Return to Video

Controlo natural de pragas... usando insetos!

  • 0:00 - 0:02
    Sou um amante de insetos,
  • 0:02 - 0:04
    aliás, não desde criança,
  • 0:04 - 0:06
    mas um pouco mais tarde.
  • 0:06 - 0:08
    Quando fiz o bacharelato,
  • 0:08 - 0:11
    formei-me em zoologia
    na Universidade de Tel Aviv,
  • 0:11 - 0:13
    apaixonei-me por insetos.
  • 0:13 - 0:15
    E depois, em zoologia,
  • 0:15 - 0:18
    tirei o curso ou a disciplina
    de entomologia,
  • 0:18 - 0:20
    a ciência dos insetos.
  • 0:21 - 0:22
    Depois , pensei:
  • 0:22 - 0:27
    "Como poderei praticar ou contribuir
    para a ciência da entomologia?"
  • 0:27 - 0:30
    Então, passei para o mundo
    da proteção das plantas,
  • 0:31 - 0:33
    a proteção das plantas contra os insetos,
  • 0:33 - 0:35
    contra os insetos prejudiciais.
  • 0:35 - 0:37
    E, depois, dentro da proteção das plantas,
  • 0:37 - 0:39
    cheguei à disciplina
  • 0:39 - 0:41
    do controlo biológico de pragas
  • 0:41 - 0:43
    que definimos
  • 0:43 - 0:46
    como o uso de organismos vivos
  • 0:46 - 0:49
    para reduzir as populações
  • 0:49 - 0:51
    de pragas prejudiciais às plantas.
  • 0:51 - 0:54
    Há toda uma disciplina
    sobre a proteção de plantas
  • 0:54 - 0:57
    que visa a redução dos químicos.
  • 0:58 - 1:00
    E, a propósito,
    o controlo biológico de pragas,
  • 1:00 - 1:03
    ou esses insetos bons
    de que estamos a falar,
  • 1:03 - 1:06
    existem no mundo
    há milhares e milhares de anos,
  • 1:07 - 1:08
    há muito, muito tempo.
  • 1:09 - 1:11
    Mas só nos últimos 120 anos
  • 1:12 - 1:14
    é que as pessoas começaram
  • 1:14 - 1:18
    ou as pessoas souberam cada vez mais
    como explorar, ou como usar,
  • 1:18 - 1:20
    este fenómeno do controlo biológico,
  • 1:20 - 1:24
    ou seja, o fenómeno do controlo natural,
  • 1:24 - 1:26
    segundo as suas necessidades.
  • 1:26 - 1:28
    Porque o fenómeno do controlo biológico,
  • 1:28 - 1:30
    podemos vê-lo nos nossos quintais,
  • 1:30 - 1:33
    Basta arranjar uma lupa.
    Veem o que eu tenho aqui?
  • 1:33 - 1:35
    É uma lente de aumentar 10 vezes.
  • 1:36 - 1:37
    Sim, 10 vezes.
  • 1:37 - 1:38
    Basta abri-la.
  • 1:38 - 1:41
    Virem uma folha
    e verão todo um mundo novo
  • 1:41 - 1:43
    de insetos minúsculos,
  • 1:43 - 1:46
    ou de pequenas aranhas
    com um milímetro, um milímetro e meio,
  • 1:46 - 1:48
    dois milímetros de comprimento,
  • 1:48 - 1:51
    e podemos distinguir
    entre os bons e os maus.
  • 1:51 - 1:54
    Portanto, este fenómeno
    de controlo natural
  • 1:54 - 1:56
    existe literalmente por toda a parte,
  • 1:56 - 1:58
    aqui, em frente deste edifício,
    seguramente.
  • 1:58 - 2:00
    Basta olhar para as plantas.
  • 2:00 - 2:02
    Portanto, está por toda a parte,
  • 2:02 - 2:04
    e precisamos de saber como explorá-lo.
  • 2:04 - 2:06
    Vamos todos
  • 2:06 - 2:09
    percorrer alguns exemplos.
  • 2:09 - 2:11
    O que é uma praga?
  • 2:11 - 2:14
    Que prejuízos é que inflige na planta?
  • 2:14 - 2:16
    E qual é o inimigo natural,
  • 2:16 - 2:18
    o agente controlado biologicamente,
  • 2:18 - 2:20
    ou o inseto bom, de que estamos a falar?
  • 2:20 - 2:22
    Genericamente, vou falar
  • 2:22 - 2:26
    de insetos e de aranhas,
  • 2:26 - 2:28
    ou de ácaros, chamemos-lhes assim.
  • 2:28 - 2:30
    Os insetos,
    esses organismos de seis pernas,
  • 2:30 - 2:32
    e as aranhas ou os ácaros,
  • 2:32 - 2:34
    os organismos de oito pernas.
  • 2:34 - 2:36
    Vamos observá-los.
  • 2:36 - 2:39
    Este é uma praga, uma praga devastadora,
    um ácaro-aranha,
  • 2:39 - 2:42
    porque faz uma teia parecida
    com a da aranha.
  • 2:43 - 2:44
    Vemos a mãe no meio
  • 2:44 - 2:47
    e, provavelmente, dois filhos,
    à esquerda e à direita,
  • 2:47 - 2:49
    e um único ovo do lado direito.
  • 2:49 - 2:51
    Vemos o tipo de estragos
    que podem infligir.
  • 2:51 - 2:53
    Do lado direito,
    podem ver uma folha de pepino,
  • 2:53 - 2:56
    e, a meio, uma folha de algodão,
  • 2:56 - 2:59
    e, à esquerda, uma folha de tomate
    com pequenas serrilhas.
  • 2:59 - 3:01
    Podem passar de verdes a brancas
  • 3:01 - 3:03
    por causa das bocas
  • 3:03 - 3:05
    sugadoras, perfuradoras
  • 3:05 - 3:07
    destas aranhas.
  • 3:08 - 3:09
    Mas chega a Natureza
  • 3:09 - 3:11
    que nos oferece uma aranha boa.
  • 3:11 - 3:15
    Este é um ácaro predador — de resto,
    tão pequeno como um ácaro-aranha
  • 3:15 - 3:18
    um milímetro, dois milímetros
    de comprimento, nada mais,
  • 3:18 - 3:20
    a correr rapidamente, à caça,
  • 3:20 - 3:22
    perseguindo os ácaros-aranha.
  • 3:22 - 3:24
    E aqui podem ver esta dama em ação
  • 3:24 - 3:26
    do lado esquerdo,
  • 3:26 - 3:28
    a perfurar, a sugar
  • 3:28 - 3:31
    os fluidos corporais
    do lado esquerdo do ácaro-aranha.
  • 3:31 - 3:34
    E ao fim de cinco minutos,
    é isto que veem:
  • 3:34 - 3:36
    um cadáver vulgar,
  • 3:36 - 3:38
    murcho, sugado,
  • 3:38 - 3:40
    o cadáver do ácaro-aranha,
  • 3:40 - 3:44
    e, junto dele, dois indivíduos saciados
  • 3:44 - 3:45
    de ácaros predadores,
  • 3:45 - 3:47
    uma mãe do lado esquerdo,
  • 3:47 - 3:49
    uma ninfa jovem do lado direito.
  • 3:49 - 3:51
    A propósito, para eles,
    uma refeição para 24 horas,
  • 3:51 - 3:54
    é de cerca de cinco indivíduos
  • 3:54 - 3:56
    de ácaros-aranha, os ácaros maus,
  • 3:56 - 3:58
    ou de 15 a 20 ovos
  • 3:58 - 4:01
    dos ácaros-aranha.
  • 4:01 - 4:03
    A propósito, estão sempre com fome...
  • 4:03 - 4:05
    (Risos)
  • 4:06 - 4:08
    E este é outro exemplo: afídios.
  • 4:08 - 4:10
    A propósito, agora em Israel é primavera.
  • 4:10 - 4:12
    Quando a temperatura sobe bruscamente,
  • 4:12 - 4:15
    podemos ver estas pragas,
    estes afídios, em todas as plantas,
  • 4:15 - 4:18
    nos nossos hibiscos, nas nossas lantanas,
  • 4:18 - 4:20
    na jovem folhagem fresca
  • 4:20 - 4:22
    da chamada floração primaveril.
  • 4:22 - 4:25
    A propósito, com os afídios
    só temos fêmeas.
  • 4:25 - 4:27
    como as amazonas.
  • 4:27 - 4:30
    As fêmeas dão origem a fêmeas
    que dão origem a outras fêmeas.
  • 4:30 - 4:31
    Não há machos.
  • 4:31 - 4:33
    Chama-se a isso partogénese.
  • 4:33 - 4:36
    E, segundo parece,
    vivem assim muito felizes.
  • 4:36 - 4:37
    (Risos)
  • 4:37 - 4:38
    Podemos ver aqui os estragos.
  • 4:38 - 4:44
    Estes afídios segregam
    um líquido pegajoso, açucarado,
  • 4:44 - 4:46
    chamado melada,
  • 4:46 - 4:49
    que envolve
    as partes superiores da planta.
  • 4:49 - 4:51
    Vemos aqui uma folha de pepino vulgar
  • 4:51 - 4:53
    que passou de verde a preto
  • 4:53 - 4:55
    por causa de um fungo negro, a fusariose,
  • 4:55 - 4:57
    que a cobre.
  • 4:57 - 5:00
    E é aqui que aparece a salvação
  • 5:00 - 5:03
    através desta vespa parasitária.
  • 5:03 - 5:05
    Aqui não estamos a falar de um predador.
  • 5:05 - 5:07
    Aqui estamos a falar de um parasita —
  • 5:07 - 5:10
    não é um parasita de duas pernas.
  • 5:10 - 5:12
    mas um parasita de oito pernas, claro.
  • 5:13 - 5:14
    É uma vespa parasita,
  • 5:14 - 5:17
    mais uma vez com dois milímetros
    de comprimento, elegante,
  • 5:17 - 5:18
    um inseto voador
  • 5:18 - 5:20
    muito rápido e aguçado.
  • 5:20 - 5:22
    E aqui podemos ver este parasita em ação,
  • 5:22 - 5:25
    como numa manobra acrobática.
  • 5:25 - 5:27
    Coloca-se face a face
  • 5:27 - 5:29
    em frente da vítima do lado direito,
  • 5:29 - 5:31
    inclinando o abdómen
  • 5:31 - 5:33
    e inserindo um único ovo,
  • 5:33 - 5:37
    um único ovo nos fluidos corporais
    do afídio.
  • 5:37 - 5:40
    A propósito, o afídio tenta fugir.
  • 5:40 - 5:42
    Esperneia e morde
  • 5:42 - 5:44
    e segrega diversos líquidos,
  • 5:44 - 5:46
    mas, na realidade, nada acontece.
  • 5:46 - 5:48
    Só o ovo do parasitoide
  • 5:48 - 5:52
    será introduzido
    nos fluidos corporais do afídio.
  • 5:52 - 5:55
    E ao fim de uns dias,
    consoante a temperatura,
  • 5:55 - 5:56
    o ovo eclodirá
  • 5:56 - 5:58
    e a larva deste parasita
  • 5:58 - 6:01
    comerá o afídio por dentro.
  • 6:01 - 6:03
    Isto é tudo natural. É tudo natural.
  • 6:03 - 6:05
    (Risos)
  • 6:05 - 6:06
    Não é ficção, nada disso.
  • 6:06 - 6:08
    Mais uma vez, no nosso quintal
  • 6:08 - 6:09
    no nosso quintal.
  • 6:09 - 6:12
    (Risos)
    (Aplausos)
  • 6:12 - 6:13
    Mas o resultado final é este.
  • 6:13 - 6:16
    É este o resultado final:
  • 6:16 - 6:17
    Múmias —
  • 6:17 - 6:19
    M-U-M-I-A.S.
  • 6:19 - 6:23
    É este o resultado visual dum afídio morto
  • 6:23 - 6:24
    que contém lá dentro
  • 6:24 - 6:27
    um parasitoide em desenvolvimento
  • 6:27 - 6:30
    que, ao fim de uns minutos,
    vemos meio de fora.
  • 6:30 - 6:33
    O nascimento está quase completo.
  • 6:33 - 6:35
    De resto, podemos vê-lo
    em diversos filmes, etc.,
  • 6:35 - 6:37
    bastam uns minutos.
  • 6:37 - 6:41
    E esta é uma fêmea,
    que acasala imediatamente com um macho
  • 6:41 - 6:43
    e vai-se embora,
    porque o tempo é muito curto.
  • 6:43 - 6:46
    Esta fêmea só vive três ou quatro dias,
  • 6:46 - 6:48
    e precisa de dar origem
  • 6:48 - 6:50
    a cerca de 400 ovos.
  • 6:50 - 6:53
    Isso significa que tem 400 afídios maus
  • 6:53 - 6:55
    onde pôr os ovos
  • 6:55 - 6:57
    nos seus fluidos corporais.
  • 6:57 - 6:59
    E claro que isto não é o fim da história.
  • 6:59 - 7:02
    Há uma grande riqueza
    de outros inimigos naturais
  • 7:02 - 7:03
    e é apenas o último exemplo.
  • 7:03 - 7:06
    Mais uma vez, vamos começar pela praga:
  • 7:06 - 7:07
    os tripses.
  • 7:07 - 7:09
    A propósito, todos estes nomes esquisitos
  • 7:09 - 7:13
    -- não vos massacrei com
    os nomes latinos destas criaturas,
  • 7:13 - 7:15
    ok, só os nomes comuns.
  • 7:15 - 7:17
    Mas esta é uma praga bonita, elegante
  • 7:17 - 7:18
    e muito má.
  • 7:18 - 7:21
    Vejam isto, pimentos doces.
  • 7:21 - 7:24
    Não é apenas um pimento doce
    exótico, ornamental.
  • 7:24 - 7:26
    É um pimento doce que não é comestível
  • 7:26 - 7:29
    porque sofre duma doença viral
  • 7:29 - 7:33
    transmitida pelos tripses adultos.
  • 7:33 - 7:34
    E lá vem o seu inimigo natural,
  • 7:34 - 7:36
    o minúsculo inseto pirata,
  • 7:36 - 7:39
    "minúsculo" porque é muito pequeno.
  • 7:39 - 7:42
    Podem ver aqui o adulto,
    negro, e os dois jovens.
  • 7:42 - 7:44
    E, de novo, em ação,
  • 7:44 - 7:47
    o adulto perfura o tripse,
  • 7:48 - 7:49
    sugando-o durante alguns minutos,
  • 7:49 - 7:51
    passando para outra presa,
  • 7:51 - 7:53
    continuando por todo o local.
  • 7:53 - 7:57
    E, se espalharmos estes
    insetos piratas minúsculos, os bons,
  • 7:57 - 7:59
    por exemplo, num pedaço de pimento doce,
  • 7:59 - 8:02
    eles sobem até às flores.
  • 8:02 - 8:04
    E, vejam, esta flor está inundada
  • 8:04 - 8:07
    de insetos predadores, os bons,
  • 8:07 - 8:10
    depois de eliminarem os maus, os tripses.
  • 8:10 - 8:13
    A propósito,
    esta é uma situação muito positiva.
  • 8:13 - 8:15
    Não há prejuízo para o fruto
    em desenvolvimento,
  • 8:15 - 8:17
    nenhum prejuízo para o fruto.
  • 8:17 - 8:20
    Tudo fica bem nestas circunstâncias.
  • 8:20 - 8:22
    Mas, mais uma vez, a questão é esta:
  • 8:22 - 8:24
    Aqui vemo-los numa base de um-para-um
  • 8:24 - 8:26
    -- a praga, o inimigo natural.
  • 8:26 - 8:29
    O que fazemos é isto.
  • 8:30 - 8:31
    No nordeste de Israel,
  • 8:31 - 8:33
    na área do Kibbutz Sde Eliyahu,
  • 8:33 - 8:35
    há um complexo
  • 8:35 - 8:37
    que produz estes inimigos
    naturais em massa.
  • 8:38 - 8:40
    Por outras palavras, o que ali fazemos,
  • 8:40 - 8:41
    amplificamos,
  • 8:41 - 8:44
    amplificamos o controlo natural,
  • 8:44 - 8:46
    ou o fenómeno do controlo biológico.
  • 8:46 - 8:49
    E em 30 000 metros quadrados
  • 8:49 - 8:51
    de estufas ultramodernas,
  • 8:51 - 8:54
    estamos a produzir em massa
    estes ácaros predatórios,
  • 8:54 - 8:56
    esses minúsculos insetos piratas,
  • 8:56 - 8:59
    estas vespas parasitas, etc., etc.
  • 8:59 - 9:00
    Muitas partes diferentes.
  • 9:00 - 9:03
    A propósito, têm uma paisagem muito bonita
  • 9:03 - 9:05
    -- vemos as montanhas Jordão dum lado,
  • 9:05 - 9:07
    e o Vale do Jordão do outro,
  • 9:07 - 9:09
    e um inverno bom e ameno
  • 9:09 - 9:11
    e um verão agradável e quente,
  • 9:11 - 9:13
    que é uma condição excelente
  • 9:13 - 9:15
    para a produção em massa destas criaturas.
  • 9:15 - 9:17
    E, a propósito, a produção em massa
  • 9:17 - 9:19
    não é manipulação genética.
  • 9:20 - 9:21
    Não há OGMs
  • 9:21 - 9:23
    -- Organismos Geneticamente Modificados
    -- nenhuns.
  • 9:23 - 9:25
    Vamos buscá-los à Natureza,
  • 9:25 - 9:27
    e a única coisa que fazemos,
  • 9:27 - 9:30
    damos-lhes condições ótimas,
  • 9:30 - 9:32
    nas estufas ou em salas climatizadas,
  • 9:32 - 9:34
    a fim de proliferarem,
  • 9:34 - 9:36
    multiplicarem-se e reproduzirem-se.
  • 9:36 - 9:38
    E, na verdade, é assim que os obtemos.
  • 9:38 - 9:40
    Vemo-los a um microscópio.
  • 9:40 - 9:44
    Vemos no canto superior esquerdo,
    vemos um único ácaro predatório.
  • 9:44 - 9:46
    E este é um grupo de ácaros predatórios.
  • 9:46 - 9:49
    Vemos esta ampola. Vemos esta aqui.
  • 9:49 - 9:52
    Tenho aqui um grama
    destes ácaros predatórios.
  • 9:52 - 9:56
    Um grama são 80 000 indivíduos.
  • 9:56 - 9:58
    80 000 indivíduos
  • 9:58 - 10:00
    são suficientes
  • 10:00 - 10:04
    para controlar 4000 metros quadrados
  • 10:04 - 10:06
    de um campo de morangos
  • 10:06 - 10:09
    contra os ácaros-aranha
    durante toda a estação,
  • 10:09 - 10:11
    durante quase um ano.
  • 10:11 - 10:14
    E, a partir disto, podemos produzir,
    acreditem em mim,
  • 10:15 - 10:17
    várias dezenas de quilogramas
  • 10:17 - 10:19
    por ano.
  • 10:19 - 10:21
    É a isto que eu chamo
  • 10:21 - 10:23
    amplificação do fenómeno.
  • 10:23 - 10:27
    E não, não prejudicamos o equilíbrio.
  • 10:27 - 10:28
    Pelo contrário,
  • 10:28 - 10:31
    porque levamo-los
    a todos os campos de cultura
  • 10:31 - 10:34
    em que o equilíbrio já estava prejudicado
  • 10:34 - 10:35
    pelos químicos.
  • 10:35 - 10:37
    Entramos com estes inimigos naturais
  • 10:37 - 10:40
    a fim de inverter um pouco a roda
  • 10:40 - 10:42
    e proporcionar um equilíbrio mais natural
  • 10:42 - 10:46
    ao campo agrícola, reduzindo os químicos.
  • 10:46 - 10:47
    É essa a ideia.
  • 10:47 - 10:49
    E qual é o impacto?
  • 10:49 - 10:52
    Neste quadro, podemos ver qual é o impacto
  • 10:52 - 10:55
    dum controlo biológico bem sucedido
  • 10:55 - 10:56
    por meio de insetos bons.
  • 10:57 - 10:58
    Por exemplo, em Israel,
  • 10:58 - 11:00
    onde utilizamos
  • 11:00 - 11:03
    mais de 1000 hectares
  • 11:03 - 11:06
    — 10 000 "dunams" em termos israelitas —
  • 11:06 - 11:08
    de controlo biológico da praga
    nos pimentos doces
  • 11:08 - 11:10
    sob proteção,
  • 11:10 - 11:12
    reduziram-se, com efeito,
  • 11:12 - 11:14
    75% dos pesticidas.
  • 11:14 - 11:16
    E com os morangos israelitas, ainda mais
  • 11:16 - 11:18
    -- 80% dos pesticidas.
  • 11:18 - 11:22
    especialmente os que visam
    as pragas de ácaros nos morangos.
  • 11:23 - 11:25
    Portanto, o impacto é muito forte.
  • 11:26 - 11:28
    E impõe-se uma pergunta,
  • 11:28 - 11:31
    especialmente se perguntarmos
    aos produtores, aos agricultores:
  • 11:31 - 11:33
    Porquê o controlo biológico?
  • 11:33 - 11:35
    Porquê insetos bons?
  • 11:35 - 11:37
    A propósito,
    o número de respostas que recebemos
  • 11:37 - 11:40
    é igual ao número de pessoas
    a quem perguntamos.
  • 11:41 - 11:44
    Mas se formos, por exemplo, a outro local,
  • 11:44 - 11:45
    a sudeste de Israel,
  • 11:45 - 11:49
    à área de Arava,
    por cima do Grande Vale do Rift,
  • 11:49 - 11:53
    onde se situa a pérola da agricultura
    israelita de mais alto nível,
  • 11:54 - 11:58
    especialmente em condições de estufas,
    ou sob condições protegidas —
  • 11:58 - 12:00
    se formos diretos a Eilat, vemos isto,
  • 12:00 - 12:02
    mesmo no meio do deserto.
  • 12:03 - 12:04
    E, se aumentarmos aqui,
  • 12:04 - 12:06
    podemos observar isto:
  • 12:06 - 12:08
    avós com os seus netos,
  • 12:08 - 12:11
    distribuindo os inimigos naturais,
    os insetos bons,
  • 12:11 - 12:15
    em vez de usar fatos especiais
    e máscaras de gás
  • 12:15 - 12:16
    para aplicar químicos.
  • 12:17 - 12:19
    Portanto, no que se refere à aplicação,
    a segurança
  • 12:19 - 12:22
    é a resposta número um
    que recebemos dos cultivadores,
  • 12:22 - 12:25
    ao porquê do controlo biológico.
  • 12:26 - 12:27
    A resposta número dois:
  • 12:27 - 12:30
    muitos produtores ficam, de facto,
    petrificados
  • 12:30 - 12:33
    com a ideia da resistência,
  • 12:33 - 12:36
    de que as pragas se tornem resistentes
  • 12:36 - 12:37
    aos químicos.
  • 12:38 - 12:42
    No nosso caso, que as bactérias
    se tornem resistentes aos antibióticos.
  • 12:42 - 12:45
    É a mesma coisa,
    e pode acontecer rapidamente.
  • 12:45 - 12:48
    Felizmente, quer no controlo biológico,
  • 12:48 - 12:49
    quer no controlo natural,
  • 12:49 - 12:53
    a resistência é extremamente rara.
  • 12:53 - 12:54
    Dificilmente acontece.
  • 12:54 - 12:56
    Porque isto é evolução,
  • 12:56 - 12:58
    é a relação natural,
  • 12:58 - 13:00
    ao contrário da resistência,
  • 13:00 - 13:02
    que acontece no caso dos químicos.
  • 13:02 - 13:05
    E a número três: a exigência pública.
  • 13:05 - 13:07
    A exigência pública
  • 13:07 - 13:10
    — quanto mais o público
    exige a redução de químicos,
  • 13:10 - 13:13
    maior número de produtores
    toma consciência do facto
  • 13:13 - 13:16
    de que devem, sempre que possam
    e sempre que possível,
  • 13:16 - 13:19
    substituir o controlo químico
  • 13:19 - 13:21
    pelo controlo biológico.
  • 13:21 - 13:23
    Temos aqui outra produtora,
  • 13:23 - 13:26
    como veem,
    muito interessada nos insetos,
  • 13:26 - 13:27
    nos maus e nos bons,
  • 13:27 - 13:29
    usando esta lupa na cabeça,
  • 13:29 - 13:30
    a percorrer com segurança
  • 13:30 - 13:32
    a sua cultura.
  • 13:32 - 13:35
    Por fim, quero chegar à minha visão,
  • 13:35 - 13:37
    ou, na realidade, ao meu sonho.
  • 13:37 - 13:39
    Porque, sabem, a realidade é esta.
  • 13:40 - 13:41
    Reparem no fosso.
  • 13:41 - 13:43
    Se tomarmos em consideração
    o cômputo geral
  • 13:43 - 13:46
    da indústria do controlo biológico,
    a nível mundial,
  • 13:46 - 13:48
    são 250 milhões de dólares.
  • 13:49 - 13:52
    E vejam a indústria global de pesticidas
  • 13:52 - 13:54
    em todas as culturas a nível mundial.
  • 13:54 - 13:57
    Penso que será cerca de 100 vezes maior.
  • 13:57 - 13:59
    Vinte e cinco mil milhões de dólares!
  • 13:59 - 14:02
    Há pois um enorme fosso a preencher.
  • 14:02 - 14:04
    Então, o que é que podemos fazer?
  • 14:04 - 14:07
    Como podemos eliminar ou,
    pelo menos, reduzir, este fosso
  • 14:07 - 14:09
    ao longo dos anos?
  • 14:09 - 14:13
    Primeiro que tudo, precisamos
    de encontrar soluções mais robustas,
  • 14:13 - 14:16
    soluções biológicas melhores
    e mais fiáveis,
  • 14:16 - 14:18
    insetos melhores
  • 14:18 - 14:20
    que possamos produzir em massa
  • 14:20 - 14:23
    ou conservar no terreno.
  • 14:23 - 14:26
    Em segundo lugar,
    criar uma exigência pública
  • 14:26 - 14:28
    mais intensiva e mais estrita
  • 14:28 - 14:29
    para a redução de químicos
  • 14:29 - 14:32
    na produção agrícola de produtos frescos.
  • 14:32 - 14:36
    E, em terceiro lugar, aumentar também
    a consciência entre os produtores
  • 14:36 - 14:38
    para o potencial desta indústria.
  • 14:38 - 14:41
    E este fosso acaba por diminuir.
  • 14:41 - 14:43
    Passo a passo, vai-se estreitando.
  • 14:44 - 14:46
    Acho que o meu último diapositivo é:
  • 14:47 - 14:49
    Tudo o que estamos a dizer,
    podemos cantar:
  • 14:49 - 14:51
    É: Deem uma oportunidade à Natureza.
  • 14:51 - 14:52
    Estou a afirmá-lo,
  • 14:52 - 14:56
    em nome de todos os peticionários
    e implementadores do biocontrolo,
  • 14:56 - 14:58
    em Israel e fora dele,
  • 14:58 - 15:00
    deem uma oportunidade à Natureza.
  • 15:00 - 15:01
    Obrigado.
  • 15:01 - 15:03
    (Aplausos)
Title:
Controlo natural de pragas... usando insetos!
Speaker:
Shimon Steinberg
Description:

Em TEDxTelAviv, Shimon Steinberg observa as diferenças entre pragas e insetos — e defende a utilização de insetos bons para combater os insetos maus, fugindo aos químicos na sua procura duma produção perfeita.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
15:03

Portuguese subtitles

Revisions Compare revisions