Return to Video

Tommy Kha's Bits & Pieces | Art21 "New York Close Up"

  • 0:01 - 0:03
    (música calma)
  • 0:13 - 0:14
    Eu cresci em Memphis
  • 0:14 - 0:17
    e morei em um bairro calmo,
    chamado White Haven,
  • 0:18 - 0:20
    a maior parte da minha infância.
  • 0:24 - 0:26
    Eu não podia sair de casa,
  • 0:26 - 0:30
    então tudo que conhecia de Memphis,
    por muito tempo,
  • 0:30 - 0:32
    era só o quintal de casa.
  • 0:36 - 0:40
    Em um Halloween, nós começamos a brincar
    de super-herói.
  • 0:40 - 0:41
    Acho que era Batman.
  • 0:43 - 0:45
    Porque éramos pobres,
  • 0:45 - 0:47
    nós todos estávamos usando
    a mesma coisa:
  • 0:47 - 0:49
    esses sacos de lixo preto.
  • 0:49 - 0:52
    E principalmente tendo que confiar em nós,
    em nossa mente
  • 0:52 - 0:56
    e em nossa imaginação
    de que se conseguíssemos enxergar,
  • 0:56 - 0:57
    era o suficiente pra nós.
  • 1:05 - 1:08
    Minha família me deu
    uma permissão estranha.
  • 1:20 - 1:22
    Era tipo, "está bem assimilar que,
  • 1:40 - 1:43
    se você precisar aprender Inglês,
    está ótimo.
  • 1:43 - 1:44
    Você não precisa
    se apegar ao passado
  • 1:44 - 1:46
    e continuar falando Chinês
    com a gente."
  • 1:46 - 1:47
    Eles estavam me deixando ir.
  • 1:47 - 1:48
    Todo dia era "De onde você é?
  • 1:48 - 1:50
    De onde você é mesmo?
  • 1:51 - 1:52
    "Qual é o seu nome chinês?
  • 2:02 - 2:04
    Qual é o seu nome coreano?"
  • 2:04 - 2:07
    Eu não sou coreano.
  • 2:10 - 2:13
    "De onde é você é?"
  • 2:13 - 2:17
    Me perguntavam muito
    quando eu era criança.
  • 2:20 - 2:23
    Algumas pessoas brincavam
    que nós tínhamos escolhido Memphis
  • 2:23 - 2:26
    por causa do Elvis, ou por causa
    de um clima parecido.
  • 2:29 - 2:30
    Minha família foi parar em Memphis
    por causa da guerra,
  • 2:33 - 2:37
    dos militares, da violência doméstica.
  • 2:37 - 2:40
    Minha família começou a chegar
    nos anos 90,
  • 2:40 - 2:43
    quando Memphis começou a patrocinar
    refugiados vietnamitas.
  • 2:43 - 2:47
    Oi, vovô.
  • 2:56 - 2:58
    Ouvir minha avó gritar sem razão
  • 2:58 - 3:02
    no meio da noite
    porque soltaram fogos de artifício,
  • 3:02 - 3:07
    ou devido as notícias de bombardeio
    na cidade de Oklahoma
  • 3:07 - 3:09
    é algo familiar para eles.
  • 3:09 - 3:11
    É simplesmente ridículo
  • 3:14 - 3:17
    como a guerra não está incorporada
  • 3:20 - 3:24
    em nossa terra e fronteiras,
    mas em nós e nas crianças,
  • 3:36 - 3:37
    nas pessoas que vieram
    depois de nossos pais.
  • 3:37 - 3:40
    Como falamos disso?
  • 3:40 - 3:42
    Como vivemos com isso ao mesmo tempo?
  • 3:42 - 3:45
    (música calma continua)
  • 3:45 - 3:50
    Eu sempre voltei pra Memphis.
  • 3:53 - 3:58
    Memphis é como um ponto de encontro
  • 3:58 - 4:00
    entre mitologia e história,
  • 4:01 - 4:06
    e sentimentalismo e memória.
  • 4:06 - 4:10
    E é algo a ser confundido de alguma forma.
  • 4:16 - 4:18
    Muito do meu trabalho e da história
    da minha família é isso,
  • 4:18 - 4:20
    são pequenos detalhes.
  • 4:23 - 4:26
    É uma contínua fonte de informação
    e materiais,
  • 4:26 - 4:31
    e qualquer coisa que faça
    nosso passado brilhar.
  • 4:33 - 4:35
    Tudo bem se tirarmos suas meias?
  • 4:35 - 4:38
    Tirar minhas meias? Tudo bem.
  • 4:38 - 4:42
    A luz está boa. Adorei.
  • 4:42 - 4:45
    Certo. Vou tirar uma rápido agora.
  • 4:46 - 4:48
    Eu comecei a usar recortes
    de mim mesmo
  • 4:48 - 4:51
    e a ambivalência do que é exatamente
  • 4:54 - 4:57
    está meio que entre essas categorias,
  • 4:57 - 5:00
    onde é um adereço,
    também é uma extensão de mim.
  • 5:00 - 5:03
    Pode virar sua cabeça
    levemente pra direita?
  • 5:03 - 5:05
    Obrigado. Três, dois, um.
  • 5:09 - 5:14
    É como uma reflexão daquela fragmentação,
  • 5:26 - 5:29
    não de recolher pequenos detalhes
    das histórias da minha família,
  • 5:32 - 5:36
    mas os materiais que representam
  • 5:45 - 5:47
    e as conexões que sobrevivem.
  • 5:47 - 5:49
    São bem improvisados
    e vêm da minha biografia.
  • 5:49 - 5:50
    (música animada)
  • 5:54 - 5:57
    (conversa indistinta)
  • 5:57 - 6:00
    Comecei a procurar artistas
    de tributo a Elvis,
  • 6:06 - 6:08
    o qual é o termo politicamente correto
  • 6:08 - 6:11
    para imitadores do Elvis.
  • 6:11 - 6:12
    É além de personificação e imitação,
  • 6:12 - 6:14
    se torna transcendente.
  • 6:14 - 6:16
    Eu queria fazer um trabalho
  • 6:16 - 6:19
    e queria ser capaz de fazer um trabalho
  • 6:23 - 6:24
    que fosse sobre representação
  • 6:24 - 6:25
    que falasse sobre cultura pop
  • 6:25 - 6:27
    e o sentido das pessoas do sul
  • 6:27 - 6:32
    através desse ícones como o Elvis.
  • 6:36 - 6:39
    E tem essa influência
  • 6:44 - 6:46
    do jeito que a ideia de Elvis,
  • 6:48 - 6:51
    o jeito de Elvis reverbera através
    dos meus outros projetos.
  • 6:51 - 6:56
    (conversa indistinta)
  • 6:56 - 6:59
    (música calma)
  • 6:59 - 7:02
    Eu penso muito
    sobre aquela foto comemorativa,
  • 7:02 - 7:04
    a ferrovia e em como eles empurraram
    muitos trabalhadores,
  • 7:06 - 7:08
    e especialmente trabalhadores chineses,
    pra fora da foto.
  • 7:12 - 7:16
    E esse tipo de invisibilidade
    se reverberou
  • 7:16 - 7:20
    através da história da fotografia.
  • 7:25 - 7:26
    Como nos vemos
    quando não somos representados?
  • 7:26 - 7:31
    Acho que é uma performance contínua
    assim como
  • 7:32 - 7:35
    constantemente procurar
    onde eu fico na foto?
  • Not Synced
    Qual é o melhor jeito
  • Not Synced
    de chegar a nós mesmos
    através da fotografia?
  • Not Synced
    (música calma continua)
Title:
Tommy Kha's Bits & Pieces | Art21 "New York Close Up"
Description:

more » « less
Video Language:
English
Team:
Art21
Project:
"New York Close Up" series
Duration:
07:53

Portuguese subtitles

Revisions Compare revisions