Portuguese subtitles

← As formas ocultas como as escadas modelam a nossa vida

As escadas não servem só para nos levar do ponto A ao ponto B. O arquiteto David Rockwell explica como elas modelam os nossos movimentos e as nossas sensações.

Get Embed Code
37 Languages

Showing Revision 5 created 02/05/2019 by Margarida Ferreira.

  1. Penso que as escadas podem ser
  2. um dos elementos físicos
    mais emotivamente maleáveis
  3. com que um arquiteto tem de trabalhar.
  4. [Coisa pequena]

  5. [Grande ideia]
  6. [O que diz David Rockwell
    sobre as Escadas]

  7. No sentido mais básico, uma escada
    é uma forma de ir do ponto A ao ponto B

  8. situados em diferentes níveis.
  9. As escadas têm uma linguagem comum.
  10. Os degraus, que é aquilo que pisamos.
  11. Os espelhos, que é o elemento vertical
    que separa dois degraus.
  12. Muitas escadas têm saliências
    que criam uma espécie de borda.
  13. E depois, a peça de ligação
    é um rodapé.
  14. Estas peças, de formas diferentes,
    compõem todas as escadas.
  15. Penso que as escadas apareceram
    na primeira vez que alguém disse:

  16. "Quero subir desta rocha mais baixa
    para a rocha mais alta".
  17. As pessoas trepavam
    usando o que houvesse disponível:
  18. troncos empilhados, escadas de mão,
  19. caminhos naturais formados com o tempo.
  20. Algumas das escadas mais antigas
    como as pirâmides em Chichén Itzá
  21. ou as estradas para o Monte Tai, na China,
  22. eram um meio para chegar
    a uma elevação mais alta
  23. que as pessoas procuravam
    para adoração ou proteção.
  24. À medida que a engenharia evoluiu,
    também evoluiu o que era prático.

  25. As escadas podem ser feitas
    de todo o tipo de materiais.
  26. Há escadas lineares,
    há escadas em espiral.
  27. As escadas podem ser de interior
    ou de exterior.
  28. Ajudam-nos muito em emergências
  29. mas também são uma forma de arte
    por si mesmas.
  30. Quando percorremos uma escada,

  31. a forma dita a nossa passada,
    a nossa sensação, a nossa segurança
  32. e a nossa relação e compromisso
    com o espaço à nossa volta.
  33. Por instantes, pensem em descer
    uma escadaria monumental,
  34. como a que há em frente
    da Biblioteca Pública de Nova Iorque.
  35. A partir daqueles degraus,
  36. temos uma vista da rua
    e de todas as pessoas à nossa volta.
  37. A nossa passada é lenta e regular
    porque o degrau é muito largo.
  38. É uma experiência totalmente diferente
  39. de descer uma escada estreita
    para, digamos, um antigo bar
  40. onde entramos diretamente no local.
  41. Aí encontramos espelhos altos,
    por isso descemos mais depressa.
  42. As escadas propiciam um dramatismo enorme.

  43. Pensem em como as escadas
    assinalavam uma entrada imponente
  44. e e eram a estrela do momento.
  45. As escadas até podem ser heroicas.
  46. As escadas que se mantiveram de pé
    depois do 11 de setembro
  47. e do ataque ao World Trade Center
  48. foram batizadas
    "Escadas dos Sobreviventes"
  49. porque desempenharam um papel fundamental
  50. guiando centenas de pessoas
    para um local seguro.
  51. Mas as escadas pequenas
    também têm um impacto enorme.

  52. A escada da frente
    convida os vizinhos a reunir-se,
  53. a pôr música e a ver
    a cidade em movimento,
  54. É fascinante ver as pessoas
    quererem confraternizar nas escadas.
  55. Penso que elas satisfazem
    a profunda necessidade humana que temos
  56. de habitar um espaço
    que não seja apenas um lugar plano.
  57. Se pudermos sentar-nos
    a meio caminho,
  58. encontramo-nos num local mágico.