Return to Video

O quarto de Mary: Uma experiência mental filosófica — Eleanor Nelsen

  • 0:07 - 0:11
    Imaginem uma brilhante
    neurocientista chamada Mary.
  • 0:11 - 0:14
    Mary vive num quarto preto e branco,
  • 0:14 - 0:16
    só lê livros a preto e branco,
  • 0:16 - 0:20
    e os ecrãs que têm são só
    a preto e branco.
  • 0:21 - 0:26
    Apesar de nunca ter visto cores,
    Mary é uma especialista na visão a cores
  • 0:26 - 0:30
    e sabe tudo que já foi descoberto
    sobre isso, na Física e na Biologia.
  • 0:31 - 0:34
    Sabe como as diferentes
    ondas de comprimento da luz
  • 0:34 - 0:37
    estimulam três tipos
    de células cónicas na retina
  • 0:37 - 0:39
    e sabe como os sinais elétricos
  • 0:39 - 0:42
    viajam pelo nervo ótico
    até ao cérebro.
  • 0:43 - 0:45
    Aí, criam padrões
    de atividade neural
  • 0:45 - 0:48
    que correspondem aos milhões de cores
  • 0:48 - 0:51
    que quase todos
    os seres humanos distinguem.
  • 0:51 - 0:52
    Imaginem, agora, que um dia
  • 0:52 - 0:55
    o ecrã a preto e branco de Mary se avaria
  • 0:55 - 0:57
    e aparece uma maçã a cores.
  • 0:58 - 0:59
    Pela primeira vez,
  • 0:59 - 1:03
    ela tem a experiência de uma coisa
    que conhece há anos.
  • 1:04 - 1:05
    Será que aprende uma coisa nova?
  • 1:05 - 1:07
    Há alguma coisa na perceção da cor
  • 1:07 - 1:10
    que não tenha sido captado
    por todo o seu saber?
  • 1:10 - 1:14
    O filósofo Frank Jackson
    propôs esta experiência mental,
  • 1:14 - 1:17
    chamada "o quarto de Mary",
    em 1982.
  • 1:17 - 1:20
    Defendeu que, se Mary
    já sabia todos os factos físicos
  • 1:20 - 1:21
    sobre a visão a cores,
  • 1:21 - 1:25
    e ter a experiência da cor
    ainda lhe ensina qualquer coisa de novo,
  • 1:25 - 1:28
    então, os estados mentais,
    tal como a perceção da cor,
  • 1:28 - 1:31
    não podem ser totalmente descritos
    por factos físicos.
  • 1:32 - 1:34
    A experiência mental de "o quarto de Mary"
  • 1:34 - 1:37
    descreve aquilo a que os filósofos chamam
    o "argumento do conhecimento",
  • 1:37 - 1:40
    em que há propriedades não físicas
    e conhecimentos
  • 1:40 - 1:45
    que só podem ser descobertos
    através duma experiência consciente.
  • 1:45 - 1:48
    O argumento do conhecimento
    contradiz a teoria do fisicalismo
  • 1:48 - 1:51
    que diz que tudo,
    incluindo os estados mentais,
  • 1:51 - 1:53
    tem uma explicação física.
  • 1:54 - 1:56
    A maioria das pessoas
    que ouve a história de Mary
  • 1:56 - 1:59
    pensa intuitivamente
    que é óbvio que ver as cores
  • 1:59 - 2:03
    será completamente diferente
    de saber tudo sobre elas.
  • 2:03 - 2:06
    Portanto, deve haver
    qualquer qualidade na visão a cores
  • 2:06 - 2:09
    que transcende a sua descrição física.
  • 2:09 - 2:12
    O argumento do conhecimento
    não trata apenas da visão das cores.
  • 2:13 - 2:15
    "O quarto de Mary" usa a visão das cores
  • 2:15 - 2:18
    para representar
    uma experiência consciente.
  • 2:18 - 2:22
    Se a Física não consegue
    explicar totalmente a visão das cores.
  • 2:22 - 2:26
    então talvez também não consiga explicar
    totalmente outras experiências conscientes.
  • 2:27 - 2:30
    Por exemplo, podemos conhecer
    todos os pormenores físicos
  • 2:30 - 2:33
    da estrutura e função
    do cérebro de uma pessoa,
  • 2:33 - 2:37
    mas, mesmo assim, não compreender
    o que é ser essa pessoa.
  • 2:38 - 2:43
    Estas experiências indescritíveis
    têm propriedades chamadas "qualia",
  • 2:43 - 2:47
    qualidades subjetivas que não podemos
    descrever ou medir com rigor.
  • 2:48 - 2:50
    As "qualia" são únicas para a pessoa
    que as experimenta,
  • 2:50 - 2:52
    como ter comichão,
  • 2:52 - 2:53
    estar apaixonado,
  • 2:53 - 2:55
    ou sentir-se aborrecido.
  • 2:55 - 2:59
    Os factos físicos não podem explicar
    totalmente estados mentais como estes.
  • 3:00 - 3:02
    Os filósofos interessados
    em inteligência artificial,
  • 3:02 - 3:04
    têm usado o argumento do conhecimento
  • 3:04 - 3:07
    para teorizar que a recriação
    de um estado físico
  • 3:07 - 3:11
    não recriará necessariamente
    um estado mental correspondente.
  • 3:11 - 3:13
    Por outras palavras,
  • 3:13 - 3:16
    construir um computador que imite
    a função de cada um dos neurónios
  • 3:16 - 3:18
    do cérebro humano
  • 3:18 - 3:22
    não criará necessariamente
    um cérebro artificial consciente.
  • 3:23 - 3:24
    Nem todos os filósofos concordam
  • 3:24 - 3:27
    que a experiência
    de "o quarto de Mary" seja útil.
  • 3:27 - 3:30
    Uns defendem que o extenso conhecimento
    que ela tem da visão a cores
  • 3:30 - 3:33
    ter-lhe-á permitido criar
    o mesmo estado mental
  • 3:33 - 3:36
    produzido por uma real visão a cores.
  • 3:36 - 3:39
    O ecrã avariado não lhe terá
    mostrado nada de novo.
  • 3:40 - 3:43
    Outros dizem que, para começar,
    o conhecimento dela nunca foi completo
  • 3:43 - 3:46
    porque se baseava apenas
    nos factos físicos
  • 3:46 - 3:48
    que podem ser transmitidos por palavras,
  • 3:49 - 3:50
    Anos depois desta sua proposta,
  • 3:50 - 3:54
    Jackson inverteu a sua posição
    sobre esta experiência mental.
  • 3:54 - 3:57
    Concluiu que, mesmo a experiência
    de Mary ao ver o vermelho
  • 3:57 - 4:02
    corresponde a um acontecimento
    físico mensurável, no cérebro,
  • 4:02 - 4:05
    e não a "qualia" desconhecidas
    para além de uma explicação física.
  • 4:06 - 4:08
    Mas continua a não haver
    uma resposta definitiva
  • 4:08 - 4:11
    à pergunta de se Mary teria aprendido
    alguma coisa de novo
  • 4:11 - 4:13
    quando viu a maçã.
  • 4:13 - 4:17
    Será que há limites fundamentais
    para aquilo que conhecemos
  • 4:17 - 4:19
    sobre uma coisa que nunca experimentámos?
  • 4:19 - 4:22
    E isso significará que há
    certos aspetos do universo
  • 4:22 - 4:25
    que ficarão permanentemente
    para além da nossa compreensão?
  • 4:25 - 4:28
    Ou a ciência e a filosofia permitir-nos-ão
  • 4:28 - 4:31
    ultrapassar as limitações
    do nosso espírito?
Title:
O quarto de Mary: Uma experiência mental filosófica — Eleanor Nelsen
Speaker:
Eleanor Nelsen
Description:

Vejam a lição completa: http://ed.ted.com/lessons/mary-s-room-a-philosophical-thought-experiment-eleanor-nelsen

Imaginem uma neurocientista chamada Mary que toda a vida só viu as coisas a preto e branco, mas é especialista em visão a cores e sabe tudo sobre a sua física e biologia. Se, um dia, ela vir uma cor, aprenderá alguma coisa de novo? Haverá alguma coisa na perceção da cor que ela não tivesse captado no seu conhecimento? Eleanor Nelsen explica o que esta experiência mental nos pode ensinar sobre a experiência.

Lição de Eleanor Nelsen, animação de Maxime Dupuy.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TED-Ed
Duration:
04:52

Portuguese subtitles

Revisions