YouTube

Got a YouTube account?

New: enable viewer-created translations and captions on your YouTube channel!

Portuguese subtitles

← Porque é que os governos devem dar prioridade ao bem-estar

Get Embed Code
32 Languages

Showing Revision 11 created 11/23/2019 by Margarida Ferreira.

  1. Apenas a uma milha daqui,
    na baixa da Cidade Velha de Edimburgo,
  2. fica a Panmure House.
  3. A Panmure House
  4. era a casa do economista escocês
    mundialmente conhecido
  5. Adam Smith.
  6. No seu importante trabalho
    "A Riqueza das Nações",
  7. Adam Smith argumentava,
    entre muitas outras coisas,
  8. que a medida da riqueza de um país
  9. não era apenas as suas reservas
    de ouro e prata.
  10. Era a totalidade da produção
    e do comércio do país.
  11. Suponho que fosse uma das primeiras
    descrições do que nós conhecemos hoje
  12. como produto interno bruto, PIB.
  13. Agora, anos depois, claro,

  14. essa medida de produção e comércio, PIB,
  15. tornou-se ainda mais importante,
  16. ao ponto de hoje
  17. — e eu não acredito que fosse nisto
    que o Adam Smith acreditava —
  18. ser considerada a medida mais importante
  19. do sucesso de um país.
  20. E, hoje, o meu argumento
    é que está na altura de mudar isso.
  21. Vocês sabem, o que nós escolhemos
    medir como país tem importância.

  22. É mesmo importante,
    porque isso guia o foco político,
  23. guia a atividade política.
  24. E contra esse contexto,
  25. penso que as limitações do PIB
    como medida do sucesso de um país
  26. são demasiado óbvias.
  27. Vocês sabem, o PIB mede o resultado
    de todo o nosso trabalho,
  28. mas não diz nada sobre a natureza
    desse mesmo trabalho,
  29. sobre se esse trabalho
    vale a pena ou se é gratificante.
  30. Por exemplo, ele atribui um valor
    ao consumo ilegal de drogas,
  31. mas não o faz para os cuidados
    não remunerados.
  32. Ele valoriza a atividade a curto prazo
  33. que impulsiona a economia,
    mesmo que essa atividade seja prejudicial
  34. para a sustentabilidade
    do nosso planeta, a longo prazo.
  35. E nós refletimos na última década

  36. de revolta política e económica,
  37. de desigualdades cada vez maiores,
  38. e quando olhamos para os desafios
    da emergência climática,
  39. na crescente automação,
  40. uma população em envelhecimento,
  41. penso que o debate
    para uma definição mais abrangente
  42. do que significa ser bem sucedido
    como país, como sociedade,
  43. é imperioso, e cada vez mais.
  44. E é por essa razão que, em 2018,

  45. a Escócia alcançou a liderança,
  46. tomou a iniciativa
    de estabelecer uma nova rede
  47. chamada grupo de
    Governos da Economia do Bem-Estar,
  48. juntando como membros fundadores
  49. a Escócia, Islândia e Nova Zelândia,
    por questões óbvias.
  50. Por vezes chamam-nos países SIN [pecado]
  51. embora o nosso objetivo seja o bem comum.
  52. E o propósito deste grupo
    é questionar esse objetivo
  53. na medição limitativa do PIB.
  54. Para dizer que, sim,
    o crescimento económico é importante
  55. — é importante --
  56. mas não é a única coisa importante.
  57. E o crescimento em PIB não deve ser
    perseguido a todo o custo.
  58. Na verdade, o argumento desse grupo
  59. é que a meta, o objetivo
    de política económica
  60. deveria ser o bem-estar coletivo:
  61. o quão feliz e saudável a população é,
  62. não apenas o quão rica a população é.
  63. Voltarei a falar das implicações
    políticas, dentro em breve.

  64. Mas penso que, particularmente
    no mundo em que vivemos hoje,
  65. isto tem uma ressonância mais profunda.
  66. Sabem, quando nos focamos no bem-estar,
  67. nós iniciamos uma conversa
  68. que suscita questões
    profundas e fundamentais.
  69. O que é realmente importante
    na nossa vida?
  70. O que é que valorizamos
    nas comunidades em que vivemos?
  71. A que tipo de país,
    a que tipo de sociedade,
  72. queremos mesmo pertencer?
  73. E se conseguimos que as pessoas
    se interessem por essas questões,
  74. por encontrar as respostas
    para estas perguntas,
  75. então eu acredito que temos
    uma oportunidade bem melhor
  76. de abordar a alienação
    e desafetação em relação aos políticos
  77. que tantas vezes prevalece
    em tantos países
  78. no mundo desenvolvido
    dos dias de hoje.
  79. Em termos políticos, esta viagem
    para a Escócia começou em 2007,

  80. quando publicámos aquilo a que chamamos
    a nossa Estrutura de Desempenho Nacional,
  81. olhando para a variedade de indicadores
    que usamos como medida.
  82. Esses indicadores são tão variados
    como a desigualdade de ordenados,
  83. a felicidade das crianças,
  84. o acesso a espaços verdes e à habitação.

  85. Nenhum deles está incluído
    nas estatísticas do PIB,
  86. mas todos eles são fundamentais
    para uma sociedade saudável e feliz.
  87. (Aplausos)

  88. E esta abordagem mais geral está no centro
    da nossa estratégia económica,

  89. em que damos igual importância
    à luta contra a desigualdade
  90. e à competitividade económica.
  91. Ela guia o nosso compromisso
    no sentido do trabalho justo,
  92. garantindo que o trabalho
    é gratificante e bem pago.
  93. Inspira a nossa decisão de estabelecer
    uma Comissão de Transição Justa
  94. para guiar o nosso caminho
    para uma economia de zero carbono.
  95. Nós sabemos, pelas transformações
    económicas do passado,
  96. que se não formos cuidadosos
    haverá mais perdedores do que vencedores.
  97. E enquanto enfrentamos os desafios
    das mudanças climáticas e da automação,
  98. não devemos cometer
    os mesmos erros outra vez.
  99. Acho que o que estamos a fazer
    na Escócia é significativo,

  100. mas temos muito, muito
    que aprender com outros países.
  101. Mencionei, há pouco,
    as nossas nações parceiras
  102. na rede de Bem-Estar:
  103. a Islândia e a Nova Zelândia.
  104. Vale a pena mencionar, e deixo
    que decidam se é relevante ou não,
  105. que todos estes três países
    são liderados por mulheres.
  106. (Aplausos)

  107. Elas também estão a fazer
    um grande trabalho.

  108. Em 2019, a Nova Zelândia publicou
    o seu primeiro Orçamento de Bem-Estar,
  109. tendo como foco a saúde mental.
  110. A Islândia lidera a igualdade de salário,
  111. cuidados de infância
    e direitos de paternidade.
  112. Não são políticas
    em que pensemos de imediato
  113. quando falamos
    em criar uma economia rica,
  114. mas são políticas que são fundamentais
    para uma economia saudável
  115. e para uma sociedade feliz.
  116. Eu comecei com Adam Smith
    e "A Riqueza das Nações".

  117. No trabalho anterior de Adam Smith,
    "A Teoria dos Sentimentos Morais",
  118. que eu acho igualmente importante,
  119. ele chamou à atenção que
    o valor de qualquer governo
  120. é avaliado na proporção
  121. da medida em que faz
    as pessoas felizes.
  122. Eu penso que isto seja
    um bom princípio base
  123. para qualquer grupo de países que
    estejam focados em promover o bem-estar.
  124. Nenhum de nós tem todas as respostas,
  125. nem mesmo a Escócia,
    o local de nascimento de Adam Smith.
  126. Mas no mundo em que vivemos hoje,
    com crescentes divisões e desigualdades,
  127. com o desapego e alienação,
  128. é mais importante do que nunca
  129. que façamos as perguntas e encontremos
    as respostas para essas questões
  130. e que promovamos uma visão da sociedade
  131. que tem o bem-estar,
    não apenas a riqueza, como foco.
  132. (Aplausos)

  133. Vocês estão, neste momento,
    na linda e solarenga capital...

  134. (Risos)

  135. do país que guiou o mundo
    para o Iluminismo,

  136. o país que ajudou a levar o mundo
    à era da indústria
  137. o país que, neste momento,
    está a ajudar a liderar o mundo
  138. na era da redução do carbono.
  139. Eu quero, e estou determinada,
    a que a Escócia seja também o país
  140. que ajuda a mudar o foco dos países
    e dos governos no mundo
  141. a colocar o bem-estar no centro
    de tudo o que fazemos.
  142. Eu acho que nós devemos
    isso a esta geração.
  143. Eu acho que, certamente, nós
    devemos isso à próxima geração
  144. e a todos os que vierem depois de nós.
  145. E se fizermos isso,
    guiados pelo país do Iluminismo,
  146. então eu acho que nós criamos
    uma sociedade melhor, mais saudável,
  147. mais justa e mais feliz sociedade
    aqui na nossa casa.
  148. E fazemos a nossa parte na Escócia
  149. em construir também
    um mundo mais justo e feliz.
  150. Muito obrigada.

  151. (Aplausos)