Portuguese, Brazilian 字幕

← Como o esgotamento nos torna menos criativos

Nossa obsessão por produtividade - listas de tarefas, ações simples e engenhosas, rotinas matinais - está nos tornando menos produtivos, diz a antropóloga digital Rahaf Harfoush. Ela explica por que precisamos redesenhar nossa jornada de trabalho em torno da criatividade e não apenas da eficiência.

获得嵌入代码
19种语言

Showing Revision 20 created 03/22/2020 by Elisa Santos.

  1. Há alguns anos, minha obsessão
    por produtividade piorou tanto
  2. que tive um caso de esgotamento
    que me assustou bastante.
  3. Estou falando de insônia,
    aumento de peso, perda de cabelo, tudo.
  4. Fiquei tão sobrecarregada
  5. que não conseguia pensar em mais nada.
  6. Isso indicava que minha identidade
    estava vinculada à ideia de produtividade.
  7. [A Maneira como Trabalhamos]

  8. Você se sente culpado se não tiver sido
    produtivo o suficiente durante o dia?

  9. Passa horas lendo
    sobre ações de produtividade,
  10. tentando novas estruturas
    e testando aplicativos
  11. para fazer ainda mais?
  12. Experimentei todos:
  13. aplicativos de tarefas, calendário,
    gerenciamento de tempo,
  14. coisas feitas para gerenciar o dia.
  15. Ficamos tão obcecados em fazer mais
  16. que perdemos a coisa mais importante.
  17. Muitas dessas ferramentas não ajudam.
  18. Só pioram as coisas.
  19. Está bem, vamos falar um pouco
    sobre produtividade.

  20. Historicamente, a produtividade
    como a conhecemos hoje
  21. foi usada durante a Revolução Industrial.
  22. Era um sistema que media o desempenho
    com base em resultados consistentes.
  23. Você iniciava seu turno
  24. e era responsável por criar
    um certo número de aparelhos
  25. na linha de montagem.
  26. No final do dia, era bem fácil ver
    quem trabalhou muito e quem não trabalhou.
  27. Quando mudamos
    para uma economia do conhecimento,
  28. as pessoas, de repente,
    tinham tarefas muito mais abstratas,
  29. como compor, resolver problemas
    ou criar estratégias,
  30. tarefas que não eram fáceis de medir.
  31. As empresas se esforçavam para descobrir
    quem estava trabalhando e quem não estava.
  32. Então adotavam os sistemas antigos
    da melhor maneira possível,
  33. levando a coisas como o temido cronograma
  34. em que todos são pressionados
  35. a justificar como gastam
    cada segundo do dia.
  36. Só tem um problema.

  37. Esses sistemas não fazem
    muito sentido para o trabalho criativo.
  38. Ainda pensamos na produtividade
    como esporte de resistência.
  39. Tentamos criar o máximo
    de postagens do blog
  40. ou passamos o dia cheio de reuniões.
  41. Mas esse modelo de produção constante
    não é propício ao pensamento criativo.
  42. Hoje trabalhadores do conhecimento
    enfrentam um grande desafio.
  43. Espera-se que sejamos sempre produtivos
    e criativos na mesma proporção.
  44. Mas, na verdade, é quase
    impossível para o cérebro

  45. gerar continuamente
    novas ideias sem descanso.
  46. Na realidade, o tempo ocioso é necessário
  47. para o cérebro se recuperar
    e funcionar adequadamente.
  48. Considere que, segundo
    uma equipe de pesquisadores
  49. da Universidade do Sul da Califórnia,
  50. deixar a mente divagar
    é um estado mental essencial
  51. que nos ajuda a desenvolver
    nossa identidade,
  52. processar interações sociais
  53. e até mesmo influenciar
    nossa bússola moral interna.
  54. Nossa necessidade de pausa
  55. age apesar de nossa narrativa
    cultural da pressa,
  56. em outras palavras, as histórias
    que nós, como sociedade,
  57. contamos uma à outra
  58. sobre como é o sucesso
    e o que é preciso para chegar lá.
  59. Histórias como o Sonho Americano,
  60. que é uma de nossas crenças
    mais profundamente enraizadas.
  61. Ela nos conta que, se trabalharmos muito,
  62. teremos sucesso.
  63. Mas há um outro lado.
  64. Se você não tiver sucesso,
  65. deve ser porque você não está
    trabalhando o suficiente.
  66. E, se você acha que não está
    fazendo o bastante,
  67. é claro que vai ficar
    até tarde, virar a noite
  68. e se pressionar muito,
    mesmo quando souber melhor.
  69. A produtividade se envolveu
    em nossa autoestima,

  70. de modo que é quase impossível
    nos permitir parar de trabalhar.
  71. O funcionário comum dos EUA tira apenas
    metade de suas férias remuneradas,
  72. além de provar que, mesmo com a opção
    de fazer uma pausa, não fazemos.
  73. Para deixar claro, não acho
    que a produtividade

  74. ou a tentativa de melhorar
    nosso desempenho seja ruim.
  75. Só estou dizendo que os modelos atuais
    usados para medir nosso trabalho criativo
  76. não fazem sentido.
  77. Precisamos de sistemas que trabalhem
    com a criatividade e não contra ela.
  78. [COMO CONSERTAMOS ISSO?]

  79. Não há solução rápida para esse problema.

  80. E eu sei, isso é péssimo.
  81. Ninguém adora uma boa estrutura
    ou uma boa sigla mais do que eu.
  82. Mas a verdade é que todos
    têm narrativas próprias
  83. que precisam descobrir.
  84. Foi só quando comecei a investigar
    minhas crenças sobre trabalho
  85. que comecei a desvendar a raiz
    de minha própria história de trabalho,
  86. conseguindo finalmente abandonar
    comportamentos destrutivos
  87. e fazer mudanças positivas e duradouras.
  88. E a única maneira para isso

  89. é fazendo a si mesmo
    algumas perguntas difíceis.
  90. Estar ocupado faz você
    sentir que tem valor?
  91. Quem você considera um exemplo de sucesso?
  92. De onde vieram suas ideias
    de ética no trabalho?
  93. Quanto de quem você é
    está vinculado ao que você faz?
  94. Sua criatividade tem ritmos próprios.

  95. Nossa energia varia de modo diário,
    semanal ou mesmo sazonal.
  96. Sei que sempre tenho mais energia
    no início da semana do que no final.
  97. Planejo minha semana de trabalho
    com base nesse fato.
  98. Como madrugadora de orgulho,
  99. libero minhas tardes e noites
    para trabalhos criativos.
  100. E sei que conseguirei compor mais
  101. nos meses aconchegantes
    de inverno do que no verão.
  102. Esse é o segredo.

  103. Derrubar mitos, desafiar visões antigas
  104. e identificar narrativas.
  105. Esse é o trabalho que precisamos
    fazer de verdade.
  106. Não somos máquinas,
  107. e acho que é hora de pararmos
    de trabalhar como uma.