Portuguese, Brazilian subtitrai

← Estamos morrendo errado | Ken Hillman |TEDxSydney

Get Embed Code
11 Languages

Showing Revision 30 created 01/03/2019 by Maricene Crus.

  1. Esta é uma foto minha com meu avô,
  2. nos anos 50, andando por Sidney.
  3. Alguns anos depois, por volta de 1959,
  4. meu avô morreu em casa confortavelmente,
  5. sob os cuidados de seu clínico geral.
  6. Esta palestra é sobre
    a morte e sobre morrer,
  7. e é tarde demais para ir embora,
    as portas estão trancadas.
  8. (Risos)
  9. Mas é sobre a morte e o morrer
    quando se está muito idoso,

  10. naturalmente e chegando
    normalmente ao final da vida.
  11. Então, por que meu avô
  12. pôde morrer em casa com muito conforto,
  13. mas com a minha mãe, 25 anos depois,
    a história foi muito diferente?
  14. Eu vou chegar lá.
  15. Uma das razões foi que naquele tempo,
    na valise do clínico geral,
  16. não havia nem mais, nem menos do que
    o que se podia encontrar nos hospitais.
  17. Isso não faz muito tempo.
  18. Hospital era aonde você ia
    se estivesse doente,
  19. mas se fosse pobre também,
  20. e se sentava na cama
    para ser muito bem cuidado,
  21. e algumas vezes melhorava, e outras não.
  22. Podemos ver isso nos filmes da época,
  23. se alguém se ferisse na rua,
    se levasse um tiro ou uma facada,
  24. um espectador gritaria:
    "Rápido! Chamem um médico!"
  25. Alguns anos depois, o espectador diria:
  26. "Rápido! Chamem uma ambulância!"
  27. Então, o que estava mudando nos hospitais?
  28. Foi no início dos anos 60,
    e houve uma explosão de tecnologia,
  29. maneiras maravilhosas de fazer
    imagens de cada parte do corpo,
  30. cirurgias complexas,
  31. dividimos o corpo em "-ologias":
  32. neurologia, cardiologia,
    gastrenterologia, etc.,
  33. e os cirurgiões também dividiram o corpo
    em partes diferentes para trabalhar
  34. e deram nomes diferentes a elas.
  35. E claro, havia a terapia intensiva.
  36. E 25 anos depois que meu avô morreu,
  37. me tornei especialista
    em terapia intensiva,
  38. num grande hospital-escola de Londres.
  39. E achei que poderia manter
    as pessoas vivas para sempre.
  40. Esse foi o início da terapia intensiva.
  41. Achava que não havia limites
    para o que podíamos fazer.
  42. E de muitas formas, em alguns
    casos, não havia mesmo.
  43. Se havia um cérebro e um fígado
    relativamente normais,
  44. eu conseguia manter o resto funcionando.
  45. Naquela época eu tinha
    seis leitos na terapia intensiva.
  46. Hoje trabalho numa unidade de terapia
    intensiva que tem 40 leitos.
  47. Quatro mil dólares australianos
    por paciente, por dia.
  48. Mas não foi só o número
    de leitos que mudou,
  49. mudou também o tipo de pacientes
    que tratamos hoje na terapia intensiva.
  50. Muitos têm acima de 60 anos,
  51. muitos têm 80, 90 anos,
  52. e muitos deles estão em seus
    últimos dias ou semanas de vida.
  53. Então, como isso aconteceu?
  54. Bem, é como uma esteira rolante.
  55. Com meu avô, ele adoeceu na comunidade,
  56. esperava-se que ele fosse
    tratado e cuidado em casa.
  57. Se ficarmos doentes na comunidade hoje,
  58. quase sempre chamamos a ambulância.
  59. É muito assustador quando
    alguém fica muito doente.
  60. A ambulância leva o doente
    ao pronto-socorro mais próximo.
  61. Prontos-socorros são
    altamente estressados.
  62. Eles ressuscitam, estabilizam,
    e deixam o doente pronto
  63. para ser admitido no hospital.
  64. E então a pessoa fica até
    mais doente no hospital.
  65. E cá estou eu, no final
    da esteira rolante,
  66. na UTI, esperando pelo doente.
  67. Esta é a foto da minha mãe
    e de meus irmãos e irmãs.
  68. Para minha mãe, não foi igual
    ao que aconteceu com meu avô.
  69. Nos seis últimos meses de sua vida,
  70. ela foi internada 22 vezes em hospitais
    de cuidados intensivos.
  71. Não disseram a ela
    exatamente o que ela tinha.
  72. As pessoas não lhe contaram
  73. que quando se fica mais velho,
    as coisas começam a deteriorar,
  74. e ficamos mais doentes.
  75. Não lhe foi dada escolha sobre isso.
  76. Ela simplesmente ficou doente,
    e foi colocada nessa esteira rolante,
  77. internada no hospital.
  78. Nessas situações tive de ser
    o filho, não o médico,
  79. por isso não interferi em nenhuma decisão,
  80. até que, por fim, um médico
    muito especial nos reuniu e disse:
  81. "Sua mãe está idosa, e está morrendo,
  82. e devemos deixá-la ir em paz".
  83. Foi um grande alívio para todos nós,
  84. e claro, foi um alívio para a minha mãe.
  85. Então, cerca de 48 h depois disso,
  86. minha mãe faleceu
    de forma muito confortável.
  87. Do que minha mãe morreu?
  88. Bem, quando eu era residente,
    podíamos escrever "velhice,"
  89. mas não podemos mais fazer isso.
  90. Temos de inventar um termo médico.
  91. Por exemplo,
  92. todos que morrem têm parada cardíaca,
  93. então escrevemos no prontuário
    "doença cardiovascular".
  94. Por isso doença cardiovascular
  95. é a morte mais comum
    em nossa comunidade.
  96. (Risos)
  97. O que mais me perturbava era
    que a minha mãe sempre perguntava:
  98. "O que eu tenho, Ken?
  99. Se eles encontrassem meu problema,
  100. podiam tomar alguma providência".
  101. Isso é muito difícil de explicar
  102. porque quando ficamos
    mais velhos, ficamos doentes,
  103. e é muito difícil dizer com certeza
    o que está acontecendo.
  104. E também, a medicina
    é baseada no diagnóstico.
  105. É isso que aprendemos por seis anos:
  106. o diagnóstico.
  107. Um simples diagnóstico.
  108. Hospitais são lugares maravilhosos
  109. se você tiver um problema
    simples que pode ser curado.
  110. Entretanto, quando ficamos velhos,
  111. a combinação de todas as doenças
    crônicas ou comorbidades,
  112. qualquer que seja a palavra medicalizada,
  113. acrescenta-se a algo
  114. para o qual ainda não temos
    um nome ou um número.
  115. Gosto da palavra "debilidade".
  116. Porque vai ao encontro
    do ponto de vista do paciente.
  117. Não é uma lista de termos medicalizados,
  118. é debilidade.
  119. E tenho certeza que muitos de vocês
    na plateia conhecem pessoas idosas,
  120. e sabem o que acontece
    quando se tornam ainda mais frágeis,
  121. Gosto muito dessa escala de debilidade
    porque mostra ótimas figuras.
  122. Começando com o número um,
  123. estamos muito em forma
    nos nossos 60, 70 anos,
  124. e depois gradualmente
    ficamos mais e mais frágeis,
  125. mais e mais vulneráveis.
  126. Até que fica difícil nos locomovermos,
  127. até ficarmos muito mais vulneráveis.
  128. Então ficamos presos
    a uma cadeira de rodas,
  129. e por fim, sem forças para sair da cama.
  130. Apesar de todas as especialidades
    e todos os remédios
  131. e todas as coisas maravilhosas
    que podemos fazer na medicina,
  132. a debilidade relacionada
    à velhice não é curável.
  133. As palestras TED não são apenas sobre
    o problema, também são sobre a solução.
  134. O que eu gostaria de falar para vocês
  135. é o que estamos tentando
    fazer sobre isso em meu hospital.
  136. Não tem a ver com alta tecnologia
    ou TI ou qualquer coisa do gênero.
  137. Não é nada chique,
  138. mas tenho o privilégio
    de trabalhar em uma organização
  139. que tem a cultura de olhar
    para as coisas de uma forma diferente,
  140. colocando o paciente no centro,
    eliminando todas as outras coisas,
  141. e pensando como podemos
    fazer isso da melhor forma.
  142. Então, acreditem ou não,
  143. médicos em hospitais acham muito difícil
  144. identificar pessoas
    que estão no fim da vida.
  145. Eu sei que isso é
    muito difícil de acreditar.
  146. Por isso estamos trabalhando
    numa ferramenta que nos dê uma pista
  147. das pessoas que têm meses
    ou talvez um ano de vida.
  148. Chama-se Crystal Tool.
  149. É muito simples, pode ser usada
    pelas pessoas na cabeceira da cama.
  150. É só a combinação de coisas lógicas,
  151. como idade, a escala
    de debilidade e coisas desse tipo.
  152. Com tudo que fazemos na medicina,
  153. existe uma incerteza.
  154. A incerteza é inerente à medicina.
  155. Vejamos por exemplo uma pessoa
    de 20 anos com um tumor cerebral terminal:
  156. fazemos todos os testes,
    e descobrimos que é terminal.
  157. Bem, a primeira coisa
    que a pessoa quer saber é:
  158. "Quanto tempo de vida eu tenho?"
  159. Então, usando todos os dados coletados
    de todos que têm esse tipo de tumor,
  160. podemos dizer: "Bem, talvez um ano.
  161. Podem ser seis meses.
  162. Podem ser dois anos.
  163. Talvez, em circunstâncias especiais,
    podem ser três anos,
  164. mas a doença é terminal, e não
    podemos fazer muito sobre isso".
  165. É a mesma coisa com os idosos.
  166. Algumas escalas como essa pelo menos
    nos permitem avançar para a próxima fase.
  167. E a próxima fase não é
    nenhum bicho de sete cabeças.
  168. Mas acreditem ou não,
  169. os médicos ficam muito desconfortáveis
    de falar sobre a morte com os idosos.
  170. Não tenho muita certeza do porquê disso.
  171. A próxima etapa depois de identificar
    essas pessoas, é iniciar a discussão
  172. de forma honesta e empática.
  173. A etapa seguinte também é sensata,
  174. mas acreditem ou não,
    isso também não acontece.
  175. É empoderar os pacientes
    e seus cuidadores com escolhas.
  176. Sermos honestos sobre a situação deles,
  177. quanto tempo de vida eles têm, e como
    gostariam de viver esse tempo restante.
  178. Talvez queiram continuar
    entrando e saindo de hospitais,
  179. talvez queiram o tratamento
    mais agressivo disponível,
  180. mas pelo menos estaria
    baseado em dados corretos
  181. e em formas corretas
    para tomar uma decisão.
  182. Entretanto, descobrimos que muitas pessoas
  183. não querem ficar entrando
    e saindo de um hospital
  184. já que sabem que não têm
    muito tempo de vida.
  185. De fato, cerca de 70% das pessoas,
  186. neste país, nos EUA e no Reino Unido,
  187. dizem preferir morrer em casa
    quando perguntam a elas.
  188. Isso contrasta
  189. com cerca de 70% de vocês
    que morrerão na UTI, em hospitais.
  190. Então existe uma discrepância aqui,
  191. que meio que reforça o fato
  192. de que não estamos falando com as pessoas
    sobre isso de forma adequada.
  193. As soluções a longo prazo
    não estão nos hospitais.
  194. As soluções a longo prazo são coisas
  195. como colocar o médico da família
    mais no centro dos cuidados,
  196. diretivas avançadas de cuidados,
  197. precisamos considerar isso
    enquanto ainda conseguimos,
  198. falar com nossos familiares
    e deixar isso por escrito.
  199. Mas também precisamos alocar
    recursos e apoiar as pessoas,
  200. se elas forem morrer em casa,
  201. para que possam ser cuidadas,
  202. para que tenham assistência domiciliar.
  203. Gostaria de levantar uma controvérsia
    e dizer que eu não acredito
  204. que os últimos meses ou o ano de vida
    de uma pessoa muito idosa
  205. seja um desafio médico.
  206. Talvez se estiverem com dor,
    ou desconfortáveis, claro.
  207. Mas muito disso é apoio da comunidade:
  208. ajudando os cuidadores,
  209. assegurando a limpeza da casa do idoso,
    que tenha boa comida,
  210. que seja banhado
    e todo esse tipo de coisas.
  211. Não são problemas médicos ou de saúde.
  212. A morte por velhice foi desvirtuada.
  213. Os pacientes são divididos
    em órgãos individuais
  214. e tentamos aperfeiçoar e melhorar
    esses órgãos individuas.
  215. É um pouco do que aconteceu
    com os partos nos anos 50 e 60,
  216. que também foi desvirtuado.
  217. Mulheres em trabalho de parto
    eram levadas ao hospital,
  218. amarradas, pernas abertas,
    os bebês nasciam,
  219. eram colocados juntos com outros bebês,
  220. os pais não podiam ficar com as esposas,
    nem podiam nem segurar o bebê.
  221. Era como se conduzia
    um parto nos anos 50 e 60.
  222. Isso é similar ao que está acontecendo
    com os idosos nesse momento.
  223. É assim que muitos de vocês morrerão:
  224. cercados por alta tecnologia,
  225. cuidados por pessoas bem-intencionadas,
  226. com muita expertise
    em sua respectiva área.
  227. Também
  228. ouvimos sobre milagres
    médicos quase todos os dias,
  229. o que é animador.
  230. Ouvimos sobre o que a saúde
    e a medicina moderna podem fazer,
  231. mas não ouvimos muito sobre
    o que a medicina moderna não pode fazer.
  232. Precisamos ser muito mais
    honestos com nossa comunidade
  233. sobre as limitações da medicina moderna.
  234. Raramente passa um dia quando
    faço a ronda das alas com os colegas
  235. e um de nós não diz: "Por favor,
    nunca deixe isso acontecer comigo!"
  236. Essa é uma das decisões
    mais importantes de sua vida.
  237. Você precisa ter o controle
    sobre o fim de sua própria vida.
  238. Muito obrigado.
  239. (Aplausos)