Portuguese titulky

← The Revolutionary Life of Emma Goldman #OrdinaryWomen

Získať kód na vloženie
9 Languages

Ukazujem Revíziu 5 vytvorenú 03/01/2019 od Helena Moura da Silva.

  1. Anos antes de ser considerada
  2. uma das pessoas mais perigosas da América
  3. uma jovem de nome Emma Goldman
  4. encontrava-se num baile.
  5. Apesar de ser uma ativista
  6. presente no evento para conquistar
    apoio para a sua causa
  7. ela também adorava dançar
  8. até que um dos seus
    aliados a chamou à parte
  9. para a criticar por ser
    frívola e indigna.
  10. Afinal deve um ativista sério
  11. ser visto a divertir-se tanto?
  12. Furiosa com a interrupção,
  13. Goldman disse ao jovem
  14. para se meter na sua própria vida
  15. porque a liberdade que ela defendia
  16. não era a "negação da vida e da alegria".
  17. Pelo contrário, ela disse:
  18. "Eu quero liberdade,
  19. o direito à expressão,
  20. o direito universal a coisas belas e radiantes."
  21. Para Goldman, uma revolução sem dança
  22. não era a sua revolução.
  23. Ela nasceu em 1869 numa família judaica
  24. no império russo e foi criada
  25. por uma mãe distante e um pai abusivo
  26. que tentaram forçar o seu casamento aos 15 anos.
  27. Ao recusar, ele atirou para a lareira
  28. o seu livro de gramática francesa e disse:
  29. "As raparigas não precisam de estudar muito!
  30. Uma filha judia só precisa de saber
  31. preparar peixe recheado,
  32. fazer massa e dar muitos filhos
  33. ao seu marido."
  34. Nessa época poucas mulheres desafiariam
  35. essa ideia de condição feminina
  36. tanto quanto Emma Goldman.
  37. Com 16 anos fugiu do pai
  38. e emigrou para os Estados Unidos
  39. onde encontrou a sua verdadeira vocação:
  40. uma rebelde política e fervorosa oradora
  41. que passaria a sua vida a apelar à revolução.
  42. Ela ficou horrorizada com a trágica história
  43. de vários trabalhadores
    ativistas executados
  44. em Chicago e foi isso que a levou
  45. ao movimento trabalhista e ao anarquismo.
  46. Ao contrário do que os rumores sugerem,
  47. a filosofia de Goldman não defendia
  48. a desordem e o caos.

  49. Defendia a liberdade pessoal
  50. e a rejeição das instituições
  51. que considerava repressivas:
  52. governo, religião, guerra,
  53. interesses comerciais
  54. e até o casamento.
  55. Apesar de ter sido casada várias vezes
  56. por conveniência ou pela cidadania,
  57. Goldman rejeitava ideias tradicionais
    do casamento
  58. e decidiu nunca ter filhos.
  59. Goldman rapidamente se tornou
  60. numa das figuras mais radicais da América
  61. cuja retórica era às vezes
  62. designada de "martelo de forja"
  63. Ela viajou pelo país
  64. e discursava de modo tão apaixonado
  65. que a famosa repórter Nellie Bly
  66. lhe deu a alcunha de
    "pequena Joana D'Arc"
  67. Ao longo dos anos, Goldman foi presa
  68. várias vezes pelos seus ideais
  69. por promover a contracepção
  70. por desenconrajar os homens de se alistarem
  71. no exército e por dizer aos desempregados
  72. para "retirarem o pão"
  73. dos ricos se não tivessem
  74. trabalho nem comida.
  75. Apesar do seu apoio à independência feminina,
  76. ela discordava mutas vezes das sufragistas
  77. por acreditar que o seu voto
    era menos importante
  78. em sistemas opressores
  79. do que a dissolução total dos mesmos.
  80. Emma dizia: "o direito ao voto ou a igualdade de direitos
  81. são exigências válidas, mas a verdadeira emancipação
  82. não começa nem nas urnas
    nem nos tribunais
  83. Ela dizia: "começa na alma da mulher."
  84. Ela acreditava que as mulheres
    tinham de rejeitar
  85. as leis sexistas da sociedade e do governo
  86. e reinvindicar o seu direito a decidir
  87. sobre as suas vidas e corpos
  88. Apenas isso, dizia Goldman,
  89. libertaria de facto as mulheres.
  90. Apesar de ser heterosexual
  91. Goldman foi uma das primeiras Americanas
  92. a defender os direitos dos homosexuais
  93. assim como à contracepção
  94. e à liberdade sexual da mulher.
  95. "Eu exijo a independência da mulher;
  96. o seu direito de se sutentar
  97. de viver por conta própria;
  98. de amar quem quiser
  99. ou quantas pessoas quiser", escreveu.
  100. "Eu exijo liberdade para ambos os sexos,
  101. liberdade de ação, liberdade no amor,
  102. e liberdade na maternidade."
  103. Muitas das suas ideias sobre género, sexo e sexualidade
  104. ainda hoje seriam consideradas polémicas
  105. e no final do séc. XIX
  106. eram realmente chocantes.
  107. Goldman foi durante muitos anos
  108. um espinho cravado
    nas autoridades americanas
  109. Em 1919, decidiram então anular
  110. a sua cidadania americana
  111. e deportaram-na para a Rússia
  112. onde tinha acabado de se dar
  113. uma revolução popular.
  114. O que ela encontrou
  115. não foi a utopia dos seus sonhos
  116. mas sim outro regime repressivo
  117. disposto a destruir os direitos dos cidadãos.
  118. Após um encontro com Lenine,
  119. ela ficou profundamente desiludida
  120. com o novo governo comunista.
  121. Viajou então para o estrangeiro para falar
  122. sobre a opressão dos soviéticos
  123. que afastou muitos dos seus aliados
  124. e que causou a sua expulsão
  125. da Suécia e da Alemanha.
  126. Quando finalmente regressou à America em 1934
  127. autorizada
  128. pela administração de Roosevelt
  129. Goldman tinha mais de 60 anos
  130. mas era tão obstinada e sincera
  131. como sempre fora.
  132. Na sua última tournée americana,
  133. os seus discursos opunham-se
  134. ao fascismo da Alemanha de Hitler
  135. e ao comunismo da Rússia de Estaline
  136. indignando membros da direita e da esquerda.
  137. Mesmo a velhice não esmoreceu
  138. o seu espírito revolucionário;
  139. aos 67 anos foi até Barcelona
  140. para apoiar trabalhadores e anarquistas
  141. que se insurgiam contra o fascismo
  142. durante a Guerra Civil Espanhola.
  143. Ela afirmou serem um "exemplo brilhante"
  144. para o resto do mundo
  145. e disse perante 10000 pessoas que
  146. "o seu ideal tem sido o meu ideal durante 45 anos,
  147. e sempre será até ao meu último suspiro".
  148. Nos últimos tempos de vida
  149. quando os objetivos da sua causa
  150. se tornavam cada vez mais
  151. impopulares e longe da realidade
  152. Goldman nunca vacilou nas suas crenças
  153. mesmo quando o preço era a deportação
  154. ameaças de violência e penas de prisão.
  155. Ela esperava que o seu exemplo
    indicasse o caminho
  156. também às gerações futuras.
  157. Tal como escreveu a um amigo e ex-amante
  158. anos antes da sua morte
  159. "um dia, muito depois de termos partido
  160. talvez a liberdade se erga de novo
    com orgulho
  161. Cabe-nos iluminar o caminho
  162. mesmo que a nossa tocha nos pareça fraca
  163. ainda é a verdadeira chama."
  164. Ao longo da sua vida, Goldman teve o dom
  165. de enfurecer amigos e inimigos
  166. mas nunca cedeu nas suas convicções
  167. ou no seu modo de vida
    apenas para lhes agradar
  168. "Um trilho de fogueiras marcou
  169. a voracidade de Goldman pela vida."
  170. escreveu um historiador e, de facto
  171. Goldman queimaria quiçá qualquer ponte
  172. em nome da sua verdade.
  173. Tal como disse
  174. quando um jovem tentou impedi-la de dançar
  175. ela jamais deixaria de lutar por um mundo
  176. onde a liberdade seja um direito universal
  177. de todos os seres humanos
  178. onde as mulheres possam
  179. viver, amar e dançar
  180. tão livremente quanto desejem.