Return to Video

Andrew Blum: O que realmente é a Internet?

  • 0:01 - 0:03
    Eu sempre escrevi principalmente sobre arquitetura,
  • 0:03 - 0:05
    sobre construções, e escrever sobre arquitetura
  • 0:05 - 0:08
    é basear-se em certos pressupostos.
  • 0:08 - 0:11
    Um arquiteto projeta um edifício e ele se torna um lugar,
  • 0:11 - 0:13
    ou muitos arquitetos projetam muitos edifícios, e eles se tornam
  • 0:13 - 0:16
    uma cidade, e apesar desta complicada mistura de forças
  • 0:16 - 0:19
    políticas, culturais e econômicas que moldam
  • 0:19 - 0:22
    estes lugares, no final se pode ir
  • 0:22 - 0:24
    e se pode visitá-la. Se pode caminhar por elas.
  • 0:24 - 0:26
    Se pode cheirá-la. Se pode desevolver um sentimento por elas.
  • 0:26 - 0:30
    Se pode experimentar o seu sentido de lugar.
  • 0:30 - 0:32
    Mas o que mais me impressionou nos últimos anos
  • 0:32 - 0:35
    era que menos e menos eu saia para o mundo,
  • 0:35 - 0:39
    e mais e mais, eu estava sentado na frente da tela do meu computador.
  • 0:39 - 0:43
    E especificamente desde cerca de 2007, quando eu adquiri um IPhone,
  • 0:43 - 0:45
    eu não apenas estava sentado na frente da tela todo o dia,
  • 0:45 - 0:47
    mas eu estava também me levantando no fim do dia
  • 0:47 - 0:50
    e olhando para esta pequena tela que eu carrego no meu bolso.
  • 0:50 - 0:53
    E o que era surpreendente para mim era o quão rapido
  • 0:53 - 0:56
    a minha relação com o mundo físico mudou.
  • 0:56 - 0:58
    Nesse curto período de tempo, vocês sabem, se
  • 0:58 - 1:01
    considerarem os últimos 15 anos mais ou menos estando online, ou nos últimos,
  • 1:01 - 1:04
    vocês sabem, quatro ou cinco anos estando online, todo o tempo,
  • 1:04 - 1:07
    nossa relação com nossos arredores mudou de maneira que
  • 1:07 - 1:09
    nossa atenção é constantemente dividida. Vocês sabem,
  • 1:09 - 1:12
    nós estamos olhando dentro das telas e estamos olhando
  • 1:12 - 1:13
    fora no mundo ao nosso redor.
  • 1:13 - 1:16
    E o que é ainda mais marcante para mim, e o que realmente
  • 1:16 - 1:19
    me prende, é que o mundo dentro da tela
  • 1:19 - 1:23
    parecia não ter realidade física própria,.
  • 1:23 - 1:26
    Se formos procurar por imagens da internet
  • 1:26 - 1:29
    isto seria tudo o que achariamos, esta imagem famosa de Opte
  • 1:29 - 1:32
    da internet como um tipo de Via Láctea, esta expansão infinita
  • 1:32 - 1:34
    onde parecemos não estar em nenhum lugar dela.
  • 1:34 - 1:36
    Nós nunca podemos compreende-la em sua totalidade.
  • 1:36 - 1:40
    Isto sempre me lembra a imagem da terra feita pela Apólo,
  • 1:40 - 1:43
    a foto de mármore azul, e isso parece sugerir também,
  • 1:43 - 1:45
    acho, que nós não podemos na verdade entende-la como um todo.
  • 1:45 - 1:49
    Nós somos assim muito pequenos face o seu tamanho.
  • 1:49 - 1:52
    Dessa maneira, se houvesse este mundo e esta tela, e se houvesse
  • 1:52 - 1:55
    o mundo físico ao meu redor, eu não conseguiria
  • 1:55 - 1:58
    juntá-los no mesmo lugar.
  • 1:58 - 2:01
    E então aconteceu isto.
  • 2:01 - 2:04
    Minha internet saiu do ar um dia, como as vezes acontece
  • 2:04 - 2:07
    e o técnico veio para consertá-la e começou pelo
  • 2:07 - 2:09
    empoeirado emaranhado de cabos atrás do sofa,
  • 2:09 - 2:12
    e a seguiu pela frente do meu prédio e pelo porão e no jardim dos fundos,
  • 2:12 - 2:15
    e lá estava este grande confusão de cabos contra a parede.
  • 2:15 - 2:18
    E então ele viu um esquilo correndo pelo arame,
  • 2:18 - 2:20
    e ele disse, "Aí está o seu problema.
  • 2:20 - 2:25
    Um esquilo está mascando a sua Internet." (Risos)
  • 2:25 - 2:28
    E isto parecia impressionante. A Internet é
  • 2:28 - 2:31
    uma idéia transcendente. É um conjunto de protocolos que mudaram
  • 2:31 - 2:35
    todas as coisas: das compras aos encontros às revoluções.
  • 2:35 - 2:37
    Sem dúvidas não era algo
  • 2:37 - 2:41
    que um esquilo pudesse mascar. (Risos)
  • 2:41 - 2:43
    Mas parecia de fato ser o caso.
  • 2:43 - 2:46
    Um esquilo tinha de fato mascado a minha Internet (Risos).
  • 2:46 - 2:48
    E então eu fiquei com esta imagem na minha mente do que poderia acontercer
  • 2:48 - 2:50
    se alguém arrancase o fio da parede e começasse
  • 2:50 - 2:52
    a segui-lo. Onde ele iria?
  • 2:52 - 2:55
    A Internet na verdade é um lugar que se pode visitar?
  • 2:55 - 2:57
    Eu posso ir lá ? Quem eu iria encontrar?
  • 2:57 - 3:00
    Vocês sabem, na verdade há alguma coisa lá?
  • 3:00 - 3:03
    E a resposta, definitivamente, é não.
  • 3:03 - 3:06
    Isto é a Internet, esta caixa preta com uma luz vermelha,
  • 3:06 - 3:09
    como representando neste seriado cômico "The IT Crowd."
  • 3:09 - 3:13
    Normelmente ela fica no topo do Big Ben,
  • 3:13 - 3:16
    porquê é onde se consegue a melhor recepção,
  • 3:16 - 3:19
    mas eles tinham negociado que seus colegas poderiam tomá-la emprestado
  • 3:19 - 3:22
    pela tarde para usá-la numa apresentação no escritório.
  • 3:22 - 3:25
    Os mais antigos usuários da internet estavam ansiosos para tomarem parte
  • 3:25 - 3:28
    por um curto período, e ela olha e diz,
  • 3:28 - 3:31
    " Isto é a Internet? Toda a Internet? É pesada?"
  • 3:31 - 3:35
    Eles dizem, " Claro que não, a Internet não pesa nada."
  • 3:35 - 3:37
    E eu fiquei com vergonha. Eu estava olhando para esta coisa
  • 3:37 - 3:40
    que somente os bobos parecem olhar.
  • 3:40 - 3:42
    A Internet era aquela gota amorfa, ou era aquela
  • 3:42 - 3:45
    boba caixa preta com uma luz vermelha piscando.
  • 3:45 - 3:47
    Lá não era o mundo real.
  • 3:47 - 3:50
    Mas de fato ela é. Há lá fora um mundo real da Internet
  • 3:50 - 3:52
    e é isto que eu passei cerca de dois anos visitando,
  • 3:52 - 3:56
    estes lugares da Internet. Eram em grandes centros de dados
  • 3:56 - 3:58
    que usam tanta energia como as cidades nas quais se localizam,
  • 3:58 - 4:01
    e eu visitei lugares como este, 60 Hudson Street em Nova York,
  • 4:01 - 4:03
    que é um dos edifícios no mundo,
  • 4:03 - 4:06
    um de uma pequena lista de edifícios, cerca de doze edifícios,
  • 4:06 - 4:09
    nos quais mais redes de dados da Internet se conectam entre si
  • 4:09 - 4:10
    mais do que em qualquer outro lugar.
  • 4:10 - 4:13
    E aquela conexão é sem dúvidas um processo físico.
  • 4:13 - 4:15
    É uma rota de uma rede de dados, o Facebook ou
  • 4:15 - 4:18
    o Google ou a B.T ou a Comcast ou a Time Warner, qualquer que seja,
  • 4:18 - 4:20
    se conectando geralmente com um cabo amarelo de fibra ótica com
  • 4:20 - 4:23
    o teto e para baixo dentro do roteador de outra rede de dados,
  • 4:23 - 4:28
    e isto é sem dúvidas físico e surpreendentemente pessoal.
  • 4:28 - 4:31
    Um edifício como 60 Hudson, e uma dúzia de outros,
  • 4:31 - 4:33
    tem 10 vezes mais redes de dados se conectando
  • 4:33 - 4:35
    do que o próximo grupo de edifícios.
  • 4:35 - 4:37
    Há uma pequena lista desses lugares.
  • 4:37 - 4:40
    E 60 Hudson em particular é interessante porque é o lar
  • 4:40 - 4:43
    de cerca de meia duzia das mais importantes redes de dados,
  • 4:43 - 4:45
    as quais servem os cabos submarinos
  • 4:45 - 4:47
    que viajam sob o oceano
  • 4:47 - 4:49
    e conectam a Europa e a América e conectam todos nós.
  • 4:49 - 4:53
    E são naqueles cabos em particular que eu quero me concentrar.
  • 4:53 - 4:57
    Se a Internet é um fenômeno global, se nós vivemos
  • 4:57 - 4:59
    em uma vila global, é porque há cabos sob
  • 4:59 - 5:01
    o oceano, cabos como este.
  • 5:01 - 5:04
    E nesta dimensão, eles são incrivelmente pequenos.
  • 5:04 - 5:07
    Se pode segurá-los na mão. Eles são como uma mangueira de jardim.
  • 5:07 - 5:11
    Mas na outra dimensão eles são incrivelmente grandes,
  • 5:11 - 5:13
    tão grandes quanto se pode imaginar.
  • 5:13 - 5:16
    Eles se alongam através do oceano. Eles tem 4, 8
  • 5:16 - 5:18
    ou 13 mil km de comprimento, e
  • 5:18 - 5:21
    se a ciência da materia e a tecnologia computacional
  • 5:21 - 5:24
    são incrivelmente complicadas, o processo físico básico
  • 5:24 - 5:28
    é assustadoramente simples. A luz entra em uma extremidade do oceano
  • 5:28 - 5:31
    e sai na outra, e geralmente vem
  • 5:31 - 5:34
    de um edifício chamado estação de terra que frequentemente
  • 5:34 - 5:37
    se esconde discretamente em um bairro próximo ao mar
  • 5:37 - 5:40
    e lá existem amplificadores que assentam no solo do oceano
  • 5:40 - 5:42
    e se parecem como um atum, e a cada 80 km
  • 5:42 - 5:46
    eles amplificam o sinal, e uma vez que a velocidade de transmissáo
  • 5:46 - 5:49
    é muito alta, a unidade básica é de 10 gigabytes por segundo
  • 5:49 - 5:52
    comprimento de onda da luz, talvez mil vezes a sua própria
  • 5:52 - 5:55
    conexão, ou capaz de carregar 10.000 vídeos diretamente,
  • 5:55 - 5:58
    mas não é só isto, e você não vai colocar apenas um comprimento de onda
  • 5:58 - 6:01
    através de uma das fibras, mas vai colocar
  • 6:01 - 6:04
    50, 60, 70 diferentes comprimentos ou cores de luz
  • 6:04 - 6:07
    através de uma simples fibra, e então teremos talvez
  • 6:07 - 6:09
    oito fibras em um cabo, quatro indo em cada direção.
  • 6:09 - 6:13
    E elas são minúsculas. São da espessura de um cabelo.
  • 6:13 - 6:15
    E elas se conectam ao continente em algum lugar.
  • 6:15 - 6:17
    Se conectam em um bueiro como este. Literalmente,
  • 6:17 - 6:20
    é aqui onde 8.000 km de cabos se conectam.
  • 6:20 - 6:25
    Isto é em Halifax, um cabo que se extende de Halifax à Irlanda.
  • 6:25 - 6:28
    E a paisagem está mudando. Três anos atras,
  • 6:28 - 6:30
    quando eu começei a pensar nisto, havia um cabo
  • 6:30 - 6:33
    indo até a costa Oeste da África, representado
  • 6:33 - 6:36
    neste mapa de Steve Song como aquela fina linha branca.
  • 6:36 - 6:40
    Agora há seis cabos e mais estão vindo, três de cada lado da costa.
  • 6:40 - 6:43
    Por que uma vez que um país se conecte por um cabo
  • 6:43 - 6:45
    ele compreende que não é suficiente. Se eles irão construir
  • 6:45 - 6:48
    um indústria ao redor, eles precisam saber que a sua conexão
  • 6:48 - 6:50
    não é tenue mas permanente, porque se um cabo se rompe,
  • 6:50 - 6:52
    é preciso enviar um navio, jogar
  • 6:52 - 6:55
    um gancho pela borda, apanhar o cabo, encontrar a outra parte
  • 6:55 - 6:58
    e então soldar as duas partes novamente e aí mergulha-las de novo.
  • 6:58 - 7:03
    É um processo extremamente físico .
  • 7:03 - 7:07
    Este é o meu amigo Simon Cooper, quem até bem recentemente
  • 7:07 - 7:10
    trabalhava para a Tata Communications, o setor de comunicação
  • 7:10 - 7:13
    da Tata, o grande conglomerado industrial indiano.
  • 7:13 - 7:16
    E eu nunca o encontrei. Nós nos comunicamos apenas
  • 7:16 - 7:19
    por este sistema de telepresença, o que sempre me faz
  • 7:19 - 7:23
    pensar nele como o homem dentro da Internet. (Risos)
  • 7:23 - 7:26
    E ele é Inglês. A indústria de cabos submarinos
  • 7:26 - 7:30
    é dominada por ingleses, e todos eles parecem ter 42.
  • 7:30 - 7:33
    (Risos) Por que todos eles começaram ao mesmo tempo
  • 7:33 - 7:36
    com o crescimento acelerado do setor há 20 anos.
  • 7:36 - 7:39
    E a Tata teve seu início na área de comunicações
  • 7:39 - 7:42
    quando eles compraram dois cabos, um através do Atlântico
  • 7:42 - 7:45
    e outro através do Pacífico, e continuram para agregar peças
  • 7:45 - 7:48
    a eles, até que construíram um cinturão ao redor do mundo,
  • 7:48 - 7:50
    o que significa que eles vão enviar nossos bits para o Leste ou para o Oeste.
  • 7:50 - 7:53
    Eles tem - literalmente um facho de luz ao redor do mundo,
  • 7:53 - 7:55
    e se um cabo se rompe no Pacífico, ele vai enviar o dado
  • 7:55 - 7:58
    na outra direção. E eles tem feito isso,
  • 7:58 - 8:02
    eles começaram a procurar por lugares para instalar novos cabos.
  • 8:02 - 8:04
    Eles procuram por locais onde não há cabos, e isto significa
  • 8:04 - 8:07
    Norte e Sul, principalmente estes cabos para a África.
  • 8:07 - 8:11
    Mas o que me surpreende é a incrível imaginação geográfica de Simon.
  • 8:11 - 8:14
    Ele pensa o mundo com esta incrível expansividade.
  • 8:14 - 8:17
    E eu estava particularmente interessado, pois queria ver
  • 8:17 - 8:20
    um desses cabos sendo construído. Veja, vocës sabem, toda vez online
  • 8:20 - 8:22
    experimentamos nestes breves momentos de conexão,
  • 8:22 - 8:26
    este tipo de breve proximidade, uma mensagem no tweet, no Facebook
  • 8:26 - 8:30
    ou um e-mail, com se houvesse uma óbvia ligação física.
  • 8:30 - 8:32
    Como se houvesse um momento em que o continente
  • 8:32 - 8:34
    estivesse sendo conectado, e eu queria ver aquilo.
  • 8:34 - 8:36
    E Simon estava trabalhando em um novo cabo,
  • 8:36 - 8:39
    WACS, o Sistema de cabos do oeste da África (West Africa Cable System), que se extendia
  • 8:39 - 8:41
    de Lisboa até a costa oeste da África,
  • 8:41 - 8:44
    para a Costa do Marfin, Gana, Nigéria e Camarões.
  • 8:44 - 8:46
    E ele disse que isto seria em breve, dependendo
  • 8:46 - 8:48
    do tempo, mas ele me informaria quando,
  • 8:48 - 8:51
    e quatro dias depois, ele disse vá
  • 8:51 - 8:54
    para esta praia ao sul de Lisboa, e um pouco depois das 9,
  • 8:54 - 8:58
    este cara vai sair caminhando da água. (Risos)
  • 8:58 - 9:02
    E ele estará carregando uma linha de nylon verde, uma linha leve
  • 9:02 - 9:05
    chamada linha de mensagem, e isto é o primeiro elo
  • 9:05 - 9:08
    entre o mar e a terra, este elo seria
  • 9:08 - 9:11
    alavancado pelos 14,400 km deste caminho de luz.
  • 9:11 - 9:14
    Então uma escavadeira mecânica começa a puxar o cabo do
  • 9:14 - 9:17
    navio especializado em aterramento de cabo, e ele flutua
  • 9:17 - 9:20
    nestas bóias até que esteja na posição certa.
  • 9:20 - 9:23
    Vocês podem ver os engenheiros ingleses olhando.
  • 9:23 - 9:26
    E então, uma vez que ele esteja na posição certa, ele volta
  • 9:26 - 9:29
    para a água segurando uma faca grande, e corta todas as bóias,
  • 9:29 - 9:31
    as bóias sobem no ar, e o cabo
  • 9:31 - 9:33
    vai para o fundo do mar, e ele faz o caminho de volta
  • 9:33 - 9:35
    para o navio, e quando chega,
  • 9:35 - 9:38
    dão a ele um copo de suco e um biscoito,
  • 9:38 - 9:40
    e ele salta de volta para a água e nada para a praia
  • 9:40 - 9:47
    e então acende um cigarro. (Risos)
  • 9:47 - 9:50
    E uma vez que o cabo esteja na praia,
  • 9:50 - 9:53
    eles começam a se preparar para conectá-lo ao outro lado,
  • 9:53 - 9:56
    com o cabo que foi trazido da estação de terra.
  • 9:56 - 9:59
    E primeiro eles o pegam com um serrote de arco, e então começam
  • 9:59 - 10:02
    a raspar o interior de plástico com um
  • 10:02 - 10:04
    como faz um chefe de cozinha, e então finalmente eles trabalham
  • 10:04 - 10:07
    como joalheiros para obter este tipo de fibra fina como cabelo para alinhar
  • 10:07 - 10:09
    com o cabo que já tinha descido,
  • 10:09 - 10:12
    e com esta máquina furadeira eles o fundem juntos.
  • 10:12 - 10:15
    E quando se vê estes carastrabalhando no cabo com um serrote de arco
  • 10:15 - 10:18
    você para de pensar na Internet como uma nuvem.
  • 10:18 - 10:21
    Ela começa a parecer como uma coisa incrivelmente física.
  • 10:21 - 10:24
    E o que também me surpreendeu foi o quanto disso
  • 10:24 - 10:27
    é baseado na mais sofisticada tecnologia, tanto o quanto
  • 10:27 - 10:30
    é uma coisa incrivelmente nova, o processo físico
  • 10:30 - 10:33
    em sí existe há muito tempo, e a cultura é a mesma.
  • 10:33 - 10:35
    Você vê os trabalhadores locais. Vê os engenheiros ingleses
  • 10:35 - 10:39
    dando orientações nos fundos. E mais importante,
  • 10:39 - 10:41
    os lugares são os mesmos. Estes cabos ainda conectam
  • 10:41 - 10:44
    estas cidades portos clássicas, lugares como Lisboa, Mombasa,
  • 10:44 - 10:47
    Mumbai, Singapura, Nova York.
  • 10:47 - 10:52
    E o processo na praia leva cerca de três ou quatro dias,
  • 10:52 - 10:56
    e quando está pronto, eles colocam a tampa do bueiro
  • 10:56 - 10:59
    de volta no lugar, e o cobrem com areia,
  • 10:59 - 11:02
    e todos nos esquecemos disso.
  • 11:02 - 11:04
    E me parece que falamos muito sobre a nuvem,
  • 11:04 - 11:06
    mas todas as vezes que colocamos alguma coisa na nuvem,
  • 11:06 - 11:08
    nós abrimos mão de alguma responsabilidade por ela.
  • 11:08 - 11:12
    Nós estamos menos conectados a ela. Deixamos que outras pessoas se preocuparem sobre isso.
  • 11:12 - 11:13
    E isto não parece correto.
  • 11:13 - 11:16
    Há uma frase do grande Neal Stephenson na qual diz
  • 11:16 - 11:20
    que as pessoas conectadas deveriam saber alguma coisa sobre conexão.
  • 11:20 - 11:22
    E nós deveriamos saber, eu penso, nós deveriamos saber
  • 11:22 - 11:25
    de onde vem nossa Internet, e nós deveriamos saber
  • 11:25 - 11:30
    o que é que fisicamente, fisicamente nos conecta a todos.
  • 11:30 - 11:32
    Muito obrigado (Aplausos)
  • 11:32 - 11:35
    (Aplausos)
  • 11:35 - 11:38
    Obrigado (Aplausos)
Title:
Andrew Blum: O que realmente é a Internet?
Speaker:
Andrew Blum
Description:

Quando um esquilo mastigou um cabo e o deixou fora do ar, o jornalista Andrew Blum começou a pensar a respeito do como a Internet realmente era feita. Então ele saiu para vê-la - os cabos submarinos, comutadores secretos e outras peças físicas que compõem a rede.

more » « less
Video Language:
English
Team:
closed TED
Project:
TEDTalks
Duration:
11:59

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions