Return to Video

Rosalind Franklin: a heroína injustiçada do DNA - Cláudio L. Guerra

  • 0:07 - 0:10
    A descoberta da estrutura do DNA
  • 0:10 - 0:14
    foi uma das vitórias científicas
    mais importantes do último século,
  • 0:14 - 0:16
    na verdade, da história humana.
  • 0:16 - 0:20
    A hoje famosa dupla hélice é
    quase sinônimo de Watson e Crick,
  • 0:20 - 0:24
    dois dos cientistas que ganharam
    o Prêmio Nobel por descobri-la.
  • 0:24 - 0:27
    Mas há um outro nome
    que talvez você conheça:
  • 0:27 - 0:28
    Rosalind Franklin.
  • 0:28 - 0:33
    Deve ter ouvido que seus dados embasaram
    a brilhante ideia de Watson e Crick,
  • 0:33 - 0:37
    ou que ela era uma cientista
    briguenta que se vestia casualmente,
  • 0:37 - 0:42
    que é na verdade a forma como Watson
    a descreveu no livro "A dupla hélice".
  • 0:42 - 0:44
    Mas, graças aos biógrafos de Franklin,
  • 0:44 - 0:47
    que investigaram sua vida e entrevistaram
    muitas pessoas próximas dela,
  • 0:47 - 0:51
    sabemos hoje que isso
    está longe de ser verdade
  • 0:51 - 0:55
    e que suas contribuições científicas
    têm sido tremendamente desprezadas.
  • 0:55 - 0:57
    Vamos ouvir a verdadeira história.
  • 0:57 - 1:02
    Rosalind Elsie Franklin
    nasceu em Londres em 1920.
  • 1:02 - 1:05
    Ela queria ser uma cientista
    desde que era adolescente,
  • 1:05 - 1:09
    o que não era uma carreira comum
    e fácil para as meninas daquele tempo.
  • 1:09 - 1:11
    Mas ela se destacou nas aulas
    de ciências mesmo assim.
  • 1:11 - 1:14
    Ela ganhou uma bolsa de estudos
    para Cambridge, para estudar química,
  • 1:14 - 1:16
    onde obteve seu doutorado
  • 1:16 - 1:19
    e mais tarde conduziu uma pesquisa
    sobre a estrutura do carvão,
  • 1:19 - 1:24
    que aprimorou as máscaras de gás para
    os britânicos durante a Segunda Guerra.
  • 1:24 - 1:26
    Em 1951, ela se juntou ao King's College
  • 1:26 - 1:30
    para usar técnicas de raio-x
    para estudar a estrutura do DNA,
  • 1:30 - 1:32
    na época, um dos tópicos
    mais palpitantes da ciência.
  • 1:32 - 1:35
    Franklin modernizou o laboratório
    de raio-x e foi trabalhar
  • 1:35 - 1:40
    irradiando raios-x de alta energia
    em minúsculos cristais hidratados de DNA.
  • 1:40 - 1:44
    Mas a cultura acadêmica da época
    não era muito amistosa com as mulheres,
  • 1:44 - 1:47
    e Franklin foi isolada pelos colegas.
  • 1:47 - 1:49
    Ela bateu de frente com Maurice Wilkins,
  • 1:49 - 1:53
    um colega de laboratório que achava
    que ela era sua sua assistente.
  • 1:53 - 1:54
    Mas Franklin continuou trabalhando
  • 1:54 - 1:58
    e, em 1952, ela obteve a "foto 51",
  • 1:58 - 2:01
    a imagem mais famosa do DNA.
  • 2:01 - 2:04
    Só para conseguir a imagem,
    gastaram-se 100 horas;
  • 2:04 - 2:08
    os cálculos necessários
    para analisá-las levariam um ano.
  • 2:08 - 2:11
    Enquanto isso, o biólogo
    americano James Watson
  • 2:11 - 2:13
    e o físico britânico Francis Crick
  • 2:13 - 2:16
    também estavam trabalhando
    para descobrir a estrutura do DNA.
  • 2:16 - 2:17
    Sem o conhecimento de Franklin,
  • 2:17 - 2:22
    Wilkins pegou a foto 51
    e a mostrou para Watson e Crick.
  • 2:22 - 2:25
    Em vez de calcular a posição exata
    de todos os átomos,
  • 2:25 - 2:28
    eles fizeram uma rápida análise
    dos dados de Franklin
  • 2:28 - 2:31
    e os usaram para construir
    algumas possíveis estruturas.
  • 2:31 - 2:34
    E acabaram chegando à correta.
  • 2:34 - 2:37
    O DNA é feito de duas fitas helicoidais,
  • 2:37 - 2:42
    uma oposta à outra, com um eixo
    central como degraus de uma escada.
  • 2:42 - 2:47
    Watson e Crick publicaram
    seu modelo em abril de 1953.
  • 2:47 - 2:50
    Enquanto isso, Franklin
    tinha terminado seus cálculos,
  • 2:50 - 2:52
    chegando à mesma conclusão,
  • 2:52 - 2:54
    e submeteu seu próprio trabalho.
  • 2:54 - 2:57
    A revista publicou os trabalhos juntos,
  • 2:57 - 2:59
    mas colocou o de Franklin por último,
  • 2:59 - 3:03
    fazendo parecer que seus experimentos só
    confirmavam a descoberta de Watson e Crick
  • 3:03 - 3:05
    em vez de tê-los inspirado.
  • 3:05 - 3:08
    Mas Franklin já tinha parado
    de trabalhar com o DNA,
  • 3:08 - 3:11
    e morreu de câncer em 1958,
  • 3:11 - 3:15
    sem nunca ter sabido que Watson e Crick
    tinham visto as fotos dela.
  • 3:15 - 3:19
    Watson, Crick e Wilkins ganharam
    o Prêmio Nobel em 1962
  • 3:19 - 3:21
    por seu trabalho sobre o DNA.
  • 3:21 - 3:25
    Sempre se diz que Franklin teria
    sido reconhecida como uma Nobel
  • 3:25 - 3:28
    se ele fosse dado postumamente.
  • 3:28 - 3:32
    E, de fato, é possível que ela
    pudesse ter ganhado duas vezes.
  • 3:32 - 3:38
    Seu trabalho sobre a estrutura do vírus
    levou a um Nobel para um colega em 1982.
  • 3:38 - 3:41
    Já é hora de contar a história
    de uma mulher corajosa
  • 3:41 - 3:43
    que combateu o sexismo na ciência,
  • 3:43 - 3:48
    e cujo trabalho revolucionou
    a medicina, a biologia e a agricultura.
  • 3:48 - 3:51
    É hora de homenagear
    Rosalind Elsie Franklin,
  • 3:51 - 3:54
    a "mãe" injustiçada da dupla hélice.
Title:
Rosalind Franklin: a heroína injustiçada do DNA - Cláudio L. Guerra
Description:

Veja a lição completa: http://ed.ted.com/lessons/rosalind-franklin-dna-s-unsung-hero-claudio-l-guerra

A descoberta da estrutura do DNA foi uma das vitórias científicas mais importantes da história da humanidade. A hoje famosa dupla hélice é quase sinónima de Watson e Crick, dois dos cientistas que ganharam o Prêmio Nobel por descobri-la. Mas há um outro nome que talvez você não conheça: Rosalind Franklin. Cláudio L. Guerra compartilha a verdadeira história da mulher por trás da dupla hélice.

Lição de Cláudio L. Guerra; animação de Chris Bishop.

more » « less
Video Language:
English
Team:
closed TED
Project:
TED-Ed
Duration:
04:10

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions Compare revisions