Return to Video

Informante NSA

  • 0:10 - 0:14
    Meu nome é Ed Snowden. Tenho 29 anos.
  • 0:14 - 0:20
    Trabalho para a Booz Allen Hamilton como analista de infraestrutura para NSA no Havaí.
  • 0:22 - 0:26
    Quais são as posições que você teve anteriormente dentro da comunidade de inteligência?
  • 0:26 - 0:31
    Fui engenheiro de sistemas, administrador de sistemas,
  • 0:32 - 0:37
    um conselheiro sênior da Agência Central de Inteligência,
  • 0:37 - 0:42
    um consultor de soluções e um funcionário de sistemas de telecomunicações de informação.
  • 0:42 - 0:45
    Uma das coisas que as pessoas vão ser muito interessadas,
  • 0:45 - 0:50
    em tentar entender quem você é e o que você está pensando,
  • 0:50 - 0:57
    veio em algum momento quando você cruzou a linha de pensar em ser um informante
  • 0:57 - 1:01
    para fazer a escolha de realmente se tornar um informante
  • 1:01 - 1:06
    Leve as pessoas através desse processo de fazer escolha.
  • 1:06 - 1:14
    Quando você tem posições de acesso privilegiado, como um administrador de sistemas para esse tipo de agência da comunidade de inteligência,
  • 1:14 - 1:20
    você é exposto a muito mais informações em uma escala mais ampla do que a média dos trabalhadores
  • 1:20 - 1:24
    e por causa disso você vê coisas que podem ser perturbadoras.
  • 1:24 - 1:29
    Mas ao longo da carreira de uma pessoa normal, você veria apenas uma ou duas dessas instâncias.
  • 1:29 - 1:33
    Quando você vê tudo, você as vê em uma base mais frequente
  • 1:33 - 1:37
    e você reconhece que alguma dessas coisas são na verdade abusos.
  • 1:37 - 1:44
    E quando você conversa com as pessoas sobre elas, em um lugar como esse, onde esse é um estado normal de negócios,
  • 1:44 - 1:48
    as pessoas tendem a não levá-los muito a sério e, você sabe, seguem em frente.
  • 1:48 - 1:55
    Mas ao longo do tempo que a percepção de transgressão se fortalece, e você se sente compelido a falar sobre isso.
  • 1:55 - 1:59
    E quanto mais você falar sobre isso, mais você é ignorado, mais te dirão que não é um problema.
  • 1:59 - 2:04
    até que finalmente você percebe que essas coisas precisam ser determinadas pelo público,
  • 2:04 - 2:06
    não por alguém que foi simplesmente contratado pelo governo.
  • 2:06 - 2:14
    Fale um pouco sobre como a vigilância do estado americano realmente funciona. Miram nas ações dos Americanos?
  • 2:15 - 2:23
    NSA, e a comunidade de inteligência em geral, está focada em obter inteligência onde eles quer que possam estar, por todos os meios possíveis,
  • 2:23 - 2:29
    que acreditam, em uma série de auto-certificações, que eles servem ao interesse nacional.
  • 2:29 - 2:36
    Originalmente, vimos que o foco muito estreitamente adaptado como inteligência estrangeira reunida no exterior.
  • 2:36 - 2:41
    Agora, cada vez mais, vemos que isso está acontecendo internamente.
  • 2:41 - 2:47
    E para fazer isso, eles, a NSA especificamente, miram as comunicações de todos.
  • 2:47 - 2:50
    Os Engole por padrão.
  • 2:50 - 2:56
    As recolhem em seus sistemas, as filtram, as analisam, as medem, as armazenam por um período de tempo,
  • 2:56 - 3:03
    simplesmente porque essa é a mais fácil, mais eficiente e mais valioso caminho para alcançar esses fins.
  • 3:03 - 3:10
    Então eles podem pretender mirar em alguém associado a um governo estrangeiro
  • 3:10 - 3:15
    ou alguém que eles suspeitam de terrorismo, eles coletam suas comunicações para fazê-lo.
  • 3:15 - 3:19
    Qualquer analista a qualquer momento pode mirar em alguém, qualquer escolhido em qualquer lugar
  • 3:19 - 3:25
    Onde essas comunicações serão captadas depende do alcance das redes de sensores
  • 3:25 - 3:31
    e da autoridade que o analista possui. Nem todos os analistas têm a habilidade de mirar tudo.
  • 3:31 - 3:36
    Mas eu, sentando na minha mesa, certamente tinha autoridades para escutar qualquer um,
  • 3:36 - 3:39
    de você ou seu contador até um juiz federal,
  • 3:39 - 3:42
    até mesmo o presidente, se eu tivesse o email pessoal.
  • 3:42 - 3:49
    Uma das partes extraordinárias sobre esse episódio é que usualmente informantes fazem o que fazem anonimamente
  • 3:49 - 3:55
    E tomam passos para ficar no anonimato o máximo possível, o que geralmente esperam que seja para sempre.
  • 3:55 - 4:01
    Você, de outra forma, tem essa atitude de oposição, que é para declarar você mesmo abertamente como uma pessoa atrás dessas divulgações
  • 4:01 - 4:04
    Porque você escolheu fazer isso?
  • 4:04 - 4:12
    Eu acho que é devido ao público uma explicação das motivações por trás das pessoas que fazem essas revelações que estão fora do modelo democrático
  • 4:12 - 4:19
    Quando você está subvertendo o poder do governo, isso é uma coisa fundamentalmente perigosa para a democracia.
  • 4:19 - 4:28
    E se você faz isso em segredo, consistentemente, você sabe, como o governo faz quando quer se beneficiar de uma ação secreta que fazem,
  • 4:28 - 4:35
    ele meio que dará uma ordem a seus oficiais: "Hey, você sabe, diga a imprensa sobre isso e aquilo para que o público nos apoie".
  • 4:35 - 4:42
    Mas eles raramente, ou nunca, fazem isso quando um abuso ocorre. Isso cabe aos cidadãos.
  • 4:42 - 4:45
    Mas eles são tipicamente malignos. Você sabe, torna-se uma coisa,
  • 4:45 - 4:49
    essas pessoas são contra o país, são contra o governo. Mas eu não.
  • 4:49 - 4:54
    Não sou diferente de ninguém. Não tenho habilidades especiais.
  • 4:54 - 5:01
    Sou apenas outro cara que senta lá, dia-a-dia, no escritório, e assiste o que está acontecendo, e vai,
  • 5:01 - 5:09
    "Isso é algo que não é nosso lugar decidir. O público precisa decidir se esses programas e políticas estão certas ou erradas".
  • 5:09 - 5:15
    E desejo continuar a defender a autenticidade deles e dizer, "Eu não as mudaria, Eu não modificaria a história."
  • 5:15 - 5:21
    Isto é a verdade. Isto é o que está acontecendo. Você deve decidir se nós devemos estar fazendo isso.
  • 5:21 - 5:27
    Você já pensou qual é a reação do governo dos E.U.A para sua conduta,
  • 5:27 - 5:33
    em termos do que eles poderiam dizer sobre você, como eles poderiam te retratar, o que eles poderiam tentar fazer a você?
  • 5:34 - 5:37
    Sim, eu poderia ser, você sabe, preso pela CIA.
  • 5:37 - 5:41
    Eu podia ser perseguido por qualquer um de seus parceiros
  • 5:41 - 5:44
    Você sabe, eles trabalham em estreita colaboração com uma série de outras nações.
  • 5:45 - 5:50
    Ou, você sabe, eles poderiam pagar a tríade. Ou qualquer dos seus agentes ou ativos.
  • 5:50 - 5:55
    Temos uma estação da CIA seguindo este caminho, e o consulado aqui em Hong Kong
  • 5:55 - 5:58
    e estou certo que eles estarão muito ocupados pela próxima semana.
  • 5:59 - 6:04
    E esse é um medo que eu conviverei pelo resto da minha vida, por mais longa que possa ser.
  • 6:04 - 6:12
    Você não pode avançar contra as agências de inteligência mais poderosas do mundo e estar completamente livre de riscos,
  • 6:12 - 6:17
    porque eles são adversários tão poderosos, que ninguém pode se opor de forma significativa a eles.
  • 6:17 - 6:20
    Se eles querem te pegar, eles te pegarão, em tempo.
  • 6:21 - 6:26
    Mas, ao mesmo tempo, você tem que tomar uma decisão sobre o que é importante para você.
  • 6:26 - 6:32
    E se viver, viver não livremente mas confortavelmente é algo que você está disposto a aceitar –
  • 6:32 - 6:36
    e penso que muitos de nós estamos, é a natureza humana –
  • 6:37 - 6:42
    você pode se levantar todo dia, você pode ir trabalhar, você pode receber seu grande salário
  • 6:42 - 6:46
    por trabalho relativamente pequeno, contra o interesse público,
  • 6:46 - 6:50
    e vai dormir à noite depois de assistir seus programas. Mas...
  • 6:50 - 6:54
    se você percebe que este é o mundo que você ajudou a criar,
  • 6:54 - 6:57
    e vai piorar com a próxima geração e a próxima geração,
  • 6:57 - 7:01
    quem estende as capacidades desse tipo de arquitetura de opressão,
  • 7:02 - 7:06
    você percebe que você poderia estar disposto a aceitar qualquer risco e não importa qual consequência é
  • 7:06 - 7:10
    contanto que o público consiga tomar suas próprias decisões sobre como é aplicada.
  • 7:10 - 7:12
    Porque as pessoas deveriam se preocupar com a vigilância?
  • 7:13 - 7:16
    Porque, mesmo se você não está fazendo nada de errado, você está sendo observado e registrado.
  • 7:16 - 7:25
    E a capacidade de armazenamento dos sistemas aumentam a cada ano, consistentemente, por ordens de magnitude
  • 7:25 - 7:29
    de onde ele está chegando ao ponto que você não tenha feito nada de errado
  • 7:29 - 7:34
    Você simplesmente tem que cair na suspeita de alguém, até mesmo por uma ligação errada
  • 7:34 - 7:40
    e então eles podem usar o sistema para voltar no tempo e analisar cada decisão que você tomou
  • 7:40 - 7:43
    cada amigos que você tem discutido algo sobre
  • 7:43 - 7:48
    e te ataca com base nisso, a sorte de obter suspeita
  • 7:48 - 7:53
    de uma vida inocente e retratar alguém no contexto de um bandido.
  • 7:53 - 7:57
    No momento estamos sentados em uma sala em Hong Kong
  • 7:57 - 8:01
    que é onde estamos porque você viajou para cá.
  • 8:01 - 8:05
    Fale um pouco do porque você veio para cá.
  • 8:05 - 8:09
    E, especialmente, haverá pessoas que vão especular
  • 8:09 - 8:16
    que o que você realmente pretende fazer é aliar-se ao país que muitos vêem como o rival número um dos Estados Unidos
  • 8:16 - 8:23
    que é a China, e o que você está realmente fazendo é essencialmente pretendendo ajudar um inimigo dos Estados Unidos
  • 8:23 - 8:28
    com que você pretende pedir asilo. Você pode falar um pouco sobre isso?
  • 8:28 - 8:29
    Claro.
  • 8:29 - 8:33
    Portanto, há um par de afirmações nesses argumentos
  • 8:33 - 8:39
    que há uma série de embutidos no questionamento da escolha de Hong Kong.
  • 8:39 - 8:43
    Primeiro é que a China é um inimigo dos Estados Unidos. Eu não.
  • 8:43 - 8:49
    Quero dizer, há conflitos entre o governo dos Estados Unidos e o governo Chinês da RPC.
  • 8:49 - 8:56
    Mas as pessoas, por inerência, não nos importamos. Nós negociamos com o outro livremente. Não estamos em guerra.
  • 8:56 - 9:01
    Não estamos em conflitos armados e Não estamos tentando estar. Somos os maiores parceiros comerciais lá fora um para o outro.
  • 9:02 - 9:07
    Além disso, Hong Kong tem uma forte tradição de liberdade de expressão.
  • 9:07 - 9:15
    As pessoas pensam, "Oh, China, grande parede de fogo". A China Continental tem significativas restrições à liberdade de expressão mas
  • 9:15 - 9:21
    as pessoas de Hong Kong tem uma longa tradição de protestos nas ruas, de fazer suas visões conhecidas.
  • 9:21 - 9:25
    A Internet não é filtrada aqui
  • 9:25 - 9:28
    não mais do que qualquer outro governo ocidental.
  • 9:28 - 9:37
    E eu acredito que o governo de Hong Kong é realmente independente em relação a uma série de outros principais governos ocidentais.
  • 9:37 - 9:44
    Se seu motivo havia sido a de prejudicar os Estados Unidos e ajudar seus inimigos, ou se seu motivo tinha sido proveito material pessoal,
  • 9:44 - 9:50
    estavam lá coisas que você poderia ter feito com esses documentos para avançar os objetivos que você não acabou fazendo?
  • 9:50 - 9:57
    Oh, com certeza. Quero dizer, qualquer um nas posições de acesso com capacidade técnica que eu tinha
  • 9:57 - 10:04
    poderia, você sabe, sugar segredos, passá-los no mercado aberto para a Rússia. Você sabe, eles sempre tem uma porta aberta, como nós.
  • 10:05 - 10:12
    Eu tinha acesso, você sabe, as listas completas de todos que trabalham na NSA, a comunidade de inteligência inteira,
  • 10:12 - 10:19
    e agentes disfarçados em todo o mundo, a localização de cada estação que temos, quais são as suas missões e assim por diante.
  • 10:19 - 10:27
    Se eu quisesse só prejudicar os EUA, você sabe... você poderia desligar o sistema de vigilância em uma tarde.
  • 10:28 - 10:33
    Mas essa não era a minha intenção. E eu acho, para qualquer um fazer esse argumento,
  • 10:33 - 10:36
    eles precisam pensar, se eles estavam na minha posição,
  • 10:36 - 10:42
    e, você sabe, você vive uma vida privilegiada—você está vivendo no Havaí, no Paraíso, e fazendo uma tonelada de dinheiro—
  • 10:42 - 10:46
    O que seria necessário para fazer você deixar tudo para trás?
  • 10:47 - 10:57
    O maior medo que eu tenho em relação ao resultado na América dessas revelações é que nada vai mudar.
  • 10:57 - 11:02
    As pessoas vão ver na mídia todas essas revelações.
  • 11:02 - 11:10
    Eles saberão os comprimentos do poder que o governo vai conceder a si mesmo, de forma unilateral,
  • 11:11 - 11:17
    para criar um controle maior sobre a sociedade Americana e a sociedade global,
  • 11:17 - 11:25
    mas eles não estarão dispostos a assumir os riscos necessários para se levantarem e lutar para mudar as coisas,
  • 11:25 - 11:32
    para forçar seus representantes para tomar realmente uma posição de seus interesses.
  • 11:33 - 11:38
    E os próximos meses, os próximos anos, só vão piorar,
  • 11:38 - 11:43
    até que, eventualmente, haverá um momento onde as políticas mudarão,
  • 11:43 - 11:49
    porque a única coisa que restringe as atividades do estado de vigilância são políticas.
  • 11:49 - 11:52
    Mesmo os nossos acordos com outros governos soberanos,
  • 11:52 - 11:58
    nós consideramos que para ser uma especulação de política ao invés de uma especulação de lei.
  • 11:58 - 12:03
    E por causa disso, um novo lidar será eleito, eles apagarão as luzes e dizer...
  • 12:06 - 12:13
    ...por causa da crise, por causa dos perigos que enfrentamos no mundo, você sabe, alguma ameaça nova e imprevisível,
  • 12:13 - 12:19
    precisamos de mais autoridade, precisamos de mais poder, e não haverá nada que as pessoas possam fazer neste momento para se opor
  • 12:19 - 12:24
    será uma virada para a tirania.
Pavadinimas:
Informante NSA
Apibudinimas:

Edward Snowden, um ex-empregado disfarçado de 29 anos da CIA, se desmascarou no Domingo como principal fonte das recentes revelaçõesdo Washington Post e do Guardian sobre programas de Agência de Segurança Nacional super secretos.

Artigo
http://www.washingtonpost.com/politics/intelligence-leaders-push-back-on-leakers-media/2013/06/09/fff80160-d122-11e2-a73e-826d299ff459_story.html

more » « less
Video Language:
English
Team:
Volunteer
Duration:
12:35
Nathália Santos edited Portuguese, Brazilian subtitles for NSA leaker
Paulo Conte edited Portuguese, Brazilian subtitles for NSA leaker
Maria Moral edited Portuguese, Brazilian subtitles for NSA leaker
Paulo Conte edited Portuguese, Brazilian subtitles for NSA leaker
Paulo Conte added a translation

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions Compare revisions