Return to Video

Uma razão a mais para ter uma boa noite de sono

  • 0:01 - 0:02
    Sono.
  • 0:02 - 0:05
    É uma coisa em que gastamos
    um terço de nossas vidas,
  • 0:05 - 0:09
    mas algum de nós realmente
    sabe do que se trata?
  • 0:09 - 0:11
    Dois mil anos atrás, Galeno,
  • 0:11 - 0:13
    um dos pesquisadores clínicos
    mais famosos
  • 0:13 - 0:14
    do mundo antigo,
  • 0:14 - 0:16
    propôs que, enquanto estamos acordados,
  • 0:16 - 0:20
    a força motriz de nosso cérebro,
    seu combustível,
  • 0:20 - 0:22
    extravasa para todas
    as outras partes do corpo,
  • 0:22 - 0:26
    animando-as, mas deixando o cérebro seco.
  • 0:26 - 0:28
    E ele pensava que ao dormirmos,
  • 0:28 - 0:30
    todo esse líquido que
    preencheu o resto do corpo
  • 0:30 - 0:32
    viria de volta,
  • 0:32 - 0:34
    reidratando o cérebro
  • 0:34 - 0:36
    e refrescando a mente.
  • 0:36 - 0:39
    Hoje, isso nos parece ridículo,
  • 0:39 - 0:41
    mas Galeno só estava
    tentando explicar
  • 0:41 - 0:43
    algo sobre o sono
  • 0:43 - 0:45
    com que lidamos todos os dias.
  • 0:45 - 0:48
    Vejam, todos nós sabemos
    por experiência
  • 0:48 - 0:50
    que, ao dormir, o sono esclarece a mente,
  • 0:50 - 0:52
    e se você não dorme,
  • 0:52 - 0:54
    sua mente fica nublada.
  • 0:54 - 0:57
    Mas apesar de sabermos muito
    sobre o sono agora
  • 0:57 - 0:59
    em comparação ao que Galeno sabia,
  • 0:59 - 1:01
    ainda não entendemos o porquê do sono,
  • 1:01 - 1:04
    de todas nossas atividades,
    ter essa função
  • 1:04 - 1:06
    restauradora para a mente.
  • 1:06 - 1:10
    Então gostaria de falar com vocês
    sobre algumas pesquisas recentes
  • 1:10 - 1:12
    que podem esclarecer essa questão.
  • 1:12 - 1:16
    Nós descobrimos que o sono pode ser
  • 1:16 - 1:18
    uma elegante solução projetada
  • 1:18 - 1:21
    para algumas das necessidades
    mais básicas do cérebro,
  • 1:21 - 1:22
    uma maneira única de o cérebro
  • 1:22 - 1:25
    combinar seu alto consumo
    e os limites estreitos
  • 1:25 - 1:30
    que o separam dos outros órgãos do corpo.
  • 1:31 - 1:33
    Quase toda a biologia que observamos
  • 1:33 - 1:36
    pode ser pensada como
    uma série de problemas
  • 1:36 - 1:38
    com suas soluções correspondentes,
  • 1:38 - 1:41
    e o primeiro problema que
    todo órgão precisa resolver
  • 1:41 - 1:44
    é um suprimento contínuo
    de nutrientes para alimentar
  • 1:44 - 1:46
    todas as células do corpo.
  • 1:46 - 1:48
    No cérebro, isso é especialmente crítico.
  • 1:48 - 1:50
    Sua atividade elétrica intensa demanda
  • 1:50 - 1:53
    um quarto do suprimento
    de energia corporal,
  • 1:53 - 1:55
    apesar de o cérebro constituir
  • 1:55 - 1:58
    apenas dois por cento da massa do corpo.
  • 1:58 - 2:00
    O sistema circulatório
  • 2:00 - 2:02
    resolve o problema
    de transporte de nutrientes
  • 2:02 - 2:05
    emitindo vasos sanguíneos para
    fornecer nutrientes
  • 2:05 - 2:08
    e oxigênio para todos os lugares do corpo.
  • 2:08 - 2:11
    Você pode ver isso ocorrendo nesse vídeo.
  • 2:11 - 2:13
    Aqui, estamos vendo vasos sanguíneos
  • 2:13 - 2:16
    no cérebro de um camundongo vivo.
  • 2:16 - 2:18
    Os vasos sanguíneos formam
    uma rede complexa
  • 2:18 - 2:20
    que preenche todo o volume cerebral.
  • 2:20 - 2:22
    Eles começam na superfície do cérebro,
  • 2:22 - 2:25
    e então se aprofundam no tecido,
  • 2:25 - 2:28
    e conforme se espalham,
    eles fornecem nutrientes
  • 2:28 - 2:32
    e oxigênio para cada célula no cérebro.
  • 2:33 - 2:36
    Agora, assim como toda célula necessita
  • 2:36 - 2:38
    de nutrientes para se manter,
  • 2:38 - 2:41
    toda célula também produz resíduo
    como subproduto,
  • 2:41 - 2:43
    e a limpeza desse resíduo
  • 2:43 - 2:45
    é um segundo problema básico
  • 2:45 - 2:48
    que todo órgão precisa resolver.
  • 2:48 - 2:50
    Esse diagrama mostra
    o sistema linfático do corpo,
  • 2:50 - 2:53
    que evoluiu para atender sua necessidade.
  • 2:53 - 2:56
    É uma segunda rede paralela de vasos
  • 2:56 - 2:58
    que se projeta por todo o corpo.
  • 2:58 - 3:00
    Ele capta proteínas e outros resíduos
  • 3:00 - 3:02
    dos espaços entre as células,
  • 3:02 - 3:04
    ele os recolhe e os despeja no sangue
  • 3:04 - 3:07
    para que sejam eliminados.
  • 3:07 - 3:10
    Mas se olharem esse diagrama
    bem de perto, vocês verão algo
  • 3:10 - 3:12
    que não faz muito sentido.
  • 3:12 - 3:15
    Então vamos ampliar
    a cabeça dessa pessoa,
  • 3:15 - 3:17
    e uma das coisas que vocês veriam
  • 3:17 - 3:20
    é que não há vasos linfáticos no cérebro.
  • 3:21 - 3:24
    Mas isso não faz sentido, faz?
  • 3:24 - 3:28
    Quer dizer, o cérebro
    é um órgão muito ativo
  • 3:28 - 3:30
    que produz uma quantidade
    correspondente de resíduos
  • 3:30 - 3:33
    que deve ser limpa de maneira eficiente.
  • 3:33 - 3:36
    E ainda assim, ele não tem
    vasos linfáticos, ou seja,
  • 3:36 - 3:38
    a abordagem que o resto do corpo usa
  • 3:38 - 3:40
    para limpar seus resíduos
  • 3:40 - 3:41
    não funciona no cérebro.
  • 3:42 - 3:45
    Então como o cérebro resolve
  • 3:45 - 3:47
    seu problema de limpeza?
  • 3:47 - 3:50
    Bem, nessa questão
    aparentemente simples
  • 3:50 - 3:53
    é onde nosso grupo entra
    pela primeira vez,
  • 3:53 - 3:55
    e o que descobrimos,
  • 3:55 - 3:58
    conforme nos aprofundamos no cérebro,
  • 3:58 - 4:01
    entre os neurônios e os vasos sanguíneos,
  • 4:01 - 4:03
    foi que a solução do cérebro
  • 4:03 - 4:05
    para o problema de limpeza de resíduos
  • 4:05 - 4:07
    era inesperada.
  • 4:07 - 4:10
    Era engenhosa,
  • 4:10 - 4:12
    mas também era linda.
  • 4:13 - 4:15
    Vou dizer o que descobrimos.
  • 4:15 - 4:18
    O cérebro tem um grande reservatório
  • 4:18 - 4:21
    de um líquido claro
    chamado líquido cefalorraquidiano.
  • 4:21 - 4:22
    Nós chamamos de LCR.
  • 4:22 - 4:26
    O LCR preenche o espaço
    ao redor do cérebro,
  • 4:26 - 4:28
    e os resíduos do interior do cérebro
  • 4:28 - 4:30
    se movem até o LCR,
  • 4:30 - 4:33
    que é despejado,
    junto com os resíduos, no sangue.
  • 4:33 - 4:35
    Falando assim, parece muito
  • 4:35 - 4:37
    com o sistema linfático, não é?
  • 4:37 - 4:40
    mas o que é interessante é que
    o líquido e os resíduos
  • 4:40 - 4:41
    do interior do cérebro
  • 4:41 - 4:44
    não passam de maneira aleatória
  • 4:44 - 4:46
    até chegar no LCR.
  • 4:46 - 4:50
    Ao invés disso, há uma
    rede de encanamento especializada
  • 4:50 - 4:54
    que organiza e facilita este processo.
  • 4:54 - 4:56
    Vocês podem ver isso nesses vídeos.
  • 4:56 - 4:59
    Aqui, estamos novamente visualizando
    o interior do cérebro
  • 4:59 - 5:00
    de um camundongo vivo.
  • 5:00 - 5:02
    O quadro à esquerda mostra
  • 5:02 - 5:04
    o que acontece na superfície do cérebro,
  • 5:04 - 5:06
    e o quadro à direita mostra
  • 5:06 - 5:08
    o que acontece sob a superfície cerebral,
  • 5:08 - 5:10
    dentro do próprio tecido.
  • 5:10 - 5:12
    Nós marcamos os vasos
    sanguíneos em vermelho,
  • 5:12 - 5:14
    e o LCR que circunda o cérebro
  • 5:14 - 5:16
    está em verde.
  • 5:16 - 5:18
    Agora, o que nos surpreendeu
  • 5:18 - 5:21
    foi que o líquido no exterior do cérebro
  • 5:21 - 5:24
    não ficou do lado de fora.
  • 5:24 - 5:26
    Ao invés disso, o LCR foi bombeado
  • 5:26 - 5:29
    para dentro do cérebro
  • 5:29 - 5:32
    ao redor dos vasos sanguíneos,
  • 5:32 - 5:34
    e enquanto fluía para dentro do cérebro
  • 5:34 - 5:36
    entre esses vasos,
  • 5:36 - 5:39
    ele estava na verdade ajudando a limpar,
  • 5:39 - 5:41
    a limpar os resíduos do espaço
  • 5:41 - 5:44
    entre as células cerebrais.
  • 5:44 - 5:46
    Se você pensar sobre isso,
  • 5:46 - 5:50
    usar as adjacências dos vasos sanguíneos
  • 5:50 - 5:52
    é uma solução muito esperta,
  • 5:52 - 5:55
    pois o cérebro está enclausurado
  • 5:55 - 5:57
    num crânio rígido
  • 5:57 - 5:59
    e está cheio de células,
  • 5:59 - 6:02
    então não há espaço dentro dele
  • 6:02 - 6:05
    para outro conjunto de vasos
    como o sistema linfático.
  • 6:05 - 6:06
    Porém, os vasos sanguíneos
  • 6:06 - 6:08
    se estendem da superfície do cérebro
  • 6:08 - 6:11
    para dentro, alcançando
    cada célula cerebral,
  • 6:11 - 6:12
    o que significa que o fluido
  • 6:12 - 6:15
    que viaja ao redor dos vasos
  • 6:15 - 6:19
    pode acessar facilmente
    todo o espaço do cérebro.
  • 6:19 - 6:21
    Então é dessa maneira bem esperta
  • 6:21 - 6:25
    que dá mais uma função
    aos vasos sanguíneos,
  • 6:25 - 6:28
    para substituir a função
  • 6:28 - 6:31
    de outro conjunto de vasos, os linfáticos,
  • 6:31 - 6:34
    para que não sejam necessários.
  • 6:34 - 6:36
    E o que é incrível é que
    nenhum outro órgão
  • 6:36 - 6:38
    usa essa abordagem
  • 6:38 - 6:41
    para limpar os resíduos
    entre as células.
  • 6:41 - 6:45
    Essa solução é exclusiva do cérebro.
  • 6:47 - 6:49
    Mas nossa descoberta mais surpreendente
  • 6:49 - 6:51
    foi que tudo isso,
  • 6:51 - 6:53
    tudo isso que mencionei,
  • 6:53 - 6:56
    com esse líquido passando pelo cérebro,
  • 6:56 - 7:00
    só acontece
    quando o cérebro está dormindo.
  • 7:01 - 7:02
    Aqui, o vídeo à esquerda
  • 7:02 - 7:04
    mostra quanto LCR se move
  • 7:04 - 7:08
    pelo cérebro de um camundongo
    vivo acordado.
  • 7:08 - 7:10
    Não é quase nada.
  • 7:10 - 7:11
    Porém, no mesmo animal,
  • 7:11 - 7:15
    se esperarmos um pouco
    até que ele durma,
  • 7:15 - 7:17
    o que vemos é que o LCR
  • 7:17 - 7:20
    está correndo pelo cérebro,
  • 7:20 - 7:22
    e descobrimos que no mesmo instante
  • 7:22 - 7:24
    em que o cérebro vai dormir,
  • 7:24 - 7:27
    as células cerebrais encolhem,
  • 7:27 - 7:29
    abrindo espaços entre si,
  • 7:29 - 7:31
    permitindo que o líquido passe entre elas
  • 7:31 - 7:34
    e deixando que os resíduos sejam limpos.
  • 7:34 - 7:37
    Então parece que Galeno podia estar
  • 7:37 - 7:39
    no caminho certo quando escreveu
  • 7:39 - 7:42
    sobre o líquido passando pelo cérebro
  • 7:42 - 7:43
    quando o sono vinha.
  • 7:43 - 7:47
    Nossa própria pesquisa hoje,
    2 mil anos depois,
  • 7:47 - 7:49
    sugere que o que acontece
  • 7:49 - 7:51
    é que, quando o cérebro está acordado
  • 7:51 - 7:53
    e está muito ocupado,
  • 7:53 - 7:55
    ele deixa de limpar os resíduos
  • 7:55 - 7:58
    dos espaços entre as células
    até mais tarde,
  • 7:58 - 8:00
    e então, quando ele dorme
  • 8:00 - 8:03
    e não está tão ocupado,
  • 8:03 - 8:05
    o cérebro ativa um modo de limpeza
  • 8:05 - 8:07
    para limpar os resíduos
  • 8:07 - 8:08
    dos espaços entre as células,
  • 8:08 - 8:11
    limpar os resíduos
    acumulados durante o dia.
  • 8:11 - 8:13
    É parecido com a maneira pela qual nós
  • 8:13 - 8:16
    procrastinamos as tarefas domésticas
    durante os dias úteis,
  • 8:16 - 8:18
    quando não temos tempo para elas,
  • 8:18 - 8:21
    e deixamos para fazer toda a limpeza
    que precisamos fazer
  • 8:21 - 8:23
    durante o fim de semana.
  • 8:24 - 8:27
    Agora, eu falei bastante
    sobre limpeza de resíduos,
  • 8:27 - 8:29
    mas eu não fui muito específico
  • 8:29 - 8:30
    quanto aos tipos de resíduos
  • 8:30 - 8:32
    que o cérebro precisa limpar
  • 8:32 - 8:35
    durante o sono para se manter saudável.
  • 8:35 - 8:37
    Os resíduos que os últimos estudos
  • 8:37 - 8:39
    focaram são as beta-amiloides,
  • 8:39 - 8:42
    que são proteínas produzidas
    pelo cérebro o tempo todo.
  • 8:42 - 8:44
    Meu cérebro está produzindo
    beta-amiloides agora,
  • 8:44 - 8:46
    e o seu também.
  • 8:46 - 8:48
    Mas em pacientes com Mal de Alzheimer
  • 8:48 - 8:51
    as beta-amiloides aumentam e se acumulam
  • 8:51 - 8:53
    nos espaços entre as células cerebrais,
  • 8:53 - 8:55
    em vez de serem limpas
    como devem ser,
  • 8:56 - 8:58
    e é esse acúmulo de beta-amiloides
  • 8:58 - 9:00
    que é considerado uma das etapas-chave
  • 9:00 - 9:03
    no desenvolvimento dessa doença terrível.
  • 9:03 - 9:06
    Nós medimos a rapidez com que
    as beta-amiloides são limpas
  • 9:06 - 9:08
    do cérebro quando está acordado
  • 9:08 - 9:09
    em comparação com quando está dormindo,
  • 9:09 - 9:11
    e descobrimos que de fato
  • 9:11 - 9:13
    a limpeza das beta-amiloides
  • 9:13 - 9:17
    é mais rápida com o cérebro dormindo.
  • 9:18 - 9:19
    Então se o sono
  • 9:19 - 9:21
    é parte da solução do cérebro
  • 9:21 - 9:23
    para o problema da limpeza de resíduos,
  • 9:23 - 9:26
    então isso pode mudar drasticamente
    a forma como pensamos
  • 9:26 - 9:28
    a relação entre o sono,
  • 9:28 - 9:31
    beta-amiloides e o Mal de Alzheimer.
  • 9:31 - 9:33
    Uma série de estudos clínicos recentes
  • 9:33 - 9:35
    sugerem que, entre os pacientes
  • 9:35 - 9:38
    que ainda não desenvolveram
    o Mal de Alzheimer,
  • 9:38 - 9:41
    a piora da qualidade do sono
    e da duração de sono
  • 9:41 - 9:43
    estão associadas com uma quantidade maior
  • 9:43 - 9:46
    de beta-amiloides no cérebro,
  • 9:46 - 9:48
    e embora seja importante indicar
  • 9:48 - 9:50
    que esses estudos não provam
  • 9:50 - 9:52
    que a falta de sono ou o sono ruim
  • 9:52 - 9:54
    causam o Mal de Alzheimer,
  • 9:54 - 9:57
    eles sugerem que a falha do cérebro
  • 9:57 - 9:59
    em manter a casa limpa,
  • 9:59 - 10:02
    limpando os resíduos
    como as beta-amiloides,
  • 10:02 - 10:03
    pode contribuir para o desenvolvimento
  • 10:03 - 10:06
    de doenças como o Mal de Alzheimer.
  • 10:07 - 10:09
    Então o que essa nova pesquisa nos diz
  • 10:09 - 10:11
    é que uma coisa que todos vocês
  • 10:11 - 10:13
    já sabiam sobre o sono,
  • 10:13 - 10:15
    e mesmo Galeno sabia sobre o sono,
  • 10:15 - 10:18
    que ele refresca e esclarece a mente,
  • 10:18 - 10:20
    pode ser realmente uma parte importante
  • 10:20 - 10:22
    do o que o sono é.
  • 10:22 - 10:24
    Vejam, nós dormimos
  • 10:24 - 10:26
    todas as noites,
  • 10:26 - 10:29
    mas nossos cérebros nunca descansam.
  • 10:29 - 10:30
    Enquanto nosso corpo está parado
  • 10:30 - 10:33
    e nossa mente está distraída
    com sonhos por aí,
  • 10:33 - 10:35
    o maquinário elegante do cérebro
  • 10:35 - 10:37
    está trabalhando silenciosamente
  • 10:37 - 10:39
    na limpeza e manutenção
  • 10:39 - 10:42
    dessa máquina incrivelmente complexa.
  • 10:42 - 10:44
    Assim como limpar a casa,
  • 10:44 - 10:46
    é um trabalho sujo e ingrato,
  • 10:46 - 10:48
    mas também é importante.
  • 10:48 - 10:51
    Em sua casa, se você parar
    de limpar sua cozinha
  • 10:51 - 10:52
    por um mês,
  • 10:52 - 10:55
    sua casa vai se tornar
    completamente inabitável
  • 10:55 - 10:57
    rapidamente.
  • 10:57 - 10:59
    Mas no cérebro, as consequências
  • 10:59 - 11:02
    de deixar a limpeza de lado
    podem ser maiores
  • 11:02 - 11:04
    que a vergonha de pias sujas,
  • 11:04 - 11:07
    pois quando se trata de limpar o cérebro,
  • 11:07 - 11:09
    é a saúde e o funcionamento
  • 11:09 - 11:12
    da mente e do corpo que estão em jogo,
  • 11:12 - 11:14
    e é por isso que compreender essas
  • 11:14 - 11:19
    funções básicas de limpeza
    do cérebro hoje
  • 11:19 - 11:22
    pode ser crucial para prevenir e tratar
  • 11:22 - 11:25
    as doenças da mente no futuro.
  • 11:25 - 11:26
    Obrigado.
  • 11:26 - 11:28
    (Aplausos)
Title:
Uma razão a mais para ter uma boa noite de sono
Speaker:
Jeff Iliff
Description:

O cérebro usa um quarto de toda energia do corpo e, mesmo assim, tem apenas dois por cento da massa corporal. Então como esse único órgão recebe e, talvez principalmente, utiliza seus nutrientes vitais? Novas pesquisas sugerem que isso tem a ver como o sono.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
11:41

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions Compare revisions