Return to Video

Um apelo pessoal por humanidade na fronteira EUA-México

  • 0:02 - 0:03
    Isto é algo pessoal.
  • 0:05 - 0:09
    Sei como é ter o governo dizendo:
  • 0:09 - 0:10
    "Vamos matar você de manhã".
  • 0:12 - 0:16
    Sei como é deixar um país com aviso
    de apenas seis horas de antecedência
  • 0:16 - 0:17
    e pousar no sofá de alguém.
  • 0:18 - 0:19
    Por isso, escrevi um livro
  • 0:19 - 0:22
    sobre por que os países
    prosperam e por que não.
  • 0:23 - 0:25
    Vou resumir 250 páginas.
  • 0:26 - 0:28
    Os países precisam ter compaixão,
  • 0:28 - 0:29
    ser gentis,
  • 0:29 - 0:31
    inteligentes e corajosos.
  • 0:32 - 0:33
    Querem saber o que não funciona?
  • 0:33 - 0:36
    Quando se governa pelo medo
    e pela crueldade,
  • 0:36 - 0:38
    simplesmente não funciona.
  • 0:38 - 0:40
    Podemos brincar de Genghis Khan,
  • 0:40 - 0:42
    de Stalin
  • 0:42 - 0:43
    e de Pinochet por algum tempo.
  • 0:44 - 0:46
    Não funciona a longo prazo.
  • 0:47 - 0:48
    Não funciona a longo prazo
  • 0:48 - 0:51
    porque, para governar
    pelo medo e pela crueldade,
  • 0:51 - 0:53
    é preciso criar uma divisão.
  • 0:54 - 0:57
    É preciso pegar grandes pedaços
    do país e convencê-los
  • 0:57 - 0:59
    de que não são como eles,
  • 1:00 - 1:03
    de que não devem se associar a eles,
    nem falar com eles,
  • 1:03 - 1:07
    de que essas pessoas são desagradáveis,
    criminosas e estupradoras,
  • 1:09 - 1:11
    e de que o país está em perigo
    por causa delas.
  • 1:13 - 1:16
    E, se gastarmos milhões de dólares
    fazendo isso em nosso país,
  • 1:16 - 1:18
    faremos inimigos no exterior
  • 1:20 - 1:22
    e criaremos divisões internamente.
  • 1:23 - 1:25
    E isso tem consequências.
  • 1:25 - 1:28
    Três quartos das bandeiras,
    das fronteiras e dos hinos
  • 1:28 - 1:30
    nas Nações Unidas hoje,
  • 1:30 - 1:31
    não estavam lá algumas décadas atrás.
  • 1:31 - 1:33
    [Nós / Eles]
  • 1:34 - 1:35
    As fronteiras que estão lá hoje,
  • 1:35 - 1:38
    aquelas bandeiras foram criadas
    porque alguém disse:
  • 1:38 - 1:39
    "os escoceses não são como nós",
  • 1:40 - 1:41
    "os galeses não são como nós",
  • 1:41 - 1:42
    "os bascos não são como nós",
  • 1:42 - 1:44
    "os italianos do norte não são como nós",
  • 1:44 - 1:46
    "os muçulmanos não são como nós",
  • 1:46 - 1:48
    os negros, os brancos, os cristãos.
  • 1:49 - 1:51
    Criamos o "nós contra eles"...
  • 1:52 - 1:54
    destruímos nações.
  • 1:55 - 1:57
    Parte do problema
    de criar o "nós contra eles"
  • 1:57 - 1:59
    é que é difícil de fazer.
  • 2:00 - 2:03
    Temos que fazer as pessoas
    acreditarem em absurdos.
  • 2:05 - 2:08
    Quando as pessoas acreditam em absurdos,
  • 2:08 - 2:10
    elas começam a cometer atrocidades.
  • 2:10 - 2:12
    Essa é a dinâmica da coisa.
  • 2:12 - 2:14
    Não podemos criar o "nós contra eles",
  • 2:14 - 2:19
    não podemos ter os massacres
    que tivemos em Ruanda e na Iugoslávia
  • 2:20 - 2:22
    a menos que criemos essa dinâmica.
  • 2:22 - 2:25
    Vou resumir a política atual de imigração.
  • 2:25 - 2:26
    Vamos deter "eles",
  • 2:26 - 2:29
    sendo o mais cruel possível,
  • 2:30 - 2:32
    e vamos ter como alvo os filhos deles.
  • 2:33 - 2:36
    Estão indo atrás das crianças.
  • 2:37 - 2:40
    Há advogados nos EUA que argumentam
    que as crianças não precisam
  • 2:40 - 2:43
    de sabão, abraços, chuveiros,
  • 2:43 - 2:45
    ajuda de adultos, nem data de libertação.
  • 2:45 - 2:48
    Alguém é parado devido a uma luz
    traseira quebrada,
  • 2:48 - 2:50
    aquele que trabalha aqui há 20 anos,
  • 2:50 - 2:52
    é jogado na prisão,
  • 2:52 - 2:54
    talvez para sempre,
  • 2:54 - 2:56
    sem representação legal.
  • 2:56 - 2:59
    Os terroristas que explodiram
    o World Trade Center conseguem advogados.
  • 3:00 - 3:01
    Essas crianças,
  • 3:01 - 3:03
    esses pais não conseguem advogados.
  • 3:04 - 3:05
    Os governos estão dizendo
  • 3:05 - 3:08
    a alguns dos mais desesperados
    e feridos do mundo:
  • 3:08 - 3:09
    "Levei seu filho.
  • 3:09 - 3:12
    Pague US$ 800 por um teste de DNA
    antes de tê-lo de volta".
  • 3:13 - 3:15
    Crianças de três anos
    estão indo aos tribunais.
  • 3:16 - 3:20
    Todos nós assistimos
    a esses dramas de tribunal.
  • 3:20 - 3:21
    É emocionante,
  • 3:21 - 3:24
    porque o juiz sábio fica lá em cima,
  • 3:24 - 3:26
    o advogado de defesa ataca,
  • 3:26 - 3:28
    e o promotor contra-ataca,
  • 3:28 - 3:30
    e depois compreendemos
    como isso vai acontecer.
  • 3:30 - 3:33
    Quero que entendam o que está
    acontecendo neste momento.
  • 3:33 - 3:35
    [Crianças de três anos
    aparecem em tribunais]
  • 3:35 - 3:39
    O promotor está lá, é o promotor durão,
  • 3:40 - 3:44
    que acusa e ataca em nome do povo.
  • 3:45 - 3:48
    O juiz está lá em cima, autoritário,
  • 3:48 - 3:49
    com vestes negras,
  • 3:50 - 3:53
    interrogando o réu
  • 3:54 - 3:55
    lá de cima.
  • 3:56 - 3:57
    E o réu tem três anos de idade,
  • 3:57 - 4:00
    e os olhos dele não alcançam a mesa.
  • 4:03 - 4:05
    O réu não fala o idioma.
  • 4:06 - 4:10
    Os fones para ouvir o tradutor
    caem da cabeça do réu,
  • 4:10 - 4:16
    pois não há fones de ouvido para crianças
    de três anos nos tribunais dos EUA,
  • 4:16 - 4:19
    pois não se espera que elas próprias
    devam se defender.
  • 4:21 - 4:23
    É uma gozação da justiça,
  • 4:23 - 4:25
    do sistema de acusação,
  • 4:25 - 4:28
    de quem somos como nação.
  • 4:28 - 4:30
    São absurdos.
  • 4:30 - 4:32
    São atrocidades.
  • 4:32 - 4:33
    É inacreditável.
  • 4:34 - 4:35
    Analisamos várias estatísticas,
  • 4:35 - 4:37
    mas quero que vocês entendam
  • 4:38 - 4:42
    que isso está acontecendo
    com a babá que criou seus filhos.
  • 4:44 - 4:47
    Isso está acontecendo
    com o jardineiro que cuidou da sua casa.
  • 4:48 - 4:51
    Isso está acontecendo
    com o cara que lavou a louça
  • 4:51 - 4:54
    no restaurante chique
    aonde vocês foram na semana passada.
  • 4:55 - 4:58
    Isso está acontecendo com as pessoas
    que entregam o jornal pela manhã.
  • 4:59 - 5:00
    Essa é a sua comunidade,
  • 5:00 - 5:04
    essas são as pessoas que viveram
    lado a lado com vocês,
  • 5:05 - 5:08
    que trataram vocês bem e com respeito,
  • 5:08 - 5:10
    que cuidaram de seus filhos e avós.
  • 5:11 - 5:13
    Esse é o Luis, essa é a Laura,
  • 5:13 - 5:14
    esse é o Jaime.
  • 5:15 - 5:17
    Isso não é algo abstrato:
  • 5:17 - 5:18
    "Ah, está acontecendo na fronteira".
  • 5:18 - 5:21
    Isso está acontecendo
    em nossa comunidade, neste momento.
  • 5:24 - 5:26
    O perigo disso é que, quando
    começamos a tornar normais
  • 5:26 - 5:28
    absurdos e atrocidades,
  • 5:29 - 5:31
    as pessoas acham que esses
    instrumentos são legítimos.
  • 5:31 - 5:34
    Há diretorias de escolas
    que enviam cartas como esta:
  • 5:34 - 5:36
    "Prezados pais,
  • 5:36 - 5:40
    como seu filho deve o dinheiro
    do almoço na lanchonete,
  • 5:40 - 5:44
    ele poderá ser levado
    e colocado em um lar adotivo".
  • 5:44 - 5:46
    Isso vem de diretorias de escolas
  • 5:46 - 5:47
    pois as pessoas pensam:
  • 5:47 - 5:51
    "Bem, isso parece ser
    um instrumento de dissuasão".
  • 5:53 - 5:55
    Quando embarcamos em um avião,
  • 5:56 - 5:59
    antes das crianças e da primeira classe,
  • 6:00 - 6:02
    embarcam soldados de uniforme.
  • 6:04 - 6:06
    Alguns deles são imigrantes.
  • 6:07 - 6:09
    Eis um contrato: ingresse no exército,
  • 6:09 - 6:12
    cumpra seu período,
    seja dispensado com honras,
  • 6:12 - 6:13
    obtenha cidadania.
  • 6:14 - 6:18
    Estamos rescindindo esses contratos
    depois de serem assinados.
  • 6:19 - 6:22
    E, se esses soldados são mortos em ação,
  • 6:22 - 6:26
    estamos deportando as esposas
    e, às vezes, os filhos deles.
  • 6:26 - 6:28
    São essas pessoas que nos protegem.
  • 6:28 - 6:30
    São essas pessoas que honramos.
  • 6:31 - 6:32
    São as corajosas.
  • 6:32 - 6:33
    E é assim que as tratamos.
  • 6:33 - 6:37
    Não são elas que cruzam
    a fronteira ilegalmente.
  • 6:37 - 6:39
    Quando começamos a permitir
    esse tipo de comportamento,
  • 6:40 - 6:45
    ele se torna normal
    em uma sociedade e a destrói.
  • 6:45 - 6:48
    Países são construídos com trabalho árduo
    e garra de imigrantes.
  • 6:48 - 6:50
    Somos todos imigrantes.
  • 6:50 - 6:52
    Só chegamos em épocas diferentes.
  • 6:53 - 6:58
    Cinquenta e cinco por cento
    das principais empresas deste país,
  • 6:58 - 7:01
    das empresas mais bem-sucedidas
    do país, os "unicórnios",
  • 7:01 - 7:05
    são criadas por pessoas que vieram
    como alunos estrangeiros ou imigrantes,
  • 7:05 - 7:08
    e são os fundadores ou os cofundadores.
  • 7:08 - 7:11
    Eis o que aconteceu nos últimos três anos
  • 7:11 - 7:13
    com as melhores mentes do mundo:
  • 7:13 - 7:17
    42% delas não conseguiram vistos
    ou escolheram não tirá-los.
  • 7:17 - 7:19
    É assim que se destrói uma economia.
  • 7:20 - 7:22
    Não se trata de crianças, nem fronteiras.
  • 7:23 - 7:24
    Trata-se de nós.
  • 7:26 - 7:28
    Trata-se de quem somos,
    quem nós, o povo, somos,
  • 7:29 - 7:31
    como nação e como indivíduos.
  • 7:33 - 7:35
    Essa não é uma discussão abstrata.
  • 7:38 - 7:40
    Muitos de nós gostamos de pensar
  • 7:41 - 7:44
    que, se voltássemos ao tempo
    em que Hitler ascendia ao poder,
  • 7:44 - 7:45
    estaríamos nas ruas,
  • 7:46 - 7:48
    teríamos nos oposto a ele,
    teríamos impedido Mengele.
  • 7:49 - 7:50
    Muitos de nós gostamos de pensar
  • 7:51 - 7:55
    que, se estivéssemos lá, nos anos 1960,
    estaríamos com os Viajantes da Liberdade.
  • 7:55 - 7:57
    Estaríamos naquela ponte em Selma.
  • 7:58 - 7:59
    Sabem de uma coisa?
  • 8:00 - 8:01
    Esta é a nossa chance.
  • 8:01 - 8:02
    É agora.
  • 8:03 - 8:05
    Enquanto pensamos nisso,
  • 8:06 - 8:09
    não se trata apenas dos atos gigantes,
    de ir bloquear a ponte,
  • 8:09 - 8:11
    nem de se acorrentar a algo.
  • 8:12 - 8:14
    Trata-se do que fazemos
    diariamente na vida.
  • 8:15 - 8:20
    O Museu de Arte de Harvard
    acabou de abrir uma exposição
  • 8:20 - 8:23
    sobre como artistas pensam na imigração
    e construção do lar em outro lugar.
  • 8:23 - 8:26
    As pessoas saem dessa exposição
    e ficam bastante abaladas.
  • 8:26 - 8:28
    Há uma parede em branco no final.
  • 8:30 - 8:33
    E os curadores fizeram algo
    que não costuma acontecer:
  • 8:33 - 8:34
    eles improvisaram.
  • 8:35 - 8:37
    Desenharam quatro linhas
    e incluíram duas palavras:
  • 8:38 - 8:39
    "Eu pertenço".
  • 8:39 - 8:40
    Ao sair da exposição,
  • 8:40 - 8:42
    é possível tirar uma foto
    diante da parede.
  • 8:42 - 8:45
    Não consigo dizer o impacto
    causado nas pessoas.
  • 8:45 - 8:47
    Observei as pessoas sairem de lá.
  • 8:47 - 8:50
    Algumas delas sentavam-se
    em frente à parede,
  • 8:50 - 8:52
    tiravam uma foto
    com um sorriso bem grande,
  • 8:52 - 8:54
    e outras só choravam.
  • 8:55 - 8:57
    Algumas se abraçavam e traziam estranhos,
  • 8:57 - 8:59
    outras traziam a família.
  • 9:02 - 9:06
    Atos pequenos de bondade
    percorrem um caminho muito longo.
  • 9:07 - 9:10
    Há dor em nossa comunidade
    de um modo que não podemos acreditar.
  • 9:11 - 9:14
    Da próxima vez que estiverem
    com um taxista, que pode ser um "deles",
  • 9:14 - 9:16
    segundo certas pessoas,
  • 9:16 - 9:18
    deem a essa pessoa US$ 5 a mais.
  • 9:20 - 9:22
    Da próxima vez que virem
    uma camareira no hotel,
  • 9:23 - 9:24
    agradeçam-na e deem gorjeta em dobro.
  • 9:26 - 9:28
    Da próxima vez que virem seu jardineiro,
  • 9:28 - 9:30
    sua babá,
  • 9:30 - 9:31
    alguém assim,
  • 9:31 - 9:34
    deem um grande abraço neles
    e digam que eles pertencem.
  • 9:34 - 9:35
    Façam se sentirem parte disso.
  • 9:37 - 9:38
    É hora de grandes políticas,
  • 9:38 - 9:40
    mas também é hora
  • 9:40 - 9:42
    de grandes atos de bondade.
  • 9:43 - 9:45
    Porque temos que recuperar quem somos,
  • 9:45 - 9:47
    temos que recuperar esta nação.
  • 9:48 - 9:50
    E não podemos nos sentar lá
  • 9:51 - 9:53
    e assistir a essa merda acontecendo.
  • 9:54 - 9:56
    Isso tem que parar, tem que parar agora.
  • 9:57 - 9:58
    Obrigado.
  • 9:58 - 10:00
    (Aplausos)
Title:
Um apelo pessoal por humanidade na fronteira EUA-México
Speaker:
Juan Enriquez
Description:

Nesta palestra poderosa e pessoal, o escritor e acadêmico Juan Enriquez compartilha histórias de dentro da crise de imigração na fronteira EUA-México, trazendo de volta à realidade essa discussão muitas vezes abstrata e mostrando o que podemos fazer todos os dias para criar um sentido de pertencimento para os imigrantes. "Não se trata de crianças e fronteiras", diz ele. "Trata-se de nós. Trata-se de quem somos, quem nós, o povo, somos, como nação e como indivíduos".

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
10:15

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions Compare revisions