Return to Video

Introdução a Diferenças em Diferenças

  • 0:00 - 0:03
    O caminho
    para criar e gerar efeito
  • 0:03 - 0:06
    é obscuro e perigoso,
  • 0:06 - 0:09
    mas as armas da eoconometria
    são fortes,
  • 0:09 - 0:14
    exercer diferenças em diferenças
    ao testemunhar tendências paralelas.
  • 0:14 - 0:17
    ♪ [Música] ♪
  • 0:20 - 0:21
    Os mestres da métrica
  • 0:21 - 0:25
    buscam por comparações
    convincentes da ceteris paribus.
  • 0:25 - 0:29
    A comparação ideial dferencia
    grupos de controle e tratamento
  • 0:29 - 0:31
    que são similares.
  • 0:31 - 0:35
    Mas às vezes, esse tipo
    de comparação é evasiva.
  • 0:35 - 0:37
    Quando grupos
    de controle e tratamento
  • 0:37 - 0:40
    evoluem de forma semelhante
    com a falta de tratamento,
  • 0:40 - 0:42
    mesmo se for
    de estágios iniciais diferentes,
  • 0:42 - 0:45
    há esperança de uma inferência causal.
  • 0:46 - 0:48
    A arma que explora
    a evolução paralela,
  • 0:49 - 0:51
    tendências paralelas,
    segundo os mestres,
  • 0:51 - 0:53
    é chamada de:
    diferenças em diferenças...
  • 0:53 - 0:54
    -[Homem sussurrando]
  • 0:54 - 0:57
    -Ou DD, abreviado.
    -[Aluno] Tudo bem.
  • 0:57 - 1:00
    Vejamos como a DD
    pode nos ajudar a entender
  • 1:00 - 1:03
    uma das situações econômicas
    mais importantes
  • 1:03 - 1:04
    na história dos EUA.
  • 1:05 - 1:08
    -[Joshua] Viaje comigo agora
    até à Grande Depressão --
  • 1:09 - 1:12
    a pior catástrofe econômica
    que nosso país já viveu.
  • 1:13 - 1:16
    O desemprego chegou a 25% em 1993 --
  • 1:17 - 1:19
    um patamar jamais visto até então.
  • 1:19 - 1:22
    Milhões perderam
    suas casas e suas terras.
  • 1:23 - 1:25
    O suicídio aumentou,
    e famílias famintas
  • 1:25 - 1:27
    dependiam de ajuda pública
    com sopas e pães
  • 1:27 - 1:28
    para evitar a fome.
  • 1:29 - 1:34
    Economistas discutem muito sobre
    as causas da Grande Depressão.
  • 1:34 - 1:37
    Porém, muitos concordam,
    que a peça-chave do quebra-cabeça
  • 1:37 - 1:39
    foi uma epidemia de falências bancárias.
  • 1:40 - 1:42
    Isso foi antes do seguro de depósito.
  • 1:42 - 1:47
    Então, se o seu banco falisse,
    sua poupança desaparecia junto.
  • 1:47 - 1:48
    "Está fechando a conta?"
  • 1:48 - 1:49
    "Sim, senhor. Estou."
  • 1:49 - 1:51
    "Não deixaria
    uma moeda neste banco."
  • 1:53 - 1:56
    Ameaçado pela crise bancária,
    o Banco Central tem uma escolha:
  • 1:56 - 1:59
    Empréstimo gratuito
    para outros bancos
  • 1:59 - 2:01
    ou ficar de fora
    e se refusar a emprestar.
  • 2:02 - 2:05
    O empréstimo gratuito para bancos
    é chamado de "dinheiro fácil."
  • 2:05 - 2:08
    Recusar-se a emprestar
    é chamado de "dinheiro restrito."
  • 2:10 - 2:13
    Os mestres monetaristas
    Milton Friedman e Anna Schawartz,
  • 2:13 - 2:15
    chamaram a Grande Depressão
  • 2:15 - 2:16
    de "Grande Contração",
  • 2:17 - 2:18
    culpando a reserva federal
  • 2:18 - 2:21
    de inflingir uma política errada
    do dinheiro restrito
  • 2:21 - 2:24
    sobre as instituições financeiras
    oscilantes do país.
  • 2:24 - 2:26
    Eles alegaram
    que dinheiro fácil
  • 2:26 - 2:28
    manteria muitos bancos
    em atividade,
  • 2:28 - 2:30
    encurtando a Grande Depressão.
  • 2:30 - 2:32
    Mas outros discordam!
  • 2:32 - 2:34
    Se os bancos estão falidos
  • 2:34 - 2:36
    por causa das tolas
    decisões de empréstimo,
  • 2:36 - 2:39
    então, os resgates
    incentivariam mais tolice.
  • 2:40 - 2:43
    Economistas chamaram
    esse problema de "perigo moral."
  • 2:43 - 2:46
    O debate sobre resgates
    em perigo moral continua até hoje.
  • 2:46 - 2:49
    A gigante financeira
    Lehman Brothers deveria
  • 2:49 - 2:52
    ter se permitido a falhar
    na véspera da Grande Recessão?
  • 2:52 - 2:55
    Em um mundo ideal,
    responderíamos essa pergunta
  • 2:55 - 2:58
    com diferentes políticas monetárias
    de regiões secionadas aleatoriamente.
  • 2:59 - 3:00
    Mas podemos aprender muito
  • 3:00 - 3:02
    usando diferenças em diferenças
  • 3:02 - 3:06
    para comparar as tendências de áreas
    com diferentes políticas monetárias.
  • 3:11 - 3:13
    Como isso é possível?
  • 3:13 - 3:16
    O COPOM não é o mesmo
    em todos os bancos nos EUA?
  • 3:16 - 3:17
    -Verdade.
    -Boa pergunta.
  • 3:18 - 3:21
    O sistema de reserva federal
    é dividido em 12 distritos,
  • 3:21 - 3:24
    cada um liderado
    por um banco regional.
  • 3:24 - 3:27
    Hoje, a política monetária
    está em um nível nacional.
  • 3:27 - 3:32
    Mas nos anos de 1930, COPOM's
    regionais faziam o que queriam.
  • 3:32 - 3:33
    -[Sussurros]
  • 3:33 - 3:36
    E aqui está o mais
    incrível sobre isso.
  • 3:36 - 3:39
    Em 1930, O COPOM de Atlanta,
    liderando o sexto distrito,
  • 3:39 - 3:41
    seguiu um política de dinheiro fácil,
  • 3:41 - 3:45
    enviando caminhões de dinheiro
    para salvar instituições falidas.
  • 3:46 - 3:49
    O COPOM de St. Louis,
    líder do oitavo distrito,
  • 3:49 - 3:51
    seguiu a política
    de dinheiro restrito.
  • 3:51 - 3:54
    "Deixem os tolos falharem!",
    eles disseram em St. Louis.
  • 3:54 - 3:58
    E então nascia uma experiência
    natural na política monetária.
  • 3:59 - 4:02
    Melhor ainda, essa é
    uma experiência dentro do estado.
  • 4:02 - 4:04
    A fronteira entre
    os sexto e oitavo distritos
  • 4:04 - 4:07
    ficou quente no meio do Mississippi.
  • 4:07 - 4:09
    Então o norte adotou
    dinheiro restrito,
  • 4:09 - 4:12
    enquanto o sul
    adotou dinheiro fácil,
  • 4:12 - 4:15
    mas sob as mesma leis de estado
    e regulamento bancário em ambos.
  • 4:16 - 4:17
    O grupo de tratamento
  • 4:17 - 4:20
    é parte do sexto distrito
    de Mississippi.
  • 4:20 - 4:23
    que teve acesso à dinheiro fácil
    durante a crise.
  • 4:24 - 4:25
    O grupo de controle
  • 4:25 - 4:28
    é parte do oitavo distrito
    de Mississippi,
  • 4:28 - 4:30
    que teve dinheiro restrito
    durante a crise.
  • 4:31 - 4:34
    O ano chave no nosso
    experimento narutal
  • 4:34 - 4:35
    foi 1930.
  • 4:36 - 4:37
    Caldwell & Company,
  • 4:37 - 4:40
    um empério financeiro
    massivo do sul,
  • 4:40 - 4:42
    veio a desabar.
  • 4:43 - 4:46
    O setor bancário
    é feito de confiança e fé.
  • 4:46 - 4:49
    A queda da Caldwell
    causou um pânico
  • 4:49 - 4:53
    que levou um banco abrangente
    a sumir de uma só vez.
  • 4:53 - 4:55
    Depositantes queriam
    seu dinheiro de volta,
  • 4:55 - 4:58
    levando os bancos à falência
    e fechando suas portas.
  • 5:01 - 5:03
    Usaremos diferenças em diferenças
  • 5:03 - 5:07
    para avaliar o efeito
    de diferentes políticas monetárias
  • 5:07 - 5:09
    em resposta à crise da Caldwell.
  • 5:12 - 5:16
    Este gráfico traça o número
    de bancos por ano no Mississippi,
  • 5:16 - 5:19
    dos sexto e oitavo distrito.
  • 5:19 - 5:24
    Vamos começar em 1929 -- um ano
    antes da queda da Caldwell.
  • 5:24 - 5:28
    Há 169 bancos abertos no oitavo,
  • 5:28 - 5:31
    e 141 bancos abertos no sexto.
  • 5:31 - 5:33
    No próximo ano,
  • 5:33 - 5:37
    vemos um grupo similar
    de bancos falidos, em ambos distritos.
  • 5:37 - 5:40
    A mudança no número
    das operações bancárias
  • 5:40 - 5:42
    é incrivelmente similar.
  • 5:42 - 5:45
    É assim que é a tendência paralela.
  • 5:46 - 5:49
    Em novembro de 1930,
    a Caldwell quebra,
  • 5:49 - 5:50
    e o pânico começa.
  • 5:51 - 5:54
    Os bancos falharam repetidamente
    no oitvao distrito,
  • 5:54 - 5:55
    que adotou dinheiro restrito.
  • 5:56 - 5:59
    Mas o declínio é menor
    no sexto distrito,
  • 5:59 - 6:00
    que adotou dinheiro fácil.
  • 6:01 - 6:03
    As tendências divergentes
    neste período
  • 6:03 - 6:07
    podem ser atribuídas
    a dinheiro fácil X dinheiro restrito.
  • 6:07 - 6:12
    Em julho de 1931, o 8° distrito
    abandona o dinheiro restrito,
  • 6:12 - 6:14
    então, agora ambos distritos
    estão no fácil.
  • 6:15 - 6:17
    As tendências paralelas
    são restauradas.
  • 6:17 - 6:19
    De maneira hipotética,
  • 6:19 - 6:22
    onde o 6° distrito adota
    uma política de dinheiro restrito,
  • 6:22 - 6:24
    o que pode ter acontecido?
  • 6:24 - 6:29
    Se explorarmos a tendência
    dos 6° e 8° distrito,
  • 6:29 - 6:30
    ficaria mais ou menos assim.
  • 6:30 - 6:33
    Então, o tratamento efetivo
    do dinheiro fácil
  • 6:33 - 6:36
    é a quantidade que o 6° distrito
    deslocou do caminho
  • 6:36 - 6:39
    implícito pela tendência
    do 8° distrito.
  • 6:41 - 6:44
    Quantos bancos o tratamento
    de dinheiro fácil salvou?
  • 6:44 - 6:49
    Esta tabela mostra os dados
    do grupo de tratamento, distrito 6,
  • 6:49 - 6:50
    na primeira linha,
  • 6:50 - 6:54
    e os dados do grupo de controle,
    distrito 8, na segunda linha.
  • 6:54 - 6:57
    A primeira coluna mostra
    o número de bancos em atividade
  • 6:57 - 7:01
    antes do início da crise em 1930.
  • 7:01 - 7:04
    A segunda coluna mostra 1931.
  • 7:04 - 7:06
    Este é o momento chave,
  • 7:06 - 7:09
    quando cada distrito adotou
    políticas monetárias divergentes
  • 7:09 - 7:10
    durante a crise.
  • 7:10 - 7:14
    A coluna mais à direita mostra
    as mudanças dentro dos distritos.
  • 7:14 - 7:20
    O 6° distrito perdeu 14 bancos,
    enquanto que o 8° perdeu 33.
  • 7:20 - 7:24
    A fórmula matemática
    para o tratamento efetivo é simples.
  • 7:24 - 7:29
    Subtraímos a mudança nos bancos
    em operação no 8° distrito,
  • 7:29 - 7:32
    pela mudança nos bancos
    em operação no 6° distrito.
  • 7:33 - 7:36
    Então, temos o nome
    difrerenças em difrerenças.
  • 7:37 - 7:42
    -14 menos -33 é igual a 19.
  • 7:42 - 7:47
    Estimamos que 19 bancos
    foram salvos pelo dinheiro fácil.
  • 7:47 - 7:51
    Na prática, tabelas e dados
    como os mostrados aqui
  • 7:51 - 7:53
    são mais o começo
    do que o fim
  • 7:53 - 7:54
    de uma análise de DD.
  • 7:55 - 7:57
    O problema de como medir
  • 7:57 - 8:00
    o significado das estatísticas
    estimadas pela DD
  • 8:00 - 8:02
    acabam sendo bem complicadas,
  • 8:02 - 8:06
    e uma regressão é geralmente
    parte da solução.
  • 8:09 - 8:12
    A hipótese principal por trás
    de uma análise válida da DD
  • 8:12 - 8:15
    é a da tendência paralela.
  • 8:15 - 8:18
    Recordemos o princípio
    da ceteris paribus --
  • 8:18 - 8:22
    nossa comparação ideial teria
    a experiência dos dois distritos
  • 8:22 - 8:24
    e um ambiente de negócio idêntico,
  • 8:24 - 8:26
    exceto por um fator:
  • 8:26 - 8:28
    Dinheiro fácil ou restrito.
  • 8:29 - 8:32
    Ambos distritos teriam idênticos
    tipos de clientes,
  • 8:32 - 8:35
    que iriam falir no mesmo nível.
  • 8:36 - 8:39
    A habilidade de seus empregados
    seria igual, e etc.
  • 8:39 - 8:43
    Comparações perfeitas da ceteris
    paribus nos pemitiria ver bem
  • 8:44 - 8:47
    o efeito causal das diferentes
    políticas monetárias.
  • 8:47 - 8:49
    Neste caso, isso é impossível.
  • 8:49 - 8:54
    Mas a ideia da tendência paralela
    baseia-se em um conceito similar.
  • 8:54 - 8:57
    Se virmos que as duas regiões
    tiveram tendências similares
  • 8:57 - 9:00
    no número de bancos,
  • 9:00 - 9:01
    na ausência de tratamento,
  • 9:01 - 9:04
    poderemos então presumir
    que são boas comparações.
  • 9:04 - 9:07
    Vemos que os dois distritos
    movem-se em paralelo,
  • 9:07 - 9:10
    ambos antes e depois da crise.
  • 9:10 - 9:12
    Quando eles têm a mesma
    política monetária.
  • 9:13 - 9:16
    O único momento onde
    os distritos divergiram
  • 9:16 - 9:18
    foi quando a política monetária
    era diferente.
  • 9:19 - 9:21
    Em vista disso,
  • 9:21 - 9:24
    A política monetária causa
    tendências divergentes
  • 9:24 - 9:27
    de 1930 a 1931.
  • 9:28 - 9:30
    Mas também devemos olhar
    para outras mudanças
  • 9:30 - 9:32
    únicas no norte de Mississippi.
  • 9:32 - 9:33
    -Hum?
    -O que quer dizer?
  • 9:34 - 9:35
    Imagine que perigosos tornados
  • 9:35 - 9:39
    atingissem o norte, mas não
    o sul do Mississippi em 1930.
  • 9:40 - 9:42
    Esses tornados destroem fazendas,
  • 9:42 - 9:44
    levando ao agricultor
    a negligenciar empréstimos,
  • 9:45 - 9:47
    o que leva os bancos
    a saírem de atividade.
  • 9:47 - 9:49
    Então, os 6° e 8° distritos
  • 9:49 - 9:52
    iriam divergir não em uma,
    mas em duas maneiras:
  • 9:53 - 9:55
    Política monetária e clima.
  • 9:55 - 9:58
    E teríamos problemas identificando
    a política monetária
  • 9:58 - 10:02
    como o fator causal por trás
    do aumento dos bancos falindo
  • 10:02 - 10:03
    no 8° distrito.
  • 10:03 - 10:04
    -[Homem sussurrando].
  • 10:07 - 10:09
    A credibilidade da DD vive ou morre
  • 10:09 - 10:11
    com a afirmação
    que o único motivo
  • 10:11 - 10:14
    pelo qual o norte do Mississippi
    era especial em 1930,
  • 10:14 - 10:16
    é dferenciando
    a política monetária regional.
  • 10:17 - 10:21
    Este é o paraíso da DD, com claras
    evidências de tendência paralela.
  • 10:21 - 10:26
    Em geral, o primeio passo
    para avaliar quando usar a DD,
  • 10:26 - 10:30
    é esse tipo de confirmção visual
    de tendências paralelas
  • 10:30 - 10:32
    fora do período,
  • 10:32 - 10:35
    quando esperamos ver
    um efeito de tratamento.
  • 10:35 - 10:37
    O tratamento em nosso exemplo
  • 10:37 - 10:40
    é o dinheiro fácil
    como causador da falência de bancos.
  • 10:40 - 10:45
    Os métricos usam a DD para explorar
    os efeitos de várias políticas,
  • 10:46 - 10:48
    como a idade mínina
    permitida para beber,
  • 10:48 - 10:52
    e mudanças ambientais,
    como o acesso a águal limpa.
  • 10:53 - 10:54
    No próximo vídeo,
  • 10:54 - 10:57
    veremos um exemplo de como
    a regressão é usada
  • 10:57 - 10:59
    para implementar
    um método DD.
  • 11:01 - 11:02
    Você é um professor?
  • 11:02 - 11:06
    Clique aqui para ver mais maneiras
    de usar esses vídeos em aula.
  • 11:06 - 11:09
    Se você é um estudante,
    tente fixar o que aprendeu
  • 11:09 - 11:11
    respondendo algumas
    perguntas práticas
  • 11:12 - 11:14
    Ou caso queira seguir,
    clique no próximo vídeo.
  • 11:15 - 11:17
    Você também pode visitar
    o site da MRU
  • 11:17 - 11:20
    para mais cursos,
    materias de professores, e mais.
  • 11:20 - 11:21
    ♪ [Música ♪
  • 11:21 - 11:22
    Tradução: John Silva
Tytuł:
Introdução a Diferenças em Diferenças
ASR Confidence:
0.86
Opis:

Josh Angrist, formado no MIT, introduz diferenças-em-diferenças com um dos piores episódios econômicos da história: A Grande Depressão.

Economistas ainda discutem sobre as causas da Grande Depressão, mas muitos concordam que a peça chave do quebra-cabeça foi uma epidemia de falências de bancos. Mais de 9 mil faliram de 1930 à 1933!

A reserva federal poderia evitar essa catástrofe?

Na época, as agências regionais da reserva federal tinham uma independência política considerável. Algumas agências ajudavam a bancos em dificuldades com “dinheiro fácil”, enquanto outras não, seguindo uma política de “dinheiro restrito”.

Os magos da métrica Gary Richardson e William Troost usaram diferenças em diferenças para analisar um experimento natural no Mississippi, onde metade do estado tinha dinheiro restrito enquanto a outra metade tinha dinheiro fácil. O que eles acham?

Esta introdução às diferenças em diferenças abrange o seguinte:
- Falências bancárias durante a Grande Depressão
- Políticas monetárias fáceis versus restritivas; risco moral
- Tendências de dados paralelos
- Calcular o efeito do tratamento
- Suposições para uma análise válida de diferenças em diferenças

** RECURSOS DO INSTRUTOR **
Artigo Troost / Richardson: https://www.journals.uchicago.edu/doi/abs/10.1086/649603
Banco de teste de econometria: https://mru.io/kt2
Recursos para professores do ensino médio: https://mru.io/o15
Recursos do professor: https://mru.io/t0f
EconInbox: https://mru.io/sm5

** MAIS APRENDIZAGEM **
Experimente nossas perguntas práticas: https://mru.io/wfd
Veja o curso completo: https://mru.io/469
Receba atualizações quando lançarmos novos vídeos: https://mru.io/7g2
Mais da Marginal Revolution University: https://mru.io/c30

more » « less
Video Language:
English
Team:
Marginal Revolution University
Projekt:
Mastering Econometrics
Duration:
11:22

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions