Portuguese 字幕

← Ode à vida na Terra

获得嵌入代码
34种语言

Showing Revision 15 created 08/05/2020 by Margarida Ferreira.

  1. [Ode à vida na Terra]
  2. Olá.

  3. Tenho a certeza que
    quando terminar esta frase,
  4. tendo em conta como falo,
  5. todos terão percebido
    que sou de um lugar chamado
  6. planeta Terra.
  7. A Terra é muito boa.
  8. É a nossa casa.
  9. E dos germes.
  10. Esses [bip] por agora
    não são para aqui chamados,
  11. porque acreditem ou não,
    há mais coisas a acontecer.
  12. Este planeta é também a casa dos carros,
    das couves;

  13. aqueles peixes estranhos
    que têm lanternas;
  14. arte, fogo,
  15. extintores,
  16. leis, pombos, garrafas de cerveja,
  17. limões e lâmpadas;
  18. "Pinot noir" e paracetamol;
  19. fantasmas, mosquitos, flamingos, flores,
  20. o "ukelele", elevadores e gatos,
  21. vídeos de gatos, a Internet;
  22. vigas de ferro, prédios e baterias,
  23. tudo engenho e ideias,
    toda a vida conhecida...
  24. e muitas outras coisas.
  25. Basicamente tudo aquilo
    que conhecemos e já ouvimos.
  26. É o meu lugar preferido na verdade.
  27. Este pequeno globo,
  28. a flutuar numa parte fria
    e solitária do cosmos.
  29. Ah, o sotaque é de Belfast, já agora,
  30. fica aqui.
  31. Mais ou menos.
  32. Podem pensar que conhecem
    este planeta Terra,

  33. uma vez que são de lá.
  34. Mas o mais provável,
  35. é que não têm pensado
    nas coisas básicas há muito tempo.
  36. Eu pensava que as conhecia.
  37. Pensava até que era um perito.
  38. Até ter que explicar
    o que era isto tudo,
  39. e como é suposto funcionar,
  40. a alguém que nunca cá tinha estado.
  41. Não é o que pensa,
  42. apesar de o meu pai ter dito sempre
  43. que havia prova de vida inteligente
  44. eles é que nunca se preocuparam
    em contactar-nos.
  45. Eu estava a tentar explicar tudo isto
    ao meu filho recém-nascido.
  46. Éramos pais pela primeira vez,
    eu e a minha mulher,
  47. por isso como é costume com convidados
    que vão lá a casa pela primeira vez,
  48. mostrámos-lhe a casa.
  49. É aqui que vives, filho.
  50. Aqui é onde preparamos a comida.
  51. Aqui é onde guardamos
    a coleção de cadeiras e por aí fora.
  52. É revigorante,
  53. explicar como o planeta funciona
    a um recém-nascido.
  54. Mas depois dos risos,
  55. e quando nos apercebemos
    de que os novos humanos não sabem nada
  56. e nós também sabemos muito pouco,
  57. explicar todo o planeta
    torna-se intimidante.
  58. Mas tentei na mesma.
  59. Enquanto passeava com ele
    nas primeiras semanas,

  60. explicando como via o mundo,
  61. comecei a tomar nota
    das coisas ridículas que ia dizendo.
  62. Essas notas foram-se
    transformando numa carta
  63. para o meu filho,
    quando ele aprendesse a ler.
  64. E essa carta transformou-se num livro
  65. sobre os princípios básicos de ser humano
  66. a viver na Terra no século XXI.
  67. Algumas coisas são óbvias.
  68. O planeta é constituído por duas partes:
  69. terra e mar.
  70. Outras menos óbvias se pensarmos nelas.
  71. Como o tempo.
  72. As coisas, por vezes,
    movem-se devagar aqui na Terra.
  73. Mas movem-se rapidamente muito mais vezes.
  74. Por isso usem-no sabiamente,
    pois irá acabar de repente.
  75. Ou as pessoas.
  76. Há pessoas de todas
    as formas e feitios e cores.
  77. Podemos ser todos diferentes,
  78. mexemo-nos e soamos de forma diferente,
  79. mas não se deixem enganar,
    somos todos pessoas.
  80. Não me esqueço de que
    de todos os sítios do universo,

  81. as pessoas só vivem na Terra,
  82. só conseguem viver na Terra.
  83. E mesmo assim,
    apenas nas partes secas.
  84. Apenas uma pequena parte
    da superfície do nosso planeta
  85. é habitável para os humanos,
  86. onde todos vivemos apertadinhos.
  87. É fácil esquecer quando
    olhamos para a poeira,
  88. rochas, folhas e cimento
    dos nossos territórios,
  89. o quão limitado é o espaço
    para nos movermos
  90. Do ponto de vista dos olhos
    ao nível do solo,
  91. o horizonte parece infinito.
  92. Afinal de contas, não é habitual
  93. considerarmos onde estamos
    na bola do nosso planeta
  94. e onde essa bola fica no espaço.
  95. Não queria contar ao meu filho
    as mesmas histórias dos países

  96. que nos contavam durante a infância
    na Irlanda do Norte.
  97. Que éramos de uma pequena paróquia,
  98. que tirando preocupações
    imediatas, ignora a vida.
  99. Queria tentar saber
    como é ver o nosso planeta
  100. como um sistema, um único objeto,
    à deriva no espaço.
  101. Para isso, precisava de passar
    dos desenhos nos livros
  102. para as esculturas 3D nas ruas,
  103. e eu precisaria de quase 60 metros,
  104. um quarteirão de Nova Iorque,
  105. para fazer um modelo de grande escala
  106. da Lua, da Terra e de nós.
  107. O projeto aconteceu
    no High Line Park, de Nova Iorque,

  108. no inverno passado,
  109. no 50.º aniversário da missão
    Apolo 11 na órbita lunar.
  110. Depois disso,
  111. coloquei um capacete espacial
    em mim e no meu filho,
  112. e lançámo-nos, tal como a Apolo 11
    meio século atrás,
  113. em direção à Lua.
  114. Nós demos a volta
  115. e olhámos para trás, para nós.
  116. E senti como era solitário ali no escuro.
  117. E estava só fazendo de conta.
  118. A Lua é o único objeto,
  119. mesmo que remotamente, próximo de nós.
  120. E na escala deste projeto,
  121. o nosso planeta com
    três metros de diâmetro,
  122. Marte será o próximo,
    do tamanho de uma bola de ioga
  123. e estará a alguns
    quilómetros de distância.
  124. Embora as fronteiras
    não sejam visíveis do espaço,

  125. na minha escultura
  126. cada uma delas foi desenhada.
  127. Mas, em vez de escrever os nomes
    dos países na terra esculpida,
  128. escrevi várias vezes:
  129. "Pessoas moram aqui, pessoas moram aqui".
  130. "Pessoas... moram... aqui."
  131. E na Lua escrevi:
  132. "Ninguém vive aqui".
  133. Muitas vezes, o óbvio não é tão óbvio
    até pensarmos nele.
  134. Ver algo de uma distância
    suficientemente vasta muda tudo

  135. como muitos astronautas vivenciaram.
  136. E olhos humanos só viram a nossa Terra
  137. não mais distante do que da Lua.
  138. É muito mais longe
  139. até chegarmos às margens
    do nosso sistema solar.
  140. E mesmo para outras estrelas
    e outras constelações.
  141. Na verdade, há apenas
    um ponto em todo o cosmos
  142. presente em todas as constelações,
  143. e essa presença está aqui:
    o planeta Terra.
  144. Aquelas fotos que criámos
    para as multidões de estrelas
  145. só fazem sentido deste
    ponto de vista aqui em baixo.
  146. As histórias delas
    só fazem sentido aqui na Terra.
  147. E apenas algo para nós,
    para as pessoas.
  148. Nós somos criaturas de histórias.
  149. Somos as histórias que contamos,
  150. e as histórias que nos contam.
  151. Considerem brevemente a história
    da civilização humana na Terra.

  152. Ela nos fala da criatividade, elegância,
  153. da natureza generosa
    e estimulante de uma espécie
  154. que também é egocêntrica, vulnerável
  155. e desafiadoramente protetora.
  156. Nós, as pessoas, protegemos
    a chama de nossa existência
  157. dos elementos brutos e vastos
    fora de nosso controlo, o grande além.
  158. Ainda assim, é sempre
    para a chama que olhamos.
  159. "Por tudo o que sabemos",
  160. dito como uma declaração,
  161. significa a soma de todo o conhecimento.
  162. Mas quando dito de outro modo,
  163. "por tudo o que sabemos"
  164. significa que não sabemos nada.
  165. Esse é o drama lindo
    e frágil da civilização.
  166. Somos os atores e espetadores
    de uma peça cósmica
  167. que significa o mundo para nós aqui,
  168. mas nada em qualquer outro lugar.
  169. Provavelmente nem tanto aqui em baixo.
  170. Se pensássemos mesmo
    na nossa relação com o nosso barco,

  171. com a nossa Terra,
  172. essa poderia ser mais uma história
    de ignorância e ganância.
  173. Como é o caso de Fausto,
  174. um homem que acreditava possuir tudo
  175. e que partiu em busca do que era dele.
  176. Ele facilmente exige
    a propriedade duma flor,
  177. duma ovelha, duma árvore e dum campo.
  178. O lago e a montanha foram
    difíceis de conquistar,
  179. mas também se renderam.
  180. É na tentativa de possuir o mar aberto
  181. que a ganância dele prova a sua ruína,
  182. quando, num ataque de arrogância,
  183. ele sobe ao convés para mostrar
    ao mar quem é o patrão.
  184. Mas ele não entende,
  185. desliza sob as ondas
    e mergulha até ao fundo.
  186. O mar ficou triste por ele,
  187. mas continuou a ser o mar.
  188. Tal como os outros objetos
    da propriedade dele,
  189. já que o destino de Fausto
    não tem o menor valor para eles.
  190. Por toda a importância
    que acreditamos ter no cosmos,

  191. não teríamos nada
  192. se não fosse por esta Terra,
  193. que continuaria girando alegremente,
  194. totalmente absorta, sem nós.
  195. Neste planeta, existem pessoas.

  196. Temos passado os nossos dias,
  197. às vezes olhando para cima e para fora,
  198. mas principalmente olhando
    para baixo e para dentro.
  199. Olhando para cima e desenhando linhas
    entre as luzes no céu,
  200. temos tentado dar sentido a esse caos.
  201. Olhando para baixo, traçamos linhas
    para sabermos onde pertencemos
  202. e onde não.
  203. Esquecemo-nos que as linhas
    que conectam as estrelas,
  204. e as que dividem o nosso solo,
  205. existem apenas na nossa cabeça.
  206. Também elas são histórias.
  207. Continuamos a nossa rotina
    e os nossos rituais
  208. conforme as histórias
    em que mais acreditamos,
  209. e, hoje em dia, elas mudam
    enquanto as escrevemos.
  210. Há muito medo nesta história,

  211. e até recentemente,
  212. as histórias que pareciam ter mais poder,
  213. eram as de amargura,
  214. de como tudo deu errado para nós
    como indivíduos e sociedade.
  215. Tem sido inspirador perceber
    como o melhor vem do pior.
  216. Como estamos a despertar
    em tempos de acerto de contas global
  217. à perceção de que a nossa
    conexão uns com os outros
  218. é o mais importante que temos.
  219. Mas dando um passo atrás,

  220. por tudo o que tivemos de lamentar,
  221. passamos bem pouco tempo
    saboreando a única coisa maior
  222. que já deu certo para nós:
  223. que estamos aqui em primeiro lugar,
    e estamos vivos!
  224. Que "ainda" estamos vivos.
  225. Depois de encontrar uma caixa de fósforos,
    há um milhão e meio de anos,
  226. ainda não queimámos totalmente a casa.
  227. A hipótese de estarmos aqui
    é infinitesimal.
  228. Mesmo assim, aqui estamos,
    com perigos e tudo mais.
  229. Nunca houve tanta gente
    a viver na Terra, a usar mais coisas.

  230. E tornou-se óbvio
    que muitos dos antigos sistemas
  231. que inventamos para nós mesmos
    são obsoletos.
  232. E temos que construir novos.
  233. Se não fosse pelos germes,
  234. o nosso fogo coletivo poderia
    sufocar-nos em pouco tempo.
  235. Enquanto vemos as engrenagens
    da indústria parar,
  236. o maquinismo do progresso
    a ficar silencioso,
  237. temos a mais louca das oportunidades
  238. de apertar o botão "reset",
  239. para seguirmos um caminho diferente.
  240. Aqui estamos nós, na Terra.

  241. E a vida aqui é uma coisa maravilhosa.
  242. Parece grande, esta Terra,
  243. mas há muitos de nós aqui.
  244. Sete mil e quinhentos milhões
    na última contagem,

  245. com mais gente a chegar
    todos os dias.
  246. Mesmo assim, ainda há
    o suficiente para todos,
  247. se partilharmos um pouco.
  248. Então, por favor, sejam gentis.
  249. Pensando nisso de outra maneira,

  250. se a Terra é o único lugar
    onde as pessoas vivem,
  251. então é o local
    menos solitário no Universo.
  252. Há muitas pessoas para nos amarem
  253. e muitas para amarmos.
  254. Nós precisamos uns dos outros.
  255. Sabemos disso agora, mais do que nunca.
  256. Boa noite.