rápido e lento.
  • 19:32 - 19:34
    Para cima e para baixo,
    aqui e ali.
  • 19:34 - 19:35
    Antes e depois.
  • 19:36 - 19:38
    Mas, na realidade, há apenas uma coisa.
  • 19:39 - 19:41
    Todas as coisas são uma coisa só.
  • 19:43 - 19:45
    E só existe uma coisa.
  • 19:45 - 19:48
    Então, acontece que quando analisamos
    tudo profundamente,
  • 19:48 - 19:50
    vemos que aqui e ali,
  • 19:50 - 19:51
    grande e pequeno,
    rápido e lento
  • 19:51 - 19:53
    Para cima e para baixo,
    esquerda e direita,
  • 19:53 - 19:55
    macho e fêmea
  • 19:55 - 19:57
    são todos a mesma coisa
  • 19:57 - 20:00
    apenas expressando características
    diferentes.
  • 20:01 - 20:03
    Mas de forma alguma separados
    uns dos outros.
  • 20:03 - 20:05
    Creio que todos nós
  • 20:06 - 20:08
    somos individuações
  • 20:09 - 20:10
    de Deus.
  • 20:11 - 20:14
    Creio que Deus exista em, como e através
  • 20:14 - 20:15
    de cada
  • 20:15 - 20:16
    ser
  • 20:16 - 20:17
    humano.
  • 20:17 - 20:21
    Aliás, isso se aplica a cada ser senciente
    do universo.
  • 20:22 - 20:25
    Percebo, então, que estou para Deus
  • 20:26 - 20:28
    assim como a onda está para o oceano.
  • 20:29 - 20:31
    A onda não é diferente do oceano.
  • 20:31 - 20:34
    É apenas o oceano se erguendo
  • 20:35 - 20:36
    de forma individual.
  • 20:37 - 20:39
    E quando a individuação se completa,
  • 20:40 - 20:43
    a onda recua de volta ao oceano
    de onde veio,
  • 20:43 - 20:45
    para se erguer novamente
  • 20:45 - 20:46
    um outro dia.
  • 20:47 - 20:50
    Portanto, acredito que somos todos
    individuações
  • 20:51 - 20:52
    da divindade.
  • 20:52 - 20:55
    E quando vemos tudo como divino,
  • 20:55 - 20:58
    nosso relacionamento com tudo
    também muda.
  • 20:59 - 21:01
    E tudo
  • 21:01 - 21:03
    se transforma em nossa experiência.
  • 21:04 - 21:07
    É assim que o mundo muda.
  • 21:10 - 21:14
    O QUE É CONSCIÊNCIA?
  • 21:17 - 21:19
    Consciência
  • 21:19 - 21:21
    é a realidade suprema do Universo.
  • 21:22 - 21:24
    A pergunta que fica,
  • 21:24 - 21:25
    já que a consciência é
  • 21:25 - 21:27
    a realidade suprema do Universo,
  • 21:27 - 21:30
    e tudo e todos também são.
  • 21:30 - 21:31
    Então, como é
  • 21:32 - 21:33
    que
  • 21:34 - 21:36
    o mundo se apresenta a nós
  • 21:36 - 21:39
    como uma multiplicidade e diversidade,
  • 21:39 - 21:42
    existindo independentemente
    e individualmente,
  • 21:43 - 21:45
    de pessoas, animais e coisas,
  • 21:45 - 21:48
    todos feitos de algo chamado de matéria?
  • 21:48 - 21:49
    Como podemos reconciliar
  • 21:50 - 21:51
    essa afirmação de que
  • 21:51 - 21:54
    a consciência é a realidade
    suprema do Universo
  • 21:54 - 21:55
    quando ela se apresenta
  • 21:55 - 21:59
    como uma multiplicidade e diversidade
    de objetos feitos de matéria?
  • 21:59 - 22:02
    O indício que estou usando
    para indicar que
  • 22:02 - 22:04
    a consciência é fundamental
  • 22:05 - 22:07
    tem muitos aspetos.
  • 22:08 - 22:09
    Um deles é que
  • 22:09 - 22:13
    a própria física
    diz que o espaço-tempo não é fundamental.
  • 22:13 - 22:16
    E a teoria evolutiva também concorda
    que o espaço-tempo
  • 22:16 - 22:19
    e objetos físicos
    não são a realidade fundamental.
  • 22:19 - 22:22
    Ambas as teorias nos dizem
  • 22:22 - 22:24
    apenas isso, que o espaço-tempo
    não é fundamental.
  • 22:24 - 22:27
    Não nos dizem o que está além
    do espaço-tempo.
  • 22:28 - 22:29
    Então,
  • 22:29 - 22:32
    meu argumento é que
    o que os físicos estão descobrindo
  • 22:32 - 22:35
    além do espaço-tempo são estruturas
    matemáticas.
  • 22:35 - 22:39
    Mas, do que se tratam não fica muito
    claro.
  • 22:39 - 22:41
    -De que se trata esse campo além
    do espaço-tempo?
  • 22:42 - 22:43
    Portanto, proponho
  • 22:43 - 22:46
    que esse campo se trate da consciência.
  • 22:46 - 22:49
    Eu diria que a consciência infinita
  • 22:49 - 22:52
    é capaz de se localizar
  • 22:52 - 22:55
    e existir enquanto vários
    seres individuais.
  • 22:55 - 22:57
    Em outras palavras, todos
  • 22:57 - 22:58
    os seres sencientes.
  • 22:58 - 22:59
    Todas as pessoas ou animais.
  • 23:00 - 23:01
    Cada um de nós é
  • 23:01 - 23:04
    uma localização da consciência infinita,
  • 23:04 - 23:06
    dentro da consciência infinita,
  • 23:06 - 23:08
    feito puramente de consciência infinita,
  • 23:08 - 23:10
    de cuja perspectiva
  • 23:10 - 23:11
    ela enxerga
  • 23:11 - 23:13
    sua própria atividade
  • 23:13 - 23:15
    como o mundo exterior.
  • 23:15 - 23:19
    Então, o que nos parece um mundo
    feito de matéria,
  • 23:19 - 23:22
    de acordo com
    nossa perspectiva "localizada",
  • 23:22 - 23:24
    é, do ponto de vista da realidade,
  • 23:24 - 23:26
    apenas a atividade
  • 23:26 - 23:28
    da única consciência infinita.
  • 23:29 - 23:31
    Ou seja, em última análise,
  • 23:31 - 23:32
    não há
  • 23:33 - 23:37
    coisas individuais ou
    existindo independentemente.
  • 23:37 - 23:38
    Ou pessoas.
  • 23:38 - 23:41
    Existe apenas um todo indivisível
    e infiníto.
  • 23:42 - 23:43
    A unidade de existência.
  • 23:44 - 23:45
    Que é meramente refratada
  • 23:46 - 23:50
    em uma aparente multiplicidade e
    diversidade de objetos e coisas.
  • 23:50 - 23:54
    Quando Ele observa sua
    própria atividade
  • 23:54 - 23:57
    pelas faculdades de percepção
  • 23:57 - 23:59
    da mente finita.
  • 24:00 - 24:03
    Quando estamos despertos, percebemos
  • 24:03 - 24:05
    que há uma consciência
  • 24:06 - 24:10
    que se disfarça de todos esses seres
    no planeta.
  • 24:10 - 24:14
    Uma consciência que brilha nos olhos
    de todos.
  • 24:14 - 24:15
    Então,
  • 24:15 - 24:18
    literalmente nos vemos nos outros.
  • 24:19 - 24:22
    E, a tendência de agir pelo ego,
  • 24:23 - 24:27
    a tendência de tirar proveito
  • 24:27 - 24:28
    desaparece
  • 24:28 - 24:31
    porque percebemos diretamente a verdade.
  • 24:32 - 24:35
    A verdade é que somo todos uma só
    consciência.
  • 24:36 - 24:39
    A experiência do meu Eu espiritual
  • 24:40 - 24:43
    só foi possível no domínio físico
  • 24:44 - 24:45
    por uma excelente razão.
  • 24:45 - 24:48
    Pois é apenas no domínio físico que
    o oposto
  • 24:49 - 24:50
    pode ser encontrado.
  • 24:50 - 24:53
    Ou seja, para ilustrar
    de forma simples.
  • 24:54 - 24:57
    Se eu quisesse ter a experiência,
    falando metaforicamente,
  • 24:57 - 25:00
    de ser a luz.
  • 25:00 - 25:03
    Isso não seria possível
    se eu estivesse mergulhado nela.
  • 25:03 - 25:06
    Nada mais ao meu redor além da luz.
  • 25:06 - 25:08
    Que é a perfeita definição
  • 25:09 - 25:10
    do domínio espiritual.
  • 25:11 - 25:12
    Então, venho a um domínio,
  • 25:13 - 25:17
    o qual chamo de domínio físico,
    onde há algo além da luz.
  • 25:17 - 25:20
    Pois se eu quiser ter a experiência
    de ser a luz,
  • 25:20 - 25:22
    não apenas saber que sou ela,
  • 25:23 - 25:24
    mas para ter a experiência,
  • 25:24 - 25:27
    só seria possível
    onde houvesse o oposto da luz.
  • 25:28 - 25:29
    Neste caso, a escuridão.
  • 25:30 - 25:31
    Portanto,
  • 25:31 - 25:34
    venho ao domínio físico
  • 25:34 - 25:36
    onde a luz e a escuridão
  • 25:36 - 25:38
    existem simultaneamente.
  • 25:38 - 25:40
    E, então, nessa
  • 25:40 - 25:43
    expressão externa de mim mesmo
    enquanto a luz,
  • 25:43 - 25:46
    eu poderia ser quem realmente sou.
  • 25:46 - 25:48
    Essa compreensão
  • 25:48 - 25:49
    sugere que,
  • 25:50 - 25:52
    por trás de nossas diferenças,
  • 25:52 - 25:55
    somos todos o mesmo ser.
  • 25:55 - 25:56
    Não seres parecidos.
  • 25:56 - 25:59
    Mas que somos todos literalmente um só.
  • 25:59 - 26:00
    O mesmo ser.
  • 26:00 - 26:01
    E...
  • 26:02 - 26:06
    o amor é a experiência percebida
  • 26:06 - 26:08
    dessa unicidade ou
  • 26:08 - 26:09
    "ser compartilhado".
  • 26:09 - 26:10
    É
  • 26:10 - 26:11
    um
  • 26:11 - 26:12
    teorema
  • 26:12 - 26:13
    de nossa teoria
  • 26:13 - 26:16
    que existe, em última análise,
    apenas uma consciência.
  • 26:16 - 26:19
    Há essa dinâmica de muitos agentes
    conscientes.
  • 26:19 - 26:22
    Mas, a teoria diz que, em última
    análise,
  • 26:22 - 26:24
    todos esses agentes conscientes são,
    na verdade,
  • 26:24 - 26:27
    projeções de uma única consciência.
  • 26:27 - 26:28
    O atual
  • 26:29 - 26:30
    paradigma da ciência,
  • 26:31 - 26:33
    e tem sido assim há séculos,
  • 26:33 - 26:38
    é que o espaço e o tempo são a natureza
    essencial da relidade
  • 26:38 - 26:38
    São irredutíveis
  • 26:39 - 26:41
    e são a base de tudo.
  • 26:41 - 26:45
    E antes do Einstein eram vistos
    como separados.
  • 26:45 - 26:46
    Agora, o espaço e o tempo juntos,
  • 26:46 - 26:48
    unificados em espaço-tempo,
  • 26:48 - 26:50
    são vistos como a natureza fundamental
    da realidade.
  • 26:50 - 26:53
    E a ciência, então, supôs que
  • 26:54 - 26:56
    o espaço-tempo e objetos dentro dele
  • 26:56 - 26:58
    são a realidade fundamental.
  • 26:58 - 26:59
    Então,
  • 26:59 - 27:01
    por exemplo, quando falamos
    da consciência,
  • 27:02 - 27:05
    ela deve ser, de alguma forma, fruto
  • 27:05 - 27:07
    de objetos no espaço e tempo.
  • 27:07 - 27:09
    Nessa base física,
  • 27:09 - 27:12
    o espaço e o tempo, e objetos físicos,
  • 27:12 - 27:14
    sem qualquer consciência,
  • 27:14 - 27:16
    são a realidade fundamental.
  • 27:16 - 27:17
    E a consciência
  • 27:17 - 27:20
    surge mais tarde
    na evolução do Universo, certo?
  • 27:21 - 27:22
    Então no Big Bang
  • 27:22 - 27:23
    não havia consciência,
  • 27:23 - 27:25
    havia apenas o espaço-tempo
    e energia.
  • 27:25 - 27:28
    A energia se aglutinou em partículas
    maciças,
  • 27:28 - 27:31
    e por fim a vida surgiu depois de
    sabe-se lá milhões,
  • 27:31 - 27:33
    centenas de milhões ou bilhões de anos.
  • 27:33 - 27:37
    Depois disso, a consciência surgiu
    ainda mais tarde.
  • 27:38 - 27:40
    Desse ponto de vista, quando você morre,
  • 27:40 - 27:44
    a complexidade física que deu origem
    à consciência se dissolve,
  • 27:44 - 27:45
    e então a sua consciência se dissolve.
  • 27:46 - 27:47
    Portanto, a base física
  • 27:47 - 27:49
    realmente desconsidera a consciência
  • 27:50 - 27:52
    como uma parte fundamental.
  • 27:52 - 27:55
    E diz que quando morremos, nossa
    consciência morre junto.
  • 27:57 - 27:59
    De outro ponto de vista,
  • 27:59 - 28:04
    eu e meus colegas
    usamos a teoria evolutiva para mostrar
  • 28:04 - 28:06
    que a teoria evolutiva subentende que
  • 28:06 - 28:08
    o espaço e o tempo não são
    fundamentais.
  • 28:09 - 28:12
    Portanto, a interpretação
    física da evolução está errada.
  • 28:12 - 28:15
    A ideia de que o espaço e o tempo
    e partículas
  • 28:15 - 28:18
    de alguma forma evoluíram
  • 28:19 - 28:22
    devido aos organismos humanos
  • 28:22 - 28:25
    é a base incorreta pois o
    espaço-tempo não é fundamental.
  • 28:25 - 28:29
    Estamos propondo uma dinâmica além
    do espaço-tempo muito mais valiosa.
  • 28:29 - 28:30
    A dinâmica da consciência.
  • 28:30 - 28:33
    O que não faremos é descartar
    as antigas teorias.
  • 28:33 - 28:36
    Quando os físicos dizem
    que o espaço-tempo está condenado,
  • 28:36 - 28:38
    não significa descartar o Einstein.
  • 28:39 - 28:41
    De forma alguma. Continuamos considerando
    o Einstein.
  • 28:41 - 28:43
    Qualquer nova teoria além
    do espaço-tempo
  • 28:43 - 28:45
    que os físicos venham
    a propor,
  • 28:45 - 28:47
    é melhor que se projete no
    espaço-tempo
  • 28:47 - 28:50
    e nos devolva Einstein
    e a teoria quântica.
  • 28:50 - 28:51
    Ou estão errados.
  • 28:51 - 28:53
    Todas nossas antigas teorias
  • 28:53 - 28:56
    são amigas maravilhosas.
  • 28:56 - 28:57
    E vamos mantê-las
  • 28:58 - 29:01
    como casos especiais de
    uma teoria mais profunda.
  • 29:01 - 29:03
    Em nossa teoria da consciência
    devemos fazer o mesmo.
  • 29:04 - 29:06
    Não podemos propor o que quisermos.
  • 29:06 - 29:09
    Temos que ter uma teoria que
    projete e nos devolva o espaço-tempo,
  • 29:09 - 29:12
    devolva a teoria quântica,
  • 29:12 - 29:16
    as relatividades restrita e geral
    e a evolução por seleção natural.
  • 29:17 - 29:18
    Se não pudermos fazer isso
  • 29:18 - 29:20
    de forma detalhada e precisa,
  • 29:21 - 29:24
    então, não há razão
    para os cientistas nos levarem a sério.
  • 29:25 - 29:27
    É como se a consciência infinita
    colocasse
  • 29:27 - 29:29
    um óculos de realidade virtual.
  • 29:29 - 29:33
    Um aparelho de realidade virtual
    feito de pensamento e percepção.
  • 29:33 - 29:35
    E ao fazê-lo,
  • 29:35 - 29:38
    assim que a consciência
    coloca os óculos,
  • 29:38 - 29:42
    ela se confina dentro de sua
    própria atividade.
  • 29:42 - 29:45
    E por meio desse aparelho,
  • 29:45 - 29:48
    ela enxerga usando as
    faculdades de percepção
  • 29:48 - 29:52
    da mente finita: visão, audição, tato,
    paladar e olfato.
  • 29:52 - 29:56
    E ela fragmenta
    a unicidade do seu próprio ser.
  • 29:57 - 30:00
    E toma a forma
    de milhares de coisas distintas.
  • 30:01 - 30:03
    O que estou dizendo é que
  • 30:04 - 30:07
    há muito mais por trás do Universo
  • 30:07 - 30:08
    do que a mente finita.
  • 30:08 - 30:10
    Não estou dizendo que
  • 30:10 - 30:14
    o Universo apareça apenas
    em nossas mentes finitas.
  • 30:15 - 30:18
    O Universo existe além delas,
  • 30:18 - 30:20
    mas dentro da consciência.
  • 30:20 - 30:23
    Mas são as limitações da nossa
    mente finita
  • 30:24 - 30:27
    que conferem ao Universo sua aparência.
  • 30:28 - 30:31
    Portanto, quando observamos o Universo,
  • 30:31 - 30:37
    vemos a realidade
    que existe antes de ele ser percebido.
  • 30:37 - 30:42
    Mas o observamos pela lente
    de nossas faculdades de percepção,
  • 30:43 - 30:45
    o que lhe confere sua aparência.
  • 30:46 - 30:48
    O conceito de despertar,
  • 30:48 - 30:50
    em muitas tradições espirituais,
    tem sido
  • 30:51 - 30:55
    o conceito de que o que entendemos
    por realidade,
  • 30:55 - 30:59
    objetos no espaço e tempo, nosso corpo
    físico e etc.,
  • 31:00 - 31:01
    não é a realidade final.
  • 31:01 - 31:03
    Que há uma realidade muito
    mais profunda.
  • 31:04 - 31:06
    Uma realidade de consciência
    que transcende
  • 31:06 - 31:08
    o espaço
    e tempo, e objetos físicos.
  • 31:08 - 31:11
    E que não nos separamos
    de tal realidade,
  • 31:11 - 31:15
    ela é, de certa forma, a essência
    do que somos.
  • 31:15 - 31:18
    Portanto, o despertar é acordar
    da ilusão
  • 31:18 - 31:20
    que somos apenas um corpo
    no espaço e tempo,
  • 31:20 - 31:24
    para o fato de que somos, de fato,
    os autores
  • 31:24 - 31:27
    de tudo que vemos no espaço e tempo.
    Criamos no improviso
  • 31:27 - 31:29
    conforme olhamos e percebemos.
  • 31:31 - 31:35
    COMO DESPERTAR?
  • 31:37 - 31:42
    A pessoa desperta ao reconhecer que
  • 31:43 - 31:46
    nossa natureza já é
  • 31:47 - 31:49
    totalmente desperta,
    totalmente consciente.
  • 31:50 - 31:51
    Completa, íntegra,
  • 31:51 - 31:53
    realizada e em paz.
  • 31:54 - 31:56
    É como perguntar:
    -Como o...
  • 31:56 - 32:00
    -Como o sol ilumina a si mesmo?
  • 32:00 - 32:04
    Sua natureza é luz.
    Já é completamente iluminado.
  • 32:04 - 32:06
    A natureza de nosso ser essencial
  • 32:06 - 32:09
    já é paz e felicidade.
  • 32:09 - 32:11
    Não fica claro para nós,
  • 32:11 - 32:15
    pois nossa essência está tão misturada
    com o conteúdo da experiência
  • 32:16 - 32:18
    que sua paz e felicidade inatas
  • 32:18 - 32:21
    são ofuscadas pela experiência.
  • 32:23 - 32:26
    Por isso, achamos que nossa essência
    precisa ser iluminada.
  • 32:26 - 32:29
    Não, nossa essência não precisa
    ser iluminada.
  • 32:29 - 32:32
    Assim como o sol não precisa ser "aceso"
    de manhã cedo.
  • 32:33 - 32:36
    O sol sempre brilha
    com a mesma intensidade.
  • 32:36 - 32:40
    Nossa essência sempre brilha
    com a mesma paz e alegria.
  • 32:40 - 32:44
    Mas a paz e alegria são ofuscadas pela
    sensação de falta e inquietação
  • 32:44 - 32:47
    que caracterizam nosso pensamentos e
    sentimentos.
  • 32:48 - 32:52
    Não há uma pessoa que desperta.
  • 32:52 - 32:54
    Então, então...
  • 32:54 - 32:55
    O Eu que despertou—
  • 32:57 - 32:59
    Eu acordei de minha própria estrutura
  • 33:00 - 33:01
    em um centro de meditação.
  • 33:01 - 33:03
    Um centro Zen.
  • 33:04 - 33:07
    Fazíamos um sesshin Zen,
  • 33:07 - 33:10
    que é um longo período de prática
    intensa.
  • 33:11 - 33:13
    Portanto, Zen é
  • 33:13 - 33:16
    ótimo para criar este ambiente
  • 33:16 - 33:19
    de onde não se pode escapar.
  • 33:19 - 33:22
    Então, o personagem do Dan
  • 33:23 - 33:25
    que havia aprendido meditação,
  • 33:25 - 33:28
    que vinha praticando a meditação...
  • 33:28 - 33:31
    Esse "praticante" de meditação
  • 33:31 - 33:34
    percebeu que não podia despertar.
  • 33:34 - 33:37
    Todos os truques de meditação,
  • 33:37 - 33:41
    todas as práticas aprendidas
  • 33:41 - 33:43
    não tinham valor.
  • 33:43 - 33:46
    Chegou ao ponto onde aquele personagem
  • 33:46 - 33:48
    que estava tentando despertar
  • 33:48 - 33:50
    não conseguiu despertar.
  • 33:51 - 33:52
    E foi necessário.
  • 33:53 - 33:55
    O personagem que eu vinha vivendo,
  • 33:55 - 33:58
    o personagem que vinha representando
    por toda minha vida,
  • 33:59 - 34:01
    tinha que se desprender ou falecer.
  • 34:01 - 34:02
    E,
  • 34:03 - 34:04
    o que restou
  • 34:04 - 34:08
    o que restou quando—
    quando não havia o "praticante",
  • 34:08 - 34:10
    quando não havia o meditador
  • 34:11 - 34:13
    meditando ou praticando algo
  • 34:14 - 34:15
    chamado de meditação.
  • 34:16 - 34:18
    O que restou foi
  • 34:18 - 34:20
    minha natureza verdadeira.
  • 34:20 - 34:21
    Ou eu,
    apenas eu.
  • 34:22 - 34:26
    Quando despertamos dessa ideia
    do eu pequeno e separado,
  • 34:26 - 34:28
    não é como se estivessemos
  • 34:28 - 34:30
    extinguindo o ego ou
  • 34:30 - 34:32
    lutando contra ele.
  • 34:33 - 34:37
    Na verdade, permitimos que ele
    se aposente parcialmente
  • 34:37 - 34:40
    de seu posto de identidade egoica.
  • 34:40 - 34:44
    E que ele relaxe para fazer parte de
    nosso
  • 34:44 - 34:47
    time, de nossa consciência.
  • 34:47 - 34:49
    E isso nos dá uma sensação
    de liberdade
  • 34:50 - 34:52
    logo que não estamos
  • 34:52 - 34:54
    observando o mundo
    por uma lente pequena.
  • 34:54 - 34:55
    Logo que
  • 34:55 - 34:58
    estamos com o coração
    e a mente abertos
  • 34:58 - 34:59
    de forma
  • 35:01 - 35:03
    expansiva e ainda,
  • 35:03 - 35:05
    ao mesmo tempo,
  • 35:05 - 35:06
    mais intimamente conectada.
  • 35:07 - 35:10
    Iluminação
    não se trata de se tornar desperto.
  • 35:10 - 35:14
    Ninguém se torna desperto
    ou iluminado. É o reconhecimento
  • 35:14 - 35:15
    da luz,
  • 35:16 - 35:17
    a luz do puro saber,
  • 35:18 - 35:22
    cuja natureza é
    a paz e felicidade que sempre fomos.
  • 35:27 - 35:28
    Meu nome é Lisa Natoli.
  • 35:28 - 35:31
    Sou professora espiritual.
  • 35:31 - 35:32
    Falo sobre cura,
  • 35:32 - 35:35
    despertar e transformação.
  • 35:35 - 35:39
    Despertar é o reconhecimento de sua
    verdadeira natureza.
  • 35:40 - 35:43
    É o reconhecimento do que
    realmente somos,
  • 35:43 - 35:45
    que é consciência.
  • 35:45 - 35:48
    E consciência é apenas uma palavra
  • 35:48 - 35:50
    para as muitas
    palavras que as pessoas usam
  • 35:51 - 35:52
    para percepção,
  • 35:53 - 35:54
    vida,
  • 35:54 - 35:55
    amor,
  • 35:55 - 35:56
    Deus,
  • 35:57 - 35:58
    luz.
  • 35:59 - 36:02
    É despertar para a compreensão
  • 36:03 - 36:04
    de que não sou este corpo.
  • 36:05 - 36:09
    Que sou aquilo que nunca morre,
    e aquilo que nunca nasce.
  • 36:09 - 36:10
    e
  • 36:10 - 36:11
    o
  • 36:12 - 36:14
    o jeito mais fácil para mim—
  • 36:14 - 36:16
    foi muito difícil para mim.
  • 36:16 - 36:20
    Estou no caminho espiritual
    desde 1992.
  • 36:20 - 36:23
    Comecei lendo
    "Um Curso em Milagres"
  • 36:23 - 36:25
    Estudava aquele livro religiosamente.
  • 36:25 - 36:28
    Eu estava tão empenhada
  • 36:29 - 36:32
    em conhecer o Eu,
    conhecer Deus, despertar...
  • 36:34 - 36:35
    Não estava rolando.
  • 36:35 - 36:41
    Pois eu estava sob a crença
    que despertar envolvia algo místico.
  • 36:41 - 36:44
    Que algo aconteceria, que algo
  • 36:44 - 36:46
    aconteceria de fato.
  • 36:46 - 36:48
    E seria como Jesus,
  • 36:48 - 36:52
    ou Buda, ou todos
    esses mestres iluminados,
  • 36:53 - 36:55
    e não estava rolando para mim.
  • 36:55 - 36:56
    Eu não entendia.
  • 36:57 - 36:59
    -Por que estou tão empenhada,
  • 37:01 - 37:05
    tendo momentos profundos
    de paz, felicidade e alegria,
  • 37:05 - 37:07
    e ainda assim tendo dificuldade?
  • 37:07 - 37:10
    Comecei a perceber a simplicidade
  • 37:11 - 37:13
    de nossa verdadeira natureza,
    que é consciência.
  • 37:14 - 37:15
    Então,
  • 37:16 - 37:19
    para aqueles que me escutam
    neste momento,
  • 37:19 - 37:23
    a consciência que escuta esta voz:
  • 37:23 - 37:25
    É ela quem somos.
  • 37:25 - 37:28
    Ela não tem localização,
  • 37:28 - 37:30
    nem gênero,
  • 37:30 - 37:33
    nem cor, nem corpo,
  • 37:34 - 37:36
    e é totalmente ilimitada.
  • 37:37 - 37:41
    Portanto, despertar é quando
    percebemos
  • 37:42 - 37:43
    a nossa verdadeira natureza.
  • 37:43 - 37:46
    Despertamos para a compreensão
  • 37:46 - 37:51
    de que somos a consciência
    desta experiência.
  • 37:51 - 37:53
    Aqui e agora.
  • 37:54 - 37:56
    E ela é tão comum que
    nos passa batido.
  • 37:56 - 37:59
    Achamos que não
    tem como ser assim tão simples.
  • 38:00 - 38:02
    O reconhecimento de nossa
    verdadeira natureza
  • 38:02 - 38:06
    não nos leva à felicidade.
    É a felicidade em si.
  • 38:06 - 38:10
    A natureza da existência
    é a felicidade em si.
  • 38:10 - 38:13
    Portanto, o reconhecimento de nossa
    verdadeira natureza
  • 38:13 - 38:15
    é a experiência de felicidade.
  • 38:21 - 38:24
    -Quem está consciente neste instante?
  • 38:25 - 38:30
    A mente buscará uma resposta,
    ou tentará complicar as coisas.
  • 38:30 - 38:35
    Você já é
    aquilo que a mente está buscando.
  • 38:37 - 38:40
    A mente não entende.
  • 38:40 - 38:43
    Portanto, não recorra a ela
    em busca de respostas.
  • 38:44 - 38:49
    Não afaste seus pensamentos.
    E não se perca neles.
  • 38:50 - 38:57
    Largue o interesse ou apego
    a pensamentos, ideias e crenças.
  • 38:58 - 39:03
    Busque sentir na prática quem você é.
  • 39:05 - 39:10
    Não tente anular a mente
    ou alcançar algum estado.
  • 39:11 - 39:14
    Todo esforço, toda manobra,
  • 39:14 - 39:18
    todo movimento,
    é a mente em controle novamente.
  • 39:18 - 39:22
    Permita que a mente permaneça como está.
  • 39:28 - 39:32
    Às vezes, é possível despertar
    durante o dia a dia.
  • 39:33 - 39:36
    A prática nem sempre é necessária.
  • 39:36 - 39:38
    Às vezes, coisas acontecem
  • 39:38 - 39:39
    onde
  • 39:39 - 39:42
    há uma interrupção no seu paradigma.
  • 39:42 - 39:45
    E pode haver um despertar espontâneo.
  • 39:46 - 39:48
    Mas se a vida da pessoa simplesmente
    passa
  • 39:49 - 39:52
    de forma meio robótica ou repetitiva
  • 39:52 - 39:53
    então,
  • 39:54 - 39:57
    alguma intervenção é necessária se...
  • 39:57 - 39:59
    se ela quiser despertar.
  • 40:00 - 40:03
    E essa interrupção no paradigma
  • 40:03 - 40:08
    é, às vezes, chamada de Sadhana
    ou prática spiritual.
  • 40:08 - 40:13
    E essas práticas são sempre condicionadas.
  • 40:13 - 40:16
    Há algo que aprendemos com
    a mente condicionada
  • 40:16 - 40:20
    que facilita o processo de despertar.
  • 40:20 - 40:24
    Afrouxando as rédeas do Autoconceito.
  • 40:24 - 40:29
    Às vezes, dizem
    que o despertar acontece por acidente.
  • 40:29 - 40:33
    Mas a prática o torna mais propenso
    a "acidentes".
  • 40:33 - 40:37
    As técnicas e as práticas podem ser
    muito úteis
  • 40:37 - 40:39
    para torná-lo mais propenso
    a "acidentes".
  • 40:39 - 40:40
    Mas elas,
  • 40:40 - 40:44
    em algum momento, têm que ser
    abandonadas.
  • 40:44 - 40:48
    Porque se a mente está
    constantemente em ação,
  • 40:48 - 40:50
    fazendo algo,
  • 40:50 - 40:55
    então, a mente tem as rédeas.
    A mente está no comando.
  • 40:55 - 40:58
    Portanto, as práticas são úteis.
  • 40:58 - 41:02
    Muito úteis enquanto ferramenta para
  • 41:02 - 41:06
    tornar o Autoconceito menos "denso".
  • 41:06 - 41:10
    Ou para "relaxá-lo" para que se torne mais
  • 41:11 - 41:14
    acessível à nossa verdadeira natureza.
  • 41:16 - 41:19
    O paradoxo da prática
  • 41:19 - 41:21
    é que quando você finalmente
    desperta,
  • 41:21 - 41:26
    percebe que todas as práticas
    eram feitas pelo eu falso.
  • 41:27 - 41:29
    Pelo personagem
    no jogo de realidade virtual.
  • 41:30 - 41:34
    E que você, o verdadeiro Eu,
    jamais esteve atado.
  • 41:36 - 41:40
    Tudo que você tem que fazer
    é largar as preferências do ego.
  • 41:40 - 41:43
    Largar a obsessão pelas coisas.
  • 41:44 - 41:50
    Qualquer coisa no âmbito dos fenômenos
    variáveis não é o verdadeiro Eu.
  • 41:50 - 41:53
    O "eu" que você pensa ser,
  • 41:53 - 41:57
    o "eu" com quem você sempre
    se identificou jamais despertará.
  • 41:57 - 42:01
    Você desperta da identificação com
    o personagem.
  • 42:01 - 42:05
    Você acorda do equívoco
    de que você é o personagem condicionado.
  • 42:05 - 42:08
    Quando as pessoas vão aos retiros,
    elas pensam:
  • 42:09 - 42:13
    -O eu, o pequeno eu, irá despertar!
    -Algo incrível vai acontecer!
  • 42:13 - 42:16
    Mas uma hora ou outra,
    percebem que isso não é posível.
  • 42:16 - 42:19
    Ele tem que desistir,
    ele tem que fracassar.
  • 42:19 - 42:23
    E é apenas nesse fracasso
    que percebemos quem somos.
  • 42:23 - 42:26
    Que sempre estivemos conscientes.
  • 42:26 - 42:27
    Que sempre estivemos presentes.
  • 42:27 - 42:30
    Apenas ficamos agarrados ao personagem,
  • 42:30 - 42:32
    acreditando que éramos ele.
  • 42:35 - 42:42
    O CAMINHO DIRETO
  • 42:44 - 42:50
    Iniciei minha busca spiritual
    na tradição clássica Advaita Vedanta,
  • 42:50 - 42:53
    que era um caminho devocional.
  • 42:53 - 42:57
    Que envolvia meditação com mantra,
  • 42:57 - 43:01
    que pratiquei assiduamente por 20 anos.
  • 43:01 - 43:04
    E a meditação com mantra envolve
  • 43:05 - 43:08
    concentrar sua atenção em um som.
  • 43:09 - 43:11
    E, gradualmente, o som desaparece.
  • 43:12 - 43:13
    No entanto, foi...
  • 43:14 - 43:18
    somente quando tomei o caminho direto
  • 43:18 - 43:19
    que
  • 43:20 - 43:23
    minha busca espiritual
  • 43:23 - 43:26
    chegou em seu ápice.
  • 43:26 - 43:29
    Pois nessa abordagem direta,
  • 43:30 - 43:33
    não damos atenção a nenhum objeto
  • 43:33 - 43:35
    por mais sutil que seja, por exemplo,
  • 43:36 - 43:38
    uma mantra, um som, a respiração.
  • 43:38 - 43:43
    Permitimos que nossa atenção se volte
    para dentro ou para trás
  • 43:43 - 43:45
    em direção à sua fonte.
  • 43:46 - 43:48
    Vamos usar uma analogia.
  • 43:49 - 43:52
    Imagine que você está assistindo
    à sua vida em uma tela de TV.
  • 43:53 - 43:56
    Você se identifica com o personagem
    na tela.
  • 43:57 - 43:58
    Dia após dia,
  • 43:58 - 44:00
    ano após ano,
  • 44:00 - 44:02
    você se envolve com a história
    do personagem.
  • 44:03 - 44:06
    Quando, de repente, você acorda do sonho
  • 44:06 - 44:10
    e nota a tela em que o personagem
    aparece.
  • 44:10 - 44:14
    E percebe não ser
    o personagem ao qual assistia.
  • 44:15 - 44:17
    Objetos vêm e vão na tela.
  • 44:18 - 44:20
    Personagens vão e vêm.
  • 44:20 - 44:23
    Mas a tela permanece intacta.
  • 44:23 - 44:28
    O personagem pode se molhar.
    Mas a tela não se molha.
  • 44:28 - 44:33
    O personagem pode se abalar.
    Mas a tela não se abala.
  • 44:34 - 44:37
    Sem a tela,
    os personagens não existiriam.
  • 44:38 - 44:40
    Mesmo assim, a tela passa despercebida.
  • 44:40 - 44:44
    Os personagens seguem suas vidas
    roteirizadas.
  • 44:45 - 44:47
    A consciência é como a tela.
  • 44:47 - 44:52
    É como o espaço no qual todo os
    pensamento, movimentos,
  • 44:52 - 44:55
    e estados de consciência vêm e vão.
  • 44:56 - 45:01
    Pensamentos, sensações
    e todo o mundo exterior aparecem na tela.
  • 45:01 - 45:05
    Em constante mudança.
    Mas a tela permanece intacta.
  • 45:08 - 45:12
    É a mente que muda de estado
  • 45:12 - 45:14
    através da experiência humana.
  • 45:14 - 45:15
    Mas há algo
  • 45:16 - 45:19
    dentro de você que permanece.
  • 45:19 - 45:21
    Algo que está sempre presente.
  • 45:22 - 45:25
    Que percebe as mudanças de estado.
  • 45:25 - 45:29
    Esse algo é a consciência,
    ou nossa verdadeira natureza.
  • 45:29 - 45:33
    Enquanto houver apego ao personagem
    na tela,
  • 45:33 - 45:37
    a sensação de que sou aquele personagem,
    haverá sofrimento.
  • 45:37 - 45:40
    Maya, a ilusão do Eu.
  • 45:42 - 45:47
    Nada que o personagem faça poderá te
    libertar.
  • 45:47 - 45:51
    Quer você siga o roteiro no drama de
    sua vida
  • 45:51 - 45:52
    ou se volte contra ele,
  • 45:52 - 45:58
    se você agir do ponto de vista
    do personagem, estará preso na ilusão.
  • 45:59 - 46:00
    Para despertar,
  • 46:00 - 46:04
    pare de se identificar com o que aparece
    na tela.
  • 46:06 - 46:09
    Aceite que tudo é impermanente.
  • 46:09 - 46:14
    Pare de reagir a pensamentos e de tratar
    o programa como real.
  • 46:14 - 46:20
    Se eu tirar a atenção da tela,
    virando a consciência para si mesma
  • 46:20 - 46:22
    algo inexplicável acontece.
  • 46:23 - 46:26
    A consciência em si desperta.
  • 46:28 - 46:30
    Isso não é um acontecimento.
  • 46:31 - 46:33
    Acontecimento é o que passa na tela.
  • 46:34 - 46:40
    Despertar é apenas reconhecer a tela
    que sempre esteve ali.
  • 46:41 - 46:44
    Não acredite no seu próximo pensamento.
  • 46:45 - 46:50
    Em vez disso, vire a consciência em
    direção a si mesma.
  • 47:01 - 47:03
    Sempre fui Eu mesmo.
  • 47:03 - 47:07
    Minha percepção do meu Eu
    se estende por toda minha vida.
  • 47:07 - 47:11
    Permanece constante durante
    toda a minha vida.
  • 47:12 - 47:15
    O que está presente em mim hoje,
    que estava presente ontem,
  • 47:15 - 47:19
    ano passado, dez anos atrás,
    e quando eu tinha dois anos de idade?
  • 47:21 - 47:24
    O que é esse Eu essencial
  • 47:25 - 47:28
    com quem todas as minhas experiências
    acontecem?
  • 47:29 - 47:34
    O reconhecimento da natureza desse Eu
    é o grande
  • 47:34 - 47:37
    segredo da vida. É o caminho direto
  • 47:37 - 47:39
    para a paz e felicidade.
  • 47:39 - 47:42
    Não é algo que se inicia.
  • 47:44 - 47:48
    É algo que se reconhece.
  • 47:48 - 47:52
    Re-conhecer. Ou seja, conhecer novamente.
  • 47:53 - 47:58
    Algo que sabemos desde o princípio,
    mas que esquecemos,
  • 47:58 - 48:01
    negamos, ou não conseguimos acreditar.
  • 48:01 - 48:04
    Portanto, não iniciamos a proximidade
    com Deus.
  • 48:05 - 48:07
    Apenas reconhecemos.
  • 48:07 - 48:10
    Re-conhecemos algo que sempre
    esteve presente.
  • 48:11 - 48:13
    E que sempre estará presente.
  • 48:13 - 48:17
    Foi somente esse direcionamento direto
    para o despertar,
  • 48:17 - 48:20
    essa abertura para o que já está aqui
  • 48:21 - 48:22
    que me permitiu encontrar
  • 48:24 - 48:27
    uma nova forma de ser.
    Uma nova fase de desenvolvimento.
  • 48:28 - 48:30
    Muita gente acredita que é
  • 48:31 - 48:34
    muito impossível alcançar o objetivo
  • 48:34 - 48:36
    de conhecer o Eu.
  • 48:36 - 48:37
    E...
  • 48:38 - 48:43
    meu propósito enquanto professora,
    devido à minha experiência de despertar,
  • 48:43 - 48:47
    é de tornar o processo bastante prático,
  • 48:47 - 48:50
    bastante realista.
    Eu amo mostrar às pessoas
  • 48:50 - 48:52
    que todos são capazes.
  • 48:53 - 48:54
    Se nós...
  • 48:55 - 49:01
    acreditarmos e sentirmos que somos um eu
    temporário, finito e separado,
  • 49:01 - 49:04
    estaremos, quer saibamos disso
    ou não,
  • 49:04 - 49:06
    buscando paz e felicidade.
  • 49:07 - 49:10
    Ou seja, não é possível ser um
    Eu separado, ou
  • 49:10 - 49:15
    identificar-se com separação,
    e não estar em busca da felicidade.
  • 49:15 - 49:16
    Portanto,
  • 49:17 - 49:22
    o que é preciso nesse caso é redirecionar
    a busca pela felicidade
  • 49:22 - 49:26
    em vez de buscá-la no conteúdo objetivo
    da experiência.
  • 49:26 - 49:28
    Buscar a felicidade dentro de si.
  • 49:28 - 49:35
    Portanto, a prática espiritual
    que é necessária é direcionar a atenção,
  • 49:35 - 49:39
    ou, para ser mais preciso, relaxar
    a atenção
  • 49:39 - 49:41
    em direção à sua fonte.
  • 49:42 - 49:44
    Consciência pura.
  • 49:44 - 49:46
    Em vez de direcioná-la em direção
  • 49:46 - 49:49
    a objetos, substâncias, atividades,
    relacionamentos, etc.
  • 49:50 - 49:54
    Portanto, a prática espiritual, se é que
    pode ser chamada de prática,
  • 49:54 - 49:58
    seria o relaxamento da atenção,
  • 49:58 - 50:03
    o acalmamento da atenção até o centro
    da consciência.
  • 50:05 - 50:08
    Repousando no ato de ser enquanto
    o próprio ser.
  • 50:09 - 50:10
    Amor.
  • 50:10 - 50:13
    Amor puro é meu Eu verdadeiro.
  • 50:13 - 50:15
    Minha verdadeira natureza.
  • 50:16 - 50:18
    Amor puro por tudo e todos.
  • 50:19 - 50:21
    Por cada aspecto da vida.
  • 50:22 - 50:25
    Até mesmo pelas coisas com as quais
    discordo.
  • 50:25 - 50:30
    Aqueles que reconhecem a natureza do seu
    ser sabem que ele é
  • 50:30 - 50:32
    a fonte
  • 50:33 - 50:36
    da paz e felicidade pelas quais anseiam.
  • 50:37 - 50:41
    Portanto, o mundo já não é mais o lugar
  • 50:41 - 50:45
    onde buscam felicidade, ou realização.
  • 50:46 - 50:49
    Não quer dizer que elas não tenham
    mais desejos.
  • 50:50 - 50:53
    Mas os desejos não estão lá
    para preencher
  • 50:53 - 50:54
    algo que está faltando,
  • 50:54 - 50:58
    algo característico do Eu separado.
  • 50:59 - 51:03
    Elas encontraram a fonte de felicidade
    dentro de si mesmas.
  • 51:04 - 51:07
    E seus desejos vêm desse estado
    de felicidade.
  • 51:08 - 51:10
    E não em direção à felicidade.
  • 51:10 - 51:12
    Por exemplo, no âmbito dos
    relacionamentos,
  • 51:12 - 51:15
    faz uma diferença enorme.
  • 51:15 - 51:18
    Deixamos de buscar alguém
  • 51:19 - 51:22
    para preencher nossas necessidades.
  • 51:23 - 51:27
    Buscamos alguém para compartilhar
    a experiência de felicidade
  • 51:27 - 51:28
    que já existe em nós.
  • 51:28 - 51:32
    E isso alivia nossos companheiros
    do fardo doloroso
  • 51:32 - 51:37
    de prover felicidade a um eu
  • 51:37 - 51:40
    insatisfeito e voraz.
  • 51:40 - 51:43
    Tudo que acontece em minha vida
  • 51:43 - 51:45
    me traz benefícios,
  • 51:45 - 51:49
    ou ainda vai me trazê-los,
    no sentido de que
  • 51:49 - 51:54
    cada momento, cada atividade,
    cada resultado me impulsiona
  • 51:55 - 51:58
    no processo de evolução da minha alma.
  • 51:58 - 52:01
    E é por isso que vim ao domínio físico.
  • 52:02 - 52:04
    Para evoluir.
  • 52:11 - 52:13
    Permaneça aberto.
  • 52:14 - 52:19
    Sinta sua vivacidade interior,
    deixando a energia circular livremente.
  • 52:21 - 52:23
    Não tente fazer algo acontecer.
  • 52:26 - 52:28
    -Quem percebe essa energia?
  • 52:29 - 52:31
    Essa vivacidade interior?
  • 52:36 - 52:41
    Perceba a tendência da mente de
    controlar e manipular.
  • 52:41 - 52:44
    De se envolver.
  • 52:45 - 52:48
    Sem o uso de sua memória ou linguagem,
  • 52:49 - 52:51
    quem é você?
  • 52:52 - 52:55
    Além da mente e dos sentidos,
  • 52:56 - 52:58
    quem é você?
  • 52:58 - 53:00
    -Quem é que percebe?
  • 53:09 - 53:15
    TRANSFORMANDO O MUNDO
  • 53:18 - 53:21
    Muitos que ouvem essas ideias
    pela primeira vez
  • 53:21 - 53:25
    nunca nem ouviram falar da ideia do Eu.
  • 53:26 - 53:29
    Para mim, há dois grupos diferentes
    de pessoas.
  • 53:29 - 53:33
    Há aqueles que estão no caminho espiritual
    e conhecem o tema.
  • 53:33 - 53:36
    Estão tentando alcançar o Eu,
    tentando ser o Eu.
  • 53:37 - 53:39
    Estão na busca, procurando.
  • 53:39 - 53:43
    E há pessoas que vêm vivendo suas vidas.
  • 53:43 - 53:47
    Nunca ouviram falar disso tudo antes.
    Nunca ouviram "Conhece-te a Ti Mesmo".
  • 53:47 - 53:52
    Muitos acham que "Conhece-te a Ti Mesmo"
    significa "conhecer o corpo".
  • 53:52 - 53:52
    -Conheça-se!
  • 53:52 - 53:53
    -Seja você mesmo!
  • 53:53 - 53:54
    -Seja autêntico!
  • 53:54 - 53:57
    O verdadeiro significado
  • 53:57 - 54:00
    de "Conhece-te a Ti Mesmo" é
    saber quem você é.
  • 54:00 - 54:04
    Saber quem você é de verdade.
    Conhecer de fato sua verdadeira natureza.
  • 54:04 - 54:08
    As palavras "Conhece-te a Ti Mesmo"
    foram esculpidas
  • 54:08 - 54:12
    na entrada do Templo de Apolo em Delfos,
    e como tal,
  • 54:13 - 54:18
    representam um convite no início
    da civilização ocidental à humanidade.
  • 54:18 - 54:21
    Sugerindo que
    "Conhece-te a Ti Mesmo"
  • 54:21 - 54:25
    é a base de toda civilização.
  • 54:26 - 54:29
    Por quê?
    Porque nosso Eu fica
  • 54:29 - 54:32
    no centro de toda a nossa experiência.
  • 54:32 - 54:37
    Tudo o que vivenciamos, é vivenciado por
    nós mesmo.
  • 54:37 - 54:44
    Tudo o que pensamos e sentimos, surge
    em nome do nosso Eu.
  • 54:44 - 54:49
    Todas as atividades e relacionamentos
    nos quais nos envolvemos,
  • 54:49 - 54:54
    têm o propósito de servir o nosso Eu.
  • 54:55 - 55:00
    Portanto, nosso Eu se encontra no centro
    da nossa experiência.
  • 55:00 - 55:05
    Logo, o que poderia ser mais valioso
    do que compreender a natureza do nosso Eu?
  • 55:06 - 55:07
    E,
  • 55:07 - 55:09
    seria possível
  • 55:09 - 55:12
    compreender a natureza de qualquer
    outra coisa
  • 55:12 - 55:17
    se não compreendermos primeiramente
    a natureza daquilo que compreende?
  • 55:17 - 55:20
    Acredito que o despertar se...
  • 55:21 - 55:21
    trata
  • 55:22 - 55:23
    de encerrar o pesadelo
  • 55:24 - 55:26
    e adentrar o sonho.
  • 55:27 - 55:29
    Com isso quero dizer que
  • 55:30 - 55:33
    finalmente abandonamos o pesadelo
  • 55:33 - 55:38
    do que nos foi dito a respeito da vida,
    de Deus e de nós mesmos.
  • 55:39 - 55:42
    E adentramos o sonho de nossa
    noção mais grandiosa.
  • 55:42 - 55:46
    Costumo perguntar:
    -Como você acha que sua vida seria
  • 55:47 - 55:51
    se se deparasse
    com a ideia mais elevada e grandiosa,
  • 55:51 - 55:54
    a ideia mais maravilhosa que já teve
    sobre Deus,
  • 55:54 - 55:57
    sobre a vida e sobre você mesmo?
  • 55:57 - 56:01
    O reconhecimento da nossa verdadeira
    natureza não é só
  • 56:01 - 56:07
    o reconhecimento que leva nosso
    desejo por felicidade mundial
  • 56:07 - 56:08
    ao fim.
  • 56:08 - 56:12
    É também o reconhecimento que nos permite
  • 56:12 - 56:16
    viver de forma compatível com
    o entendimento de que,
  • 56:16 - 56:21
    no nível mais profundo, tudo e todos
  • 56:21 - 56:22
    são um.
  • 56:23 - 56:26
    Essa compreensão traria gentileza,
  • 56:26 - 56:27
    compaixão,
  • 56:27 - 56:28
    justiça,
  • 56:29 - 56:30
    tolerância
  • 56:30 - 56:31
    e compreensão
  • 56:31 - 56:33
    à nossa sociedade.
  • 56:34 - 56:37
    Nossa sociedade seria revolucionada
    por essa compreensão.
  • 56:39 - 56:43
    Conforme a humanidade deixa para trás
    abordagens egoicas,
  • 56:43 - 56:44
    a ciência,
  • 56:44 - 56:45
    a religião,
  • 56:45 - 56:46
    a política
  • 56:46 - 56:48
    e a economia
  • 56:48 - 56:50
    passam a refletir a sabedoria perene.
  • 56:51 - 56:53
    Sejam as tradições indígenas
  • 56:53 - 56:56
    que compreendem o Grande Espírito
    em todas as coisas.
  • 56:57 - 56:59
    Os as tradições egípcias/keméticas
  • 57:00 - 57:03
    que descrevem a jornada evolucionária
    humana
  • 57:03 - 57:06
    do humilde escaravelho à fonte suprema.
  • 57:07 - 57:10
    Ou quando ouvimos as palavras dos místicos
  • 57:10 - 57:12
    das tradições cristã, hinduísta,
  • 57:12 - 57:15
    muçulmana ou budista.
  • 57:15 - 57:19
    Ou os ensinamentos de Platão e Plotino.
  • 57:19 - 57:23
    Notamos que aqueles que compreenderam
    sua verdadeira natureza,
  • 57:23 - 57:26
    falam sobre agrupamentos de agentes
    conscientes.
  • 57:26 - 57:30
    É claro que usam a linguagem
    de sua cultura e época
  • 57:30 - 57:33
    ao expressar a verdade perene suprema.
  • 57:34 - 57:37
    A ciência está começando a perceber
  • 57:37 - 57:40
    não um mundo de partículas e campos
    inconscientes.
  • 57:41 - 57:45
    Mas um universo feito de agentes
    conscientes.
  • 57:46 - 57:50
    Algo de novo está surgindo no mundo
    da ciência.
  • 57:50 - 57:53
    Como disse Nikola Tesla:
  • 57:53 - 57:58
    "O dia em que a ciência começar a estudar
    os fenômenos não-físicos,
  • 57:58 - 58:05
    avançará mais em uma década do que em
    todos os séculos anteriores."
  • 58:07 - 58:09
    Esse dia é hoje.
  • 58:16 - 58:20
    Toda vez que houve um avanço de precisão
    matemática na ciência,
  • 58:20 - 58:24
    surgiram novas tecnologias consideradas
    surreais
  • 58:24 - 58:27
    em comparação com o que
    havia antes.
  • 58:27 - 58:31
    Portanto, sinto que essa teoria de
    agentes conscientes além do espaço-tempo
  • 58:32 - 58:36
    vai nos fornecer tecnologias que serão
    surpreendentes.
  • 58:37 - 58:38
    Por exemplo,
  • 58:38 - 58:39
    hoje,
  • 58:40 - 58:42
    a maioria das galáxias que vemos,
  • 58:42 - 58:45
    acho que 97% delas,
  • 58:45 - 58:47
    jamais poderemos visitá-las.
  • 58:47 - 58:50
    Elas estão recuando mais rápido que
    a velocidade da luz.
  • 58:51 - 58:53
    Elas não se movem no espaço mas rápido
    que a luz.
  • 58:53 - 58:57
    O espaço em si que se expande tão
    rapidamente que
  • 58:57 - 58:59
    a velocidade com que se afastam
    é maior que a da luz.
  • 58:59 - 59:02
    Portanto, jamais poderemos
    viajar pelo espaço
  • 59:02 - 59:05
    e alcançar 97% das galáxias que vemos.
  • 59:05 - 59:07
    Há todo esse espaço lá fora acenando
    para nós e dizendo:
  • 59:07 - 59:10
    "Olá, estamos aqui e vocês
    nunca poderão vir até nós!"
  • 59:10 - 59:12
    Isso se viajar pele espaço-tempo.
  • 59:12 - 59:16
    Mas e se percebêssemos que o espaço-tempo
    é apenas os óculos de VR?
  • 59:16 - 59:19
    Apenas o formato do jogo.
  • 59:19 - 59:21
    E você não está preso dentro dos óculos.
  • 59:22 - 59:25
    É possível alterar o software
    que roda o jogo.
  • 59:27 - 59:30
    É como alguém que está jogando GTA.
  • 59:30 - 59:32
    Você é o mestre do jogo.
  • 59:33 - 59:36
    Você sabe dirigir o carro pelas ruas
  • 59:36 - 59:37
    e consegue vencer todo mundo no jogo.
  • 59:38 - 59:41
    Mas suponha que você conhece o software
    que está por trás.
  • 59:41 - 59:43
    Aí você remove os óculos
  • 59:44 - 59:45
    e passa a manipular o programa.
  • 59:45 - 59:49
    Pois você tira a gasolina do tanque
    do mestre.
  • 59:49 - 59:52
    Você estoura o pneu dele.
    Você muda a geometria das ruas.
  • 59:52 - 59:54
    Você faz o que der na telha.
  • 59:54 - 59:57
    Portanto, quando entendermos
    nossos "óculos" do espaço-tempo,
  • 59:57 - 60:01
    não teremos que viajar até a
    Galáxia de Andrômeda
  • 60:01 - 60:04
    através do espaço-tempo—o que
    nos tomaria 2,4 milhões de anos.
  • 60:04 - 60:06
    Poderemos contornar o espaço-tempo.
  • 60:11 - 60:15
    Vejo o mundo ao meu redor como adentrar
  • 60:16 - 60:19
    uma expressão e experiência mais
    silenciosas
  • 60:19 - 60:21
    do que significa ser humano
  • 60:21 - 60:24
    e do que significa ser uma parte
    da divindade.
  • 60:24 - 60:28
    Mas não creio que nosso tempo
    seja ilimitado.
  • 60:28 - 60:32
    Tenho a impressão
    que o tempo está se esgotando.
  • 60:32 - 60:34
    Que é agora ou nunca.
  • 60:34 - 60:36
    Creio que estamos no caminho certo.
  • 60:37 - 60:40
    Tenho a sensação de otimismo de que,
    devido às
  • 60:40 - 60:44
    oportunidades que temos hoje
    para comunicar
  • 60:45 - 60:48
    ideias poderosas e importantes,
  • 60:48 - 60:51
    caminhos que não existiam mesmo
    há alguns anos
  • 60:52 - 60:56
    estão criando a possibilidade
    de atingirmos o ponto de massa crítica.
  • 60:57 - 61:01
    De que atinjamos a massa crítica
    antes que nosso tempo se esgote.
  • 61:02 - 61:06
    Mas estaríamos errados se achássemos
    que nosso tempo é ilimitado...
  • 61:07 - 61:09
    neste planeta.
  • 61:09 - 61:11
    Quando cada indivíduo
  • 61:12 - 61:16
    deixa de se identificar com seu personagem
    condicionado,
  • 61:16 - 61:19
    também deixa de agir como uma
    entidade egoica.
  • 61:20 - 61:24
    E isso promove uma transformação
    no planeta.
  • 61:24 - 61:26
    Produz uma nova Terra.
  • 61:26 - 61:29
    Mas a vida como a conhecemos hoje
    neste planeta,
  • 61:30 - 61:32
    acho que devemos fazer algumas mudanças
  • 61:32 - 61:35
    imediatas, dramáticas e radicais
  • 61:36 - 61:39
    se quisermos ver o amanhã com o
    qual sonhamos.
  • 61:39 - 61:43
    Seria possível essa compreensão se
    popularizar nesta geração?
  • 61:43 - 61:44
    Por que não?
  • 61:44 - 61:45
    Claro!
  • 61:46 - 61:49
    O desafio atual é que nada
    está funcionando.
  • 61:51 - 61:54
    E chegou a hora de admitirmos que
    essa é a verdade.
  • 61:55 - 61:57
    Com certeza podemos fazer melhor que isso.
  • 61:58 - 61:59
    Sem dúvida.
  • 62:01 - 62:03
    Podemos expandir o entendimento
    de quem somos
  • 62:03 - 62:06
    e a expressão de nossa verdadeira
    natureza.
  • 62:08 - 62:11
    Temos que ficar atentos ao nosso
    meio ambiente,
  • 62:11 - 62:13
    à política,
  • 62:13 - 62:14
    à economia
  • 62:15 - 62:18
    e ao nosso processo spiritual
    neste planta.
  • 62:20 - 62:23
    Pois o problema no mundo hoje
    não é um problema político.
  • 62:24 - 62:26
    Não é um problema econômico.
  • 62:26 - 62:28
    Não é um problema social.
  • 62:30 - 62:32
    É um problema espiritual.
  • 62:34 - 62:37
    Tem a ver com o quão comprometidos estamos
    com as
  • 62:38 - 62:40
    mais altas verdades espirituais.
  • 62:42 - 62:44
    Não se trata de filosofia New Age.
  • 62:46 - 62:49
    Essas ideias existem há milhares de anos.
  • 62:55 - 62:58
    A sabedoria perene tem
    sido expressada através de
  • 62:58 - 63:01
    incontáveis tradições e culturas.
  • 63:01 - 63:06
    E assim como a consciência,
    sempre esteve escondida à vista de todos.
  • 63:08 - 63:12
    No cristianismo,
    o evangelho gnóstico de Tomé
  • 63:12 - 63:16
    contém referências diretas à nossa
    verdadeira natureza.
  • 63:16 - 63:21
    Os discípulos perguntaram a Jesus:
    -Quando virá o Reino?
  • 63:22 - 63:26
    Jesus disse:
    -Não virá se ficarmos esperando por ele.
  • 63:26 - 63:30
    Não será como dizer:
    está aqui ou está ali.
  • 63:31 - 63:36
    Em vez disso, o Reino está
    espalhado pela Terra
  • 63:36 - 63:38
    e as pessoas não o veem.
  • 63:39 - 63:42
    O Reino não está aqui ou ali.
  • 63:43 - 63:45
    A consciência não está aqui ou ali.
  • 63:46 - 63:49
    Não está fixo no tempo e espaço.
  • 63:50 - 63:52
    Se estiver esperando que
    algo aconteça,
  • 63:53 - 63:56
    esperando por um evento externo,
    um estado qualquer,
  • 63:56 - 63:58
    uma ascensão,
  • 63:58 - 64:00
    uma cura ou uma energia,
  • 64:00 - 64:04
    então a mente condicionada
    permanece em busca.
  • 64:04 - 64:08
    Permanece intermediando sua experiência
    do agora.
  • 64:10 - 64:13
    No Budismo, diz-se que o samsara,
  • 64:13 - 64:15
    o mundo do sofrimento,
  • 64:15 - 64:16
    e o nirvana,
  • 64:16 - 64:18
    o mundo da libertação,
  • 64:19 - 64:21
    não são dois mundos separados.
  • 64:22 - 64:24
    Eles são exatamente o mesmo.
  • 64:25 - 64:31
    Não manipulamos ou mudamos as coisas
    a fim de encontrar uma realidade mística.
  • 64:31 - 64:36
    Quando despertamos,
    a perfeição do mundo se revela
  • 64:37 - 64:39
    diretamente como é.
  • 64:44 - 64:49
    É possível simplesmente estar aqui
    e agora, neste momento
  • 64:49 - 64:52
    sem a mediação da mente inquieta?
  • 64:54 - 64:58
    É possível aceitar este momento
  • 64:58 - 64:59
    assim como ele é?
  • 65:02 - 65:05
    E simplesmente ser?
Title:
O Despertar da Mente Parte 1, "Conhece-te a Ti Mesmo" (2023) - Filme Completo em HD
Description:

Despertar é o próximo estágio da evolução humana. A série de filmes Awakening Mind viaja o mundo conversando com professores da sabedoria, visionários e cientistas de disciplinas, filosofias e tradições amplas e diversificadas que estão apontando, com semelhança e inteligência extraordinárias, para este momento como uma conjuntura épica e um convite para uma evolução superior da humanidade.

O Awakening Mind explora as perguntas "quem sou eu?", "o que é despertar?", "por que despertar?", "o que é consciência?", "como despertar?", "qual é o propósito e o significado da vida?" e "como devo navegar nesta experiência mundial da melhor forma possível para o benefício de todos?" Nesta época em que o mundo parece fora de controle e repleto de tanto sofrimento e tristeza, essas perguntas são particularmente relevantes e as respostas são muito mais simples do que se imagina.

Nossos visionários ajudarão nosso público a ver que a vida não é tão complicada quanto parece, e que é possível despertar para a compreensão de que a paz e a felicidade estão disponíveis para qualquer pessoa, em qualquer lugar do mundo, neste exato momento.

A série de filmes Awakening Mind será lançada gratuitamente para o benefício da humanidade e o despertar da consciência humana (no maior número possível de idiomas).

Os palestrantes da Parte 1, "Know Thyself" (Conhece-te a Ti Mesmo) incluem: Rupert Spira, Donald Hoffman, Neale Donald Walsch, Loch Kelly, Lisa Natoli e Daniel Schmidt.

Como lançamos esses filmes gratuitamente para o benefício do mundo, contamos com seu apoio para o financiamento. Se você gostou de Awakening Mind Parte 1 "Know Thyself" (Conhece-te a Ti Mesmo), considere a possibilidade de apoiar Awakening Mind Parte 2 "Living Presence" (Presença Viva), cuja filmagem está programada para começar no verão de 2023. Sua doação pode desempenhar um papel fundamental para que isso se torne realidade. https://www.indiegogo.com/project/preview/4eab07c9#/

Para saber mais, visite o site da Awakening Mind Film Series: https://www.awakeningmindfilms.com/home

Muitos recursos, incluindo meditações guiadas gratuitas e filmes para despertar, podem ser encontrados em http://www.awakentheworld.com

#awakening #spirituality #meditation #yoga #selfinquiry #enlightenment

more » « less
Video Language:
English
Team:
Awaken the World
Project:
04 - Awakening Mind Film Series
Duration:
01:07:15

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions Compare revisions