Portuguese subtitles

← O segredo oculto do capitalismo — e um novo rumo

Get Embed Code
29 Languages

Showing Revision 17 created 01/25/2020 by Margarida Ferreira.

  1. Eu sou um capitalista,
  2. e após uma carreira de 30 anos
    no capitalismo
  3. abrangendo três dúzias de empresas,
  4. criando dezenas de milhares de milhões
    de dólares em valor de mercado,
  5. eu não estou apenas nos 1% mais ricos,
    estou nos 0,01% mais ricos.
  6. Hoje, vim partilhar os segredos
    do nosso sucesso,
  7. porque capitalistas como eu
    nunca foram tão ricos.
  8. Então a questão é, como conseguimos?
  9. Como conseguimos ficar
  10. com uma fatia cada vez maior
    do bolo todos os anos?
  11. Será que os ricos estão mais espertos
    do que éramos há 30 anos?
  12. Será que estamos a trabalhar
    mais do que antes?
  13. Estamos mais altos, mais bonitos?
  14. Infelizmente, não.

  15. Tudo se resume a apenas uma coisa:
  16. economia.
  17. Aqui está o segredo oculto.
  18. Houve um tempo em que
    a profissão de economista
  19. almejava o interesse público,
  20. mas na era neoliberal, hoje,
  21. eles trabalham apenas
    para as grandes empresas
  22. e para multimilionários.
  23. Isso está a criar um pequeno problema.
  24. Nós podíamos adotar políticas económicas
  25. que aumentam os impostos
    para os mais ricos,
  26. regular as empresas poderosas
    ou aumentar os salários dos trabalhadores.
  27. Já o fizemos antes.
  28. Mas os economistas neoliberais avisaram
  29. que todas estas políticas
    seriam um erro terrível,
  30. porque aumentar impostos trava
    sempre o crescimento económico,
  31. e qualquer forma
    de regulação governamental
  32. é ineficiente;
  33. que aumentar os salários
    destrói postos de trabalho.
  34. Como consequência desta forma de pensar,
  35. nos últimos 30 anos, só nos EUA,
  36. os 1% mais ricos ficaram
    21 biliões de dólares mais ricos
  37. enquanto que os 50% mais pobres ficaram
    900 mil milhões de dólares mais pobres,
  38. um padrão de crescente desigualdade
  39. que se tem repetido por todo o mundo.
  40. E ainda assim, enquanto as famílias
    da classe média lutam para sobreviver
  41. com salários que não se alteraram
    em cerca de 40 anos,
  42. os economistas neoliberais continuam
    a avisar que a única resposta razoável
  43. para os resultados dolorosos
    da austeridade e da globalização
  44. é mais austeridade e globalização.
  45. Então, o que deve fazer uma sociedade?

  46. Bem, para mim é mais que óbvio
    aquilo que temos a fazer.
  47. Precisamos de uma nova economia.
  48. A economia foi descrita
    como a ciência sinistra,
  49. e por uma boa razão porque, por muito
    que seja ensinada hoje em dia,
  50. não é de todo uma ciência,
  51. apesar de toda a matemática fascinante.
  52. De facto, um número crescente
    de académicos e profissionais
  53. concluiu que a teoria da economia
    neoliberal está perigosamente errada
  54. e que as atuais crises
    de aumento da desigualdade
  55. e a crescente instabilidade política
  56. são o resultado direto de décadas
    de má teoria económica.
  57. O que sabemos agora é que
    a economia que me tornou tão rico
  58. não só está errada, como é retrógrada,
  59. porque, para todos os efeitos,
  60. não é o capital que cria
    o crescimento económico
  61. mas sim as pessoas;
  62. e não é o interesse próprio
    que promove o bem público,
  63. é a reciprocidade;
  64. não é a competição que cria
    a nossa prosperidade,
  65. mas sim a cooperação.
  66. O que vemos agora é que uma economia
    que nem é justa nem inclusiva
  67. nunca poderá sustentar os níveis
    elevados de cooperação social necessários
  68. para permitir que
    uma sociedade moderna prospere.
  69. Então onde é que errámos?

  70. Agora é dolorosamente óbvio
  71. que os pressupostos fundamentais que
    sustentam a teoria económica neoliberal
  72. são objetivamente falsos,
  73. e, por isso, quero apresentar-vos
    alguns desses pressupostos erróneos
  74. e depois descrever qual a proveniência
    da prosperidade sugerida pela ciência.
  75. O pressuposto número um
    da economia neoliberal

  76. é que o mercado é um sistema
    de equilíbrio eficiente,
  77. o que basicamente quer dizer que, se algo
    na economia, como os salários, aumentar,
  78. outra coisa na economia,
    como o emprego, tem de diminuir.
  79. Por exemplo, em Seattle, onde eu vivo,
  80. quando em 2014 aprovámos o primeiro
    ordenado mínimo de 15 dólares por hora,
  81. os neoliberais assustaram-se
    por causa do seu precioso equilíbrio.
  82. "Se aumentarmos o preço
    do trabalho," avisaram,
  83. "as empresas não vão contratar tanto."
  84. "Milhares de trabalhadores com salários
    baixos vão perder o emprego.
  85. "Os restaurantes vão fechar."
  86. Só que...
  87. isso não aconteceu.
  88. A taxa de desemprego
    diminuiu drasticamente.
  89. A restauração em Seattle aumentou.
  90. Porquê?
  91. Porque esse equilíbrio não existe.
  92. Porque aumentar salários não mata
    o emprego, mas sim cria-o;
  93. porque, por exemplo,
  94. quando os restaurantes têm de pagar
    o suficiente aos seus colaboradores
  95. estes têm o suficiente
    para comer em restaurantes.
  96. Isso não diminui a faturação
    dos restaurantes,
  97. mas aumenta-a, obviamente.
  98. (Aplausos)

  99. Obrigado.

  100. O segundo pressuposto

  101. é que o preço de algo
    é sempre igual ao seu valor,
  102. o que significa que, se uma pessoa
    ganha 50 000 dólares por ano
  103. e eu ganho 50 milhões de dólares por ano,
  104. é porque eu produzo mil vezes mais.
  105. No entanto,
  106. não será uma surpresa saber
  107. que este é um pressuposto
    muito reconfortante
  108. para um CEO que paga a si mesmo
    50 milhões de dólares por ano,
  109. mas paga salários baixos
    aos seus colaboradores.
  110. Mas acreditem no que alguém
    com dezenas de negócios diz:
  111. Isto não faz sentido.
  112. As pessoas não são pagas
    por aquilo que valem.
  113. São pagas em função
    do seu poder negocial,
  114. e a diminuição dos salários face ao PIB
  115. não é porque os trabalhadores
    são menos produtivos
  116. mas porque os empregadores
    se tornaram mais poderosos.
  117. (Aplausos)

  118. Ao pretender que não existe

  119. o terrível desequilíbrio de poder
    entre trabalho e capital,
  120. a teoria económica neoliberal
    tornou-se basicamente
  121. numa trapaça de proteção para os ricos.
  122. O terceiro pressuposto
    e de longe o mais pernicioso,

  123. é um modelo comportamental
  124. que descreve os seres humanos
    como "homo economicus,"
  125. o que, para todos os efeitos, significa
    que todos somos perfeitamente egoístas,
  126. perfeitamente racionais
    e implacavelmente automaximizadores.
  127. Mas perguntemo-nos,
  128. é plausível que todas as vezes,
    durante toda a vida,
  129. quando fizemos algo simpático
    por outra pessoa,
  130. tudo o que estávamos a fazer
    era maximizar a nossa própria utilidade?
  131. É plausível que, quando um soldado salta
    numa granada para salvar camaradas
  132. esteja apenas a promover
    o seu interesse egoísta?
  133. Se julgarem que isto é absurdo,
  134. contrariamente a qualquer
    intuição moral razoável,
  135. é porque é mesmo
  136. e, de acordo com a ciência mais recente,
  137. não é verdade.
  138. Mas é este modelo comportamental
  139. que está no cerne do coração frio
    e cruel da economia neoliberal,
  140. e é tão moralmente corrosivo
  141. como é cientificamente incorreto
  142. porque, se aceitarmos
  143. que os seres humanos são
    fundamentalmente egoístas,
  144. e depois olharmos para
    o que se passa em todo o mundo,
  145. toda a sua prosperidade não ambígua,
  146. então a conclusão lógica,
  147. que deve ser verdadeira por definição,
  148. é que milhares de milhões
    de atos individuais de egoísmo
  149. se transformam por magia
    em prosperidade e bem comum.
  150. Se nós humanos formos
    meramente maximizadores egoístas,
  151. então o egoísmo é a causa
    da nossa prosperidade.
  152. Segundo esta lógica económica,
  153. a ganância é boa,
  154. a crescente desigualdade é eficiente,
  155. e o único propósito das empresas
  156. é enriquecer os seus acionistas,
  157. porque fazer o contrário seria
    atrasar o crescimento económico
  158. ou pôr em perigo a economia como um todo.
  159. E é este o evangelho do egoísmo
  160. que forma a base ideológica
    da economia neoliberal,
  161. uma forma de pensar
    que tem produzido políticas económicas
  162. que permitiram que eu e os meus
    amigos ricos dos 1% do topo
  163. consigamos arrebanhar praticamente
  164. todos os benefícios do crescimento
    destes 40 anos.
  165. Mas, se, em vez disso,

  166. aceitarmos a investigação
    empírica mais recente,
  167. a ciência real, que descreve
    os seres humanos corretamente
  168. como altamente cooperativos,
  169. recíprocos
  170. e criaturas intuitivamente morais,
  171. então a conclusão lógica
  172. é que deve ser a cooperação
    e não o egoísmo
  173. a causa da nossa prosperidade.
  174. Não é o nosso próprio interesse
  175. mas sim a nossa reciprocidade inerente
  176. que é o superpoder económico
    da humanidade.
  177. No cerne desta nova economia

  178. há uma história sobre nós que nos garante
    a permissão para sermos o nosso melhor,
  179. e que, ao contrário da velha economia,
  180. é uma história virtuosa
  181. e também tem a virtude de ser verdadeira.
  182. Agora,

  183. gostaria de sublinhar
    que esta nova economia
  184. não é algo que tenha sido eu
    a imaginar ou inventar.
  185. As suas teorias e modelos estão
    a ser desenvolvidos e refinados
  186. em universidades em todo o mundo
  187. com base em alguma da melhor
    investigação em economia,
  188. na teoria da complexidade,
    na teoria da evolução,
  189. na psicologia, na antropologia,
    e noutras disciplinas.
  190. Apesar de esta nova economia
    não ter ainda o seu próprio manual
  191. nem sequer um nome aceite por todos,
  192. em traços largos
  193. a sua explicação sobre de onde vem
    a prosperidade é mais ou menos assim:
  194. O capitalismo de mercado
    é um sistema evolutivo

  195. no qual a prosperidade surge
  196. através de um ciclo de "feedback" positivo
  197. entre a inovação e a procura
    crescente do consumidor.
  198. A inovação é o processo pelo qual
    resolvemos os problemas humanos,
  199. e a procura dos consumidores é o mecanismo
    a partir do qual o mercado seleciona
  200. inovações úteis.
  201. À medida que resolvemos estes problemas,
    tornamo-nos mais prósperos.
  202. Mas à medida que nos
    tornamos mais prósperos,
  203. os nossos problemas e soluções
  204. tornam-se mais complexos,
  205. e esta complexidade técnica crescente
  206. exige níveis elevados de cooperação
    social e económica
  207. para criar produtos
    cada vez mais especializados
  208. que definem uma economia moderna.
  209. Claro que a velha economia
    está correta, quando afirma

  210. que a competição tem um papel crucial
    no funcionamento dos mercados,
  211. mas o que lhe falta reconhecer
  212. é que se trata de uma competição
    entre grupos altamente cooperativos
  213. — uma competição entre empresas,
    uma competição entre redes de empresas,
  214. uma competição entre nações —
  215. e quem já tenha sido responsável
    por uma empresa de sucesso
  216. sabe que construir uma equipa cooperadora,
    incluindo os talentos de todos
  217. é quase sempre uma estratégica melhor
    do que um bando de idiotas egoístas.
  218. Então, como deixamos
    o neoliberalismo para trás

  219. e construímos uma sociedade sustentável,
  220. mais próspera e mais igualitária?
  221. A nova economia sugere
    cinco regras de ouro.
  222. A primeira é que as economias de sucesso
    não são selvas mas sim jardins,

  223. isto é, os mercados,
  224. como jardins, precisam de ser cuidados,
  225. e os mercados são a maior
    tecnologia social jamais inventada
  226. para resolver problemas humanos,
  227. mas sem normas sociais ou regulação
    democrática, que os restrinjam
  228. inevitavelmente criam mais problemas
    do que conseguem resolver.
  229. A alteração climática,
  230. a grande crise financeira de 2008,
  231. são dois exemplos fáceis.
  232. A segunda regra é que

  233. a inclusão cria crescimento económico.
  234. A ideia neoliberal
  235. que a inclusão é um luxo fantasioso
  236. acessível se e quando tivermos crescimento
    é errada e retrógrada.
  237. A economia são as pessoas.
  238. Incluir mais pessoas sob mais formas
  239. é o que causa crescimento económico
    nas economias de mercado.
  240. O terceiro princípio

  241. é que o propósito das empresas não é
    meramente enriquecer os acionistas.
  242. A forma mais desonesta de fazer dinheiro
    na vida económica contemporânea
  243. é a ideia neoliberal que
    o único propósito das empresas
  244. e a única responsabilidade dos executivos
  245. é enriquecer-se a si mesmo
    e aos acionistas.
  246. A nova economia pode e deve insistir
  247. que o propósito das empresas
  248. é melhorar o bem-estar
    de todas as partes envolvidas:
  249. clientes, trabalhadores,
  250. comunidade e acionistas de igual forma.
  251. Regra quatro:

  252. A ganância não é boa.
  253. Ser gananciosos
    não faz de nós capitalistas,
  254. mas sim sociopatas.
  255. (Risos)

  256. (Aplausos)

  257. Numa economia tão dependente
    da cooperação como a nossa, a esta escala,

  258. a sociopatia é tão má para o negócio
    como é para a sociedade.
  259. E, por fim, a regra cinco.

  260. Ao contrário das leis da física,
  261. as leis da economia são uma escolha.
  262. A teoria económica neoliberal
  263. vendeu-nos a ideia de ser
    uma lei natural imutável
  264. quando, na verdade, são normas sociais
    e narrativas construídas
  265. baseadas em pseudociência.
  266. Se, de facto, quisermos
    uma economia mais equitativa,
  267. mais próspera e mais sustentável,
  268. se quisermos democracias
    e uma sociedade civil
  269. em bom estado de funcionamento,
  270. temos de ter uma nova economia.
  271. E eis as boas notícias:

  272. se quisermos uma nova economia
  273. tudo o que precisamos
    de fazer é escolhê-la.
  274. Obrigado.

  275. (Aplausos)

  276. Moderadora: Nick, tenho a certeza
    que ouve esta pergunta muitas vezes.

  277. Se está tão infeliz
    com o sistema económico,
  278. porque não doa a sua fortuna
    e se junta aos 99%?
  279. Nick Hanauer: Sim, não, sim, certo.

  280. Sim, fazem-me essa pergunta muitas vezes.
  281. "Se se preocupa tanto com os impostos,
    porque não paga mais?
  282. e "Se se preocupa tanto com os salários,
    porque não paga mais?"
  283. Eu podia fazer isso.
  284. O problema é que
    isso não faz muita diferença,
  285. e descobri uma estratégia
  286. que funciona literalmente
    cem mil vezes melhor.
  287. Moderadora: Ok.

  288. NH: ... que é usar o meu dinheiro
    para criar narrativas e aprovar leis

  289. que exigem que as outras pessoas ricas
  290. paguem os seus impostos
    e paguem melhores salários.
  291. (Aplausos)

  292. Por exemplo,

  293. o salário mínimo que criámos,
    de 15 dólares por hora
  294. já afetou 30 milhões de trabalhadores.
  295. Isso funciona melhor.
  296. Moderadora: Isso é ótimo.

  297. Se mudar de opinião vamos encontrar
    algumas pessoas para ajudar.
  298. - OK, obrigado.
    - Muito obrigada.