Retourner vers la vidéo

Resgate 15: Mais sobre a solução

  • 0:00 - 0:03
    RKA4JL - Olá, meu amigo(a)!
    Tudo bem com você?
  • 0:04 - 0:08
    Seja muito bem-vindo(a)
    a mais um vídeo da Khan Academy Brasil.
  • 0:08 - 0:12
    Neste vídeo, vamos conversar sobre algo
    que eu costumo chamar de plano Plutsky,
  • 0:13 - 0:16
    já que veio de um homem
    chamado Todd Plutsky.
  • 0:16 - 0:18
    Eu acho que esse plano é muito bom,
  • 0:18 - 0:20
    mas vamos pensar um pouco
    sobre as repercussões
  • 0:20 - 0:23
    e ver se ele tem
    alguma chance de funcionar.
  • 0:23 - 0:27
    É importante deixar claro aqui
    que muito do que veremos neste vídeo
  • 0:27 - 0:30
    toma como base o
    contexto dos Estados Unidos.
  • 0:30 - 0:35
    Então a moeda, os bancos
    e o sistema de governo se referem a esse país.
  • 0:36 - 0:42
    Para começar a conversar é importante lembrar
    que em outros vídeos eu falei sobre uns 50 bancos,
  • 0:42 - 0:44
    mas isso complicaria as coisas aqui.
  • 0:44 - 0:49
    Então, em vez de 50 bancos
    com capital inicial de 14 bilhões de dólares,
  • 0:49 - 0:54
    eu vou falar sobre cinco bancos,
    cada um com 140 bilhões de capital.
  • 0:54 - 0:59
    O importante é que haja mais um banco
    e que não sejam grandes demais para falir,
  • 0:59 - 1:02
    ou seja, o ideal é que seja criada
    uma competição.
  • 1:02 - 1:05
    Por possuírem balanços
    completamente novos,
  • 1:05 - 1:09
    esses bancos serão capazes de fazer
    uma alavancagem de 10 para 1,
  • 1:09 - 1:11
    algo meio doido, eu sei,
  • 1:11 - 1:16
    mas não podemos esquecer que bancos como Mary Lint,
    Morgan Stanley e outros desse tipo
  • 1:16 - 1:20
    têm se alavancado a
    30 ou a 40 para 1 .
  • 1:20 - 1:23
    Então 10 para 1
    é normal para um banco.
  • 1:23 - 1:26
    Bancos como esses
    conseguem atrair capital,
  • 1:26 - 1:30
    afinal governos estrangeiros provavelmente
    gostariam de emprestar para eles
  • 1:30 - 1:32
    e o setor privado também gostaria.
  • 1:33 - 1:36
    Como são bancos comerciais,
    eles podem receber depósitos.
  • 1:37 - 1:40
    Muitas pessoas vão querer colocar
    seu dinheiro nesses bancos,
  • 1:40 - 1:43
    pois eles apresentam um balanço
    bastante transparente,
  • 1:43 - 1:46
    que estará disponível
    para todos os americanos.
  • 1:46 - 1:51
    Além disso, os empréstimos fornecidos aos bancos
    por cada cidadão americano comum
  • 1:51 - 1:54
    serão totalmente garantidos
    pelo seguro FDC,
  • 1:55 - 1:59
    que é o equivalente ao fundo garantidor de crédito
    que temos aqui no Brasil.
  • 1:59 - 2:02
    Seguros como esse são importantes,
    e particularmente falando,
  • 2:02 - 2:06
    eu até gostaria que a cobertura
    do seguro FDC fosse maior,
  • 2:06 - 2:09
    mas o fato é que devido
    à estrutura e ao seguro,
  • 2:09 - 2:13
    bancos como esses vão atrair depósitos
    de pessoas comuns.
  • 2:13 - 2:16
    Afinal, elas se sentirão
    seguras com esses bancos.
  • 2:16 - 2:21
    Eu falei tudo isso para dizer que esses bancos
    não terão problemas em serem capitalizados
  • 2:21 - 2:24
    e realizar uma
    alavancagem de 10 para 1.
  • 2:24 - 2:26
    No entanto, a pergunta
    a ser feita aqui é:
  • 2:26 - 2:31
    isso vai resolver o problema fundamental
    de manter no mercado de crédito fluindo
  • 2:31 - 2:34
    para as pessoas a quem
    ele deve oferecer crédito?
  • 2:34 - 2:37
    Eu já falei com um banco forte,
    como os que eu citei,
  • 2:37 - 2:42
    não terá problemas em ter acesso a tanto
    crédito quanto o governo for capaz de prover.
  • 2:42 - 2:45
    Eles também vão atrair depósitos,
  • 2:45 - 2:48
    eles vão atrair investimentos
    do setor privado e do exterior,
  • 2:48 - 2:52
    principalmente com esses cinco anos
    de garantia do governo.
  • 2:52 - 2:57
    Então, sem dúvida, ele vai conseguir colocar
    dez vezes esse dinheiro de volta no sistema.
  • 2:57 - 3:01
    Sendo assim, se você pegar coletivamente
    700 bilhões de dólares,
  • 3:02 - 3:08
    isso vai gerar dez vezes esse valor, ou seja,
    sete trilhões de dólares em novos empréstimos.
  • 3:08 - 3:13
    Bem, esses sete trilhões correspondem à,
    literalmente, metade do PIB americano.
  • 3:14 - 3:17
    Você pode falar que isso é muita coisa,
    que isso pode gerar crédito demais,
  • 3:17 - 3:22
    e isso pode levar o mercado de crédito
    do congelamento ao superaquecimento.
  • 3:22 - 3:26
    Com isso, talvez você pense:
    "sete trilhões é liquidez demais.
  • 3:26 - 3:28
    Por que não reduzimos
    esse número um pouco?
  • 3:28 - 3:32
    Em vez de 700 bilhões de dólares,
    que tal 100 bilhões?”
  • 3:32 - 3:40
    Porque com 100 bilhões, se tivermos dez bancos,
    poderemos injetar dez bilhões em cada um deles.
  • 3:40 - 3:44
    Ao injetar 100 bilhões de dólares,
    e caso todos se alavanquem,
  • 3:44 - 3:47
    eles vão introduzir um trilhão
    de novos empréstimos
  • 3:47 - 3:52
    que poderão ser empregados
    na construção de fábricas e coisas reais,
  • 3:52 - 3:56
    já que a motivação deles não provém
    da possibilidade de ajudar seus amigos
  • 3:56 - 3:58
    e nem as empresas
    para quem eles trabalham.
  • 3:59 - 4:04
    As empresas é que estão doando e contribuindo com eles
    de alguma forma, ou prometendo empregos.
  • 4:04 - 4:10
    Esse um trilhão de dólares não será usado
    para comprar ativos a preços maiores do que deveriam.
  • 4:10 - 4:13
    Eles poderiam comprar ativos
    a preços com desconto
  • 4:13 - 4:16
    se os gerentes desses bancos
    visassem um bom retorno,
  • 4:16 - 4:19
    mas, provavelmente,
    eles vão investir em áreas da economia
  • 4:19 - 4:23
    em que observam um retorno positivo
    para o investimento.
  • 4:23 - 4:29
    Uma pessoa uma vez me enviou uma nota dizendo
    que colocar toda essa liquidez no sistema financeiro,
  • 4:29 - 4:33
    seja sete ou um trilhão de dólares,
    poderia gerar uma hiperinflação.
  • 4:33 - 4:36
    Eu acho que há muitos
    mal-entendidos sobre a inflação,
  • 4:37 - 4:40
    por isso vale a pena a gente conversar
    um pouquinho aqui sobre isso.
  • 4:40 - 4:43
    Em geral, se alguém faz
    um investimento positivo,
  • 4:43 - 4:45
    por exemplo, vamos supor
    que eu tenha um dólar aqui
  • 4:46 - 4:49
    e faça um investimento que vai gerar
    um dólar e vinte centavos.
  • 4:49 - 4:52
    Isso, por definição,
    não é inflação.
  • 4:52 - 4:57
    Eu tinha um dólar no mundo
    e criei um dólar e vinte centavos de riqueza,
  • 4:57 - 4:59
    então, na verdade,
    o bolo está maior.
  • 4:59 - 5:04
    Eu sei que a inflação é um conceito bem abstrato,
    mas uma forma boa de falar sobre isso
  • 5:04 - 5:08
    é imaginar que a gente tem um bolo
    de bens e serviços de um país.
  • 5:08 - 5:12
    Vamos supor, então, que a gente tenha aqui
    bens e serviços em um ano.
  • 5:12 - 5:16
    Poderíamos dizer que é o PIB,
    ou como você quiser medir isso.
  • 5:16 - 5:19
    Vamos dizer também que eu tenha
    uma outra quantidade aqui,
  • 5:19 - 5:22
    que é o montante de dinheiro
    que há em um certo ano.
  • 5:22 - 5:25
    A oferta de dinheiro
    é uma coisa interessante
  • 5:25 - 5:28
    porque não depende apenas
    da quantidade de notas e moedas.
  • 5:28 - 5:32
    Ela também é uma função de quão
    rápida elas são transacionadas
  • 5:32 - 5:34
    e quanta alavancagem há no sistema.
  • 5:34 - 5:40
    Sendo assim, você pode ter toda uma economia
    em que tenha apenas uma única nota de um dólar,
  • 5:40 - 5:44
    mas toda vez que alguém precisa de alguma coisa,
    elas trocam essa nota de um dólar.
  • 5:45 - 5:50
    Por exemplo, se essa nota de um dólar for usada
    umas 15 trilhões de vezes ao ano,
  • 5:50 - 5:54
    teríamos nessa economia, na verdade,
    15 trilhões de dólares.
  • 5:54 - 5:57
    Enfim, vamos dizer que essa
    é a quantidade de dinheiro.
  • 5:57 - 6:01
    Se a quantidade de dinheiro crescer mais rápido
    que os bens e serviços
  • 6:01 - 6:05
    e a capacidade produtiva do país,
    teremos inflação.
  • 6:05 - 6:09
    Se esse círculo cresce
    mais rápido do que esse, há inflação,
  • 6:09 - 6:12
    porém se esse círculo crescer
    mais rápido do que esse aqui,
  • 6:12 - 6:15
    teremos então uma deflação.
  • 6:15 - 6:20
    A gente vai ter a mesma quantidade de moeda
    representando mais bens e serviços.
  • 6:20 - 6:23
    Então, na verdade,
    bens e serviços ficam mais baratos.
  • 6:23 - 6:30
    O problema de que nós estamos falando agora,
    essa crise de crédito, é um problema de desalavancagem
  • 6:30 - 6:34
    que ocorre quando o governo injeta
    um dólar nesse sistema bancário falido
  • 6:34 - 6:39
    e em vez de alavancar e emprestar
    para outros bancos, ele guarda esse dinheiro.
  • 6:39 - 6:44
    É bom falar aqui que em um sistema normal,
    quando você empresta um dólar para um banco,
  • 6:44 - 6:48
    vamos dizer que seja o Fed que está
    emprestando esse dinheiro para o banco,
  • 6:49 - 6:51
    é assim que costuma ser injetada a liquidez.
  • 6:51 - 6:54
    Então vamos dizer que o Fed
    emprestou um dólar para o banco.
  • 6:55 - 6:58
    Considerando que o banco
    só pode se alavancar em até 10 para 1,
  • 6:58 - 7:03
    ele tem que reservar dez por cento do dólar,
    ou seja, dez centavos
  • 7:03 - 7:07
    e ele empresta os outros 90 centavos
    para alguém, para um outro banco.
  • 7:07 - 7:10
    Esse outro banco tem que manter
    dez por cento disso.
  • 7:10 - 7:14
    Então ele empresta 81 centavos
    para outra pessoa.
  • 7:14 - 7:20
    Depois essa outra pessoa pode emprestar
    até 81 centavos vezes 0,9 para alguém.
  • 7:20 - 7:22
    Isso dá 70 e poucos centavos.
  • 7:22 - 7:26
    Você conseguiu entender a ideia
    de que em um sistema bancário normal e operante
  • 7:27 - 7:30
    um dólar injetado no sistema
    tem esse efeito multiplicador
  • 7:30 - 7:33
    e isso acaba criando
    um monte de dinheiro?
  • 7:33 - 7:38
    É isso que as pessoas implicitamente dizem
    quando estão falando sobre imprimir dinheiro.
  • 7:38 - 7:42
    Mas o que está acontecendo agora, nesse
    problema que estamos levantando aqui,
  • 7:42 - 7:45
    é que quando o Fed empresta
    um dólar para o banco “A”,
  • 7:46 - 7:49
    o banco “A” está com tanto medo
    que ele não vai emprestar para ninguém.
  • 7:49 - 7:51
    Ele segura esse dólar porque, agora,
  • 7:51 - 7:56
    sua prioridade não é conseguir qualquer
    ganho a mais sobre o dinheiro que tem.
  • 7:56 - 7:59
    Sua prioridade principal
    é a sobrevivência.
  • 7:59 - 8:01
    Sendo assim, esse dólar
    vai para um buraco negro
  • 8:01 - 8:03
    e essa é a frustração do Fed.
  • 8:04 - 8:08
    Ele continua emprestando o dinheiro
    para o sistema, mas o dinheiro desaparece
  • 8:08 - 8:13
    e conforme a economia desacelera,
    a velocidade do dinheiro também diminui.
  • 8:13 - 8:18
    Então o maior problema quando se tem
    uma crise de crédito e também uma recessão
  • 8:18 - 8:20
    é que a oferta de moeda diminui.
  • 8:20 - 8:23
    A quantidade de bens e serviços
    provavelmente diminui também,
  • 8:23 - 8:26
    mas a oferta de moeda
    diminui ainda mais.
  • 8:26 - 8:29
    Então o seu maior problema
    é a deflação.
  • 8:29 - 8:32
    Esse foi o maior problema
    durante a Grande Depressão
  • 8:32 - 8:34
    e esse foi o maior problema
    na crise do Japão.
  • 8:34 - 8:37
    Ben Bernanke escreveu artigos sobre isso
  • 8:37 - 8:43
    e ele diz que sempre dá para curar deflação
    imprimindo dinheiro jogando de um helicóptero.
  • 8:43 - 8:46
    De certa forma é isso
    que está sendo feito:
  • 8:46 - 8:50
    o Fed está disposto a assumir
    um grande risco de crédito dos bancos
  • 8:50 - 8:52
    e a emprestar dinheiro para o sistema.
  • 8:52 - 8:55
    O problema é que
    se esse efeito multiplicador desaparece
  • 8:55 - 8:59
    a uma taxa mais rápida do que você jogar
    dinheiro de um helicóptero,
  • 8:59 - 9:02
    ainda assim teremos uma deflação.
  • 9:02 - 9:05
    Antes, quando a alavancagem
    não era de apenas 10 para 1,
  • 9:05 - 9:08
    mas era de 30 para 1
    ou 40 para 1,
  • 9:08 - 9:12
    cada dólar que era colocado no sistema
    se transformava em 40
  • 9:12 - 9:16
    que eram dados a outras pessoas
    para que pudessem se alavancar,
  • 9:16 - 9:19
    ou seja, tivemos essa
    imensa explosão de dinheiro
  • 9:19 - 9:23
    e o único motivo para não ter
    uma inflação nos últimos anos,
  • 9:23 - 9:27
    pelo menos uma inflação mensurável,
    é que no outro lado da equação
  • 9:27 - 9:32
    a gente tinha toda uma nova capacidade produtiva
    vinda da China e da Índia,
  • 9:32 - 9:36
    e então bens manufaturados
    ficaram muito mais baratos,
  • 9:36 - 9:40
    mas bens que não eram manufaturadas,
    como commodities e casas,
  • 9:40 - 9:42
    acabaram tendo uma imensa inflação.
  • 9:42 - 9:45
    Até mesmo a mensalidade
    da faculdade ou saúde,
  • 9:45 - 9:51
    coisas que dependem do trabalho
    dos estadunidenses, ficaram bastante caras
  • 9:51 - 9:54
    e isso porque houve essa gigantesca
    injeção de dinheiro.
  • 9:55 - 10:00
    Há formas diferentes de mensurar moeda,
    mas o indicador mais amplo é o chamado M3,
  • 10:00 - 10:03
    que o governo americano
    deixou de reportar oficialmente
  • 10:03 - 10:06
    porque havia alavancagem
    demais no sistema.
  • 10:06 - 10:09
    Agora está acontecendo
    exatamente o contrário:
  • 10:09 - 10:13
    a alavancagem está sumindo do sistema.
    Não há empréstimo entre as partes.
  • 10:13 - 10:18
    Todos estão indo de uma alavancagem
    entre 30 para 1 para 10 para 1.
  • 10:18 - 10:22
    O dinheiro está desaparecendo do sistema.
    Há uma desaceleração.
  • 10:22 - 10:26
    Isso está em contração, mas está
    em uma contração ainda maior
  • 10:26 - 10:28
    e não importa o que o Fed faça.
  • 10:28 - 10:33
    Francamente, acho que esse novo Resgate financeiro
    de 700 bilhões de dólares
  • 10:33 - 10:36
    é o helicóptero que Ben Bernanke
    sempre falou em usar
  • 10:36 - 10:41
    e sempre que você joga dinheiro de um
    helicóptero, a questão é: onde jogar?
  • 10:41 - 10:45
    Eles acham que deveriam jogar
    em um já falido sistema bancário.
  • 10:45 - 10:49
    O objetivo deste vídeo
    é discutir essa questão e, quem sabe,
  • 10:49 - 10:54
    mostrar que talvez você devesse
    jogar esse dinheiro em um novo sistema bancário,
  • 10:54 - 10:57
    ou talvez jogar no bolso de
    todo mundo e ver o que acontece,
  • 10:57 - 11:01
    ou ainda talvez deixar
    que novos bancos surjam.
  • 11:01 - 11:03
    Enfim, era isso
    que eu queria conversar hoje
  • 11:03 - 11:05
    e sei que pode parecer
    um pouco confuso,
  • 11:05 - 11:08
    mas espero que você
    tenha compreendido.
  • 11:08 - 11:12
    Quero deixar para você um grande abraço
    e dizer que o encontro na próxima!
Titre:
Resgate 15: Mais sobre a solução
Description:

plus » « moins
Langue de la vidéo:
Portuguese
Équipe:
Khan Academy
Projet :
Accessibility Brazil
Durée:
11:18

sous-titres en Portuguese

Révisions Comparer les révisions