Return to Video

vimeo.com/.../436582706

  • 0:01 - 0:05
    Você vê o botão de gravação no canto?
  • 0:05 - 0:09
    No canto deveria aparecer "Gravando"
  • 0:09 - 0:10
    Sim.
  • 0:10 - 0:12
    Ok, ótimo. Eu vou silenciar o meu áudio
  • 0:12 - 0:14
    enquanto você se apresenta.
  • 0:14 - 0:18
    Você pode bater na mesa ou
    fazer um barulho antes de começar.
  • 0:18 - 0:20
    Ok.
  • 0:24 - 0:28
    Olá, meu nome é
    Leroy Frankling Moore Jr.
  • 0:29 - 0:32
    e eu moro em Berkeley, California.
  • 0:33 - 0:41
    Eu sou um autor, ativista, fundador
    de várias organizações
  • 0:41 - 0:44
    fundador da Krip Hop Music com um K
  • 0:45 - 0:50
    Eu tinha uma organização
    sem fins lucrativos chamada
  • 0:50 - 0:54
    Organização de Deficientes
    Advogados para Minorias,
  • 0:54 - 1:00
    e eu também ajudei a fundar
    o que chamamos de Pecados Inválidos.
  • 1:00 - 1:05
    Eu sou um jornalista na POOR Magazine,
  • 1:06 - 1:13
    e sim, um ativista e um escritor
    de muitos livros.
  • 1:13 - 1:19
    O último livro chama
    Ancestrais Negros Deficientes.
  • 1:19 - 1:24
    E eu também sou conferencista
    em campos universitários.
  • 1:27 - 1:29
    Ótimo, Leroy, muito obrigada.
  • 1:29 - 1:35
    Ok, então a primeira pergunta é
    conte um pouco sobre a sua primeira
  • 1:35 - 1:39
    lembra ao perceber que havia problemas
    de acessibilidade, discriminação ou
  • 1:39 - 1:43
    falta de inclusão.
    Qual é a sua história pessoal ou conexão
  • 1:43 - 1:49
    com a Lei dos Americanos com Deficiências?
    Qual a lembrança do dia que foi assinado,
  • 1:49 - 1:54
    e qual foi o impacto que causou em você
    e nos outros?
  • 1:57 - 2:06
    O primeiro momento que eu percebi que
    havia descriminação
  • 2:06 - 2:16
    foi no início dos anos 80
    quando eu e dois outros deficientes negros
  • 2:16 - 2:20
    decidimos fazer uma campanha de cartas,
  • 2:20 - 2:24
    e isso foi antes de existirem computadores
    então a gente teve que escrever.
  • 2:24 - 2:30
    Nós fizemos uma campanha de cartas
    para várias organizações negras
  • 2:30 - 2:33
    e na época, líderes negros
  • 2:34 - 2:44
    perguntavam porque não existiam
    deficientes na televisão ou em lugar algum
  • 2:44 - 2:51
    Então essa foi a primeira vez que eu
    carreguei isso nas minhas costas
  • 2:51 - 2:56
    e desafiei o sistema.
  • 3:00 - 3:08
    O outro momento em que eu percebi
    que havia uma falta de acessibilidade
  • 3:08 - 3:20
    foi quando eu estava auxiliando meu pai
    em reuniões ativistas nos anos 80
  • 3:20 - 3:23
    e eles estavam falando sobre
    brutalidade policial
  • 3:23 - 3:29
    e outras coisas que acontecem
    com a comunidade negra.
  • 3:29 - 3:37
    E quando eu saí da reunião,
    fui abordado por um grupo de deficientes
  • 3:37 - 3:45
    que queriam que eu participasse do grupo
    para conversar, advogar sobre as rampas.
  • 3:45 - 3:52
    E eu os perguntei "Então, eu acabei
    de sair de uma reunião com o meu pai,
  • 3:52 - 3:55
    e eles estavam falando sobre
    brutalidade policial,
  • 3:55 - 4:00
    e muitos dos deficientes negros
    não podem usufruir das rampas.
  • 4:00 - 4:05
    Eles não podem sair, porque a
    polícia está atirando neles."
  • 4:05 - 4:09
    E o grupo falou,
    "Bem, nós não podemos lidar com isso.
  • 4:09 - 4:11
    Nós já estamos lidando com o asfalto."
  • 4:11 - 4:15
    Foi quando eu realmente entendi,
  • 4:15 - 4:23
    uau, esses são dois mundos e
    problemas diferentes.
  • 4:23 - 4:30
    Essa foi a primeira vez que eu entendi
    que há muita diferença lá fora.
  • 4:30 - 4:37
    E com o ADA, quando o ADA
    foi assinado
  • 4:37 - 4:39
    e aquela foto estava em todos os lugares,
  • 4:39 - 4:43
    mais uma vez eu olhei para a foto e pensei
  • 4:43 - 4:46
    "Ah. Ninguém se parece comigo"
  • 4:46 - 4:54
    No fim dos anos 90,
  • 4:54 - 4:59
    Eu tinha uma organização chamada
    Deficientes Advogados para Minorias
  • 5:00 - 5:07
    e nós tínhamos toneladas de cópias
    da capa do ADA,
  • 5:07 - 5:16
    e nós colocamos no topo do ADA
    o que estava falando nessa foto.
  • 5:16 - 5:23
    E, obviamente, todos nós sabíamos
    que a resposta era pessoas negras,
  • 5:23 - 5:32
    então esse foi a primeira declaração que
    eu fiz sobre o ADA.
  • 5:34 - 5:39
    Eu pensei: onde estão as pessoas negras
    na foto do ADA?
  • 5:44 - 5:47
    Uau!
    Muito bonito, obrigada.
  • 5:47 - 5:49
    Sim.
  • 5:49 - 5:51
    O presente.
  • 5:51 - 5:54
    O Ada fez alguma diferença?
  • 5:54 - 5:58
    Nos conte sobre o momento em você
    percebeu que o ADA
  • 5:58 - 6:01
    está ou não está fazendo a diferença.
  • 6:01 - 6:08
    E em que medida, com base nas suas paixões
    e áreas de especialização, você vê
  • 6:08 - 6:11
    ou não vê o impacto do ADA?
  • 6:16 - 6:21
    Sim, com certeza o ADA fez a diferença
    na sociedade,
  • 6:21 - 6:25
    na sociedade global, sabe.
  • 6:25 - 6:32
    Você pode ver essa diferença na
    acessibilidade em lugares públicos.
  • 6:33 - 6:40
    Você pode ver na comunicação,
  • 6:40 - 6:49
    especialmente nessa vida de redes
    sociais em que nós estamos vivendo
  • 6:49 - 6:52
    com Google e Twitter
  • 6:52 - 6:59
    todos esses estão fazendo os seus produtos
    mais acessíveis. Isso é ótimo.
  • 6:59 - 7:03
    Sabe, nós vemos um pouco-
  • 7:03 - 7:09
    Nós estamos muito nas companhias aéreas,
    então, sim, nós vemos isso.
  • 7:09 - 7:13
    E o espaço que precisa de mais
    crescimento
  • 7:13 - 7:17
    é, sem dúvidas, o de pessoas negras,
  • 7:17 - 7:24
    pessoas que são pobres,
    imigrantes.
  • 7:24 - 7:29
    O ADA ainda não os alcança,
  • 7:30 - 7:38
    e é por isso que a minha organização,
    nos anos 90 e no início dos anos 2000,
  • 7:38 - 7:42
    teve o Other Side Rally.
  • 7:42 - 7:45
    Esse foi o outro lado do ADA,
  • 7:45 - 7:55
    dar voz às comunidades
    que não puderam sentir o bem do ADA.
  • 7:55 - 7:59
    Então sim, é necessário muito trabalho,
  • 7:59 - 8:07
    especialmente quando se trata de nossas
    cidades, nossas cidades do interior.
  • 8:07 - 8:10
    Eu moro em Berkeley.
  • 8:10 - 8:17
    Berkeley é o lugar utópico para pessoas
    com deficiências.
  • 8:17 - 8:22
    Você vê rampas, temos o prédio
    Ed Roberts.
  • 8:22 - 8:36
    Mas se você for para East Oakland, você
    verá que lá existem apenas algumas rampas.
  • 8:36 - 8:44
    As estradas ainda estão esburacadas;
    lojas ainda são pequenas.
  • 8:44 - 8:49
    Então você vê a diferença
    entre uma comunidade e outra.
  • 8:49 - 8:54
    E isso precisa mudar.
  • 8:54 - 9:00
    É claro que a alta taxa de desemprego de
    pessoas com deficiência
  • 9:00 - 9:03
    não mudou desde os anos 80.
  • 9:03 - 9:09
    Falando sobre negros e pardos
    com deficiência,
  • 9:09 - 9:15
    ainda existe uma taxa de 90%
    de desemprego.
  • 9:15 - 9:18
    Então isso ainda não mudou.
  • 9:18 - 9:20
    E eu posso falar mais, e mais...
  • 9:20 - 9:30
    Mas sim, precisa haver mais impulso do
    ADA em certas comunidades.
  • 9:30 - 9:36
    E eu também acho que a nossa liderança
    precisa mudar.
  • 9:36 - 9:42
    Não somente o presidente, mas nossos
    representantes com deficiência
  • 9:42 - 9:46
    precisam mudar. Nós precisamos de mais
    pessoas jovens com deficiência
  • 9:46 - 9:54
    assumindo a liderança sem
    se comprometer,
  • 9:54 - 9:59
    porque eu acho que essa é uma das
    maiores coisas que nós perdemos
  • 9:59 - 10:03
    é que quando nos comprometemos, olhamos
    pra trás e pensamos:
  • 10:03 - 10:07
    "Meu Deus, nós não recebemos nada por
    esse compromisso."
  • 10:07 - 10:15
    Então eu acho que nós precisamos de
    mais líderes que não se comprometam.
  • 10:18 - 10:23
    Muito bem dito, Leroy.
    Você está indo muito bem, obrigada.
  • 10:23 - 10:29
    À frente, você talvez já tenha dito
    tudo o que queria com isso,
  • 10:29 - 10:31
    mas você pode apenas ouvir,
  • 10:31 - 10:34
    e se tem mais alguma coisa que queira
    dizer, vá em frente.
  • 10:34 - 10:36
    Com o trabalho que você vem fazendo,
  • 10:36 - 10:40
    você já viu muito
    em termos de progresso e barreiras.
  • 10:40 - 10:43
    Se você pudesse escolher uma coisa para
    mudar
  • 10:43 - 10:47
    para ter acesso e igualdade presente
    na vida das pessoas com deficiência
  • 10:47 - 10:48
    o que seria?
  • 10:54 - 10:57
    Eu acho que precisamos de pessoas
    com deficiência e papéis chave.
  • 10:58 - 11:02
    Precisamos de um presidente com
    deficiência.
  • 11:02 - 11:07
    Nós precisamos de pessoas deficientes
    na mídia.
  • 11:07 - 11:17
    Nós precisamos de pessoas deficientes
    no Departamento de Justiça.
  • 11:17 - 11:20
    O Departamento de justiça faz
    cumprir a lei,
  • 11:20 - 11:25
    por isso nós precisamos de pessoas
    fortes que vão cumprir as leis.
  • 11:28 - 11:34
    Nós precisamos de mais pessoas deficientes
    em todo o tipo de área.
  • 11:34 - 11:43
    Educação, saúde mental, legislação
  • 11:43 - 11:50
    pessoas que passam orçamentos, sabe.
  • 11:54 - 11:55
    Obrigada, Leroy.
  • 11:55 - 11:58
    E para agir,
  • 11:59 - 12:03
    quais os passos podemos dar em comunidade?
  • 12:05 - 12:13
    Bem, nesse momento é difícil,
    por causa da COVID-19.
  • 12:13 - 12:18
    Nesse momento as pessoas precisam
    estar seguras,
  • 12:18 - 12:22
    sabe, é o básico com relação à COVID-19.
  • 12:22 - 12:27
    Pense no que eles estão fazendo,
  • 12:27 - 12:32
    realmente reflita se é necessário sair
    de casa,
  • 12:32 - 12:35
    se é necessário protestar.
  • 12:35 - 12:41
    Sim, nós definitivamente precisamos
    pensar no que é realmente necessário
  • 12:41 - 12:45
    e no que não é necessário.
  • 12:45 - 12:51
    Eu penso, que nesse momento,
    nós não podemos pensar em outras coisas,
  • 12:51 - 12:55
    porque é questão de vida ou morte, sabe?
  • 12:55 - 12:58
    A mídia está falando sobre as eleições,
  • 12:58 - 13:05
    falando sobre outras coisas,
    mas se nós não vivermos,
  • 13:05 - 13:09
    nós não poderemos aproveitar nada
    nessa terra.
  • 13:09 - 13:16
    Então eu penso que pessoas precisam
    levar a sério a COVID.
  • 13:16 - 13:24
    Porque ainda não acabou e
    isso envolve todos os serviços
  • 13:24 - 13:32
    a lei, estilos de vida de pessoas
    com deficiência.
  • 13:32 - 13:37
    Então, sim, isso é prioridade.
  • 13:37 - 13:40
    Essa é a única prioridade no momento.
  • 13:40 - 13:44
    Tentando ficar seguro
  • 13:44 - 13:47
    ficar em contato com pessoas
    com deficiência.
  • 13:51 - 13:54
    Muito bem, Leroy.
    Muito bem.
  • 13:54 - 13:59
    Tem mais alguma coisa que você queira
    mencionar que não falou ainda?
  • 14:02 - 14:07
    Eu acho que precisam existir mais
  • 14:07 - 14:13
    mais mentores para jovens deficientes.
  • 14:13 - 14:20
    E mentores de domínio público,
  • 14:20 - 14:25
    não somente em comunidades de deficientes
    mas na comunidade aberta
  • 14:25 - 14:30
    para que pessoas possam se informar
    também em outras comunidades.
  • 14:31 - 14:41
    Eu acredito que, voltando agora para
    comunidades de negros e pardos deficientes
  • 14:41 - 14:49
    precisa haver uma campanha nacional
    de conscientização,
  • 14:49 - 14:52
    para a comunidade negra e parda
    em torno da deficiência
  • 14:52 - 14:57
    porque nós não obtemos isso através
    do ADA.
  • 14:57 - 14:59
    Ou através do 504.
  • 14:59 - 15:09
    E em razão disso, nossas comunidades
    de negros e pardos com dificiência
  • 15:09 - 15:16
    estão começando a perder importância.
  • 15:16 - 15:21
    Nós temos que sair das comunidades
    para termos acesso aos serviços.
  • 15:21 - 15:30
    Para ser reconhecidos como
    pessoas deficientes.
  • 15:30 - 15:34
    Por isso eu acredito que uma campanha
    nacional se faz necessária
  • 15:34 - 15:36
    nas comunidades pretas e pardas
  • 15:36 - 15:41
    fazendo com que pessoas deficientes
    possam voltar para casa
  • 15:41 - 15:46
    e realmente educar nossas comunidades
    pretas e pardas.
  • 15:46 - 15:57
    E o que eu chamo de "capacidade negra"
    é um obstáculo
  • 15:57 - 16:04
    para muitos negros e pardos deficientes e
    ativistas que querem voltar para casa
  • 16:04 - 16:06
    e trabalhar nas nossas comunidades.
  • 16:06 - 16:16
    Nós precisamos de uma campanha nacional
    para nos livrarmos da capacidade negra.
  • 16:20 - 16:22
    Incrível, Leroy.
    Incrível.
  • 16:24 - 16:30
    Eu agradeço por você tirar seu tempo,
    para compartilhar seus pensamentos,
  • 16:30 - 16:34
    E eu acho que isso abrirá os olhos de
    muitas pessoas.
  • 16:34 - 16:37
    Eu amo isso, obrigada.
  • 16:37 - 16:39
    Sim!
    Quando irá ao ar?
  • 16:39 - 16:40
    Deixe-me-
Title:
vimeo.com/.../436582706
Video Language:
English
Team:
ABILITY Magazine
Duration:
16:40

Portuguese, Brazilian subtitles

Revízie Compare revisions