Return to Video

A mente de um ex-jihadista radical

  • 0:01 - 0:06
    Estou aqui hoje como um homem
    que vive a vida plenamente, aqui e agora.
  • 0:07 - 0:10
    Mas, por muito tempo, vivi para a morte.
  • 0:12 - 0:14
    Eu era um jovem que acreditava
  • 0:14 - 0:18
    que o jihad deveria ser entendido
    na linguagem da força e da violência.
  • 0:21 - 0:24
    Tentei fazer justiça com poder e agressão.
  • 0:25 - 0:30
    Tinha profundas preocupações
    com o sofrimento alheio
  • 0:31 - 0:34
    e um forte desejo de ajudar
    a levar alívio às pessoas.
  • 0:37 - 0:43
    Achava que o jihad violento era nobre,
    distinto e a melhor forma de ajudar.
  • 0:46 - 0:49
    Em uma época em que tantos
    de nossa gente, especialmente jovens,
  • 0:49 - 0:51
    correm o risco de radicalização
  • 0:51 - 0:55
    por grupos como Al-Qaeda,
    Estado Islâmico e outros,
  • 0:56 - 1:01
    em que esses grupos afirmam
    que sua terrível brutalidade e violência
  • 1:01 - 1:02
    são o verdadeiro jihad,
  • 1:02 - 1:08
    quero dizer que essa ideia sobre o jihad
    é completamente errada,
  • 1:08 - 1:10
    como a minha era.
  • 1:11 - 1:14
    Jihad significa empenhar-se ao máximo.
  • 1:14 - 1:20
    Envolve esforço, espiritualidade,
    autopurificação e devoção.
  • 1:22 - 1:25
    Trata-se de transformação positiva
  • 1:25 - 1:29
    por meio de aprendizagem,
    sabedoria e lembrança de Deus.
  • 1:29 - 1:33
    A palavra jihad abrange
    todos esses significados.
  • 1:35 - 1:37
    O jihad pode, às vezes,
  • 1:37 - 1:39
    assumir a forma de luta,
  • 1:39 - 1:43
    mas apenas às vezes, em condições severas,
  • 1:44 - 1:47
    respeitando regras e limites.
  • 1:48 - 1:49
    No Islamismo,
  • 1:49 - 1:55
    o benefício de um ato deve compensar
    o dano ou sofrimento que traz.
  • 1:55 - 1:57
    Mais importante,
  • 1:57 - 2:02
    os versículos do Alcorão
    que estão associados ao jihad ou à luta
  • 2:02 - 2:05
    não anulam os que falam sobre
  • 2:06 - 2:10
    perdão, bondade ou paciência.
  • 2:13 - 2:18
    Mas agora acredito
    que não há circunstâncias
  • 2:18 - 2:21
    em que o jihad violento seja admissível,
  • 2:21 - 2:24
    porque isso implicará em maiores danos.
  • 2:26 - 2:28
    A ideia do jihad foi desvirtuada.
  • 2:28 - 2:32
    Foi distorcida em uma luta má e violenta,
  • 2:32 - 2:35
    onde quer que muçulmanos
    passem por dificuldades,
  • 2:35 - 2:39
    e tornou-se terrorismo
    por grupos islâmicos fascistas
  • 2:39 - 2:42
    como a Al-Quaeda,
    Estado Islâmico e outros.
  • 2:42 - 2:44
    Mas eu entendi
  • 2:44 - 2:48
    que o verdadeiro jihad
    significa empenhar-se ao máximo
  • 2:48 - 2:52
    para consolidar e viver
    as qualidades que Deus ama:
  • 2:52 - 2:56
    honestidade, lealdade, compaixão, bondade,
  • 2:57 - 3:00
    confiança, respeito, autenticidade.
  • 3:00 - 3:04
    Valores humanos que muitos
    de nós compartilhamos.
  • 3:06 - 3:10
    Nasci em Bangladesh, mas cresci
    principalmente na Inglaterra.
  • 3:10 - 3:12
    E frequentei a escola aqui.
  • 3:12 - 3:15
    Meu pai era um acadêmico,
  • 3:15 - 3:17
    e vivemos no Reino Unido
    por conta de seu trabalho.
  • 3:18 - 3:23
    Em 1971, estávamos em Bangladesh
    quando tudo mudou.
  • 3:24 - 3:28
    A Guerra da Independência
    teve terrível impacto sobre nós,
  • 3:28 - 3:31
    pondo família contra família,
    vizinho contra vizinho.
  • 3:31 - 3:36
    Aos 12 anos, vivenciei a guerra,
    pobreza na minha família,
  • 3:37 - 3:40
    a morte de 22 familiares,
    de formas terríveis,
  • 3:41 - 3:44
    bem como o assassinato
    do meu irmão mais velho.
  • 3:47 - 3:49
    Testemunhei matanças,
  • 3:51 - 3:54
    animais alimentando-se
    de cadáveres nas ruas,
  • 3:54 - 3:56
    a fome à minha volta,
  • 3:56 - 3:59
    violência gratuita, horrível.
    Violência sem sentido.
  • 4:02 - 4:07
    Eu era jovem, um adolescente
    fascinado por ideias.
  • 4:07 - 4:11
    Queria aprender, mas não pude
    ir à escola por quatro anos.
  • 4:13 - 4:17
    Após a Guerra da Independência, meu pai
    foi levado à prisão por dois anos e meio.
  • 4:18 - 4:21
    Eu ia visitá-lo toda semana na prisão
  • 4:21 - 4:23
    e estudava em casa.
  • 4:24 - 4:27
    Meu pai foi solto em 1973
  • 4:28 - 4:32
    e refugiou-se na Inglaterra,
    e logo o seguimos.
  • 4:33 - 4:34
    Eu tinha 17 anos.
  • 4:34 - 4:37
    Essas experiências trouxeram-me
  • 4:37 - 4:41
    uma nítida consciência sobre
    as atrocidades e injustiças do mundo.
  • 4:42 - 4:44
    E eu tinha um forte desejo,
  • 4:44 - 4:46
    um desejo intenso e profundo,
  • 4:46 - 4:49
    de fazer justiça e ajudar
    as vítimas da opressão.
  • 4:51 - 4:53
    Durante a faculdade no Reino Unido,
  • 4:53 - 4:58
    conheci outras pessoas que me mostraram
    como poderia canalizar esse desejo
  • 4:59 - 5:01
    e ajudar com minha religião.
  • 5:02 - 5:07
    E fui radicalizado. O suficiente
    para considerar correta a violência,
  • 5:08 - 5:10
    até mesmo uma virtude
    em certas circunstâncias.
  • 5:12 - 5:16
    Então me envolvi
    com o jihad no Afeganistão.
  • 5:16 - 5:20
    Queria proteger a população muçulmana
    do Exército Soviético.
  • 5:21 - 5:23
    E eu achava que aquilo era o jihad:
  • 5:23 - 5:27
    meu dever sagrado,
    que seria recompensado por Deus.
  • 5:32 - 5:34
    Tornei-me um pregador.
  • 5:36 - 5:41
    Eu era um dos pioneiros
    do jihad violento no Reino Unido.
  • 5:41 - 5:44
    Recrutei, angariei fundos, treinei.
  • 5:45 - 5:48
    Confundi o verdadeiro jihad
  • 5:48 - 5:52
    com essa perversão apresentada
    pelos grupos islâmicos fascistas,
  • 5:54 - 5:56
    que usam a ideia do jihad
  • 5:57 - 6:01
    para justificar seu desejo por poder,
    autoridade e controle na Terra.
  • 6:02 - 6:06
    Uma perversão perpetuada hoje
    por grupos islâmicos fascistas
  • 6:06 - 6:09
    como Al-Qaeda, Estado Islâmico e outros.
  • 6:10 - 6:12
    Por cerca de 15 anos,
  • 6:13 - 6:17
    lutei, por breves períodos,
  • 6:18 - 6:22
    na Caxemira e na Birmânia,
    além do Afeganistão.
  • 6:25 - 6:28
    Nosso objetivo era eliminar invasores,
  • 6:29 - 6:32
    trazer alívio às vítimas oprimidas
  • 6:33 - 6:38
    e, claro, estabelecer um Estado islâmico,
    um califado para a lei de Deus.
  • 6:39 - 6:40
    E fiz isso abertamente.
  • 6:41 - 6:44
    Não infringi nenhuma lei.
  • 6:44 - 6:49
    Tinha orgulho e gratidão
    por ser britânico, ainda tenho.
  • 6:49 - 6:53
    E não ostentava hostilidade
    contra este meu país,
  • 6:54 - 6:58
    nem inimizade contra
    cidadãos não-muçulmanos,
  • 6:58 - 6:59
    e ainda não ostento.
  • 7:02 - 7:04
    Durante uma batalha no Afeganistão,
  • 7:04 - 7:07
    alguns britânicos e eu criamos
    uma ligação especial
  • 7:08 - 7:12
    com um garoto afegão de 15 anos, Abdullah.
  • 7:13 - 7:17
    Um garoto ingênuo, amoroso e amável,
    sempre disposto a agradar.
  • 7:19 - 7:20
    Ele era pobre.
  • 7:21 - 7:24
    E garotos como ele realizavam
    trabalhos braçais no campo.
  • 7:24 - 7:26
    Ele parecia contente,
  • 7:26 - 7:30
    mas eu ficava pensando que seus pais
    deviam sentir muito a sua falta.
  • 7:32 - 7:35
    E que deviam ter sonhado
    com um futuro melhor para ele.
  • 7:38 - 7:40
    Uma vítima das circunstâncias,
    envolvido em uma guerra,
  • 7:40 - 7:42
    cruelmente imposta a ele
  • 7:43 - 7:45
    pelas cruéis circunstâncias do tempo.
  • 7:49 - 7:52
    Um dia, peguei uma bomba
    que não tinha explodido,
  • 7:53 - 7:54
    em uma trincheira,
  • 7:54 - 7:58
    e a levei a um laboratório improvisado
    em uma cabana de barro.
  • 7:59 - 8:02
    E saí para uma batalha
    breve e desnecessária,
  • 8:02 - 8:04
    sempre desnecessária,
  • 8:04 - 8:08
    e, quando voltei, algumas horas depois,
    descobri que ele estava morto.
  • 8:09 - 8:12
    Ele havia tentado recuperar
    os explosivos daquela bomba,
  • 8:12 - 8:15
    que explodiu, e ele sofreu
    uma morte violenta,
  • 8:15 - 8:20
    detonado pelo mesmo dispositivo
    que foi inofensivo para mim.
  • 8:21 - 8:23
    Então, comecei a questionar.
  • 8:25 - 8:28
    Qual foi o propósito dessa morte?
  • 8:30 - 8:32
    Por que ele morreu e eu vivi?
  • 8:34 - 8:35
    Continuei.
  • 8:35 - 8:37
    Lutei na Caxemira.
  • 8:37 - 8:41
    Também recrutei para as Filipinas,
    Bósnia e Chechênia.
  • 8:43 - 8:45
    Os questionamentos aumentaram.
  • 8:46 - 8:50
    Mais tarde, na Birmânia,
    encontrei os combatentes rohingya,
  • 8:50 - 8:54
    que eram apenas adolescentes,
    nascidos e criados na selva,
  • 8:54 - 8:56
    carregando metralhadoras e lança-granadas.
  • 9:00 - 9:02
    Conheci dois garotos de 13 anos,
  • 9:03 - 9:06
    de jeito doce e voz suave.
  • 9:07 - 9:10
    Olhando para mim, imploraram
    que os levasse comigo à Inglaterra.
  • 9:17 - 9:19
    Apenas queriam ir à escola.
  • 9:20 - 9:21
    Era o sonho deles.
  • 9:24 - 9:27
    Minha família, meus filhos da mesma idade,
  • 9:27 - 9:29
    estavam em casa, no Reino Unido,
  • 9:30 - 9:33
    indo à escola, vivendo uma vida segura.
  • 9:34 - 9:38
    E eu ficava pensando que esses garotos
    deviam ter conversado muito
  • 9:39 - 9:41
    sobre seus sonhos por uma vida assim.
  • 9:43 - 9:45
    Vítimas das circunstâncias,
  • 9:46 - 9:51
    esses dois garotos, dormindo no chão duro,
    olhando para as estrelas,
  • 9:51 - 9:54
    sordidamente explorados por seus líderes
  • 9:54 - 9:57
    para seu desejo pessoal
    por glória e poder.
  • 9:58 - 10:01
    Logo, assisti a garotos como eles
    mantando uns aos outros
  • 10:01 - 10:04
    em conflitos entre grupos rivais.
  • 10:05 - 10:08
    E era a mesma coisa em todo lugar:
  • 10:09 - 10:13
    Afeganistão, Caxemira, Birmânia,
    Filipinas, Chechênia.
  • 10:14 - 10:19
    Comandantes medíocres faziam jovens
    e vulneráveis matarem-se uns aos outros
  • 10:19 - 10:20
    em nome do jihad.
  • 10:22 - 10:24
    Muçulmanos contra muçulmanos.
  • 10:26 - 10:30
    Sem proteger ninguém
    contra invasores e ocupantes,
  • 10:30 - 10:32
    sem trazer alívio aos oprimidos.
  • 10:34 - 10:37
    Crianças sendo usadas,
    sordidamente exploradas,
  • 10:37 - 10:43
    pessoas morrendo em conflitos
    que eu apoiava em nome do jihad.
  • 10:45 - 10:47
    E isso continua ainda hoje.
  • 10:52 - 10:56
    Ao perceber que o jihad com o qual
  • 10:58 - 11:00
    havia me envolvido no exterior
  • 11:01 - 11:03
    era tão diferente,
  • 11:05 - 11:07
    um abismo tão grande
  • 11:09 - 11:12
    entre o que eu havia vivenciado
    e o que pensava ser dever sagrado,
  • 11:13 - 11:16
    tive de refletir sobre minhas
    atividades aqui no Reino Unido.
  • 11:18 - 11:20
    Tive de considerar minha pregação,
  • 11:20 - 11:23
    recrutamento, angariamento
    de fundos, treinamento
  • 11:23 - 11:26
    mas, mais importante, radicalização,
  • 11:27 - 11:30
    enviar jovens para lutar e morrer,
    como eu estava fazendo,
  • 11:30 - 11:32
    tudo completamente errado.
  • 11:36 - 11:39
    Envolvi-me com o jihad violento
    no meio dos anos 80,
  • 11:40 - 11:42
    começando pelo Afeganistão.
  • 11:43 - 11:46
    E parei no ano 2000.
  • 11:47 - 11:49
    Estava completamente imerso.
  • 11:49 - 11:52
    Ao meu redor, pessoas apoiavam, aplaudiam,
  • 11:52 - 11:55
    até mesmo celebravam
    o que fazíamos em nome delas.
  • 11:56 - 12:00
    Quando fui capaz de sair,
    completamente desiludido, no ano 2000,
  • 12:01 - 12:03
    haviam-se passado 15 anos.
  • 12:05 - 12:07
    O que deu errado?
  • 12:09 - 12:12
    Estávamos tão ocupados falando de virtude
  • 12:13 - 12:16
    e cegos por uma causa,
  • 12:20 - 12:25
    que não nos demos uma chance
    de desenvolver caráter virtuoso.
  • 12:26 - 12:29
    Dizíamos a nós mesmos
    que estávamos lutando pelos oprimidos,
  • 12:30 - 12:32
    mas essas guerras eram invencíveis.
  • 12:34 - 12:37
    Tornamo-nos o instrumento
    para mais mortes ocorrerem,
  • 12:37 - 12:41
    coniventes com a causa de mais miséria
  • 12:41 - 12:44
    para o benefício egoísta
    de uma minoria cruel.
  • 12:52 - 12:55
    Com o passar de muito tempo,
  • 12:57 - 12:58
    abri meus olhos.
  • 13:00 - 13:01
    Comecei a me atrever
  • 13:03 - 13:05
    a encarar a realidade,
  • 13:05 - 13:06
    a pensar,
  • 13:07 - 13:10
    a encarar as questões complicadas.
  • 13:10 - 13:12
    Entrei em contato com minha alma.
  • 13:22 - 13:24
    O que aprendi?
  • 13:25 - 13:29
    Que pessoas que se envolvem
    com o jihadismo violento,
  • 13:31 - 13:34
    que pessoas que são arrastadas
    para esse tipo de extremismo,
  • 13:35 - 13:37
    não são tão diferentes das outras pessoas.
  • 13:38 - 13:41
    Mas eu acredito
    que essas pessoas podem mudar.
  • 13:42 - 13:45
    Podem resgatar seus corações
    e restaurá-los,
  • 13:45 - 13:48
    enchendo-os com valores humanos que curam.
  • 13:55 - 13:57
    Quando ignoramos as realidades,
  • 13:57 - 13:59
    descobrimos
  • 14:00 - 14:04
    que aceitamos o que nos é dito
    sem reflexão crítica.
  • 14:06 - 14:09
    E ignoramos as regalias e vantagens
    que muitos de nós apreciaríamos
  • 14:09 - 14:12
    mesmo que por apenas
    um momento em nossas vidas.
  • 14:16 - 14:19
    Envolvi-me em ações
    que pensava serem corretas.
  • 14:22 - 14:26
    Mas, agora, comecei a questionar
    como eu sabia o que sabia.
  • 14:28 - 14:31
    Infinitamente, disse aos outros
    que aceitassem a verdade,
  • 14:32 - 14:36
    mas fracassei em dar
    o devido espaço para a dúvida.
  • 14:41 - 14:46
    Essa convicção de que pessoas podem mudar
    está enraizada em minha experiência,
  • 14:46 - 14:47
    minha própria jornada.
  • 14:49 - 14:50
    Com muita leitura,
  • 14:50 - 14:52
    reflexão,
  • 14:52 - 14:54
    contemplação, autoconhecimento,
  • 14:54 - 15:01
    percebi que o mundo islâmico,
    nosso e deles, é falso e injusto.
  • 15:05 - 15:08
    Considerando as incertezas
    em tudo que havíamos afirmado
  • 15:09 - 15:11
    ser verdades invioláveis,
  • 15:11 - 15:13
    verdades incontestáveis,
  • 15:15 - 15:18
    desenvolvi um entendimento mais flexível.
  • 15:24 - 15:29
    Percebi que, em um mundo
    repleto de diferenças e contradições,
  • 15:30 - 15:34
    apenas pregadores insensatos, como eu era,
  • 15:34 - 15:40
    não veem o paradoxo nos mitos e ficções
    que usam para alegar autenticidade.
  • 15:41 - 15:46
    Então entendi a importância vital
    do autoconhecimento,
  • 15:46 - 15:47
    da consciência política,
  • 15:48 - 15:50
    e a necessidade de um profundo
  • 15:51 - 15:53
    e amplo entendimento
  • 15:53 - 15:57
    de nossos esforços e ações,
    e de como eles afetam os outros.
  • 15:59 - 16:00
    Meu apelo a todos hoje,
  • 16:00 - 16:05
    principalmente àqueles que sinceramente
    acreditam no jihadismo islâmico:
  • 16:06 - 16:09
    recusem autoridade dogmática,
  • 16:10 - 16:14
    abandonem a raiva, o ódio e a violência,
  • 16:15 - 16:17
    aprendam a fazer justiça
  • 16:17 - 16:22
    sem tentar defender
    comportamento cruel, injusto e fútil.
  • 16:25 - 16:30
    Criem coisas bonitas
    e úteis que nos transcendam.
  • 16:33 - 16:36
    Tratem o mundo, a vida, com amor.
  • 16:38 - 16:40
    Aprendam a desenvolver
    ou cultivar seus corações
  • 16:40 - 16:44
    para ver bondade, beleza e verdade
    nos outros e no mundo.
  • 16:45 - 16:48
    Assim, somos mais importantes
    para nós mesmos,
  • 16:49 - 16:50
    um para o outro,
  • 16:51 - 16:54
    para nossas comunidades
    e, acho, para Deus.
  • 16:55 - 16:56
    Isso é o jihad,
  • 16:57 - 16:58
    meu verdadeiro jihad.
  • 16:59 - 17:00
    Obrigado.
  • 17:00 - 17:02
    (Aplausos)
Title:
A mente de um ex-jihadista radical
Speaker:
Manwar Ali
Description:

"Por muito tempo, vivi para a morte", diz Manwar Ali, um ex-jihadista radical que participou de campanhas armadas violentas no Oriente Médio e na Ásia, nos anos 1980. Nessa comovente palestra, ele reflete a respeito de sua experiência com a radicalização e faz um apelo poderoso e direto a todos que são arrastados para grupos islâmicos que afirmam que violência e brutalidade são nobres e virtuosas: abandonem a raiva e o ódio, ele diz, e cultivem seus corações para ver bondade, beleza e verdade nos outros.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
17:22

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions