Portuguese, Brazilian subtitrări

← Educando diferentes tipos de mentes | Temple Grandin | TEDxCSU

Obține codul încorporat
11 Languages

Showing Revision 27 created 11/15/2020 by Ruy Lopes Pereira.

  1. É muito bom estar aqui hoje,
  2. e quero falar sobre os diversos
    modos de pensar das pessoas,
  3. e uma das primeiras coisas é perceber
    que há diferentes tipos de pensamento.
  4. Também gostaria de questionar
    o sistema educacional
  5. sobre o que aconteceria
    com as grandes mentes no passado
  6. se elas frequentassem
    o sistema educacional de hoje.
  7. O que teria acontecido a Michelangelo
    ou Beethoven hoje em dia?
  8. Ou a Thomas Edison? A tantas pessoas.
  9. O que teria acontecido com eles?
  10. Todos conhecemos a arte de Michelangelo.
  11. Há um livro sobre Michelangelo,
    escrito por um de seus alunos,
  12. e traduzido para o inglês,
  13. que conta que o artista
    era um péssimo aluno,
  14. que abandonou a escola aos 12 anos.
  15. Teria sido na 6ª série.
  16. Abandonou o 6º ano do ensino fundamental.
  17. Esse foi Michelangelo.
  18. O pai dele odiava arte, dizia
    que não a considerava erudita,
  19. e queria que ele se tornasse
    redator de documentos jurídicos.
  20. Que chato! (Risos)
  21. Mas, felizmente,
  22. ele foi criado num ambiente
    com acesso a ferramentas de lapidação.
  23. Assim, ele foi exposto a isso.
  24. Todas as igrejas estavam fazendo
    todo tipo de arte.
  25. Então ele cresceu exposto a isso.
  26. Isso traz outra questão muito importante:
  27. como os alunos se interessavam por algo?
  28. Eles eram expostos.
  29. Acabei na pecuária
  30. porque fui exposta a ela
    quando eu tinha 15 anos.
  31. E o Beethoven?
  32. Ele teve muitas conquistas,
    mas sofreu muitas adversidades,
  33. e escreveu suas maiores obras
    quando estava meio surdo,
  34. a caminho da surdez total,
    e não conseguia mais se apresentar.
  35. E ainda hoje estamos tocando sua música.
  36. Na verdade, uma fábrica de pianos
    construiu um dispositivo especial no piano
  37. para ajudá-lo a ouvir.
  38. Esta é uma reprodução do dispositivo
    feito pelo Instituto Orpheus.
  39. Mas ele queria realizar coisas.
  40. Este é um dos meus slides
    mais importantes:
  41. os diferentes tipos de mente.
  42. Sou fotorrealista, pensadora visual,
    uma visualizadora de objetos.
  43. E sabem de uma coisa? Não sei álgebra!
  44. E eu seria expulsa
    do sistema educacional de hoje.
  45. Dou palestras pelo país afora
    sobre educação,
  46. e converso com jovens do ensino médio
    que não conseguem se formar
  47. porque não sabem álgebra.
  48. Quem for se tornar um químico,
    vai precisar de álgebra,
  49. mas nem todos vão;
    precisamos de pensadores visuais,
  50. para resolver problemas.
  51. Outro tipo de mente é a matemática,
  52. um pensador de padrões.
  53. Eles pensam mais matematicamente,
    não pensam em imagens.
  54. Há também as pessoas dos fatos verbais.
  55. Vamos ver como os diversos tipos de mente
    abordam a resolução de problemas.
  56. Os pensadores visuais
    pensam de baixo para cima.
  57. Os conceitos são aprendidos
    com exemplos específicos.
  58. Trabalhei muito para melhorar
    as coisas na pecuária.
  59. Mas foi algo específico.
  60. Não era algo vago e abstrato.
  61. Muito pensamento verbal
    em diversas questões
  62. deixa tudo muito abstrato.
  63. Preciso de um problema concreto
    para analisar detalhadamente;
  64. somente assim eu consigo resolvê-lo.
  65. Mas a primeira coisa é perceber
    a existência desses diferentes pensadores.
  66. As habilidades podem se complementar!
  67. Pensem no iPhone:
    Steve Jobs era um artista!
  68. É por isso que seu iPhone é fácil de usar.
  69. Os matemáticos o fizeram funcionar.
  70. (Risos)
  71. Fiz algumas tomografias do cérebro
  72. e descobri que tenho circuitos
    grandes de pensamento visual.
  73. E isso explica minha falta
    de memória de trabalho.
  74. Por que estou com este papel na mão?
  75. Esta é minha memória de trabalho externa.
  76. Porque não tenho memória de trabalho.
  77. Está tudo cheio de água.
  78. De fato,
  79. se eu fosse um computador,
  80. teria a nuvem da Amazon ou da Microsoft,
  81. a nuvem do Google, a nuvem que preferirem,
  82. para arquivos gráficos,
  83. enorme memória para arquivos gráficos.
  84. O que consigo converter
    num arquivo gráfico, consigo lembrar.
  85. Mas eu sou apenas um computador 286,
  86. ou um telefone de uma barra,
    quando se trata de memória de trabalho.
  87. É por isso que tenho estas notas aqui;
    são minha memória de trabalho externa.
  88. Mas como descobrir que tipo
    de pensadores são os jovens?
  89. Pensadores visuais são bons
    em arte, coisas mecânicas.
  90. Eu era boa em fotografia.
  91. E isso vai aparecer na 2ª ou 3ª série.
  92. Pensadores matemáticos
    vão ser bons em matemática.
  93. E um dos grandes erros que cometemos
    é dar às crianças matemática infantil,
  94. e assim a habilidade matemática
    não se desenvolve.
  95. E essas crianças craques
    em matemática fazem tudo de cabeça.
  96. Não as façam mostrar
    seu trabalho verbalmente.
  97. Não é assim que elas pensam.
  98. Atualmente temos grande escassez
    de programadores de computador.
  99. Bem, talvez a programação de computador
    precise ser ensinada na terceira série.
  100. E há pensadores verbais,
    que amam história, amam os fatos.
  101. Preciso dos pensadores verbais
    para tornar minhas coisas mais lineares.
  102. Muitos dos meus livros têm coautores,
  103. porque um pensador visual
    tende a ser disperso,
  104. então preciso de um pensador verbal
    para tornar o livro mais linear.
  105. Vejam, esses são
    os diferentes tipos de mente
  106. trabalhando juntas.
  107. Agora quero falar do programa espacial;
    sempre adorei esse programa.
  108. Foi a maior conquista da minha geração.
  109. E havia pessoas fundamentais na missão
    que agora estão sendo reconhecidas.
  110. E fiquei emocionada de visitar
    a montagem do veículo espacial.
  111. Simplesmente adorei fazer isso.
  112. Havia um cara chamado Hal,
    que fazia equações algébricas,
  113. equações algébricas para se divertir,
  114. em um escritório recluso e bagunçado.
  115. Ele admitiu que não fez nenhum trabalho,
  116. mas, sem suas equações,
    o pouso lunar não teria funcionado.
  117. Ele foi essencial para a missão.
  118. Katherine Johnson, a matemática,
  119. finalmente foi reconhecida.
  120. Sua matemática para calcular órbitas
    foi absolutamente essencial.
  121. Agora temos de dar os créditos
    para essas senhoras aqui.
  122. A Playtex Corporation
    fez o traje espacial.
  123. Quatro das melhores
    costureiras de sutiã o fizeram,
  124. e o chefe delas era um técnico de TV.
  125. Provavelmente não foi
    o departamento de matemática aqui.
  126. Mas o traje espacial foi fundamental.
  127. Quando visitei Cabo Kennedy
    dois anos e meio atrás,
  128. descobri que talvez
    a coisa certa leve à Lua,
  129. mas geeks, desajustados
    e crianças especiais constroem as coisas.
  130. (Risos)
  131. Passei 25 anos na construção,
  132. e trabalhei com profissionais
  133. que hoje seriam diagnosticados
    como autistas, disléxicos ou com TDAH.
  134. Onde está este jovem hoje?
  135. Provavelmente jogando videogame em casa,
  136. porque ninguém o deixou brincar
    com ferramentas quando era pequeno.
  137. E, na plataforma de lançamento, trabalhou
    uma pessoa com síndrome de Tourette.
  138. E isso traz à tona uma questão
    importante sobre identidade.
  139. O autismo é uma parte
    importante de quem eu sou,
  140. mas a carreira vem primeiro.
  141. E me perguntam o tempo todo:
  142. "Foi muito difícil, para uma pessoa
    com autismo, entrar na indústria do gado?"
  143. Não, nos anos 70,
  144. ser mulher era uma barreira maior
    do que o autismo jamais poderia ser!
  145. (Risos)
  146. E eles realmente colocaram
    testículos de touro no meu carro.
  147. Essa cena aconteceu.
  148. E outra coisa no filme que é totalmente
    verdade é o pensamento visual.
  149. Ele mostra isso com precisão.
  150. Bem, meu avô foi o coinventor
    do piloto automático para aviões,
  151. e ele trabalhou com outra pessoa
    que provavelmente era autista,
  152. certamente um pensador visual,
  153. que teve a ideia de três pequenas bobinas.
  154. E meu avô de mente matemática,
  155. engenheiro formado pelo MIT,
    cuidou da matemática;
  156. as diferentes mentes trabalhando juntas.
  157. Muitas crianças estão recebendo rótulos:
    autismo, dislexia, TDAH.
  158. Estou preocupada que elas sejam excluídas,
    pois precisamos das mentes delas.
  159. Thomas Edison foi rotulado como
    um hiperativo que abandonou o colégio.
  160. Ele tem alguns traços autistas.
  161. Jane Goodall só tinha um diploma
    de um curso de secretariado de dois anos
  162. quando realizou seu famoso trabalho.
  163. Isso seria possível hoje?
  164. Pensem bem nisso.
  165. Steven Spielberg,
  166. sofreu bullying, disléxico, rejeitado
    por uma escola de cinema famosa.
  167. Uma das coisas que o salvou:
  168. foi exposto a filmes quando era criança
    com uma câmera de vídeo Super-8.
  169. Sofri bullying no colégio.
  170. Me chamavam de todo tipo de coisa,
    como "gravador" e "ossos".
  171. Eles diziam "Ossos!" enquanto
    eu passava pelo estacionamento.
  172. E os únicos lugares
    onde não sofri bullying
  173. foi quando compartilhava
    interesses com algum amigo,
  174. cavalgando,
  175. com amigos da eletrônica,
  176. amigos que compartilhavam interesses.
  177. As escolas precisam manter essas aulas,
  178. arte, costura, instrumentos musicais,
  179. marcenaria, teatro,
    solda, mecânica de carros...
  180. (Aplausos)
  181. escrita criativa...
  182. (Aplausos)
  183. Precisamos manter essas aulas.
  184. Elas também ensinam
    solução prática de problemas.
  185. Ganhadores de Prêmio Nobel
    têm 50% mais de chance
  186. de ter um hobby de artesanato,
    comparados com outros cientistas.
  187. Esse é outro motivo.
  188. Jobs, vítima de bullying na escola.
    O que aconteceria com ele hoje?
  189. Albert Einstein, não disse
    nenhuma palavra até os três anos.
  190. Ele provavelmente estaria
    numa turma de autistas hoje.
  191. Para onde ele iria hoje?
  192. Pensem bem nisso.
  193. E o debate entre os chamados
    programas inúteis de humanidades,
  194. como caligrafia,
  195. não deve ser ignorado.
  196. Caligrafia foi uma das coisas
    que ajudou Steve Jobs
  197. a ser um bom designer.
  198. Há crianças hoje que não sabem
    ligar uma mangueira de jardim.
  199. (Risos)
  200. Elas se afastaram totalmente
    do mundo do prático.
  201. Tenho uma turma de manejo de gado,
  202. e os alunos têm de fazer
    um desenho em escala.
  203. E temos alunos hoje
    que nunca usaram uma régua,
  204. nunca usaram uma régua para medir nada.
  205. Não estou sugerindo uma furadeira
    para uma criança tão pequena,
  206. mas queremos as crianças crescendo
    e fazendo coisas reais.
  207. E adorei este jardim de infância,
  208. com crianças de cinco anos fazendo
    coisas com peças de computador quebradas.
  209. Na verdade, esse é um modelo italiano.
  210. Eles acreditam em pôr a mão na massa.
  211. Hoje temos uma grande falta
    de serviços especializados:
  212. encanadores, eletricistas,
    mecânicos, soldadores...
  213. Os computadores não vão substituir isso!
  214. Talvez no futuro o computador
    vá diagnosticar problemas de saúde,
  215. mas não vai consertar
    o ar-condicionado do hospital.
  216. Sempre vamos precisar
    de gente para consertar as coisas.
  217. Esses carros autônomos
  218. têm muitos sensores e coisas complicadas.
  219. Tive a chance de visitar a Apple,
    o que foi muito legal,
  220. e eles precisam demais de programadores,
  221. E tem um monte de jovens
    por aí bons em matemática.
  222. Alguém precisa
    apresentá-los à programação!
  223. Quando criança, eu adorava
    fazer pequenos projetos.
  224. Aquilo foi uma pipa
    de passarinho que inventei,
  225. e tive de consertar para que funcionasse.
  226. Sim, precisamos ter crianças
    fazendo essas coisas.
  227. Mas, quando somos esquisitos,
    precisamos vender nosso trabalho.
  228. Então, este é um dos meus desenhos,
  229. e, quando os mostrava às pessoas,
    elas ficavam impressionadas.
  230. Este é um desenho que vendi
    para um grande frigorífico,
  231. que me contratou
    para projetar coisas pra eles.
  232. Simplesmente mostrei a eles meu trabalho.
  233. E por que ali diz que temos
    de tocar para perceber?
  234. Quando nossa indústria passou
    do desenho manual para computadores,
  235. em meados dos anos 90, comecei a notar
    erros muito estranhos nos desenhos,
  236. como o centro de um círculo
    que não estava no centro do círculo.
  237. E o que descobri foi que aquela pessoa
    nunca tinha desenhado à mão,
  238. e nunca tinha construído nada.
  239. E ainda hoje tenho alguns desenhos
    de uma grande empresa de engenharia
  240. que tinha um projeto de concretagem,
    sem haste de reforço.
  241. Sério?
  242. Não acho que seja uma boa ideia.
  243. Eles não estão vendo seus desenhos.
  244. Quando somos estranhos,
    temos de mostrar o que podemos fazer.
  245. Mostrar nosso trabalho;
    é isso o que temos de fazer.
  246. Esta é uma foto de um
    dos meus primeiros trabalhos,
  247. e é o tipo de foto que eu colocava
    no meu portfólio pra mostrar aos clientes.
  248. Entrevista pra mim era espalhar
    meus desenhos na mesa,
  249. mostrar fotos,
  250. dar a eles minha brochura ...
  251. Esta é a réplica de um dos meus sistemas
    reconstruída para o filme da HBO.
  252. E adorei eles terem colocado
    meus projetos nele no filme.
  253. Também percebi que trabalhar
    construindo coisas
  254. muda a atitude sobre
    como fazemos as coisas.
  255. Temos de fazer as coisas,
  256. e é algo específico que temos de fazer.
  257. Não é abstrato; é real.
  258. E aqui está minha brochura,
    em preto e branco,
  259. porque nos anos 70, 80 e 90,
    impressão colorida era muito cara.
  260. Não tinha como eu pagar
    impressão colorida.
  261. Então fiz uma muito legal
    em preto e branco.
  262. Bem, quais são os denominadores comuns
  263. de algumas dessas crianças
    que são diferentes,
  264. de alguns desses indivíduos que crescem
    com muitos livros e aprendizado?
  265. Quando eu era criança,
    minha mãe sempre lia para mim.
  266. Tive alguns professores muito bons.
  267. Isso é superimportante.
  268. Eu não falava até os 4 anos,
  269. então tive um professor de fala muito bom,
  270. e se as pessoas falassem muito rápido,
    eu não conseguia entender.
  271. Era como: "Bu, bu, bu, bu".
  272. Então meu professor de fala desacelerava
    e falava palavras cheias de consoantes.
  273. Havia minha professora
    da 3ª série, a Sra. Deetch.
  274. Minha mãe sabia como me desafiar.
  275. Muitas crianças são
    tão superprotegidas que são rotuladas.
  276. E o problema que temos com o autismo
  277. é que desde pessoas como Einstein,
    ou talvez Thomas Edison,
  278. até alguém que não consegue se vestir
    sozinho, usamos a mesma palavra.
  279. Então, os pensadores verbais
    ficam presos demais às palavras.
  280. E a exposição precoce a interesses
    resulta em aprender a trabalhar.
  281. Minha mãe me arrumou um emprego
    de costura quando eu tinha 13 anos.
  282. Eu já limpava baias de cavalos aos 15.
  283. Aprender a trabalhar é superimportante.
  284. Ótimos mentores: tive um professor
    de ciências maravilhoso.
  285. Na verdade, ele era
    um cientista espacial da NASA,
  286. e despertou meu interesse nos estudos,
  287. porque a educação então
    era um caminho para um objetivo.
  288. Não era "estude pela educação em si".
  289. Vejo muitos jovens hoje
    que vão bem na vida acadêmica,
  290. mas, quando saem da escola,
    o que acontece com eles?
  291. Bem, essa é a razão por que eles
    precisam aprender a trabalhar.
  292. Eu aconselhei muitos alunos,
  293. e disse: "Se você está na faculdade
    agora, faça estágios relevantes.
  294. Experimente carreiras.
  295. Descubra o que você ama,
    mas também descubra o que você odeia".
  296. É importante fazer isso.
  297. Se não conseguir um estágio, eu digo:
    "Acesse o site do seu departamento,
  298. entre no site de outros departamentos.
  299. Existe todo tipo de coisa
    interessante acontecendo
  300. na qual você pode se envolver
    se olhar ao seu redor".
  301. E acabamos descobrimos coisas,
  302. porque originalmente achei
    que eu ia ser uma psicóloga experimental,
  303. para estudar ilusões de ótica.
  304. Bem, não foi isso que aconteceu comigo.
  305. (Risos)
  306. Simples assim.
  307. Além disso, quando não se tem
    muita memória de trabalho,
  308. aprender a dirigir pode demorar.
  309. Mas é essencial, e não posso usar
    a memória externa pra aprender a dirigir.
  310. Então, para resolver a questão
    da multitarefa, é preciso praticar muito
  311. em lugares totalmente seguros
    por muito tempo.
  312. Eu fiz 380 km em estradas de terra,
  313. e o caminhão tinha três marchas,
    com uma embreagem realmente terrível.
  314. (Risos)
  315. E começou sacolejando
    em todo o pasto de cavalos.
  316. Foi absolutamente horrível.
  317. (Risos)
  318. Bem, o que realmente importa
  319. é que precisamos de todos
    os diversos tipos de mente,
  320. e me preocupa que alguns
    sistemas escolares
  321. estejam excluindo alguns desses jovens,
    por não saberem álgebra.
  322. Quem for estudar química,
    vai precisar de álgebra,
  323. mas não precisamos dela
    para resolver muitos problemas.
  324. É simples assim.
  325. E esse foi meu último slide ali,
  326. e deixem-me dar alguns exemplos
  327. de onde o pensamento visual
    pode resolver problemas.
  328. A bagunça da usina nuclear de Fukushima.
  329. Não é uma boa ideia,
    quando se mora próximo ao mar,
  330. colocar a sua superimportante
    bomba de resfriamento de emergência
  331. em um porão não impermeável.
  332. Ela possui um motor elétrico
  333. que não funciona muito bem debaixo d'água.
  334. Portas à prova d'água o teriam salvado.
  335. Depois, veio a bagunça do Boeing MAX.
  336. Todos conhecem uma caneta Sharpie.
  337. Vocês confiariam numa daquelas
    presas na lateral de um avião,
  338. conectada diretamente
    aos controles de vôo ativos,
  339. sem contar isso aos pilotos?
  340. Acho que não.
  341. Vejam, quando pensamos
    sobre isso visualmente, conseguimos ver.
  342. Mentes matemáticas calculam o risco.
    Pensadores visuais conseguem ver o risco.
  343. Eles também podem ver
    soluções para os problemas.
  344. Eu posso ver um pombo
    simplesmente tirando aquele sensor.
  345. Então o que acontece?
    Foi um desastre o que aconteceu.
  346. Outros erros foram cometidos,
    mas esse foi o primeiro erro.
  347. Eles simplesmente não viram!
  348. Foi essa a questão.
  349. E...
  350. comecei a pensar muito recentemente,
    "O que é bom senso?"
  351. (Risos)
  352. Acho que bom senso é pensamento visual.
  353. Suponhamos que haja
    uma garrafa de água ou algo no chão.
  354. Eu pegaria, pois, se alguém tropeçar ali,
    pode quebrar o tornozelo.
  355. Vejam, isso é olhar e ver.
    E bom senso é enxergar isso.
  356. Então, quero concluir dizendo
    que precisamos descobrir
  357. como as diferentes mentes
    trabalham juntas,
  358. onde as habilidades se complementam.
  359. Mas antes é preciso perceber a existência
    dos diversos tipos de pensamento.
  360. Para terminar, eu só queria dizer:
  361. o mundo precisa
    de todos os tipos de mentes!
  362. Muito obrigada.
  363. (Aplausos) (Vivas)