Portuguese, Brazilian subtítols

← A relação entre mudança climática, saúde e pobreza

Obtén el codi d'incrustació
41 llengües

Showing Revision 12 created 06/17/2020 by Maricene Crus.

  1. Cheguei nos Estados Unidos,
    de Kingston, Jamaica, no verão de 68.
  2. Minha família de seis pessoas se espremia
    num pequeno apartamento de dois quartos,
  3. num prédio de três andares,
    sem elevador no Brooklyn.
  4. O quarteirão tinha muitas crianças;
    algumas falavam espanhol, outras, inglês.
  5. No começo, eu não podia brincar com elas,
    porque, como meus pais diziam:
  6. "Eram muito bagunceiras".
  7. (Risos)
  8. Então, eu só podia ficar
    olhando da minha janela.

  9. Andar de patins era
    uma das brincadeiras preferidas.
  10. Elas adoravam pegar rabeira
    no ônibus, soltando o para-choque
  11. assim que o ônibus chegava no final
    da quadra em frente ao meu prédio.
  12. Um dia, apareceu uma menina nova.
  13. Ouvia as risadas de costume,
    enquanto ficavam dizendo:
  14. "Mira, mira! Mira, mira!".
  15. Isso significa "Olha, olha!" em espanhol.
  16. O grupo agarrou a traseira do ônibus
    no início do quarteirão,
  17. e enquanto desciam rindo
    e gritando: "Mira, mira, mira, mira!",
  18. de repente, o ônibus parou.
  19. As crianças mais experientes se ajeitaram
    e soltaram o ônibus rapidamente,
  20. mas a menina nova se desequilibrou
    e se esborrachou no asfalto.
  21. Ela não se mexia.
  22. As pessoas na rua correram para ajudar.

  23. O motorista do ônibus desceu
    para ver o que tinha acontecido
  24. e chamou uma ambulância.
  25. A cabeça dela estava sangrando.
    Ela não abria os olhos.
  26. Esperamos pela ambulância,
    continuamos a esperar,
  27. e todo mundo perguntava:
    "Cadê a ambulância?"
  28. Então, a polícia finalmente chegou.
  29. Um velho senhor negro americano disse:
    "Nenhuma ambulância vai vir aqui!".
  30. Ele disse isso novamente ao policial,
    em alto e bom som.
  31. "Você sabe que ambulância nenhuma
    vai vir. Nunca mandam ambulâncias aqui".
  32. O policial olhou para os meus vizinhos,
    que estavam ficando irritados,
  33. colocou a menina na viatura e foi embora.
  34. Eu tinha dez anos na época
    e sabia que aquilo não estava certo.

  35. Sabia que havia algo mais a ser feito.
  36. E o que eu poderia fazer
    era me tornar médica.
  37. Me tornei clínica geral e dediquei
    minha carreira a cuidar daqueles
  38. que normalmente chamamos
    de desfavorecidos, de vulneráveis.
  39. Como os vizinhos que eu tinha
    logo que vim para os Estados Unidos.
  40. Durante meus primeiros anos
    de formação no Harlem, nos anos 80,

  41. presenciei um aumento chocante
    no número de casos de jovens com HIV.
  42. Quando me mudei para Miami, descobri
    que o HIV incluía mulheres e crianças,
  43. principalmente, negros e latinos pobres.
  44. Em poucos anos, uma infecção presente
    apenas em determinada população
  45. se tornou uma epidemia mundial.
  46. De novo, sentia que precisava fazer algo.
  47. Felizmente, com a ajuda de ativistas,
    defensores, educadores e médicos como eu,
  48. que tratam doenças, encontramos
    uma maneira de avançar.
  49. Havia um esforço educacional enorme
    para reduzir a transmissão de HIV
  50. e para fornecer proteção legal
    a quem tinha a doença.
  51. Havia um desejo político de garantir
    que o maior número possível de pessoas,
  52. independentemente de seu poder aquisitivo
    e no mundo inteiro,
  53. pudesse ter acesso à medicação.
  54. Em algumas décadas,
    surgiram novos tratamentos
  55. que transformaram essa infecção
    quase letal em uma doença crônica,
  56. como a diabetes.
  57. Agora, há uma vacina no horizonte.
  58. Entre os últimos cinco e sete anos,
    notei uma epidemia diferente

  59. entre pacientes na Flórida,
    que é mais ou menos assim.
  60. Dona Anna Mae, funcionária
    aposentada da igreja,
  61. que vive de renda fixa em Opa-locka,
    vem solicitar a reposição dos remédios.
  62. Ela tinha problemas crônicos comuns,
    como diabetes, pressão alta,
  63. problemas cardíacos e asma junto
    com doença pulmonar obstrutiva crônica.
  64. DPOC.
  65. Dona Anna Mae era uma entre
    os meus pacientes mais frequentes,
  66. então fiquei surpresa que precisasse
    repor os remédios para respiração
  67. mais cedo do que o normal.
  68. Quase no fim da consulta, ela me deu
    um formulário da empresa de energia
  69. e pediu que eu o assinasse;
    a conta dela estava atrasada.
  70. Esse formulário permite que médicos
    registrem problemas graves de saúde
  71. que exigem equipamentos
    que podem ser afetados
  72. caso o paciente tenha
    a eletricidade interrompida.
  73. Eu disse: "Dona Anna Mae, a senhora
    não usa nenhum aparelho respiratório.
  74. Não acho que a empresa vai aceitar".
  75. Depois de algumas perguntas, descobri
    que ela estava usando o ar condicionado
  76. dia e noite por causa do calor,
    assim ela conseguia respirar.
  77. Ela tinha ficado sem dinheiro porque teve
    que comprar mais inaladores de asma.
  78. Não conseguiu pagar as contas,
    que se acumularam.
  79. Eu preenchi o formulário, mas ciente
    de que poderia ser negado,
  80. também a enviei para a assistência social.
  81. E há também o Jorge,
    um homem doce e gentil,

  82. que sempre presenteava nossa clínica
    com frutas que vendia nas ruas de Miami.
  83. Ele tinha sinais de piora
    no funcionamento renal
  84. sempre que trabalhava vários dias
    no calor, causada por desidratação,
  85. seus rins não recebiam sangue suficiente.
  86. Os rins dele trabalhavam muito melhor
    quando ele tirava alguns dias de folga.
  87. Mas sem apoio, o que ele poderia fazer?
  88. Como ele dizia: "Faça chuva ou faça sol,
    faça frio ou calor, tenho que trabalhar".
  89. Mas o pior caso de todos,
    talvez seja o de Sandra Faye Twiggs,

  90. de Fort Lauderdale, que sofria de DPOC.
  91. Ela foi presa após discutir com a filha
    por causa de um ventilador.
  92. Quando voltou para casa, teve uma crise
    de tosse e morreu três dias depois.
  93. Notei mais algumas coisas:

  94. dados mostram que estações propícias
    a alergias têm começado semanas antes,
  95. temperaturas noturnas estão subindo,
    árvores estão crescendo mais depressa
  96. e mosquitos transmissores de doenças
    perigosas como Zika e dengue
  97. estão aparecendo em áreas
    em que não existiam antes.
  98. Também vejo sinais iminentes
    de gentrificação climática.

  99. Pessoas ricas indo para bairros pobres,
    localizados em locais mais altos
  100. e menos propícios a riscos de inundação
    causados pela mudança climática.
  101. Como aconteceu com minha paciente Marie,
    que chegou estressada e nervosa,
  102. pois tinha sido despejada de sua casa,
    no bairro Little Haiti, em Miami,
  103. para dar espaço a um luxuoso condomínio,
    já que os construtores tinham percebido
  104. que ali não haveria enchentes, pois fica
    uns três metros acima do nível do mar.
  105. E uma onda de calor inegável,
    certa e consistente está chegando.

  106. Uma emergência sanitária ainda maior
    que o HIV/AIDS parece estar por vir,
  107. e meus pacientes, de baixa renda,
    já têm dado pistas de como isso será.
  108. Essa nova epidemia é a mudança climática,
    e ela causa efeitos diversos na saúde.
  109. A mudança climática nos afeta
    sobretudo de quatro maneiras.
  110. Diretamente, através do calor,
    temperaturas extremas e poluição;
  111. através da disseminação de doenças;
  112. da interrupção do abastecimento
    de comida e de água;
  113. e através da perturbação
    do nosso bem-estar emocional.
  114. Na medicina, usamos da mnemônica
    para nos lembrarmos de algumas coisas,
  115. e o termo "onda de calor" lembra alguns
    efeitos da mudança climática na saúde.
  116. Doenças causadas pelo calor.

  117. Aumento exacerbado de doenças
    cardíacas e pulmonares.

  118. Complicações asmáticas.

  119. Complicações traumáticas, especialmente
    durante ocorrências climáticas extremas.

  120. Doenças por intoxicação
    alimentar e da água.

  121. Agravamento de alergias.

  122. Disseminação de doenças
    como Zika, dengue e Lyme.

  123. Aumento do estresse emocional.
  124. Pessoas pobres e vulneráveis já estão
    sentindo os efeitos da mudança climática.

  125. Eles representam um sinal de alerta.

  126. As experiências dessas pessoas
    são como oráculos ou profecias.
  127. Um sinal para prestarmos atenção
    ao que estamos fazendo ao nosso mundo,
  128. e que está prejudicando
    essas pessoas primeiro.
  129. Mas, em questão de tempo,
    seremos os próximos.
  130. Se agirmos juntos, médicos, pacientes,
    e outros profissionais da saúde,

  131. poderemos encontrar soluções.
  132. Já fizemos isso durante a crise do HIV.
  133. Graças ao ativismo dos pacientes com HIV
  134. que reivindicaram medicamentos
    e pesquisas melhores,
  135. e à colaboração de médicos e cientistas,
    conseguimos controlar a epidemia.
  136. Graças a agências de saúde internacionais,
    ONGs, políticos, companhias farmacêuticas,
  137. a medicação para HIV foi disponibilizada
    em países de baixa-renda.
  138. Não há motivos para não repetirmos
    esse modelo de colaboração
  139. ao enfrentarmos os efeitos
    da mudança climática na saúde,
  140. antes que seja tarde demais.
  141. A mudança climática está aqui.
  142. E já está prejudicando a saúde
    e o lar de pessoas pobres.

  143. Assim como meu paciente Jorge,
    a maioria de nós vai ter que trabalhar,
  144. faça chuva ou faça sol,
    esteja frio ou calor.
  145. Mas juntos, pacientes e médicos aliados
    e com ferramentas básicas,
  146. podem fazer muito para tornar
    essa transição climática
  147. menos brutal para todos nós.
  148. Esses pacientes me inspiraram a criar
    uma organização de médicos generalistas
  149. para lutar contra a mudança climática.

  150. Nosso foco é entender os efeitos
    da mudança climática na saúde,
  151. aprendendo a agir por nossos pacientes
    com doenças causadas pelo clima
  152. e encorajando soluções reais.
  153. Uma recente pesquisa da Gallup mostrou
    que entre as profissões mais respeitadas
  154. estão a enfermagem, a medicina
    e a farmacêutica.
  155. Como membros respeitados da sociedade,
    temos que juntar nossas vozes

  156. para influenciarmos na política
    e nas medidas contra mudanças climáticas.
  157. Há muitas coisas que podemos fazer.
  158. Como médicos, o contato com pacientes
    nos permite ver certas coisas primeiro.
  159. E isso nos coloca em uma posição ideal
    para assumir a dianteira da mudança.
  160. Podemos falar sobre doenças relacionadas
    ao clima em nossos cursos de formação.
  161. Podemos coletar dados de pacientes
    com problemas relacionados ao clima
  162. assegurando que possam ser identificados.

  163. Podemos fazer pesquisas sobre saúde
    relacionada ao clima.
  164. Podemos ensinar a adotar
    hábitos sustentáveis em casa.
  165. Podemos defender que nossos
    pacientes precisam de eletricidade.
  166. Podemos ajudá-los a terem
    uma casa mais segura
  167. e a terem em casa os aparelhos necessários
    caso a saúde deles se agrave.
  168. Podemos testemunhar diante
    de legisladores e juízes,
  169. e podemos tratar nossos pacientes
    e as doenças relacionadas ao clima.
  170. Mais importante, podemos preparar
    nossos pacientes física e mentalmente
  171. para os desafios de saúde
    que vão enfrentar
  172. usando um modelo de medicina
    que englobe justiça social e econômica.
  173. Isso significa que Sandra Faye Twiggs,
    que tinha DPOC e que morreu
  174. depois de ter saído da cadeia por ter
    brigado com a filha por um ventilador,
  175. teria sabido que o calor em sua casa
    a deixaria doente e com raiva
  176. e ela teria procurado um lugar
    seguro para se sentir confortável.

  177. Melhor ainda, seu apartamento
    nunca teria ficado tão quente.
  178. Com os pobres, aprendi
    que a vida deles não é apenas vulnerável,
  179. mas são histórias de resiliência,
    inovação e sobrevivência também.
  180. Como aquele velho sábio
    que em alto e bom som
  181. disse a verdade ao policial,
    naquela noite de verão:

  182. "Nenhuma ambulância vai vir aqui!",
    fazendo-o levar a menina para o hospital.
  183. Querem saber de uma coisa?
  184. Escutem bem!
  185. Se houver uma resposta médica
    à mudança climática,
  186. não vai ser esperando uma ambulância.
  187. Só vai acontecer porque nós, médicos,
    demos o primeiro passo.

  188. Faremos tanto barulho que esse problema
    não poderá ser ignorado ou mal entendido.
  189. Vamos começar com as histórias
    que nossos pacientes contam
  190. e com as histórias
    que vamos contar por eles.
  191. Vamos fazer o que é certo para
    nossos pacientes, como sempre fizemos,
  192. mas também o que é certo
    para nosso meio ambiente,
  193. para nós todos, para todas
    as pessoas nesse planeta.
  194. Todas elas.
  195. Obrigada.
  196. (Aplausos)