Portuguese, Brazilian subtitles

← Realizando cirurgia cerebral sem bisturi - Hyunsoo Joshua No

Get Embed Code
24 Languages

Showing Revision 4 created 09/29/2020 by Maurício Kakuei Tanaka.

  1. Todos os anos, dezenas de milhares
    de pessoas em todo o mundo
  2. passam por cirurgia cerebral
    sem uma única incisão:
  3. sem bisturi, nem mesa de operação,
    e o paciente não perde sangue.
  4. Em vez disso, esse procedimento
    ocorre em uma sala protegida
  5. com uma grande máquina
    que emite feixes invisíveis de luz
  6. em um alvo preciso dentro do cérebro.
  7. Esse tratamento é chamado
    de radiocirurgia estereotáxica,

  8. e esses feixes de luz
    são feixes de radiação,
  9. cuja tarefa é destruir tumores,
  10. eliminando células malignas
    de modo gradual.
  11. Para os pacientes, o processo começa
    com uma tomografia computadorizada,

  12. uma série de radiografias que produzem
    um mapa tridimensional da cabeça.
  13. Elas revelam a localização precisa,
    o tamanho e a forma do tumor interno.
  14. As tomografias também ajudam a calcular
    algo chamado "Unidades Hounsfield",
  15. que mostra a densidade
    de diferentes tecidos
  16. e oferece informações
  17. sobre a maneira como a radiação
    se propagará pelo cérebro,
  18. para otimizar seus efeitos.
  19. Os médicos também podem usar
    imagens de ressonância magnética, ou MRIs,
  20. que produzem imagens melhores
    de tecidos moles,
  21. para ajudar a delinear melhor
    a forma e a localização de um tumor.
  22. O mapeamento de sua posição
    e de seu tamanho precisos é crucial

  23. por causa das altas doses de radiação
    necessárias para tratar tumores.
  24. A radiocirurgia depende
    do uso de múltiplos feixes.
  25. Individualmente, cada feixe
    fornece uma baixa dose de radiação.
  26. Mas, de modo semelhante a várias luzes
    que convergem no mesmo ponto
  27. para criar um holofote
    brilhante e inevitável,
  28. quando combinados,
  29. os raios de radiação produzem juntos
    energia suficiente para destruir tumores.
  30. Além de permitir que os médicos
    mirem tumores no cérebro

  31. enquanto mantêm o tecido saudável
    ao redor relativamente ileso,
  32. o uso de feixes múltiplos
    também dá flexibilidade aos médicos.
  33. Eles podem otimizar os melhores ângulos
    e rotas por meio do tecido cerebral
  34. para atingir o alvo
  35. e ajustar a intensidade de cada feixe
    conforme necessário.
  36. Isso ajuda a poupar estruturas
    importantes dentro do cérebro.
  37. Mas o que essa abordagem engenhosa
    faz exatamente com os tumores em questão?

  38. Quando vários feixes de radiação se cruzam

  39. para atingir uma massa
    de células cancerosas,
  40. a força combinada dos feixes
    basicamente corta o DNA das células,
  41. causando uma ruptura
    na estrutura das células.
  42. Com o tempo, esse processo se move
    em cascata, destruindo todo o tumor.
  43. De modo indireto,
  44. os raios também danificam
    a área imediatamente ao redor do DNA,
  45. criando partículas instáveis ​
    chamadas radicais livres.
  46. Isso gera um microambiente perigoso
    que é inóspito para o tumor,
  47. bem como algumas células
    saudáveis ​​nas imediações.
  48. O risco de prejudicar
    tecidos não cancerosos é reduzido
  49. mantendo-se a cobertura
    do feixe de radiação
  50. o mais próximo possível
    da forma exata do tumor.
  51. Quando o tratamento com radiocirurgia
    destrói as células do tumor,

  52. o mecanismo de limpeza natural
    do corpo entra em ação.
  53. O sistema imunológico rapidamente
    varre as cascas das células mortas
  54. para expulsá-las do corpo,
  55. enquanto outras células
    se transformam em tecido cicatricial.
  56. Apesar de suas inovações, a radiocirurgia
    nem sempre é a escolha principal

  57. para todos os tratamentos
    de câncer no cérebro.
  58. Para começar, é reservado geralmente
    para tumores menores.
  59. A radiação também tem
    um efeito cumulativo,
  60. ou seja, doses anteriores
  61. podem se sobrepor às doses
    administradas posteriormente.
  62. Portanto, pacientes
    com tumores recorrentes
  63. podem ter limitações com futuros
    tratamentos de radiocirurgia.
  64. Mas essas desvantagens pesam
    contra alguns benefícios muito maiores.

  65. Para vários tipos de tumores cerebrais,
  66. a radiocirurgia pode ser tão bem-sucedida
    quanto a cirurgia cerebral tradicional
  67. na destruição de células cancerosas.
  68. Em tumores chamados meningiomas,
  69. a recorrência é igual ou menor
  70. quando o paciente
    é submetido à radiocirurgia.
  71. E comparada com a cirurgia tradicional,
  72. geralmente uma experiência dolorosa
    com um longo período de recuperação,
  73. a radiocirurgia costuma ser indolor
  74. e requer pouco ou nenhum
    tempo de recuperação.
  75. Tumores cerebrais não são o único alvo
    para esse tipo de tratamento.

  76. Seus conceitos foram usados
    ​​em tumores de pulmão, fígado e pâncreas.
  77. Enquanto isso, os médicos estão
    experimentando usá-lo para tratar doenças
  78. como a doença de Parkinson, epilepsia
    e transtorno obsessivo-compulsivo.
  79. A dor de um diagnóstico de câncer
    pode ser devastadora,
  80. mas avanços em procedimentos não invasivos
  81. estão abrindo um caminho
    para uma cura mais suave.