Return to Video

Educação e empregos para os surdos | Ruma Roka

  • 0:07 - 0:09
    Você não entendeu nada, entendeu?
  • 0:09 - 0:11
    (Risadas)
  • 0:11 - 0:13
    Que 63 milhões de pessoas surdas na Índia
  • 0:13 - 0:17
    pessoas que vão ano após ano, dia após dia
  • 0:17 - 0:20
    tentando entender um mundo que não podem
    ouvir.
  • 0:20 - 0:23
    Grande falta de entendimento e o estigma social
  • 0:23 - 0:26
    de ter um filho diferentemente capaz.
  • 0:26 - 0:28
    Pais correm de um lugar para outro
  • 0:28 - 0:31
    tentando entender como criar seu filho.
  • 0:31 - 0:34
    E eles são informados,
    "Apesar de seu filho não poder ouvir,
  • 0:34 - 0:36
    não há nada de errado com a laringe dele.
  • 0:36 - 0:38
    Não há nada de errado com
    suas cordas vocais
  • 0:38 - 0:41
    ele pode ser eventualmente
    ensinado a falar."
  • 0:41 - 0:46
    E lá inicia-se a jornada de anos gastos
    tentando ensinar
  • 0:46 - 0:50
    aquela criancinha como articular palavras
    que ele não pode ouvir.
  • 0:51 - 0:54
    Mesmo dentro da família, aquela
    criancinha quer
  • 0:54 - 0:56
    se comunicar com seus pais.
  • 0:56 - 1:00
    Ele quer fazer parte das conversas na
    família.
  • 1:00 - 1:04
    Mas ele não pode. E ele não entende
    por quê ninguém o escuta.
  • 1:05 - 1:07
    Então ele se sente isolado e perdido
  • 1:07 - 1:10
    em uma habilidade crucial que é necessária
    quando ele crescer.
  • 1:10 - 1:14
    Ele vai a escola pensando, "Okay, tenho fé
    que as coisas serão diferentes."
  • 1:14 - 1:17
    E ele vê os professores
    abrindo e fechando suas bocas
  • 1:17 - 1:20
    e escrevendo aquelas coisas estranhas
    no quadro.
  • 1:20 - 1:23
    Sem entender, porque ele não pode ouvir,
  • 1:23 - 1:27
    ele copia tudo,
    regurgita isso nas provas,
  • 1:27 - 1:31
    e por decorar e um pouco de sorte,
    ele termina a escola, nota dez.
  • 1:31 - 1:35
    Quais são suas chances de emprego?
  • 1:35 - 1:38
    Aí está aquela criança que realmente
    não teve nenhuma educação de verdade.
  • 1:38 - 1:41
    Palavras visuais, vocabulário de trinta
    a quarenta palavras.
  • 1:41 - 1:46
    Ele está emocionalmente inseguro, ele está
    provavelmente bravo com todo mundo também,
  • 1:46 - 1:49
    que tem, ele sente que tem
    sistematicamente desabilitado-o
  • 1:49 - 1:53
    Onde ele trabalha?
    Trabalho servil, trabalho não qualificado,
  • 1:53 - 1:56
    frequentemente em condições abusivas.
  • 1:56 - 2:02
    Onde minha jornada de nascimento começou
    em 2004. Eu não tenho, como Kelly disse,
  • 2:02 - 2:04
    eu não tenho nenhum parente que é surdo.
  • 2:04 - 2:08
    Apenas uma atração estranha e, nenhum
    pensamento racional.
  • 2:08 - 2:10
    Eu pulei neste mundo e aprendi
    a língua de sinais.
  • 2:10 - 2:14
    Naquele momento, foi um desafio.
    Ninguém queria... Ninguém parecia saber...
  • 2:14 - 2:17
    "O que é isso que tu quer aprender, Ruma?
    Isso é uma língua?"
  • 2:17 - 2:22
    De qualquer forma, aprender língua de
    sinais abriu minha vida a esta comunidade
  • 2:22 - 2:25
    que é extremamente silenciosa,
    mas está transbordando
  • 2:25 - 2:28
    com paixão e curiosidade como
    aprendizes visuais.
  • 2:28 - 2:31
    E eu ouvi as histórias deles do que
    eles queriam fazer.
  • 2:31 - 2:39
    E um ano depois, em 2005, com uma pouca
    economia de aproximadamente $5,000
  • 2:39 - 2:42
    de uma apólice de seguro,
    eu comecei este centro,
  • 2:42 - 2:46
    em um pequeno apartamento de dois quartos
    com apenas seis alunos
  • 2:46 - 2:49
    e eu ensinando-os inglês
    em língua de sinais
  • 2:50 - 2:53
    Os desafios, a necessidade naquela hora
    naquele momento era,
  • 2:53 - 2:56
    como posso levar esses jovens
    que apenas formaram no ensino médio
  • 2:56 - 2:58
    até empregos de verdade nas empresas?
  • 2:58 - 3:03
    Empregos dignos, empregos que provem que
    surdos não são idiotas?
  • 3:04 - 3:08
    Então, os desafios eram grandes.
    Os surdos estavam anos acomodados a isso
  • 3:08 - 3:11
    e anos de tédio e escuridão.
  • 3:11 - 3:14
    Eles tinham de acreditar em si mesmos.
    Os pais tinham de estar convictos
  • 3:14 - 3:17
    que essa criança não é surda e burra.
  • 3:17 - 3:19
    E ele é capaz de se manter de pé
    por si próprio.
  • 3:19 - 3:21
    Mas o mais importante,
  • 3:21 - 3:24
    será que o empregador empregaria
    alguém que não podia falar,
  • 3:24 - 3:27
    não podia ouvir, e muitos não
    não podiam ler nem escrever?
  • 3:27 - 3:31
    eu sentei com alguns amigos meus
    da indústria,
  • 3:31 - 3:35
    e eu compartilhei com eles minha história
    sobre o que significava ser surdo.
  • 3:35 - 3:39
    E eu entendi que existiam áreas claras em
    empresas
  • 3:39 - 3:43
    onde surdos poderiam trabalhar, pessoas
    surdas poderiam ser muito úteis.
  • 3:43 - 3:46
    E com poucos recursos,
    nós criamos o primeiro
  • 3:46 - 3:49
    treinamento de currículo vocacional para
    pessoas surdas no país.
  • 3:49 - 3:54
    Encontrar treinadores foi um problema.
    Então eu treinei minhas crianças surdas,
  • 3:54 - 3:57
    meus alunos, a se tornarem os
    professores para Surdos.
  • 3:57 - 4:01
    E esse é um trabalho que eles agarraram
    com grande responsabilidade e orgulho.
  • 4:01 - 4:07
    Ainda que, o empregador estivesse cético.
    Educação, qualificação, décimo passo.
  • 4:07 - 4:09
    "Não, não, não, Ruma,
    não podemos emprega-lo."
  • 4:09 - 4:10
    Isso era um grande problema.
  • 4:10 - 4:12
    "E mesmo se o empregássemos,
  • 4:12 - 4:15
    Como nós falaríamos com ele? Ele não
    lê, escreve.
  • 4:15 - 4:16
    Não pode ouvir/falar."
  • 4:16 - 4:20
    Eu apenas os dizia, "Por favor podemos
    dar um passo de cada vez?
  • 4:21 - 4:23
    Você sabe, podemos focar no que ele pode
    fazer?
  • 4:23 - 4:26
    Ele é uma ótima pessoa visual. Ele pode
    trabalhar. E...
  • 4:26 - 4:30
    e se isso funcionar maravilhosamente, se
    não, iremos pelo menos saber."
  • 4:30 - 4:35
    Aqui eu gostaria de compartilhar uma
    história sobre Vishu Kapoor.
  • 4:35 - 4:39
    Ele veio até nós em 2009 sem nenhuma
    linguagem
  • 4:39 - 4:41
    Ele nem ao menos sabia língua de sinais.
  • 4:41 - 4:45
    Tudo que ele via, processava em sua mente
    era através dos seus olhos.
  • 4:45 - 4:47
    Sua mãe estava em desespero e ela dizia,
  • 4:47 - 4:50
    "Ruma, posso por favor deixa-lo em
    seu centro por duas horas?
  • 4:50 - 4:52
    É muito difícil para mim controlá-lo,
  • 4:52 - 4:54
    você sabe lidar com ele 24 horas por dia."
  • 4:54 - 4:58
    Então eu disse, "Sim, okay."
    Como um serviço de acidentes.
  • 4:58 - 5:03
    Isso nos levou um ano e meio de um
    trabalho muito meticuloso
  • 5:03 - 5:07
    para dar a Vishu uma língua.
    A medida que ele começava a se comunicar e
  • 5:07 - 5:11
    ele adquiriu um senso próprio e ele
    entendia que havia...
  • 5:11 - 5:14
    Digo, ele não podia ouvir,
    mas podia fazer tantas coisas
  • 5:14 - 5:16
    Ele descobriu que gostava de trabalhar
    com computadores.
  • 5:16 - 5:18
    Nós o encorajamos, o motivamos,
  • 5:18 - 5:23
    a o colocamos no nosso programa de T.I.
    Ele passou em todos os testes, você sabe,
  • 5:23 - 5:26
    muito pelo meu nervosismo.
    Uma oportunidade veio um dia
  • 5:26 - 5:28
    no desenvolvimento de
    uma muito conhecida empresa de T.I,
  • 5:28 - 5:32
    e apenas pela exposição e a experiência,
    eu disse,
  • 5:32 - 5:35
    "Deixemos o Vishu ir a esta
    entrevista de emprego também."
  • 5:35 - 5:38
    Vishu foi lá e passou em todos os
    testes técnicos.
  • 5:38 - 5:42
    Mesmo assim eu disse, "Ah, eu só espero
    que ele consiga ficar no trabalho
  • 5:42 - 5:44
    por pelo menos 6 meses."
  • 5:44 - 5:46
    Agora já faz 1 ano e meio,
  • 5:46 - 5:50
    Vishu ainda está lá,
    e ele não é apenas
  • 5:50 - 5:53
    'oh, aquele coitadinho trabalhando
    em um ambiente ouvinte,'
  • 5:53 - 5:58
    Ele está ganhando notoriedade como melhor
    empregado do mês, não uma mas duas vezes.
  • 5:58 - 6:01
    (Aplausos)
  • 6:01 - 6:04
    E eu quero compartilhar com vocês que,
    hoje, nos levou por volta de
  • 6:04 - 6:08
    um ano e meio para ensinar
    uma pessoa surda a se preparar
  • 6:08 - 6:10
    para entrar neste mundo real
    que nós conhecemos.
  • 6:10 - 6:15
    Em um curto tempo de 6 anos, hoje
    500 dos meus maravilhosos jovens alunos
  • 6:15 - 6:20
    estão trabalhando em algumas das
    melhores organizações da indústria:
  • 6:20 - 6:24
    em perfis de design gráfico,
    no desenvolvimento de organizações de T.I,
  • 6:24 - 6:28
    em hospitalidade,
    em quebra de barreiras empregatícias
  • 6:28 - 6:31
    como na segurança, e nos bancos.
  • 6:31 - 6:34
    E também em pontos de vendas, e
    em atendimento direto ao cliente.
  • 6:34 - 6:36
    (Aplausos)
  • 6:36 - 6:40
    Diretamente encarando pessoas como você
    e eu no KFC, nas cafeterias.
  • 6:40 - 6:42
    Eu apenas deixo a vocês uma pequena
    reflexão que,
  • 6:42 - 6:44
    sim, a mudança é possível.
  • 6:44 - 6:48
    E isso começa com apenas uma pequena
    mudança na nossa perspectiva.
  • 6:48 - 6:49
    Muito obrigada.
  • 6:49 - 6:56
    (Aplausos)
  • 7:02 - 7:06
    E isto é aplauso,
    é um sinal internacional para aplauso.
  • 7:06 - 7:08
    Muito obrigada.
标题:
Educação e empregos para os surdos | Ruma Roka
描述:

Ruma Roka é a fundadora do Noida Deaf Society, que usa programas especializados vocacionais para ajudar os surdos a conseguirem empregos remunerados e serem integrados mais plenamente nas suas comunidades. Ela compartilha a poderosa história de como isso se tornou, através da sua força de vontade e trabalho duro.
[Nota: Nós queremos que você veja estas palestras exatamente como elas aconteceram! As cenas do arquivo talvez estejam um pouco mais embaçadas do que o normal TED.com palestras]

more » « less
Video Language:
English
Duration:
07:10

Portuguese subtitles

Incomplete

修订