Portuguese, Brazilian sottotitoli

← Voices on the Rise: Revitalização do idioma indígena em Alberta - Episódio 1

Ottieni il codice di inserimento
11 Lingue

Mostrare Revisione 14 creata 11/19/2020 da Guga Salvia Vaz.

  1. ♪[Música]♪
  2. — [Eli] Fascina-me
    como a língua é vital
  3. para nossa visão do mundo como indígenas.
  4. Sou artista e curador Néhiyaw
    no território Lekwungen, Victoria, BC.
  5. Minha pesquisa pessoal foca
    na revitalização da língua
  6. e como ela nos conecta às nossas
    culturas e terras.
  7. No decorrer dos últimos anos, vivenciei
    uma jornada para aprender a língua Cree.
  8. Foi uma experiência muito
    gratificante e desafiadora.
  9. Agora quero viajar para Alberta,
    onde meus ancestrais nasceram,
  10. para descobrir os meios que
    diferentes comunidades
  11. estão revitalizando suas línguas.
  12. Minha mãe e eu crescemos não sabendo
    sobre nossa família Cree
  13. porque ela foi adotada
    como parte do "Sixties Scoop".
  14. Doze anos atrás, conhecemos
    nossa família Cree
  15. e desde então estou em um
    processo de me conectar com
  16. a comunidade em Wabasca, Alberta,
  17. o lugar onde meu kohkom,
    minha avó Florence, nasceu.
  18. Recentemente conheci a Nora Yellowknee,
    uma administradora na escola local,
  19. Oski Pasikoniwew Kamik.
  20. Após perceber que éramos
    primos de segundo grau,
  21. ela se ofereceu a me ensinar
    sobre a minha árvore genealógica
  22. [Nora] Você tem a sua avó,
  23. Florence.
  24. E a mãe dela é Isabelle.
  25. E então, eu estou aqui.
  26. E a sua avó. E a sua mãe?
  27. Fancine.
  28. [Nora] Elas são primas de primeiro
    ou segundo grau.
  29. — [Eli] Ok.
    — [Nora] E você está aqui embaixo.
  30. [Eli] Eu estou lá embaixo?
  31. [Eli] É, isso é mais do que,
  32. muito mais do que eu sabia
    antes de conhecê-la, antes de vir aqui.
  33. [Nora] É, aquela é Isabelle.
  34. Nohkom Isabelle.
  35. Ver isso significa muito pra mim,
  36. eu posso, --
  37. porque quanto mais eu vejo isso,
    quanto mais eu ouço sobre isso
  38. e falo sobre isso....
  39. Isso vai ficar na cabeça e
  40. agora eu entendo mais e sei mais
    através desse processo
  41. [Nora] Meu sonho para a língua aqui,
  42. começando com a escola, é fazer com que
    as pessoas que falam nossa língua,
  43. falem todos os dias,
  44. porque não estamos fazendo isso.
  45. Há muitos falantes de Cree trabalhando
    aqui, mas eles não estão praticando.
  46. Para as pessoas, as famílias jovens agora,
  47. as mães jovens falarem
    Cree com suas crianças.
  48. E todo o resto vai fazer o mesmo.
  49. Ver a foto da minha kohkom Florence
    como uma mulher jovem
  50. criou um sentimento de cura e reconexão
  51. após me sentir desconectado
    por quase toda a minha vida.
  52. Saber mais sobre a história da minha
    família me permitiu
  53. conectar mais profundamente com meus
    ancestrais.
  54. Há tanto a descobrir, mas como
    aprender o idioma,
  55. isso vai demorar.
  56. O Centro Educacional Cultural
    Kapaskwatinak
  57. é um lugar para as Crianças de Wabaska
  58. se conectarem com sua terra e cultura.
  59. Guardiã do conhecimento,
    Lorraine Cardinal
  60. ajuda a guiar as crianças na educação
  61. sobre a terra, incluindo cerimônias de
    maioridade.
  62. Estou animado para aprender
  63. sobre esses ensinamentos já que eu não
  64. tive a oportunidade de experienciá-los,
  65. tendo crescido desconectado da comunidade
  66. e da família.
  67. [Lorraine Cardinal] O motivo pelo qual --
  68. Eu faço isso, como por exemplo
    a cerimônia de maioridade,
  69. porque também é minha
    responsabilidade como escola Néhiyaw
  70. proteger as crianças,
    as crianças do criador.
  71. E quando eu estou protegendo
    as crianças do criador, --
  72. Nós temos que ensiná-los os protocolos,
  73. nós temos que ensiná-los os valores.
  74. Eles têm que sabê-los para
    não acabarem se magoando no futuro.
  75. E a vergonha do nosso idioma,
    de quem somos,
  76. e de nossas cerimônias; perder esses
    costumes
  77. causou uma grande destruição
    em nossas comunidades.
  78. Porque nossas crianças, enquanto crescem,
  79. elas sabem quem são, elas têm o
    privilégio de saberem quem são.
  80. Tenho a responsabilidade de passar
    os ensinamentos
  81. para outras crianças também,
  82. porque elas vão experimentar,
    vão explorar,
  83. e nós queremos prevenir elas
  84. de magoarem umas as outras
    ou a elas mesmas, certo?
  85. [Tambores e pessoas cantando]
  86. [Lorraine Cardinal] Eles chamam de
    oskinîkiskwew ēkwa oskinîkîwiw,
  87. a jovem masculinidade e a
    jovem feminilidade.
  88. Eu quero te agradecer e te honrar
    por ter vindo a esse mundo.
  89. Você é uma bênção para nós.
  90. Nós estamos muito honrados por te
    ter como parte de nós, nêhiyaw-iskwêw.
  91. Lembre-se sempre de manter a cabeça
    erguida, não se envergonhe e
  92. sempre aceite você por quem você é,
  93. e honre os dons que trouxe consigo
  94. e bem-vinda à vida adulta. Bem-vinda.
  95. É realmente uma bênção e uma honra te ter
  96. como uma jovem nêhiyaw-iskwêw,
  97. Uma jovem mulher nêhiyaw. Bem-vinda.
  98. [Crianças conversando]
  99. [Lorraine Cardinal] De certa forma,
    de certa maneira --
  100. o medo foi incutido em nós,
    como indígenas.
  101. Vergonha foi incutida em nós,
    como indígenas.
  102. O que nossas crianças experienciam
    aqui hoje
  103. as ensina como elas são sagradas,
    como elas são importantes,
  104. como elas são belas,
  105. e que essa beleza não é só física.
  106. Que elas são belas também espiritualmente.
  107. Tudo o que precisamos fazer
    é acreditar nelas,
  108. amá-las, e dizer a elas
    que são importantes.
  109. Elas vão passar a se sentir
    bem consigo mesmas.
  110. Eu tenho orgulho delas. Seus espíritos
    seguem vivos e bem.
  111. O que você vê sendo o caminho a seguir
  112. para que os jovens da
    comunidade não apenas
  113. possam entender o idioma e sua
    relação com a espiritualidade,
  114. e sua relação com a terra e entre um ao
    outro e com eles mesmos,
  115. mas para que também o falem?
  116. Como você se sente sobre --
  117. sobre o futuro do idioma com essas
    gerações que estão por vir?
  118. Temos que acreditar em nós mesmos
    para conseguir realizar isso, --
  119. e precisamos traçar nosso objetivo.
  120. E se este for revitalizar o idioma,
    então vamos fazê-lo.
  121. Como aprendemos Cree?
  122. Nós aprendemos estando em torno
    das pessoas mais velhas,
  123. visitando uns aos outros e --
  124. com nossos pais falando conosco, sabe?
  125. Para podermos resgatá-lo.
  126. Só precisamos fazer isso.
  127. John Bigstone é um ancião Wabasca
  128. com um vasto conhecimento
    espiritual e cerimonial
  129. Ele me convidou para a terreno onde
    realiza cerimônias da Tenda do Suor
  130. para compartilhar ensinamentos sobre o
    espírito em nossos idiomas.
  131. [Música]
  132. [Inspira profundamente]
  133. Limpa sua mente quando
    você inspira este incenso.
  134. A língua inglesa é inadequada --
  135. se você for descrever o espírito
  136. qualquer coisa espiritual.
  137. É inadequada.
  138. Eles nomearam de acordo
    com a conexão deles
  139. com aquela planta
  140. porque eles falavam com o planta,
    eles tiveram uma conexão.
  141. Eles tiveram uma conexão ao todo da vida.
  142. Eles entenderam o seu ambiente.
  143. Eles entenderam que tudo estava vivo, --
  144. E que o seu espírito está conectado
    àquele espírito da mãe natureza
  145. e tudo que cresce em seu corpo.
  146. Antes do contato, tudo era descrito
    de uma maneira mais espiritual.
  147. Mîtos você sabe,
    tem um siginificado espiritual.
  148. Sihta como no siginificado espiritual.
    Esse é o choupo e o abeto.
  149. Eu gaguejo ao voltar à língua
  150. onde nossas famílias tem tido
    essas interrupções --
  151. do sistema escolar residencial,
    the “Sixties Scoop”
  152. Eu estou curioso sobre quais são seus
    pensamentos
  153. sobre nós, que temos esse sangue
  154. e os quais os ancestrais
    falaram a língua
  155. e se você pensa que nós temos isso
    dentro de nós
  156. somente esperando para sair, --
  157. essa memória óssea ou sanguínea
    da língua.
  158. Sim, está no nosso DNA.
  159. Já está programado nele.
  160. Você só tem que
    despertar essa programação.
  161. É por isso que você está aqui, entende?
  162. É essa programação
    e o seu guia espiritual.
  163. Você tem que lembrar que há
    um aspecto espiritual nisso.
  164. Você nunca está só.
    Você nunca anda só.
  165. Seus ancestrais,
  166. seus ancentrais Cree,
    caminham com você.
  167. Eles são atribuídos a você
    para guiá-lo aonde você precisa estar.
  168. Essa é a beleza
    da compreensão do espírito.
  169. Acontece em espírito.
  170. Nós somos o resultado do espírito em ação.
  171. Nos tornamos material.
  172. Esse é um ensino mais profundo.
  173. Mas a realidade é, todos nós
    temos guias espirituais ao nosso redor.
  174. Eu estava em um caminho perdido
    antes de encontrar meu primeiro lodge.
  175. E é interessante pensar nessas
  176. modalidades europeias ou
    maneiras acadêmicas de descrever
  177. como as coisas estão funcionando.
  178. E a maneira como
    eu explico isso para as pessoas é --
  179. Eu não sei como está funcionando.
    Eu só sei que está funcionando para mim.
  180. E não é algo que eu estou tentando
    descobrir aqui,
  181. eu simplesmente sei que está funcionando
    aqui embaixo.
  182. E eu acredito que isso conectou
    meu coração e meu espírito
  183. em maneiras que não estavam
    acontecendo antes.
  184. Quando eu faço uma oração
    na reunião social,
  185. eu faço em Cree
  186. porque é insulto ao meus ancestrais
    eu rezar em inglês
  187. É aquilo que me oprimiu quando criança.
  188. Eu não posso fazer isso.
  189. Eu tenho que falar e rezar em Cree.
  190. É isso que eu faço e explico,
    sabe, o por quê.
  191. Porque eu não estou rezando para
    as pessoas.
  192. Eu estou rezando para os espíritos
    que estão me guiando.
  193. Eles não têm entender o que
    eu estou dizendo,
  194. porque enquanto um espírito ouvir,
    o espírito virá.
  195. E eles entendem a minha língua,
    a língua Cree.
  196. Uma vez que eu me identifico, eles dizem:
  197. "Huh, nosso neto está orando.
    Vamos lhe dar nosso apoio"
  198. Essa é a beleza da nossa língua.
  199. O que aconteceu à nossa língua --
  200. vem do tempo do
    sistema residencial escolar,
  201. a primeira vez que ele foi introduzido, --
  202. não somente ao Cree,
    mas à muitas tribos do sul.
  203. Quando eles levaram as crianças, --
  204. eles levaram as crianças para longe
    da terra, --
  205. da língua, dos seus ancestrais,
  206. de seus avôs, de suas avós,
  207. de seus professores, seus pais,
    suas tias e tios.
  208. Foi então que a separação aconteceu.
  209. Eles quebraram a conexão.
  210. Então quando eles nos levaram, --
  211. eles cortaram a conexão
    que tínhamos com todas essas coisas.
  212. Nos foi ensinado uma maneira estrangeira
    de pensar.
  213. Eu fui programado enquanto criança.
  214. Agora, eu tenho que me desprogramar.
    Às vezes referido como descolonização,
  215. já que eles nos deram uma mentalidade
    colonizada.
  216. E isso simplesmente não se encaixava
    no nosso paradigma,
  217. como víamos nosso lugar na criação.
  218. Em algum momento,
    alguém precisa despertar.
  219. Um dia, você tem que dizer:
    "Ei, tem algo errado aqui."
  220. Este é a hora.
  221. É por isso que estamos aqui.
  222. Para acordar as pessoas.
  223. Para acordar nós mesmos.
  224. Ainda ser a luz guia, sabe.
  225. Existe um jeito diferente.
  226. Então, é sobre conexão.
  227. Isso é o que foi cortado
  228. no tempo do sistema residencial escolar.
  229. Nós perdemos a nossa conexão ao espírito.
  230. Substituiu o criador fora de nós,
    ao invés de aqui dentro.
  231. Estamos tentando remendar essa fenda
  232. É isso que você está fazendo.
  233. Essa fenda que foi travada;
  234. você é o ponto que está trazendo essas
    duas visões do mundo --
  235. mas para onde elas começaram e
    respeitando o nosso jeito
  236. o jeito Cree.
  237. Quando você tem amor, quando você
    sente amor --
  238. e alguém te diz algo que o seu espírito
    está buscando ouvir,
  239. como, "Bem-vindo à casa."
  240. Onde você sente isso?
  241. Bem aqui.
    Você está conectando.
  242. Você sempre terá esse sentimento de
    pertencimento --
  243. porque você veio para casa. É isso.
  244. Então uma vez que você
    vem para casa,
  245. você sabe para onde vir
  246. na próxima vez que você estiver aí,
    vagando,
  247. Você tem uma conexão lá.
  248. Você já fez algumas conexões aqui.
  249. Você não está mais desconectado.
  250. Saí de minha conversa
    com John sentindo que pertenço
  251. de uma maneira que eu nunca havia
    sentido antes.
  252. Foi uma experiência poderosa e incrível
  253. que fez com que me sentisse mais
    conectado ao meu espírito.
  254. Me conte novamente, a história da
    sua família com Wabasca.
  255. Minha mãe cresceu lá, meu pai,
    em Grouard, --
  256. algumas horas de distância,
  257. e ela não queria me criar na reserva.
  258. Então, assim que souberam sobre
    mim, eles se mudaram.
  259. Quando nos mudamos para Edmonton.
  260. Foi durante a adolescência
    e a vida adulta
  261. que a reconexão
    realmente teve início,
  262. Comecei a ir mais vezes para casa.
  263. Antes disso apenas visitava, como,
    feriados, algumas vezes por ano.
  264. Dusty Legrand é o criador
    da marca Mobilize Waskawēwin.
  265. Ao usar o antigo sistema silábico
    de escrita Cree em seus designs,
  266. está tornando a língua visível
    para a nova geração.
  267. Sim, então, esse é o --
  268. - ele tem o --
    - Ah sim,
  269. as diferentes línguas,
    tribos do norte.
  270. Sim, conta a história de --
  271. um monte de gente.
    E foi muito especial de ouvir, como,
  272. o feedback de diferentes pessoas
    nunca haviam visto
  273. a sua nação representada em uma
    camiseta,
  274. para algumas pessoas
    essa foi a primeira vez.
  275. Eles ficam tipo: "Estou comprando
    isso só porque nunca tinha visto
  276. minha nação representada."
  277. Sim, aí eu coloco revolução no braço
  278. só para deixá-los cientes do que
    está rolando
  279. [Risos]
  280. Eu sempre quis criar uma marca de roupa
  281. e ser capaz de criar algo capaz de
    empoderar os jovens indígenas
  282. e educá-los sobre a história indígena,
  283. o futuro, os valores
    e o que significa ser indígena.
  284. Mobilize foi uma maneira
    de dar voz aos que não tem.
  285. Eu pude dar voz aos jovens.
  286. Fazer isso de um jeito diferente
    do que eu tenho visto ser feito, --
  287. isso foi muito importante para mim.
  288. Fazer isso completamente diferente,
  289. para representar as pessoas descoladas,
  290. as pessoas diferentes,
  291. para representar todos que são
    rejeitados assim
  292. e especialmente como povo indígena,
  293. isso foi feito conosco.
  294. Ok.
  295. Então, esse é o primeiro desenho dessa
    camiseta,
  296. então, muita coisa,
    tipo as peças virão,
  297. e virão em certos momentos,
    quando estou dirigindo,
  298. quando estou escutando
    certas coisas.
  299. E virão e se não escrevê-las da
    maneira como deve ser,
  300. a ideia não vai ficar.
  301. Eu quero tentar abranger todo o Canadá
  302. e vou tentar alcançar tantos
    quanto eu puder.
  303. Então para mim isso precisou de
    muito estudo,
  304. muita pesquisa para ver
    o quão ao leste eu poderia ir
  305. e ver quais nações estão lá.
  306. E é isso que eu acho especial
    sobre a língua.
  307. É que as histórias, o propósito,
    e tudo existe dentro da língua.
  308. É uma espécie de lugar
    onde isso está trancado
  309. E permanece assim, e embora
  310. a assimilação tenha tirado muito da
  311. nossa conexão com a comunidade,
  312. nossas cerimônias, nossa práticas.
  313. A língua manteve isso tudo.
  314. Como você tem a palavra Cree?
  315. Bem, a palavra Cree está
    na parte de trás desta aqui
  316. Ok.
  317. Então, eu apenas mantenho como Mobilize
    na versão em inglês
  318. e depois Waskawēwin,
  319. que é a palavra Cree
    para movimento,
  320. e é o elemento Cree que vem.
  321. Mobilize não tinha tradução.
  322. Mas eu também não queria
    apenas traduzir Mobilize,
  323. eu queria usar movement
    (movimento) como a palavra.
  324. Então uma coisa que eu gostei
    muito sobre a palavra waskawēwin
  325. foi a presença dos
    símbolos triangulares.
  326. e para mim eles representaram,
    como dois tipis
  327. e representaram, tipo
    a tribo desta maneira.
  328. Sendo parte da classe de Reuben
    foi muito especial entender
  329. os fundamentos e aprender
    a história da tabela de estrela.
  330. e aprender a história
    das silábicas.
  331. Isso, foi como aprender
    a história indígena
  332. através do mecanismo do espírito.
  333. Isto foi muito especial.
  334. Ele quase leva você de volta
    e te conta as histórias.
  335. do significado dos números
    das orientações do avô,
  336. as orientações da avó.
  337. Isso, înîw.
  338. E o que isto significa, înîw?
  339. É uma palavra desmoronada.
  340. Iyiniw na verdade é como se diz.
  341. No meu entendimento -
  342. fala um pouco sobre colonização -
  343. e ocupação de terras,
    as terras dos povos originais; -
  344. no meu entender,
    a primeira coisa a fazer é
  345. você precisa se livrar
    da divindade das pessoas, o nome
  346. e substituir pela sua
    quando se coloniza um povo.
  347. Assim nosso rebatizado para
    o povo Néhiyaw foi aîs
  348. e temos um paradigma diferente
    em relação ao dogma.
  349. Vocês são aîs, eu sou aîs,
  350. então um diminuitivo de aî,
  351. então aîsînîw.
  352. Mas esta é um versão
    desmoronada
  353. Uau, 3D.
  354. Iskotew.
  355. Iskotew.
  356. Fantástico.
  357. Assim temos um relacionamento com a terra,
  358. e este relacionamento é que nos
    relacionamos com ela como mãe.
  359. Então quando ela nos traz
    estes povos diferentes -
  360. as pessoas das plantas, os diferentes,
  361. é o sâkipakâw chegando
    saindo das árvores, da grama.
  362. E aí ela está nos mostrando o que
    é o amor.
  363. É prático.
  364. Aí ela vai nos dar tudo isso.
  365. Seremos nutridos por ela.
  366. Os dentes de leão em algum lugar
    e gramas diferentes.
  367. As pessoas de quatro patas irão
    comer a partir disso.
  368. Nós, por sua vez, teremos nosso
    sustento das pessoas de 4 patas.
  369. mas ela nos dá tudo isso,
    nos mostrando este amor.
  370. Agora, sâki é o morfema desta
    palavra.
  371. E se eu fosse dizer para você,
    "Eu te amo," eu diria ki-sākihitin.
  372. Algumas pessoas dizem ki-sāki-itin,
  373. e eu digo ki-sākihitin.
  374. Foi assim que me ensinaram: ki-sākihitin.
  375. Eu te amo ou você é amado
    por mim.
  376. Então esta é uma palavra a aprender
    para dizer aos seus amados.
  377. Esta é uma das únicas palavras
    que eu sei dizer à minha parceira.
  378. (Risos)
  379. Isso. e veja como
    está desabrochando.
  380. Vai começar a desabrochar.
  381. Vai continuar a crescer e então
    vai passar por seu ciclo, -
  382. bem como vamos entrar em
    um relacionamento com outros.
  383. Isto realmente salta aos olhos para mim,
  384. quando vim aqui no verão
    como um lugar especial.
  385. Não só a peça da Amy,
    mas outras artes
  386. e fica pendurado sobre o rio.
  387. Quando você começou a aprender
  388. sobre as silábicas e o
    sistema de marcar espíritos?
  389. Quando fomos liberados
    da escola residencial,
  390. provavelmente 1970 ou 1971,
    não me lembro
  391. Eu era tão jovem.
  392. e as falecidas Rosana Hole e
    a Caroline Hunter entravam
  393. e nos ensinavam sobre eles,
    eu e meus colegas.
  394. Foi aí que comecei a aprender
    o sistema que conheço hoje.
  395. E ficou tão simples
    para que eu aprendesse -
  396. que eu passei para frente
    da maneira como me ensinaram,
  397. e eu garanto que as pessoas
    irão dominar
  398. este .sistema de escrita.
  399. Eu sempre digo aos
    que vem aprender,
  400. "Pegue a sua folha e vá para
    o centro."
  401. Eu digo a eles, 1'É aí que
    vamos começar."
  402. porque costumamos escrever
    do alto para a direita,
  403. da esquerda para a direita,
    esquerda para a direita.
  404. Mas neste, -
  405. você vai do centro
    e começa de dentro.
  406. Então ali está o centro.
  407. Eu vou para a esquerda do centro
    e escrevo a primeira, -
  408. e é esta aqui.
  409. Esta é um língua fonética.
  410. Portanto esta diz ah.
  411. E também é o som.
  412. O primeiro som que as pessoas fazem -
  413. quando estão orando e louvando.
  414. Eles vão dizer algo como,
  415. "â-kisemanito".
    Vão descrever este ser supremo -
  416. e o nome do ser supremo -
    é parte disto também. Ā,
  417. Ā alguém entáo dirá
  418. "Â-Mâmaw-ôhtâwîmâw",
    decrevendo novamente
  419. Irão encantar-se
    a este ser supremo
  420. ao chamar este ser supremo
    de pai de todos.
  421. "Â-Mâmaw-ôhtâwîmâw".
  422. Então eu digo, ah-hay" em
    reconhecimento.
  423. Existe você, eu e o ser supremo.
  424. [Eli] "Ay-hay".
    [Reuben] "Ay-hay".
  425. Muitas pessoas dizem, "hi-hi"
  426. - Foi isto que eu aprendi.
    -Isto é provavelmente --
  427. como você ouviu um pouco.
  428. Então este quase diz, "â",
    este aqui diz "pa"
  429. Há este "pah-pe"
  430. E assim vai: "â", "pa", "ta", "la".
  431. e há quatro delas, como eu disse,
    indo para o leste.
  432. Mi", "ni", "yi", "si", "ki", "ji", "ri".
  433. Ehá sete delas, como eu disse,
    Há sete placas tectônicas -
  434. indo na direção sul,
    está o mesmo som de vogal.
  435. E depois para o sudoeste, há
    o que eu gosto
  436. de chamar de anomalia.
  437. é um som de vogal e.
  438. "Me", "ke", "ne", -
  439. "ye"
  440. "se", "je", "re".
  441. Um som de vogal "o".
  442. E obrigado, Dra. Jean por
    me corrigir neste,
  443. eu costumava fazer "oh",
    emprestando do inglês.
  444. Ela disse que, "O não é ooh?"
  445. e eu disse, "Hei certo, está certo."
    "O", "wo", "po", "to", "lo".
  446. E então ficam menores -
  447. e estes são muito menores
    que os grandes,
  448. marcadores de espírito grandes,
  449. pequenos marcadores
    de espírito aqui.
  450. Para completar --
  451. o que a Dra, Marilyn Shirt
    chamou de tabela estrela.
  452. Sobre a qual eu já falei, -
  453. "Ki-sâ-kih-itin", --
  454. isto é, "Você é amado por mim ou
    Eu te amo."
  455. Kisâkihitin.
  456. Sim, "Ki" - "Kisâkihitin".
  457. Então este é o sistema
    de escrita aqui.
  458. Minha esperança é de ajudar
    a incutir orgulho naqueles --
  459. para aqueles jovens --
  460. porque este é um país racista --
  461. e ele nasceu do racismo.
  462. E é claro que o racismo
    desconecta as pessoas.
  463. Isto nos conecta.
  464. E todos têm acesso, --
  465. seja qual for a etnia deles.
  466. Tudo faz sentido para todos.
  467. Pode fazer sentido para todos
  468. e podemos começar a nos conectar.
  469. O que nos ensinaram
    nas escolas residenciais
  470. foi que tínhamos menos valor
    que os europeus.
  471. E este nos ensina que:
    "Pahpeyakwan iyikohk".
  472. Todos nós temos as mesmas
    medidas como humanidade.
  473. O nosso DNA diz que somos
    todos iguais.
  474. Quero agradecer muito por
    poder compartilhar isto porque --
  475. posso ver o brilho e
    a sofisticação --
  476. da maneira como mostrou
    e explicou,
  477. e isto desperta o meu interesse.
  478. Me faz querer morar aqui para
    poder assistir uma de suas aulas.
  479. - [Reuben] Isso.
  480. Muito obrigado por compartilhar.
  481. É uma honra e um privilégio.
  482. ♪[Música]♪