Return to Video

'Era um bebê recém-nascido': Repórter da CNN revela terrível situação no aeroporto

  • 0:00 - 0:03
    Depois de três semanas no Afeganistão,
  • 0:03 - 0:06
    nos juntamos a multidão
    no Aeroporto de Cabul.
  • 0:06 - 0:09
    Agora, o único caminho para sair do país.
  • 0:09 - 0:11
    Há um grande bloco aqui.
    Muitos carros.
  • 0:11 - 0:15
    Milhares de pessoas esperam
    sob o calor escaldante,
  • 0:15 - 0:17
    esperando um voo para ir embora.
  • 0:17 - 0:20
    Então, acabamos de conseguir
    entrar no complexo do aeroporto,
  • 0:20 - 0:23
    E eh, tenho que dizer,
  • 0:23 - 0:25
    foi bem intenso.
  • 0:25 - 0:28
    Foi como essa multidão
    de pessoas desesperadas,
  • 0:28 - 0:30
    e crianças gritando,
  • 0:30 - 0:33
    e mulheres e bebês,
  • 0:33 - 0:37
    e eh, sim.
  • 0:37 - 0:39
    Não se vê um desespero assim
    frequentemente.
  • 0:39 - 0:42
    Essas poucas pessoas que conseguiram
  • 0:42 - 0:44
    estão exaustas e assustadas.
  • 0:44 - 0:46
    Mas elas são as sortudas.
  • 0:46 - 0:49
    Elas conseguiram passar
    pelos postos de controle do Talibã
  • 0:49 - 0:50
    pelos guardas de segurança afegãos,
  • 0:50 - 0:53
    e, finalmente, pelo portão do aeroporto.
  • 0:53 - 0:57
    Mas elas não conseguem esquecer
    aqueles que deixaram para trás.
  • 0:58 - 1:00
    Nós conseguimos.
    Estamos felizes por isso.
  • 1:00 - 1:01
    Mas estamos arrasados pelo nosso país,
  • 1:01 - 1:04
    sobretudo por aqueles
    que não conseguiram sair,
  • 1:04 - 1:05
    aqueles que estão presos aqui.
  • 1:05 - 1:07
    Estamos desolados de verdade.
  • 1:07 - 1:08
    Nosso coração sofre por eles.
  • 1:08 - 1:10
    O que você sente por todas as mães,
  • 1:10 - 1:12
    com jovens filhas que agora irão
  • 1:12 - 1:15
    crescer sob as leis do Talibã?
  • 1:15 - 1:16
    Dor. Muita dor.
  • 1:16 - 1:18
    [Rugido de motor de avião.]
  • 1:18 - 1:21
    O final de uma longa fila agora.
  • 1:21 - 1:24
    Eh, eles dizem que
    o deslocamento é sob tensão.
  • 1:24 - 1:27
    E obviamente, a prioridade
  • 1:27 - 1:32
    é tirar crianças e bebês daqui
    o mais rápido possível.
  • 1:32 - 1:35
    Mas penso que provavelmente
    ficaremos aqui por um bom tempo.
  • 1:36 - 1:39
    Você trabalha para o exército americano?
  • 1:39 - 1:42
    Não o exército, mas estamos
  • 1:42 - 1:47
    trabalhando com o Ministério da Defesa
    no Afeganistão.
  • 1:47 - 1:54
    Mas também trabalhamos
    com estrangeiros.
  • 1:54 - 1:56
    Então, vocês têm visto?
  • 1:56 - 1:59
    Sim, temos documentos e visto também.
  • 1:59 - 2:01
    Enquanto entrevistávamos esse casal,
  • 2:01 - 2:03
    de repente, (ouvimos)
    gritos atrás de nós.
  • 2:03 - 2:05
    Um veículo passa acelerado.
  • 2:05 - 2:08
    [Motor de carro passando.]
  • 2:08 - 2:10
    É um bebê recém-nascido,
  • 2:10 - 2:12
    que acabou de passar naquele veículo.
  • 2:12 - 2:17
    Era um recém-nascido.
    Você viu o bebê?
  • 2:17 - 2:18
    Era desse tamanho.
  • 2:20 - 2:23
    Descobrimos que o bebê tem insolação,
  • 2:23 - 2:24
    e precisa de tratamento.
  • 2:24 - 2:28
    Um lembrete para aquelas famílias,
    que elas estão perto da segurança,
  • 2:28 - 2:30
    mas não estão lá ainda.
  • 2:31 - 2:34
    Ficamos sob o sol escaldante por horas,
  • 2:34 - 2:37
    cada um procurando o abrigo que podia.
  • 2:37 - 2:40
    [Crianças gritando, chorando.]
  • 2:40 - 2:42
    Paciência se esgotando.
  • 2:43 - 2:48
    É um processo lento e agonizante,
    mas, finalmente, pudemos entrar.
  • 2:48 - 2:53
    A caminho, agora seguros,
    mas o caos continua.
  • 2:53 - 2:55
    Estive esperando por dois dias.
  • 2:55 - 2:57
    Ontem, desde às 3h.
  • 2:57 - 2:58
    Ontem, desde às 3h?
  • 2:58 - 2:59
    Sim.
  • 2:59 - 3:01
    Conte-me como estava a situação,
  • 3:01 - 3:03
    ao tentar entrar no aeroporto.
  • 3:03 - 3:05
    Estava muito ocupado e muitas pessoas
  • 3:05 - 3:09
    estavam brigando e tentando
    abrir caminho para elas.
  • 3:09 - 3:11
    Mas nós passamos.
  • 3:11 - 3:14
    Com certeza, aqui somos
    poucos dos muitos sortudos.
  • 3:14 - 3:16
    Outros, como você ouviu daquele jovem,
  • 3:16 - 3:18
    estiveram esperando por dois dias.
  • 3:19 - 3:23
    Outros, vemos voltando,
    sendo enviados de volta,
  • 3:23 - 3:26
    ouvindo "você não tem
    a documentação apropriada"
  • 3:26 - 3:29
    Não há dúvida:
    todos aqui estão fazendo seu melhor.
  • 3:29 - 3:33
    Mas não é certo se é rápido o suficiente.
  • 3:33 - 3:35
    Se pessoas suficientes conseguem sair.
  • 3:35 - 3:39
    E quanto tempo ainda elas têm
    para terminar essa grande operação.
  • 3:42 - 3:44
    [Jake] Gostaria de chamar
    Clarissa Ward da CNN.
  • 3:44 - 3:48
    Ela está ao telefone,
    dentro do aeroporto de Cabul.
  • 3:48 - 3:49
    Clarissa, o Pentágono hoje
  • 3:49 - 3:52
    liberou várias imagens
  • 3:52 - 3:55
    que realmente remetem à humanidade,
    o mar de humanidade lá,
  • 3:55 - 3:56
    e a solidariedade
  • 3:56 - 3:58
    dos militares americanos no aeroporto.
  • 3:58 - 4:00
    Você vê, claro, o soldado
    segurando o bebê.
  • 4:00 - 4:03
    Outro, cumprimenta com o punho
    uma criança passando pelo processo.
  • 4:03 - 4:06
    A fila de soldados em guarda,
    mostrando para mulher e criança
  • 4:06 - 4:07
    onde ir para fazer o processo.
  • 4:07 - 4:11
    Obviamente, todos estão fazendo
    o melhor que podem, como reparou.
  • 4:11 - 4:14
    A cena dentro do perímetro,
    extremamente diferente
  • 4:14 - 4:16
    daquelas fora dos portões.
  • 4:17 - 4:20
    [Clarissa]
    Sim, Jake. Quero dizer, não há dúvida
  • 4:20 - 4:24
    que todos aqui estão fazendo
    o melhor que podem
  • 4:24 - 4:28
    para tentar minimizar
    o sofrimento e a angústia
  • 4:28 - 4:30
    da situação.
  • 4:30 - 4:32
    Nós também vemos, eu vejo,
  • 4:32 - 4:34
    uma jovem soldado
  • 4:34 - 4:36
    carregando um menino afegão.
  • 4:36 - 4:40
    Vi pessoas ajudando
    aqueles em cadeiras de rodas.
  • 4:40 - 4:45
    Todo tipo de bondade e gentileza.
  • 4:45 - 4:47
    Mas a realidade é que a situação
  • 4:47 - 4:49
    é terrível.
  • 4:49 - 4:52
    Estou olhando ao redor agora,
    a um mar de pessoas
  • 4:52 - 4:54
    deitadas no chão.
  • 4:54 - 4:57
    Elas estão deitadas lá fora no cascalho.
  • 4:57 - 4:59
    Não há lugar onde possam dormir
  • 4:59 - 5:01
    além de caixas de papelão.
  • 5:01 - 5:04
    Elas estão com frio. Está muito frio.
  • 5:04 - 5:06
    Não há cobertores.
  • 5:06 - 5:10
    Os banheiros aqui estão
    em muito mau estado sem dúvida.
  • 5:10 - 5:12
    E não há como saber
    quanto tempo essas pessoas
  • 5:12 - 5:14
    ficarão aqui.
  • 5:14 - 5:18
    Por mais de 8 horas hoje,
    nenhum avião americano partiu.
  • 5:18 - 5:21
    Então, agora há muito mais atrasos,
  • 5:21 - 5:23
    e lentidão do que havia.
  • 5:23 - 5:25
    [Jake]
    Há algum senso de ordem,
  • 5:25 - 5:28
    quando se trata do esforço para determinar
  • 5:28 - 5:30
    quem vai passar os portões,
  • 5:30 - 5:33
    o último obstáculo para onde
    os EUA estão?
  • 5:33 - 5:35
    E quem não passa?
  • 5:36 - 5:40
    [Clarissa]
    Eu acho, no processo inicial...
  • 5:40 - 5:43
    sabe, há tantos "nãos",
    ao longo dessa corrente...
  • 5:43 - 5:45
    Inicialmente, é algo como,
  • 5:45 - 5:47
    quem pode mostrar um documento no ar,
  • 5:47 - 5:49
    e quem pode pressionar mais.
  • 5:49 - 5:52
    Quem tem um bebê ou algo assim.
  • 5:52 - 5:55
    Ou (quem) é vulnerável,
    e em risco imediato.
  • 5:55 - 5:58
    Então, se você vai mais longe na corrente,
  • 5:58 - 5:59
    e mais perto do campo áereo.
  • 5:59 - 6:02
    você passa pelo processo
    do Departamento de Estado.
  • 6:02 - 6:06
    E você realmente tem que ter
    os documentos apropriados para mostrar.
  • 6:06 - 6:08
    E é onde vemos
  • 6:08 - 6:10
    várias pessoas voltando.
  • 6:10 - 6:14
    Há todos os tipos de pessoas
    escoltadas para fora da base.
  • 6:14 - 6:18
    É de partir um pouco o coração ver isso.
  • 6:18 - 6:20
    Porque, você pode imaginar,
    você sabe,
  • 6:20 - 6:23
    você não tem toda
    sua papelada em ordem,
  • 6:23 - 6:25
    mas você ainda está paralisado
    pela situação.
  • 6:25 - 6:28
    Argh! Chegar tão longe, entrar,
  • 6:28 - 6:34
    e ainda não conseguir sair do país,
  • 6:34 - 6:35
    depois de tudo isso.
  • 6:35 - 6:37
    É desolador.
  • 6:37 - 6:38
    Jake, estou saindo agora,
  • 6:38 - 6:41
    porque me disseram que
    nossos aviões, nossos voos,
  • 6:41 - 6:43
    talvez decolem em breve.
  • 6:43 - 6:45
    Então, me perdoe se estiver
    um pouco barulhento.
  • 6:45 - 6:50
    [Jake] Ok. Isso certamente
    é prioridade, Clarissa.
  • 6:50 - 6:54
    Vimos imagens das forças armadas
    dos Estados Unidos,
  • 6:54 - 6:56
    por todo o perímetro do aeroporto,
    e toda a semana,
  • 6:56 - 6:59
    o Pentágono tem dito
    que as tropas americanas
  • 6:59 - 7:02
    não estiveram envolvidas
    em nenhuma interação hostil no aeroporto.
  • 7:02 - 7:05
    Mas, é claro, qualquer movimento errado
    pode mudar rapidamente a situação.
  • 7:05 - 7:07
    Acredito
  • 7:07 - 7:08
    que é uma das razões
  • 7:08 - 7:11
    do porquê os militares dos EUA
  • 7:11 - 7:15
    basicamente foram ordenados a ficar
    onde estão, dentro do perímetro,
  • 7:15 - 7:19
    por causa do risco real e legítimo
    aos militares,
  • 7:19 - 7:22
    não só do Talibã,
  • 7:22 - 7:25
    mas qualquer um
    dos grupos terroristas na área.
  • 7:25 - 7:29
    [Clarissa]
    Há tantas ameaças diferentes aqui.
  • 7:29 - 7:32
    Tantas situações potenciais diferentes,
  • 7:32 - 7:37
    onde as coisas podem rapidamente levar
    a um lugar muito, muito ruim.
  • 7:37 - 7:40
    É por isso que há muita tensão no ar.
  • 7:40 - 7:45
    Porque todos sabem que
    esse momento pode não durar.
  • 7:45 - 7:47
    Vai ser efêmero.
  • 7:47 - 7:50
    E eles têm que fazer isso certo.
  • 7:50 - 7:55
    E eles têm que tirar tantas pessoas
    quanto conseguirem.
  • 7:55 - 7:59
    Porque eles não podem
    só sair além das cercas,
  • 7:59 - 8:03
    e começar a trazer pessoas manualmente.
  • 8:03 - 8:08
    Por isso que as negociações
    com o Talibã são tão importantes.
  • 8:08 - 8:13
    Mas o Talibã tem um limite
    de quanto vai tolerar.
  • 8:13 - 8:18
    E um limite de quanto
    os combatentes fortes e rabugentos
  • 8:18 - 8:21
    serão tolerados no perímetro externo.
  • 8:21 - 8:23
    E, então, é o que deixa
  • 8:23 - 8:26
    a situação potencialmente muito perigosa.
  • 8:26 - 8:28
    É como um barril de pólvora.
  • 8:28 - 8:29
    Uma coisa dá errada,
  • 8:29 - 8:32
    e tudo dará muito errado.
  • 8:32 - 8:33
    [Jake]
    Bem, Clarissa,
  • 8:33 - 8:36
    estou muito feliz que está
    pegando um avião para ir embora.
  • 8:36 - 8:38
    Só quero dizer,
  • 8:38 - 8:40
    em nome de todos aqui da CNN,
  • 8:40 - 8:43
    e todos que assistem a CNN,
  • 8:43 - 8:46
    sua reportagem foi corajosa,
  • 8:46 - 8:51
    e maravilhosa, e com empatia,
    e com coragem.
  • 8:51 - 8:54
    Temos muita sorte de tê-la como colega.
  • 8:54 - 8:55
    Obrigado pelo que tem feito
  • 8:55 - 8:58
    para contar a história
    do que está acontecendo lá.
  • 8:58 - 8:59
    [Clarissa]
    Muito obrigada, Jake.
  • 8:59 - 9:01
    Agradeço por todos nós, muito.
    Obrigada.
Tytuł:
'Era um bebê recém-nascido': Repórter da CNN revela terrível situação no aeroporto
Opis:

Clarissa Ward da CNN faz reportagem do aeroporto em Cabul, Afeganistão, onde milhares de pessoas esperam por voos para sair do país depois da tomada pelo Talibã.

#CNN #News

more » « less
Video Language:
English
Team:
Captions Requested
Duration:
09:02

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions Compare revisions