Portuguese, Brazilian sottotitoli

← POR QUE ESTAMOS AQUI? A verdade assustadora por trás da História Original da Bíblia. Documentário Completo

Ottieni il codice di inserimento
7 Lingue

Mostrare Revisione 9 creata 03/26/2021 da Tatiana Martins.

  1. [som de estática]
  2. [música de mistério]
  3. As opiniões expressas pelos indivíduos
    neste programa não refletem
  4. necessariamente as da rede
    ou de suas afiliadas.
  5. Eu fui pastor por mais de 30 anos.
    Estudei e ensinei pelo
  6. o Livro do Gênesis muitas vezes em igrejas
    em todo o mundo
  7. e treinei pastores na interpretação
    dos textos
  8. e é muito claro que não se tratam de
    histórias sobre deuses.
  9. São histórias sobre os poderosos na
    Bíblia.
  10. E o pPovo do Céu, os Anunnaki, e as tábuas
    sumérias
  11. [som de estática]
  12. (Narrador) Em 1896 o proeminente estudioso
    Nathaniel Schmidt
  13. foi demitido de seu cargo como professor
    de línguas semíticas
  14. na Universidade Colgate
  15. Por 11 anos, esta universidade americana
    apreciou a erudição
  16. e as Línguas Semíticas de
    Nathaniel Schmidt.
  17. Ele ministrou diversos cursos em hebraico,
    aramaico, copta, árabe, siríaco
  18. além de outras línguas antigas
  19. Na verdade, Schmidt foi um dos maiores
    estudiosos do assunto na América.
  20. Então por que, depois de 11 anos de
    realizações excepcionais
  21. ele foi acusado de heresia,
  22. e demitido de seu cargo em 1896?
  23. Apesar de ser cristão devoto
    e pastor batista
  24. as autoridades consideraram que seus
    recentes
  25. estudos teológicos abalavam as raízes
  26. de duas religiões mundiais:
  27. o Cristianismo e o Judaísmo.
  28. O erro que Nathaniel Schmidt cometeu
  29. foi ler os textos Sumério, Babilônio
  30. e Assírio e notar que estavam repletos
  31. de paralelos fascinantes.
    As histórias relatadas eram
  32. excepcionalmente parecidas com todas
    às histórias da criação
  33. da Bíblia.
  34. Histórias como a Adão e Eva,
  35. da Queda, Caim e Abel
  36. o Dilúvio, a limitação do tempo
    da vida humana,
  37. o caso da Torre de Babel,
  38. e o trabalho de Schmidt demonstrou que
  39. os relatos sumérios
  40. e os que se seguiram,
    há quase 6.000 anos atrás
  41. eram, provavelmente, a fonte para
    todas as conhecidas
  42. histórias bíblicas.
  43. E isso era um problema na época
  44. porque se pensarmos no assunto
  45. A Igreja ainda estava lidando
    com os efeitos de
  46. (Paul) 'A Origem das Espécies' de
    Charles Darwin
  47. e estava ocupada preparando
  48. novas bases doutrinárias
  49. e novas doutrinas de
    infalibilidade bíblica
  50. para escorar o navio.
  51. Então a ideia de que a Bíblia poderia
  52. na verdade ser baseada nas histórias
    de outras pessoas
  53. era meio embaraçoso.
  54. Não deveria ser
  55. já que o Judaísmo e o Cristianismo
  56. têm suas raízes
  57. na história de uma família Suméria.
  58. A família de Abraão e Sarah.
  59. Abraão e Sarah cresceram e passaram
  60. a melhor parte de suas vidas em
    Ur dos Caldeus
  61. Uma cultura Suméria.
  62. Então quando emigraram de lá
  63. não é nenhuma surpresa que tenham
    levado consigo
  64. (Paul) as histórias da Criação
  65. com as quais cresceram
  66. e assentá-las nas fundações
  67. do que se tornaria
  68. a sua cultura,
  69. sua religião
  70. e sua Bíblia.
  71. Então, não deveria ser surpresa que
    na Bíblia
  72. tenhamos uma versão resumida de todas
    essas histórias
  73. que temperam os textos sumérios,
    babilônios e assírios.
  74. O problema e o escândalo
  75. é que os textos originais,
  76. as versões sumérias dessas histórias não
    fazem nenhuma menção a Deus.
  77. Nos originais sumérios essas são histórias
  78. do contato de nossos ancestrais com
    outra espécie.
  79. Uma espécie chamada Anunnaki.
  80. (Narrador) Poderiam as conhecidas
    histórias judaicas
  81. e cristãs sobre Deus
  82. ser realmente uma releitura do contato de
    nossos ancestrais
  83. com extraterrestres?
  84. As tábuas cuneiformes que fascinaram
    Nathaniel Schmidt
  85. Foram desenterradas nos anos de 1500
  86. quando os colonizadores começaram
    a escavar
  87. os antigos sítios da Mesopotâmia
  88. Nas décadas seguintes
  89. cerca de 200.000 tábuas de argila
    foram descobertas.
  90. As tábuas eram adornadas com
    gravuras desconhecidas, ou glifos,
  91. feitos enquanto a argila estava macia.
  92. Os estudiosos da época estavam divididos
    quanto ao significado dessas marcas.
  93. Alguns acreditavam que os glifos eram uma
    língua escrita desconhecida
  94. enquanto outros se recusavam a
    acreditar nisso
  95. já que as tábuas pareciam anteceder
    qualquer língua conhecida
  96. Eles presumiram que as marcas não passavam
    de elementos decorativos
  97. Então as tábuas foram arquivadas
  98. e seus segredos foram trancados
    por 3 séculos
  99. Até que em 1835
  100. Henry Rawlinson chegou ao sudoeste do Irã.
  101. Rawlinson era um militar empregado na
    Companhia das Índias Orientais
  102. e estava no Irã ajudando o Xá
    a treinar suas tropas.
  103. Vale a pena pausar um momento porque
  104. se você pensou que empresas rivalizando
    com estados-nação
  105. eram uma coisa nova
  106. dê uma olhada na
    Companhia das Índias Orientais
  107. Uma empresa de chá que pode mover
    um exército permanente ao redor do mundo
  108. e treina os exércitos de estados-nação
  109. não é uma empresa qualquer.
  110. Na verdade, a presença de Rawlinson no Irã
  111. não era parte de uma contrapartida
    por direitos comerciais.
  112. Ele estava lá para ter acesso ao distrito
    de Behistun.
  113. Ele queria encontrar a
    Inscrição de Behistun.
  114. (Narrador) A Inscrição de Behistun era
    uma antiga proclamação real
  115. talhada na face um penhasco.
  116. Foi escrita em 3 idiomas conhecidos:
    persa, elamita e acadiano
  117. que era a língua comum das
    culturas mesopotâmicas.
  118. A Inscrição expressava todas as 3 línguas
    em escrita cuneiforme.
  119. Era a chave para a tradução das tábuas
    cuneiformes que se esperava.
  120. As memórias das antigas culturas
    mesopotâmicas
  121. se tornaram um livro aberto.
  122. Os glifos não eram
    meras decorações, afinal.
  123. Eram registros bancários, acordos
    comerciais, listas de compras,
  124. contratos, receitas, inventários,
    histórias da realeza
  125. e a narrativa mais antiga da
    história do mundo.
  126. Foi nestas narrativas ancestrais
  127. que a fonte das histórias da Bíblia
    começou e emergir.
  128. Em um nível acadêmico, Nathaniel Schmidt
    estava em boa companhia.
  129. Ele foi um dos poucos que começou
    a nos confrontar
  130. com essa nova camada da nossa História.
  131. Devo mencionar que logo depois de ser
    demitido pela Universidade Colgate
  132. ele conseguiu um novo emprego
    na Universidade Cornell
  133. e lá ele foi professor de línguas
    semíticas por 36 anos.
  134. Então ele ficou bem.
  135. Seu trabalho continuou argumentando que
    os textos cuneiformes revelavam
  136. que nossas histórias mais antigas não são
    sobre Deus,
  137. elas são sobre um contato pré-histórico
    com os Anunnaki.
  138. No século 20, o escritor Zecharia Sitchin
  139. começou a se debruçar sobre
    os textos cuneiformes.
  140. Ele destacou as claras implicações, nas
    histórias sumérias,de que os
  141. Anunnaki eram uma espécie extraterrestre
    avançada e poderosa.
  142. Sua chegada à Terra os pôs imediatamente
    no topo da cadeia alimentar terrestre.
  143. Para criar uma força de trabalho local,
    os Anunnaki usaram sequências
  144. de seu próprio código genético para
    hibridar um ancestral primata
  145. em humano.
  146. Pronto para prestar serviço a seus
    Mestres Anunnaki.
  147. Sitchin argumentou que a palavra Anunnaki
    significa:
  148. 'Aqueles que vieram do céu para a Terra'.
  149. Frase que deixou clara sua
    origem extraterrestre.
  150. Zecharia Sitchin não era um acadêmico.
    Não era PhD ou professor,
  151. ele era formado pela London School of
    Economics e trabalhou no comércio.
  152. A LSE, devo dizer, é uma instituição
    muito venerável.
  153. Ele escreveu em um nível popular,
  154. digamos que para um público geral,
  155. e não com o tipo de referências
    e notas de rodapé
  156. que se pode esperar em um tom acadêmico.
  157. E críticos acadêmicos não gostam disso.
    Eles consideram fraco.
  158. Alguns podem ter encontrado erros ou
    achado seu trabalho tendencioso
  159. e isso foi um pretexto para
    desconsiderar sua contribuição,
  160. que é importante.
  161. Alguns escritores rejeitam a tradução
    de Sitchin para 'Anunnaki'.
  162. Eles argumentam que a palavra é usada com
  163. o simples significado de
    'Nobreza' ou 'Realeza"
  164. 'Os governantes'.
  165. Eu não estou convencido disso.
  166. Não é que não seja verdade, mas é uma
    visão muito parcial,
  167. é uma explicação muito preguiçosa.
  168. Não traz questionamentos o suficiente.
  169. Quem eram os governantes identificados
    por essa palavra?
  170. Por que esta palavra está associada aos
    governantes?
  171. Se olharmos para a etimologia da palavra,
    para suas raízes, suas partes
  172. temos 'anu', que significa 'céus',
    'ki', que significa 'Terra'
  173. 'Anunnaki'=aqueles que vieram
    dos céus para a Terra.
  174. Dá pra acompanhar a lógica.
  175. Mas mesmo que não houvesse essa
    narrativa implícita na palavra em si
  176. assim que lemos os textos cuneiformes
    as próprias histórias revelam
  177. que era exatamente isso o que acontecia.
  178. E o glifo que usavam para indicar os
    governantes que vinham dos céus,
  179. no começo da história,
  180. este glifo simplesmente aponta para o céu.
  181. Então estes Anunnaki vieram dos céus,
  182. são o Povo do Céu.
  183. [música de mistério]
  184. (Narrador) Muitas mitologias antigas
    alegam que o governo sobre
  185. a sociedade humana teve início com
    o domínio dos seres humanos
  186. estabelecido por seres superiores,
    ou 'deuses'.
  187. Mais adiante o comando foi passado a
    governantes humanos, ou Reis.
  188. A mitologia egípcia traz essa narrativa.
  189. Da mesma forma, a Bíblia fala do Rei Saul,
    como o primeiro rei humano do povo de Deus
  190. Os textos sumérios também falam sobre seu
    primeiro rei humano
  191. Gilgamesh
  192. Para ser mais preciso, Gilgamesh é
    um rei de transição,
  193. um híbrido de humano e Anunnaki.
  194. Seu nome aparece em um dos mais famosos
    artefatos mesopotâmicos
  195. A Lista dos Reis da Suméria.
  196. Entre listas de compras, acordos legais,
    contratos e todas as outras tábuas
  197. há o que, à primeira vista, parece ser um
    registro ressecado
  198. de uma sucessão de reis da Suméria.
  199. Os registros mais recentes dão conta de
    reinados variando de 6 a 36 anos.
  200. Quando olhamos para o início
    da linha do tempo,
  201. a listagem dos reis começa com
    uma informação estranha,
  202. de repente, vemos uma dinastia que
    durou por 24.510 anos,
  203. 3 meses e 3 dias e meio.
  204. Esta precisão certamente condiz com a
    cultura suméria
  205. já que foi ela que nos trouxe 360°
    em um círculo,
  206. 60 segundos em um minuto
  207. 60 minutos em uma hora.
  208. A precisão não nos surpreende.
  209. O estranho é que esta dinastia de
    24.510 anos,
  210. 3 meses e 3 dias e meio
  211. foi dividida por não mais do que 23 reis.
  212. Isso dá um reinado médio de mais de mil
    anos para cada um.
  213. E não é apenas uma.
    A dinastia que terminou com o dilúvio
  214. durou por 241.000 anos
    divididos entre apenas 8 reis,
  215. o que dá um reinado médio de mais
    de 30 mil anos!
  216. Alguns tentaram interpretar as datas
    simbolicamente,
  217. ou interpretaram que eles usavam medidas
    de tempo diferentes,
  218. mas essa explicação não funciona quando
    temos um registro ininterrupto
  219. de reinados que duravam de 6 a 36 anos
    e outros que duraram por 36 mil anos
  220. todos no mesma unidade de tempo,
    todos na mesma narrativa.
  221. A narrativa começa com reis não-humanos
    que depois entregam o poder aos humanos
  222. Esta elasticidade na duração das dinastias
  223. é mais uma sugestão de que os reis
    não humanos são
  224. muito diferentes dos humanos.
  225. É como comparar o tempo de vida
    de uma pessoa
  226. com o tempo de vida de uma formiga.
  227. [música de mistério]
  228. (Narrador) A lista não é a única evidência
    que aponta para a hipótese extraterrestre
  229. A versão suméria da Torre de Babel fala
    sobre 50 técnicos
  230. que empregam uma tecnologia misteriosa
    para enviar 300 observadores
  231. a suas estações nas estrelas.
  232. Se observada junto ao relato no Gênesis,
    as duas narrativas se confirmam
  233. e fornecem uma visão nítida de que
  234. Babel era um portal estelar
  235. que permitia aos observadores ter acesso
    rápido a estações espaciais.
  236. O que me levou a este campo de pesquisa
  237. foi uma palavra atípica no
    Livro do Gênesis.
  238. Eu fui pastor por mais de 30 anos,
  239. estudei e ensinei pelo Livro do Gênesis
    muitas vezes em igrejas por todo o mundo
  240. e treinei pastores na interpretação
    dos textos.
  241. Então há tempos eu já sabia
    sobre essa palavra atípica.
  242. Finalmente eu me permiti sentar e
    me aprofundar no assunto.
  243. O Gênesis usa duas palavras para Deus:
  244. uma é Elohim e a outra é Yahweh,
    ou Jeová.
  245. Yahweh é o nome sagrado revelado a Moisés
    séculos ou milênios
  246. depois as ações descritas nas histórias
    da Criação.
  247. Então o fato do nome Yahweh aparecer
    nessas histórias mais antigas
  248. é um indício de que não estamos lendo
    a versão original destas histórias.
  249. As histórias foram recontadas por alguém
    depois do tempo de Moisés.
  250. É consenso entre os estudiosos da Bíblia
    que a versão atual do Antigo Testamento,
  251. as escrituras hebraicas,
  252. foi editada ou cortada por volta do século
    6º antes da era comum
  253. e o editor, ao inserir o nome Yahweh
    nestas histórias mais antigas,
  254. as histórias que Abraão e Sarah trouxeram
    consigo,
  255. estava dizendo aos leitores para
    considerá-las como histórias divinas.
  256. Ao usar o nome mais recente, ele também
    diz ao leitor
  257. que esta não é a versão original.
  258. Originalmente, estas eram histórias sobre
    Elohim.
  259. A palavra 'Elohim' é muito interessante
    porque é uma palavra no plural,
  260. geralmente se comporta como um plural
  261. "Façamos". "Façamos que os humanos tenham
    a Nossa aparência"
  262. "Não queremos que eles se pareçam demais
    Conosco" etc
  263. A palavra 'Elohim' também admite
    verbos no plural.
  264. Ás vezes é traduzida como 'Deus'
  265. mas em outros lugares é traduzida como
    'falsos deuses', ou demônios,
  266. ou anjos, ou caciques, ou proprietários
    de terra,
  267. qual a razão dessa elasticidade enorme
    no significado da palavra?
  268. Mais uma vez, temos que nos voltar para
    as raízes da palavra
  269. e nos perguntar por que ela é usada
    desta forma
  270. e por que ela se comporta como um plural.
  271. Quando olhamos para seus componentes,
    a palavra 'Elohim' significa 'Os Poderes'
  272. ou 'Os Poderosos'.
  273. Quando se lê o Gênesis traduzindo desta
    forma, o textos mudam
  274. e passam a se alinhar aos textos sumérios.
  275. Um a um, eles confirmam as histórias um
    do outro.
  276. E fica muito claro que não são histórias
    sobre deuses,
  277. são histórias sobre 'Os Poderosos'
    na Bíblia, e o Povo do Céu
  278. os Anunnaki das tábuas sumérias.
  279. (Narrador) Mas existe alguma evidência
    material de que uma presença
  280. não humana já habitou o planeta Terra?
  281. Pode-se argumentar, com razão, por que
    nunca encontramos
  282. restos mortais dos Anunnaki?
  283. Primeiro, eu observo que quanto mais
    escavamos sítios arqueológicos,
  284. maior é a diversidade de povos antigos
    que encontramos.
  285. Se pensarmos nos hobbits que encontramos
    na Indonésia,
  286. os chamamos de hobbits mas o nome correto
    é homo floresiensis.
  287. Ou os gigantes de Noble County,
  288. ou os gigantes de cabeça vermelha na
    América do Norte,
  289. ou os crânios alongados de Paracas.
  290. Há uma enorme gama de povos que estamos
    começando a descobrir
  291. conforme nos aprofundamos em
    nosso passado.
  292. Então, como saberíamos se achássemos
    um Anunnaki?
  293. Uma possibilidade óbvia é pelo
    teste de DNA.
  294. Se Gilgamesh foi realmente um híbrido de
    humano e Anunnaki,
  295. tudo o que temos que fazer é encontrar
    a tumba real e fazer o exame de DNA.
  296. Acredito que foi exatamente o que
    aconteceu no Iraque em 2003.
  297. Uma equipe entrou protegida por tropas
    americanas, no início
  298. da invasão do Iraque em 2003 e encontrou
    a tumba de Gilgamesh.
  299. Fassbinder falou com BBC e no site dele
    podemos ler tudo a esse respeito.
  300. A história oficial é que, depois de
    localizarem o provável local da tumba,
  301. dezesseis anos atrás,
  302. decidimos não investigar mais a fundo.
  303. Da mesma forma, em 1927, o arqueólogo
    britânico Leonard Wooley
  304. descobriu uma pessoa conhecida como
    Rainha Puabi
  305. Ela era uma líder suméria de alta classe
  306. que viveu por volta de 2.500 anos
    antes da era comum,
  307. e seus restos foram encontrados.
  308. Este é outro achado para o qual a
    tecnologia moderna nos dá
  309. a oportunidade de fazer um exame de DNA.
  310. Agora podemos testar a realeza suméria
  311. para confirmar se ela era
    inteiramente humana.
  312. O resultado?
  313. Aparentemente, decidimos não investigar
    mais a fundo.
  314. O que você pensa sobre isso?
  315. Você não iria querer saber?
  316. (Narrador) Mas por que uma espécie
    extraterrestre estaria interessada
  317. em governar uma população humana
    no Planeta Terra?
  318. Por que seres avançados de outro planeta
    teriam interesse em interferir
  319. na evolução humana e controlar
    a população?
  320. Por que ensinariam aos humanos primitivos
    a matemática, leitura,
  321. sistemas legais e bancários,
    contratos de admissão, dinheiro
  322. e mecanismos de precificação?
  323. E por que eles iriam embora depois?
  324. Me pergunto se nosso próprio comportamento
    como espécie, em nosso próprio planeta
  325. pode nos dar uma pista de como essa
    colonização pode ter sido.
  326. Quando nós colonizamos, invadimos à força,
  327. mostramos nossa superioridade e tomamos
    o poder.
  328. Nós fornecemos a polícia, o exército,
    a educação,
  329. nós fazemos o povo trabalhar e ficamos
    com todo o lucro e recursos naturais
  330. e desfrutamos de todos os benefícios de
    sentar no topo da árvore econômica,
  331. com uma presença visível e poderosa para
    manter o controle.
  332. (Paul) Mas depois de um tempo, podemos
    deixar o povo ter sua própria polícia,
  333. e suas próprias escolas.
  334. Deixar os locais se tornarem os advogados
    e banqueiros
  335. e ter um deles como governante
  336. desde que você tenha algum controle
    sobre o valor do dinheiro
  337. e desde que você estabeleça os preços das
    commodities e as taxas de câmbio,
  338. você não precisa mais manter uma
    presença visível
  339. aí você pode voltar pra casa,
    viver em outro país
  340. e ainda desfrutar dos benefícios de sentar
    no topo da árvore econômica.
  341. É o que fazemos. Foi assim com o
    Império Romano, o Espanhol
  342. o holandês, o português, o britânico,
    o americano. É o que fazemos.
  343. Seria possível que uma presença alienígena
    tenha colonizado o mundo,
  344. em nosso passado pré-histórico,
  345. de uma forma análoga a essa?
  346. Que outra espécie tenha vindo e vivido no
    Planeta Terra por um tempo,
  347. sentado no topo da árvore econômica e
    e desfrutado de todos os benefícios
  348. e depois tenha partido exatamente da
    mesma forma que descrevi?
  349. Imagino o quanto nós somos parecidos com
    os Anunnaki.
  350. E quanto ao que eles estavam procurando,
    poderiam ser minerais. Acredito que sim,
  351. há fortes evidências de minas
    pré-históricas no sul da África
  352. Poderiam ser minerais, sim.
  353. Mas poderia ser outra coisa, algo
    relacionado às propriedades do planeta.
  354. Pode ter sido algo relacionado a nós,
    nossa singularidade como Homo Sapiens.
  355. [música de mistério]
  356. (Narrador) Nossos ancestrais foram mesmo
    projetados como trabalhadores
  357. que labutavam para os colonizadores?
  358. Os Anunnaki estavam apenas interessados
    nos recursos do nosso planeta
  359. e friamente indiferentes ao progresso da
    raça humana?
  360. Outra narrativa ancestral fala das nossas
    origens humanas
  361. exatamente nos mesmos termos.
  362. Ainda assim, há outras vertentes desta
    história.
  363. A narrativa grego-babilônica sobre Oannes
    e os Apcalu
  364. fala de visitantes que ajudavam e educavam
    nossos ancestrais.
  365. A memória nativa americana relata a visita
    de seres interdimensionais
  366. e extraterrestres nutrindo o início
    da sociedade humana.
  367. A mitologia zulu fala de nosso ancestrais
    sendo nutridos por seres avançados.
  368. Será que os Anunnaki tinham uma motivação
    mais generosa
  369. para com sua força de trabalho humana?
  370. O meu livro "Escaping from Eden" argumenta
    que nossos textos antigos
  371. lembram de uma variedade de espécies que
    se chocaram contra nossos ancestrais
  372. e as histórias nas mitologias mundiais
    falam em conflitos de ideias,
  373. entre os visitantes, sobre o quão
    conscientes e inteligentes
  374. eles queriam que os humanos fossem.
  375. Certamente, há alguns planos bem frios
    em relação à humanidade
  376. que se desenrolam nas histórias da Criação
    do nosso mundo.
  377. A limitação do tempo da vida humana,
    uma inundação para matar todos,
  378. uma interferência neurológica para retirar
    nosso poder de fala
  379. e reduzir nossa inteligência,
  380. um bombardeio que destrói nossa
    engenharia e tecnologia,
  381. uma interferência neurológica para
    diminuir nossa percepção e cognição.
  382. Na versão suméria destas histórias, é o
    Anunnaki de alta classe Enlil
  383. qua atua para implementar essa
    agenda negativa
  384. que é hostil aos seres humanos.
  385. Mas existe um outro plano na
    comunidade Anunnaki.
  386. Há uma figura chamada Enki, que parece
    ser o líder do projeto terrestre,
  387. e ele está abaixo de Enlil e é descrito
    como sendo seu irmão.
  388. Então, na história suméria, a humanidade
    é pega no fogo cruzado
  389. do conflito entre esses seres misteriosos.
  390. Muitos de nossos mitos da Criação se
    iniciam com a reabilitação
  391. de um planeta inundado e devastado,
    envolto em escuridão.
  392. E esta chegada é uma interação positiva
    com esta outra espécie
  393. porque eles começam a cultivar
    a vida no planeta,
  394. eles cultivam a vida animal,
    eles cultivam a vida humana.
  395. E mais tarde, nos contos sumérios, é Enki,
    o encarregado do projeto terrestre,
  396. quem quer melhorar os seres humanos
    para ter uma vida mais prazerosa,
  397. melhor e mais consciente.
  398. E há uma disputa entre Enlil e Enki sobre
    se isso deveria acontecer.
  399. Enlil, o CEO, não quer isso,
    então Enki se rebela
  400. para conseguir esta melhoria para nós.
  401. Quando Enlil quer destruir o experimento
    humano através da devastação do planeta
  402. é Enki quem procura uma família favorecida
    a família de Athrahasis
  403. também chamado de Ziusudra,
    ou Utnapishtim, ou Noé,
  404. e lhe dá instruções de como construir uma
    cápsula de fuga
  405. para sua família e sua fazenda para que
    ele possa reiniciar o projeto.
  406. Acho que posso dizer que a
    presença dos Anunnaki
  407. é uma miscelânea para a humanidade.
  408. Fomos pegos no fogo cruzado do conflito
    desta espécie, que é ambivalente
  409. em relação ao progresso da
    sociedade humana.
  410. Existe opressão e escravidão
    na narrativa Anunnaki.
  411. Também há preocupação com
    o bem estar humano
  412. e o cuidado com os seres humanos.
  413. Então é uma história mista.
  414. (Narrador) Os relatos atuais de contato
    extraterrestre refletem
  415. uma gama de planos parecidos. Uns nocivos,
    uns indiferentes e outros acolhedores.
  416. Será que essas experiências contemporâneas
    estão ligadas às narrativas dos Anunnaki?
  417. Ou as pessoas de hoje estão conhecendo
    algo, ou alguém, diferente?
  418. Que diferença as narrativas dos Anunnaki
    fazem para os seres humanos de hoje?
  419. Se você e eu somos parte primata e
    parte Anunnaki,
  420. como isso nos ajuda?
  421. E, os Anunnaki ainda estão presentes
  422. ou somos agora nossos próprios mestres?
  423. A narrativa dos Anunnaki nos dá
    alguma explicação
  424. sobre nossa separação de todas as outras
    formas de vida animais no planeta
  425. mas não nos deixa nenhuma palavra
    sobre o nosso futuro?
  426. Minha esperança não é tão focada em
    intervenções externas
  427. quanto em nossas próprias capacidades.
  428. Todas as histórias de nossos ancestrais
    falam sobre uma consciência superior
  429. sendo reduzida em nosso passado
    pré-histórico.
  430. E para mim, isso levanta a possibilidade
    de que nossas habilidades cognitivas
  431. podem aumentar e nossa consciência
    pode se elevar.
  432. Nossas mitologias falam das nossas
    percepções sendo limitadas,
  433. e para mim, isso sugere que talvez elas
    possam ser expandidas.
  434. As narrativas dos Anunnaki falam sobre
    nós trabalhando
  435. para seres superiores, e pode-se ver que
    fomos conectados para fazer isso
  436. mas, e se fôssemos capazes de quebrar
    essa programação
  437. e começar a trabalhar uns pelos outros e
    não para nossos superiores?
  438. E se desconstruíssemos todas as nossas
    configurações neurológicas de escravidão
  439. e nos permitirmos viver vidas mais livres
    e com menos medo?
  440. Como isso seria?
  441. Muitas das culturas que organizaram essas
    histórias da Criação
  442. também organizaram modalidades, métodos
    que foram desenvolvidos para despertar
  443. nosso estado mais elevado de consciência.
  444. A cultura da Grécia antiga, que tinha
    essa narrativa,
  445. também tinha a modalidade do ritual do
    Kykeon, que era um tipo de ritual do chá
  446. que visava a elevação da consciência
    do indivíduo.
  447. Na América Central encontramos outra
    cerimônia do chá com o mesmo propósito.
  448. Se olharmos para os indígenas australianos
    ou nativos americanos,
  449. encontramos cerimônias de defumação e
    atividades similares
  450. nas antigas culturas indianas que
    produziram os Vedas.
  451. Tradições monásticas Orientais
    têm disciplinas
  452. de quietude e respiração consciente .
  453. E, na minha experiência, eles realmente
    alcançam picos quando se trata
  454. de alterar nosso estado de consciência e
    elevar nossas habilidades
  455. para uma melhor experiência humana.
  456. Se as histórias do Anunnaki representam a
    verdadeira origem de nossa espécie,
  457. e os seres humanos são parte terrenos e
    parte seres superiores,
  458. o que isso significa para o nosso
    potencial como seres humanos hoje?
  459. Estamos presos aos contratos, sistemas
    monetários e bancários
  460. e à tirania de horas, minutos e segundos
    ensinados pela primeira vez
  461. aos antigos sumérios
    há mais de 5.000 anos?
  462. Ou há outros caminhos abertos para nós,
    seres humanos?
  463. Será que formas superiores de consciência
    podem no ajudar a alcançar a liberdade
  464. para o legado de nosso passado
    como escravos
  465. e fornecer um caminho para uma melhor
    experiência humana?
  466. Para mais conteúdo como este e
    outras investigações,
  467. fique ligado no 5th Kind TV e no canal
    de Paul Wallis.
  468. Inscreva-se e clique no sino para receber
    notificações para nunca perder
  469. a publicação de novos vídeos.
  470. Obrigado por assistir ao 5th Kind.