Return to Video

As oportunidades escondidas da economia informal

  • 0:01 - 0:05
    Os mercados informais da África
    são estereotipicamente vistos
  • 0:05 - 0:07
    como caóticos e negligentes.
  • 0:07 - 0:10
    O lado ruim de ouvir a palavra "informal"
  • 0:10 - 0:13
    é a grande associação
    automática que temos,
  • 0:13 - 0:14
    que é bem negativa,
  • 0:14 - 0:19
    e já teve consequências e prejuízos
    econômicos significantes,
  • 0:19 - 0:24
    adicionando ou subtraindo facilmente
    40% a 60% da margem de lucro
  • 0:24 - 0:27
    apenas nos mercados informais.
  • 0:27 - 0:31
    Como parte de uma tarefa de mapear
    o ecossistema do comércio informal,
  • 0:31 - 0:36
    fizemos um estudo de análise extenso
    de todos os relatórios e pesquisas
  • 0:36 - 0:41
    sobre o negócio transfronteiriço
    na África oriental de até 20 anos atrás.
  • 0:41 - 0:45
    Serviu para nos preparar para o trabalho
    de campo e entender qual era o problema,
  • 0:45 - 0:49
    o que estava impedindo
    o comércio informal no setor informal.
  • 0:50 - 0:53
    Descobrimos que nos últimos 20 anos
  • 0:53 - 0:57
    ninguém havia distinguido o ilícito,
  • 0:57 - 1:02
    que seria contrabandear
    no setor informal,
  • 1:02 - 1:04
    do que é legítimo, só que sem registros,
  • 1:04 - 1:07
    como tomates, laranjas, frutas.
  • 1:08 - 1:10
    A criminalização,
  • 1:10 - 1:15
    que em suaíli quer dizer "biashara",
    que é o negócio ou comércio,
  • 1:15 - 1:19
    contra "magendo", que é o contrabando,
  • 1:19 - 1:22
    essa criminalização do setor informal,
  • 1:22 - 1:26
    em inglês, ao não diferenciar
    esses aspectos,
  • 1:26 - 1:32
    pode facilmente custar para cada economia
    africana uma adição de 60% a 80%
  • 1:32 - 1:35
    na taxa anual de crescimento do PIB,
  • 1:35 - 1:38
    pois não estamos legitimando o motor
  • 1:38 - 1:41
    que mantém as economias girando.
  • 1:41 - 1:44
    O setor informal gera
    quatro vezes mais emprego
  • 1:44 - 1:46
    que o sistema tradicional formal,
  • 1:46 - 1:49
    ou a economia "moderna", como chamam.
  • 1:49 - 1:52
    Oferece empregos e oportunidades salariais
  • 1:52 - 1:56
    aos mais "inexperientes"
    nas disciplinas convencionais.
  • 1:56 - 2:00
    Mas, pode-se fazer uma máquina
    de batata frita com um carro velho?
  • 2:00 - 2:04
    É isso, senhoras e senhores,
  • 2:04 - 2:07
    que urgentemente precisa ser legitimado.
  • 2:07 - 2:11
    Enquanto as presunções atuais
    acharem que isso é criminoso,
  • 2:11 - 2:14
    que isso é uma sombra, que é ilegal,
  • 2:14 - 2:19
    não haverá tentativas de integração
    do ecossistema informal econômico
  • 2:19 - 2:22
    com o sistema formal, nem com o global.
  • 2:23 - 2:26
    Irei lhes contar a história da Teresia,
  • 2:26 - 2:30
    uma comerciante que derrubou
    todas as nossas presunções,
  • 2:30 - 2:33
    e que nos fez questionar todos
    os estereótipos que tínhamos,
  • 2:33 - 2:36
    baseado naqueles 20 anos
    de estudo de análise.
  • 2:38 - 2:43
    Teresia vende roupas sob uma árvore
    na cidade de Malaba,
  • 2:43 - 2:45
    na fronteira entre Uganda e o Quênia.
  • 2:46 - 2:48
    Vocês acham que é bem simples, né?
  • 2:49 - 2:53
    Só ir lá e pendurar as roupas nos galhos,
    estender a lona, relaxar
  • 2:53 - 2:56
    e esperar pelos clientes, simples assim.
  • 2:56 - 2:59
    Ela era tudo que esperávamos
    com base nos estudos,
  • 2:59 - 3:00
    nas pesquisas,
  • 3:01 - 3:04
    até sobre o fato de ela ser mãe
    vivendo do comércio
  • 3:04 - 3:06
    e criando seus filhos sozinha.
  • 3:07 - 3:10
    Mas, o que foi que derrubou as presunções?
  • 3:10 - 3:11
    O que nos surpreendeu?
  • 3:11 - 3:15
    Primeiro, Teresia pagava as tarifas
    de mercado à prefeitura
  • 3:15 - 3:17
    todo santo dia de trabalho
  • 3:17 - 3:20
    pelo privilégio de montar
    seu negócio sob sua árvore.
  • 3:20 - 3:22
    Ela já faz isso há sete anos,
  • 3:22 - 3:24
    e vem recebendo recibos.
  • 3:25 - 3:26
    Ela mantém registros.
  • 3:26 - 3:29
    Não se trata de uma comerciante
    africana insignificante,
  • 3:29 - 3:31
    sem privilégios,
  • 3:31 - 3:36
    e vulnerável que vende
    à beira da estrada, não.
  • 3:36 - 3:41
    Ela é alguém que mantém
    registro de vendas há anos;
  • 3:41 - 3:47
    alguém com todo um ecossistema
    de varejo que vem de Uganda
  • 3:47 - 3:49
    para adquirir um inventário;
  • 3:49 - 3:53
    alguém que tem um carrinho
    de mão que traz os produtos,
  • 3:53 - 3:58
    ou o agente de transações pelo celular
    que recolhe o dinheiro todo fim de tarde.
  • 3:58 - 4:04
    Conseguem adivinhar o custo mensal
    que ela tem, em média, com o inventário,
  • 4:04 - 4:07
    estoques de roupas novas
    que ela pega de Nairóbi?
  • 4:08 - 4:10
    Ela gasta US$ 1,5 mil.
  • 4:11 - 4:16
    É investido mais ou menos US$ 20 mil
    no comércio de produtos e serviços
  • 4:16 - 4:18
    a cada ano.
  • 4:18 - 4:19
    Essa é Teresia,
  • 4:19 - 4:20
    a invisível,
  • 4:20 - 4:22
    a intermediária escondida.
  • 4:22 - 4:27
    E ela é só a primeira leva
    de pequenos empreendedores,
  • 4:27 - 4:31
    dos micronegócios que podem ser
    encontrados nesses mercados de cidades.
  • 4:31 - 4:36
    Pelo menos na maior fronteira de Malaba,
    ela faz parte da primeira leva.
  • 4:37 - 4:39
    As pessoas no topo da cadeia de valores
  • 4:39 - 4:42
    estão facilmente administrando
    três tipos de negócios,
  • 4:42 - 4:47
    investindo US$ 2,5 mil
    a US$ 3 mil a cada mês.
  • 4:48 - 4:52
    Daí, o problema já não
    é mais a criminalização;
  • 4:52 - 4:56
    não dá para criminalizar alguém
    de quem você cobra recibos.
  • 4:57 - 5:02
    E, sim, a falta de legitimação
    de seus empregos especializados.
  • 5:03 - 5:07
    As estruturas e sistemas bancários
    não possuem meios de legitimá-los
  • 5:07 - 5:09
    como micronegócios,
  • 5:09 - 5:11
    e, ainda tem o fato
  • 5:11 - 5:14
    de que a árvore dela não
    tem um endereço específico.
  • 5:14 - 5:16
    Daí, ela está presa no meio.
  • 5:16 - 5:19
    Ela está sendo ignorada
    em nossas suposições.
  • 5:19 - 5:22
    Sabem todos aqueles microempréstimos
    que ajudariam as comerciantes africanas?
  • 5:23 - 5:25
    Eles irão lhe emprestar US$ 50 ou US$ 100.
  • 5:25 - 5:27
    E o que ela fará com isso?
  • 5:27 - 5:30
    Ela gasta dez vezes mais que isso por mês
  • 5:30 - 5:31
    só com o inventário;
  • 5:31 - 5:35
    nem estamos falando de serviços
    adicionais ou de apoio ao ecossistema.
  • 5:36 - 5:39
    São aqueles que não se encaixam
    nem nos estereótipos regulamentais
  • 5:39 - 5:42
    dos inexperientes e dos marginalizados,
  • 5:42 - 5:45
    nem dos colarinhos brancos,
    trabalhadores assalariados
  • 5:45 - 5:47
    ou funcionários públicos com uma pensão
  • 5:47 - 5:50
    que, supostamente, compõem a classe média.
  • 5:50 - 5:55
    Em vez disso, o que existe
    são os protótipos de PMEs.
  • 5:55 - 5:58
    Elas são as sementes férteis
    dos comércios e as empresas
  • 5:58 - 6:00
    que mantêm os motores a todo vapor.
  • 6:00 - 6:02
    Elas colocam a comida à sua mesa.
  • 6:02 - 6:05
    Até mesmo neste hotel, as invisíveis:
  • 6:05 - 6:08
    as açougueiras, as padeiras,
    as fabricantes de candelabros...
  • 6:08 - 6:11
    elas que fabricam as máquinas
    que fazem suas batatas fritas
  • 6:11 - 6:13
    e que confeccionam suas camas.
  • 6:13 - 6:16
    São as comerciantes invisíveis
    que negociam pelas fronteiras,
  • 6:17 - 6:19
    todas à beira da estrada,
  • 6:19 - 6:22
    assim ficam invisíveis
    aos coletores de dados.
  • 6:23 - 6:26
    Logo, elas se misturam
    ao vasto setor informal
  • 6:26 - 6:31
    que não se importa em distinguir
    contrabandistas, sonegadores de impostos
  • 6:31 - 6:34
    e aqueles que administram coisas ilegais,
  • 6:34 - 6:36
    das mulheres comerciantes
  • 6:36 - 6:40
    e daquelas que colocam comida à mesa
    e bancam a universidade dos filhos.
  • 6:40 - 6:44
    É isso que vim aqui pedir.
  • 6:44 - 6:46
    É isso que precisamos fazer para começar.
  • 6:47 - 6:51
    Podemos começar legitimando
    suas experiências e empregos?
  • 6:52 - 6:56
    Podemos transformar a economia informal
    começando com essa legitimação
  • 6:56 - 7:01
    e depois criar as portas customizadas
    para que elas possam entrar
  • 7:01 - 7:03
    ou integrar o formal,
  • 7:03 - 7:04
    o global,
  • 7:04 - 7:06
    e todo o sistema.
  • 7:06 - 7:08
    Obrigada, senhoras e senhores.
  • 7:08 - 7:10
    (Aplausos)
Title:
As oportunidades escondidas da economia informal
Speaker:
Niti Bhan
Description:

Niti Bhan estuda estratégias de negócios para os mercados informais da África: as pequenas lojas, barracas, artesões habilidosos e trabalhadores que são o motor invisível que mantém a economia do continente girando. É tentador achar que esses trabalhadores são desviadores de impostos e até criminosos, mas ela nos afirma que esse segmento efervescente da economia é legítimo e vale a pena investir nele. Se fizermos isso, ela afirma, talvez possamos gerar mais milhares empregos. "Essas são as sementes férteis de negócios e empresas", Bhan diz. "Está na hora de legitimarmos suas habilidades e ocupações".

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
07:26

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions