Return to Video

Arte feita do ar que respiramos

  • 0:01 - 0:04
    Se eu pedisse a você para imaginar o ar,
  • 0:05 - 0:07
    o que você imaginaria?
  • 0:09 - 0:12
    A maioria das pessoas pensa
    em um espaço vazio
  • 0:13 - 0:14
    ou um límpido céu azul,
  • 0:15 - 0:17
    ou talvez árvores dançando ao vento.
  • 0:18 - 0:20
    E eu me lembro da professora
    de química na escola
  • 0:20 - 0:22
    com aquelas meias bem longas,
  • 0:22 - 0:26
    desenhando no quadro negro
    diagramas de bolhas se conectando,
  • 0:26 - 0:31
    e descrevendo como elas vibram e colidem
    em um tipo de caldo frenético.
  • 0:32 - 0:36
    Mas realmente, nós tendemos a pensar
    sobre o ar de forma absoluta.
  • 0:36 - 0:38
    Nós percebemos isso principalmente
  • 0:38 - 0:42
    quando há algum tipo de intrusão
    sensorial desagradável nele,
  • 0:43 - 0:47
    como um cheiro terrível ou algo
    visível como fumaça ou névoa.
  • 0:48 - 0:50
    Mas ele está sempre ali.
  • 0:51 - 0:54
    Ele está nos tocando bem agora.
  • 0:54 - 0:56
    Ele está dentro de nós.
  • 0:57 - 1:02
    Nosso ar é imediato, vital e íntimo.
  • 1:03 - 1:06
    E ainda assim, tão fácil de ser esquecido.
  • 1:08 - 1:10
    Mas o que é o ar?
  • 1:10 - 1:14
    Ele é uma combinação de gases
    invisíveis que envolvem a Terra,
  • 1:14 - 1:16
    atraídas para a Terra
    pelo empuxo gravitacional.
  • 1:17 - 1:21
    E apesar de ser artista visual,
  • 1:21 - 1:24
    estou interessada na invisibilidade do ar.
  • 1:24 - 1:29
    Estou interessada em como o imaginamos,
    como o experimentamos,
  • 1:29 - 1:33
    e como todos temos um entendimento
    natural de sua materialidade
  • 1:33 - 1:35
    através da respiração.
  • 1:37 - 1:42
    Toda a vida na Terra muda o ar
    através das trocas gasosas
  • 1:42 - 1:45
    e todos nós estamos fazendo isso agora.
  • 1:45 - 1:48
    De fato, por que não fazemos isto
    agora mesmo, em conjunto:
  • 1:48 - 1:50
    uma respiração, grande,
    coletiva, e profunda?
  • 1:50 - 1:53
    Prontos? Inspirem. (Inala)
  • 1:55 - 1:57
    E expirem. (Exala)
  • 1:59 - 2:01
    Este ar que você acabou de exalar,
  • 2:01 - 2:05
    você o enriqueceu 100 vezes
    com bióxido de carbono.
  • 2:06 - 2:10
    Assim, cerca de cinco litros
    de ar por respiração,
  • 2:10 - 2:13
    17 respirações por minuto,
  • 2:13 - 2:18
    de um total de 525,6 mil minutos por ano,
  • 2:18 - 2:24
    chegamos a aproximadamente
    45 milhões de litros de ar,
  • 2:24 - 2:28
    enriquecido 100 vezes
    por dióxido de carbono,
  • 2:28 - 2:29
    só por você.
  • 2:30 - 2:34
    Isto é equivalente
    a 18 piscinas olímpicas.
  • 2:36 - 2:38
    Para mim, o ar é algo coletivo.
  • 2:38 - 2:42
    Ele é simultaneamente tão pequeno
    quanto a nossa respiração
  • 2:42 - 2:43
    e tão grande quanto o nosso planeta.
  • 2:45 - 2:48
    E é meio difícil de imaginar.
  • 2:49 - 2:52
    Talvez seja impossível,
    e talvez nem mesmo importe.
  • 2:52 - 2:55
    Através da minha prática em artes visuais,
  • 2:55 - 2:58
    tento tornar o ar, mais do que imaginá-lo,
  • 2:58 - 3:02
    mais visceral, tátil e háptico.
  • 3:03 - 3:08
    Tento expandir a noção de estética,
    como as coisas se parecem,
  • 3:08 - 3:12
    de modo que possa incluir coisas como:
    qual é a sensação dele na sua pele,
  • 3:12 - 3:13
    e em seus pulmões,
  • 3:13 - 3:16
    e como sua voz soa quando passa por ele.
  • 3:18 - 3:23
    Eu exploro o peso, densidade e cheiro,
    mas o mais importante:
  • 3:23 - 3:26
    penso muito sobre as histórias
    que atribuímos aos tipos diferentes de ar.
  • 3:30 - 3:34
    Este é um trabalho que fiz em 2014,
  • 3:35 - 3:38
    intitulado "Different Kinds of Air:
    A Plant's Diary,"
  • 3:38 - 3:42
    no qual eu recrio o ar de épocas
    diferentes na evolução da Terra,
  • 3:42 - 3:45
    e convido o público
    a entrar e respirar comigo.
  • 3:45 - 3:49
    E é realmente surpreendente,
    drasticamente diferente.
  • 3:50 - 3:52
    Eu não sou cientista,
  • 3:52 - 3:57
    mas os meteorologistas procurarão
    vestígios da química do ar em geologia,
  • 3:58 - 4:00
    como o modo que as rochas oxidam,
  • 4:00 - 4:03
    e eles extrapolam essa informação
    e a recombinam,
  • 4:03 - 4:08
    de modo que possam formar uma receita
    para o ar em diferentes momentos.
  • 4:09 - 4:11
    Em seguida, entro como a artista
    e recrio esta receita
  • 4:11 - 4:14
    usando seus componentes gasosos.
  • 4:16 - 4:20
    Fiquei particularmente interessada
    em momentos do tempo
  • 4:20 - 4:24
    que são exemplos
    determinantes na vida do ar,
  • 4:24 - 4:27
    mas também do ar que pode
    influenciar como a vida evoluirá,
  • 4:29 - 4:31
    como o ar carbonífero.
  • 4:32 - 4:35
    Ele é de cerca de 300 a 350
    milhões de anos atrás.
  • 4:36 - 4:39
    Esta era é conhecida
    como a Era dos Gigantes.
  • 4:39 - 4:42
    Assim, pela primeira vez
    na história da vida,
  • 4:42 - 4:43
    a lignina evoluiu.
  • 4:43 - 4:46
    Ela é a parte sólida
    que constituem as árvores,
  • 4:46 - 4:49
    portanto, as árvores inventam
    seus próprios troncos neste momento,
  • 4:49 - 4:53
    e, assim, ficam cada vez maiores,
    e se espalham pela Terra,
  • 4:53 - 4:56
    lançando cada vez mais
    oxigênio na atmosfera,
  • 4:56 - 5:00
    de modo que os níveis de oxigênio
    ficaram cerca de duas vezes
  • 5:00 - 5:02
    mais elevados do que são hoje.
  • 5:02 - 5:05
    E este ar enriquecido
    suporta numerosos insetos:
  • 5:05 - 5:11
    grandes aranhas e libélulas
    com envergadura da asa de 65 centímetros.
  • 5:12 - 5:16
    Para respirar, este ar é limpo e fresco.
  • 5:16 - 5:18
    Não tem lá um sabor,
  • 5:18 - 5:22
    mas dá ao seu corpo
    um impulso sutil de energia.
  • 5:22 - 5:24
    É realmente bom para ressaca.
  • 5:24 - 5:26
    (Risos)
  • 5:27 - 5:29
    Ou o ar da Grande Agonia:
  • 5:29 - 5:33
    cerca de 252,5 milhões de anos atrás,
  • 5:33 - 5:35
    pouco antes dos dinossauros evoluírem.
  • 5:35 - 5:39
    É um período de tempo muito curto,
    geologicamente falando,
  • 5:39 - 5:43
    de cerca de 20 a 200 mil anos, bem rápido.
  • 5:44 - 5:47
    Este é o maior evento de extinção
    na história da Terra,
  • 5:47 - 5:49
    ainda maior do que quando
    os dinossauros morreram:
  • 5:50 - 5:54
    85 a 95% das espécies
    neste momento morrem,
  • 5:54 - 5:59
    e simultâneo a isso, houve um pico enorme
    e dramático no dióxido de carbono,
  • 5:59 - 6:01
    que muitos dos cientistas concordam
  • 6:01 - 6:04
    vem de erupções simultâneas de vulcões
  • 6:04 - 6:07
    e um efeito estufa descontrolado.
  • 6:09 - 6:13
    Níveis de oxigênio neste momento estavam
    abaixo da metade do que são hoje; uns 10%.
  • 6:14 - 6:17
    Este ar definitivamente
    não sustentaria a vida humana,
  • 6:17 - 6:19
    mas daria para respirar.
  • 6:19 - 6:22
    E respirar, é bem reconfortante.
  • 6:22 - 6:25
    É realmente calmante, é acalentador
  • 6:25 - 6:29
    e tem sabor de água gaseificada,
  • 6:29 - 6:32
    tem um pouco aquela sensação,
    bem agradável.
  • 6:33 - 6:35
    Assim com todas essas ideias
    sobre o ar do passado,
  • 6:35 - 6:39
    é bastante natural começar
    a pensar no ar do futuro.
  • 6:40 - 6:43
    E em vez especular sobre este ar
  • 6:43 - 6:46
    e como ele poderia ser composto no futuro,
  • 6:46 - 6:50
    descobri este ar sintetizado
    pelo ser humano.
  • 6:51 - 6:54
    Isto significa que ele não existe
    em nenhum lugar da natureza,
  • 6:54 - 6:57
    mas é feito por seres humanos
    em um laboratório
  • 6:57 - 7:00
    para aplicação em diferentes
    configurações industriais.
  • 7:02 - 7:04
    Por que este é o ar do futuro?
  • 7:04 - 7:07
    Bem, este ar é uma molécula estável
  • 7:08 - 7:12
    que literalmente será parte do ar
    uma vez que for lançado,
  • 7:12 - 7:16
    nos próximos 300 a 400 anos,
    antes que seja decomposto.
  • 7:16 - 7:20
    Então isso é cerca de 12 a 16 gerações.
  • 7:21 - 7:25
    E este ar do futuro tem algumas
    qualidades muito sensuais.
  • 7:26 - 7:27
    É bem pesado.
  • 7:28 - 7:32
    É cerca de oito vezes mais pesado do que
    o ar que estamos habituados a respirar.
  • 7:33 - 7:36
    É tão pesado, de fato,
    que quando você o inspira,
  • 7:36 - 7:40
    todas as palavras que você
    fala são também pesadas,
  • 7:40 - 7:43
    portanto elas gotejam
    do seu queixo e caem no chão
  • 7:43 - 7:45
    e preenchem as rachaduras.
  • 7:45 - 7:48
    Ele é um ar que funciona
    quase como um líquido.
  • 7:50 - 7:53
    Este ar vem com uma dimensão ética também.
  • 7:54 - 7:56
    Seres humanos fizeram este ar,
  • 7:56 - 8:02
    mas ele é também o gás de efeito estufa
    mais potente que já foi testado.
  • 8:03 - 8:08
    Seu potencial de aquecimento é
    24 mil vezes acima do dióxido de carbono,
  • 8:09 - 8:12
    e tem a longevidade de 12 a 16 gerações.
  • 8:13 - 8:18
    Portanto, esta confrontação ética
    é realmente cerne do meu trabalho.
  • 8:32 - 8:35
    (Voz destorcida) Ele tem outra
    qualidade bastante surpreendente:
  • 8:35 - 8:39
    modifica o som da sua voz dramaticamente.
  • 8:39 - 8:41
    (Risos)
  • 8:45 - 8:48
    Então, quando começamos a pensar...
    ele ainda não acabou.
  • 8:48 - 8:50
    (Risos)
  • 8:50 - 8:52
    Quando pensamos nas mudanças climáticas,
  • 8:52 - 8:58
    provavelmente não pensamos
    em insetos gigantes e vulcões em erupção
  • 8:58 - 9:00
    ou vozes engraçadas.
  • 9:01 - 9:04
    As imagens que mais
    prontamente vem à mente
  • 9:04 - 9:09
    são coisas como geleiras derretendo
    e ursos polares em icebergs à deriva.
  • 9:09 - 9:12
    Nós pensamos em vários gráficos
  • 9:12 - 9:16
    e políticos falando com cientistas
    vestidos com casacos de lã.
  • 9:18 - 9:22
    Mas talvez seja a hora de começar
    a pensar sobre mudança climática
  • 9:22 - 9:26
    do mesmo modo visceral
    que experimentamos o ar.
  • 9:28 - 9:33
    Como o ar, a mudança climática está
    simultaneamente na escala da molécula,
  • 9:33 - 9:36
    a respiração e o planeta.
  • 9:37 - 9:41
    É imediato, vital e íntimo,
  • 9:41 - 9:45
    além de ser amorfo e pesado.
  • 9:46 - 9:50
    E, no entanto, é tão facilmente esquecido.
  • 9:52 - 9:56
    A mudança climática é o autorretrato
    coletivo da humanidade.
  • 9:56 - 10:00
    Reflete nossas decisões como indivíduos,
    como governos e como indústrias.
  • 10:02 - 10:05
    E se há algo que aprendi observando o ar,
  • 10:05 - 10:08
    é que embora esteja mudando, ele persiste.
  • 10:09 - 10:12
    Pode ser que ele não sustente
    o tipo de vida que reconhecemos,
  • 10:12 - 10:14
    mas vai sustentar algo.
  • 10:15 - 10:19
    E se nós humanos somos
    uma parte tão vital dessa mudança,
  • 10:19 - 10:22
    acho que é importante
    que possamos "sentir" essa discussão,
  • 10:23 - 10:27
    pois, mesmo sendo invisível,
  • 10:27 - 10:32
    os seres humanos estão deixando
    um traço muito vibrante no ar.
  • 10:33 - 10:34
    Obrigada.
  • 10:34 - 10:36
    (Aplausos)
Title:
Arte feita do ar que respiramos
Speaker:
Emily Parsons-Lord
Description:

Emily Parsons-Lord recria o ar a partir de momentos distintos na história da Terra - desde o ar limpo e fresco do período carbonífero até o ar da água de soda da Grande Morte até o ar pesado e tóxico do futuro que estamos criando. Ao transformar o ar em arte, ela nos convida a conhecer o mundo invisível que nos rodeia. Respire o passado e o futuro da Terra nesta palestra imaginativa e instigante.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
10:49

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions