YouTube

Got a YouTube account?

nou: permite crearea traducerilor și subtitrărilor de către spectatori pe canalul tău de YouTube!

Portuguese, Brazilian subtitrări

← David Goldblatt: Um monumento do apartheid em Fietas | Art21 "Extended Play"

Obține codul încorporat
7 Languages

Showing Revision 5 created 04/26/2019 by Alexandra Dutra.

  1. Estamos indo para o oeste.

  2. Nesse exato momento,
    estamos indo para o sul,
  3. mas estamos indo para o oeste da cidade,
    para um subúrbio chamado Fietas.
  4. DAVID GOLBLATH: UM MONUMENTO
    DO APARTHEID EM FIETAS.
  5. FIETAS ERA UMA COMUNIDADE DIVERSA
    COM UMA GRANDE POPULAÇÃO INDIANA.
  6. DURANTE O APARTHEID,
    OS MORADORES FORAM REALOCADOS À FORÇA.
  7. O nome oficial daqui é Pageview,
  8. mas passou a ser conhecido pelos moradores
    como Fietas.
  9. Ninguém sabe de onde esse nome veio,
  10. ou se tem algum significado,
  11. mas esse era
    o apelido carinhoso para o local.
  12. Quando comecei a tirar fotos aqui em 1976,
  13. a comunidade ainda estava quase intacta.
  14. Essa é a mesquita de 23ª rua.
  15. Aqui há casas indianas originais,
  16. e também as que o Departamento
    de Desenvolvimento Comunitário construiu.
  17. Nós éramos bons
    em inventar significados de palavras.
  18. O DDC chegou e destruiu a comunidade.
  19. Por exemplo,
    essas casas foram construídas pelo DDC.
  20. Perceba que elas parecem com mini fortes,
  21. assim como muitas das casas
    em Johanesburgo.
  22. Uma comunidade vizinha branca
    de classe trabalhadora
  23. se movimentou para tirá-los daqui.
  24. Os brancos não queriam vizinhos negros.
  25. O motivo era escancarado.
  26. O que aconteceu aqui também aconteceu
    em quase toda cidade na África do Sul.
  27. Se você chegasse por trás,
    dava pra comprar carne.
  28. Minha infância foi maravilhosa,
    você sabe.
  29. Eu lembro do David numa bicicleta,
  30. vindo e pedalando.
  31. Eu pensava, "por que ele faz isso?"
  32. Eu estava a caminho da escola.
  33. Vi esse homem fotografando as ruínas.
  34. No meu mundinho, naquela época,
    aquilo era o meu lar,
  35. e eu não entendia as consequências
    das realocações forçadas.
  36. Por causa da ideologia racista
    do apartheid,
  37. essa área foi destruída.
  38. O Museu de Fietas é um ótimo meio
    de entender a desapropriação de terra,
  39. a destruição de famílias,
    e uma comunidade.
  40. Essas fotos são do Paul Weinberg.
  41. Eu e Paul temos uma longa história juntos.
  42. Ele esteve comigo nessa jornada,
    que nem o David.
  43. Eu os conheço há tanto tempo.
  44. Eles foram muito generosos
  45. ao doarem as fotos ao Museu de Fietas.
  46. Se não fosse pelas fotos,
  47. não teríamos
    um registro visual dos meus antepassados
  48. e da minha comunidade.
  49. Essa foto mostra a 14ª rua no seu auge.
  50. Ela tinha os elementos necessários
    para uma boa cidade:
  51. densidade, diversidade,
    e complexidade.
  52. Era uma comunidade que misturava culturas.
  53. Há um conceito indiano chamado
    "upar makaan neeche dukaan",
  54. e significa "acomodações no andar de cima,
    e comércios no térreo".
  55. É um jeito inteligente
    de aproveitar o espaço.
  56. As pessoas daqui
    que foram realocadas à força,
  57. principalmente as dessa rua,
    eram comerciantes.
  58. Brancos, negros,
  59. todo tipo de gente,
    vinham de todos os cantos da região
  60. para fazer compras aqui,
    na 14ª rua.
  61. As ruas eram estreitas.
  62. Eu descobri que pedalar era o melhor jeito
    de chegar aqui para fotografar.
  63. Eu vinha em uma bicicleta
    com alguns cestos
  64. que carregavam
    a minha câmera quatro por cinco,
  65. ou uma Hasselblad,
  66. rolos de filme, e um tripé leve.
  67. Eu fotografava pessoas, lojas,
  68. tudo que desse vontade.
  69. Eu conheci Ozzie Docrat,
  70. um dos indianos que tinha loja aqui.
  71. Ele tinha uma loja no fim da rua,
    chamava-se "Subway Grocers".
  72. Se acontecia um grande jogo de críquete,
    internacional,
  73. ele colocava o placar na calçada,
  74. para que quem passasse por lá
    pudesse ver qual era o placar.
  75. Ele conhecia os condutores de bonde.
  76. Não era incomum um deles parar o bonde,
  77. entrar na loja e dizer
    "Ozzie, o placar está errado, cara!"
  78. "O placar já mudou."
  79. O lugar era muito popular,
    e ele também era.
  80. A casa dele era aqui.
  81. Bem aqui.
  82. Esse era o miolo da casa.
  83. Era de concreto reforçado,
    precisava aguentar o peso da caixa-d'água.
  84. Quando as empilhadeiras vieram
    para destruir tudo em 1977,
  85. elas não conseguiram derrubar.
  86. É concreto reforçado.
  87. Isso permanece aqui
    como um monumento inusitado do apartheid.
  88. Ele teve que se mudar para Lenasia,
  89. que foi o subúrbio indiano
    que se formou fora da cidade
  90. para absorver quem foi realocado.
  91. O governo construiu
    o tal "Plaza Oriental",
  92. um shopping que eles disseram
  93. ter sido construído
    para substituir as lojas destruídas daqui.
  94. Numa manhã de domingo,
  95. eu pedalei até aqui,
  96. e lá estava Ozzie Docrat.
  97. Nós nos cumprimentamos
    e eu disse
  98. "Sabe, Sr. Docrat,
  99. não consigo expressar quanta vergonha
    tenho pelo que está acontecendo aqui
  100. com você, feito por pessoas como eu,
    eleitores brancos."
  101. Aí eu disse,
    "Tenho um problema.
  102. Eles estão derrubando tudo,
    e não consigo lembrar o que havia antes."
  103. E ele disse, "Sr. Goldblatt,
  104. eu sinto
    como se tivesse ido ao dentista,
  105. e ele tivesse me arrancado um dente.
  106. Eu corro minha língua pelos espaços,
  107. e tento lembrar da forma das coisas
    que havia ali."
  108. Foi uma confissão extraordinária.
  109. Legendas: Alexandra Dutra