Return to Video

O poder profundo de um pedido de desculpas sincero

  • 0:02 - 0:06
    Nos últimos anos,
    temos enfrentado os homens.
  • 0:07 - 0:08
    Isso tinha que ser feito.
  • 0:08 - 0:10
    (Aplausos)
  • 0:10 - 0:13
    Mas venho pensando ultimamente
  • 0:13 - 0:16
    que precisamos fazer algo
    ainda mais difícil.
  • 0:17 - 0:20
    Precisamos, como diz
    meu bom amigo Tony Porter,
  • 0:20 - 0:24
    encontrar uma maneira
    de chamá-los para uma conversa.
  • 0:25 - 0:28
    Meu pai começou
    a abusar sexualmente de mim
  • 0:28 - 0:30
    quando eu tinha cinco anos.
  • 0:31 - 0:34
    Ele entrava em meu quarto
    no meio da noite.
  • 0:34 - 0:36
    Parecia estar em transe.
  • 0:36 - 0:39
    O abuso continuou até meus dez anos.
  • 0:40 - 0:42
    Quando tentei resistir a meu pai,
  • 0:42 - 0:45
    quando finalmente consegui dizer não,
  • 0:45 - 0:47
    ele começou a me bater.
  • 0:47 - 0:49
    Ele me chamou de idiota.
  • 0:49 - 0:50
    Disse que eu era mentirosa.
  • 0:51 - 0:54
    O abuso sexual terminou
    quando eu tinha dez anos,
  • 0:54 - 0:57
    mas, na verdade, nunca terminou.
  • 0:58 - 0:59
    Mudou quem eu era.
  • 1:00 - 1:04
    Eu ficava cheia de ansiedade, culpa
    e vergonha o tempo todo,
  • 1:04 - 1:06
    e não sabia o porquê.
  • 1:06 - 1:09
    Odiava meu corpo, eu me odiava,
  • 1:09 - 1:11
    ficava muito doente,
  • 1:11 - 1:12
    não conseguia pensar,
  • 1:12 - 1:14
    nem me lembrar das coisas.
  • 1:14 - 1:18
    Fui atraída para mulheres
    e homens perigosos
  • 1:18 - 1:22
    que permiti - na verdade,
    convidei - a me tratarem mal,
  • 1:22 - 1:25
    pois meu pai havia me ensinado
    que isso era amor.
  • 1:27 - 1:31
    Esperei a vida inteira
    que meu pai se desculpasse comigo.
  • 1:32 - 1:33
    Ele não se desculpou.
  • 1:33 - 1:35
    Não se descuparia.
  • 1:35 - 1:38
    Então, com os escândalos recentes
    de homens famosos,
  • 1:38 - 1:41
    quando um após o outro foi exposto,
  • 1:41 - 1:43
    percebi uma coisa:
  • 1:43 - 1:47
    nunca ouvi falar de um homem
  • 1:47 - 1:51
    que cometeu estupro ou violência física
  • 1:51 - 1:55
    pedir desculpas publicamente
    à vítima dele.
  • 1:56 - 1:58
    Comecei a me perguntar:
  • 1:58 - 2:04
    "Como seria um pedido de desculpas
    sincero e profundo?"
  • 2:08 - 2:12
    Então, algo estranho começou a acontecer.
  • 2:12 - 2:14
    Comecei a escrever,
  • 2:14 - 2:18
    e a voz de meu pai começou
    a se manifestar para mim.
  • 2:18 - 2:21
    Ele começou a me dizer o que havia feito
  • 2:21 - 2:22
    e por quê.
  • 2:22 - 2:25
    Ele começou a se desculpar.
  • 2:25 - 2:28
    Meu pai morreu há quase 31 anos
  • 2:28 - 2:29
    e, porém, nesse pedido de desculpas,
  • 2:29 - 2:32
    que eu tinha que escrever por ele,
  • 2:32 - 2:36
    descobri o poder de um pedido de desculpas
  • 2:37 - 2:39
    e como poderia ser o caminho para avançar
  • 2:39 - 2:41
    na crise que agora enfrentamos
  • 2:41 - 2:45
    com os homens e todas as mulheres
    de quem eles abusam.
  • 2:45 - 2:49
    O pedido de desculpas
    é um compromisso sagrado.
  • 2:50 - 2:52
    Requer total honestidade.
  • 2:53 - 2:56
    Exige tempo e autoquestionamento profundo.
  • 2:56 - 2:57
    Não pode ser apressado.
  • 2:58 - 3:01
    Descobri que um pedido
    de desculpas tem quatro etapas
  • 3:01 - 3:04
    e, se me permitirem,
    gostaria de ajudá-los a entendê-las.
  • 3:04 - 3:08
    A primeira é que você tem que dizer,
    em detalhes, o que fez.
  • 3:09 - 3:11
    Sua explicação não pode ser vaga.
  • 3:11 - 3:13
    "Sinto muito se machuquei você"
  • 3:13 - 3:15
    ou "Sinto se abusei sexualmente de você"
  • 3:15 - 3:16
    não serve.
  • 3:16 - 3:20
    Você tem que dizer
    o que aconteceu de verdade.
  • 3:20 - 3:23
    "Entrei no quarto no meio da noite
  • 3:23 - 3:25
    e abaixei sua calcinha."
  • 3:26 - 3:28
    "Eu te desprezei por ciúmes
  • 3:28 - 3:30
    e queria que você se sentisse inferior."
  • 3:30 - 3:34
    A libertação está nos detalhes.
  • 3:34 - 3:37
    Um pedido de desculpas é uma memória,
  • 3:37 - 3:39
    que liga o passado ao presente
  • 3:39 - 3:43
    e diz que o que ocorreu realmente ocorreu.
  • 3:44 - 3:48
    A segunda etapa é você ter
    que se perguntar o porquê.
  • 3:49 - 3:52
    Os sobreviventes são
    assombrados pelo porquê.
  • 3:52 - 3:57
    Por quê? Por que meu pai iria querer
    abusar sexualmente da filha mais velha?
  • 3:57 - 4:01
    Por que ele pegaria minha cabeça
    e a quebraria na parede?
  • 4:04 - 4:06
    No caso de meu pai,
  • 4:06 - 4:10
    ele era um filho
    nascido muito após os demais.
  • 4:11 - 4:14
    Ele era um acidente
    que se tornou "o milagre".
  • 4:14 - 4:18
    Era adorado e tratado
    como o garoto de ouro.
  • 4:19 - 4:22
    Mas acontece que adoração não é amor.
  • 4:22 - 4:24
    Adoração é uma projeção
  • 4:24 - 4:26
    da necessidade de alguém
    que você seja perfeito
  • 4:26 - 4:27
    lançada sobre você.
  • 4:28 - 4:31
    Meu pai teve que corresponder
    a esse ideal impossível
  • 4:31 - 4:33
    e, portanto, nunca
    lhe permitiram ser ele mesmo.
  • 4:33 - 4:36
    Nunca lhe permitiram expressar ternura
  • 4:36 - 4:39
    vulnerabilidade, curiosidade ou dúvida.
  • 4:39 - 4:41
    Nunca lhe permitiram chorar.
  • 4:41 - 4:44
    Ele foi forçado a esconder
    todos esses sentimentos,
  • 4:44 - 4:47
    que acabaram perigosamente transformados.
  • 4:47 - 4:51
    Esses sentimentos reprimidos o tornaram,
    mais tarde, o "Homem das Sombras",
  • 4:51 - 4:53
    e ele estava fora de controle
  • 4:53 - 4:57
    e, por fim, extravasou
    sua enxurrada sobre mim.
  • 4:58 - 5:02
    A terceira etapa é abrir o coração
  • 5:02 - 5:07
    e sentir o que sua vítima sentiu
    quando você estava abusando dela.
  • 5:07 - 5:09
    Você tem que deixar seu coração partir.
  • 5:09 - 5:11
    Você tem que sentir
    o horror, a deslealdade
  • 5:11 - 5:16
    e os impactos a longo prazo
    de seu abuso sobre sua vítima.
  • 5:16 - 5:19
    Você tem que ficar
    com o sofrimento que causou.
  • 5:20 - 5:21
    E, é claro, a quarta etapa
  • 5:21 - 5:25
    é assumir a responsabilidade
    pelo que você fez
  • 5:25 - 5:26
    e compensar o mal.
  • 5:27 - 5:33
    Mas por que alguém iria querer passar
    por um processo tão árduo e humilhante?
  • 5:33 - 5:36
    Por que você iria querer se abrir?
  • 5:37 - 5:41
    Porque é a única coisa que libertará você.
  • 5:41 - 5:45
    É a única coisa que libertará sua vítima.
  • 5:45 - 5:47
    Você não só destruiu sua vítima.
  • 5:47 - 5:49
    Você se destruiu.
  • 5:49 - 5:54
    Não há ninguém que pratique
    violência contra outra pessoa
  • 5:54 - 5:57
    que não sofra as consequências disso.
  • 5:57 - 6:04
    Isso cria um espírito incrivelmente
    sombrio e contaminador,
  • 6:04 - 6:06
    que se espalha por toda a sua vida.
  • 6:08 - 6:11
    O pedido de desculpas
    que escrevi - aprendi algo
  • 6:11 - 6:13
    sobre uma lente diferente
    pela qual temos que olhar
  • 6:13 - 6:16
    para entender o problema
    da violência masculina
  • 6:16 - 6:20
    a que eu e 1 bilhão
    de outras mulheres sobrevivemos.
  • 6:20 - 6:23
    Muitas vezes recorremos
    primeiro ao castigo.
  • 6:24 - 6:26
    É o nosso primeiro instinto,
    mas, na verdade,
  • 6:26 - 6:30
    embora o castigo, às vezes, seja eficaz,
  • 6:30 - 6:33
    por si só não é suficiente.
  • 6:33 - 6:34
    Meu pai me castigou.
  • 6:35 - 6:38
    Fui enclausurada e estava em pedaços.
  • 6:39 - 6:42
    Acho que o castigo nos torna
    insensíveis, mas não nos ensina.
  • 6:42 - 6:45
    Humilhação não é revelação.
  • 6:45 - 6:50
    Precisamos criar um processo
    que possa envolver castigo,
  • 6:50 - 6:53
    pelo qual abrimos uma entrada
  • 6:53 - 6:57
    em que os homens possam, na verdade,
    se tornar algo e alguém diferente.
  • 6:58 - 7:00
    Por muitos anos, odiei meu pai.
  • 7:00 - 7:03
    Eu o queria morto; eu o queria na prisão.
  • 7:03 - 7:07
    Mas, na verdade, essa raiva me mantinha
    conectada à história de meu pai.
  • 7:08 - 7:13
    O que eu queria realmente não era apenas
    que fizessem meu pai parar.
  • 7:13 - 7:16
    Eu queria que ele mudasse,
    que pedisse desculpas.
  • 7:16 - 7:18
    É isso o que queremos.
  • 7:18 - 7:20
    Não queremos que os homens
    sejam destruídos,
  • 7:20 - 7:23
    não queremos que sejam apenas punidos.
  • 7:23 - 7:28
    Queremos que eles nos vejam -
    as vítimas a quem fizeram mal -
  • 7:28 - 7:31
    e queremos que se arrependam e que mudem.
  • 7:31 - 7:34
    Acredito de verdade
    que isso seja possível.
  • 7:34 - 7:38
    E acredito realmente
    que é o nosso caminho adiante.
  • 7:38 - 7:41
    Mas precisamos que os homens
    juntem-se a nós.
  • 7:41 - 7:47
    Precisamos que eles sejam corajosos
    e façam parte dessa transformação.
  • 7:48 - 7:52
    Passei a maior parte de minha vida
    enfrentando os homens
  • 7:52 - 7:54
    e estou aqui agora,
  • 7:55 - 7:57
    neste momento,
  • 7:57 - 8:00
    para chamá-los para uma conversa.
  • 8:01 - 8:02
    Obrigada.
  • 8:02 - 8:05
    (Aplausos)
  • 8:05 - 8:06
    Obrigada.
  • 8:06 - 8:07
    (Aplausos)
  • 8:07 - 8:08
    Muito obrigada.
  • 8:08 - 8:10
    (Aplausos)
Title:
O poder profundo de um pedido de desculpas sincero
Speaker:
Eve Ensler
Description:

Um pedido de desculpas sincero vai além do remorso, diz a famosa dramaturga Eve Ensler. Nesta palestra franca e contundente, ela compartilha como transformou sua própria experiência de abuso em sabedoria sobre o que os transgressores podem fazer e dizer para se arrependerem verdadeiramente, e oferece um roteiro de quatro etapas para ajudar a iniciar o processo. (Esta palestra têm conteúdo adulto.)

more » « less
Video Language:
English
Team:
closed TED
Proiect:
TEDTalks
Duration:
08:23

Portuguese, Brazilian subtitles

Versiuni