YouTube

Got a YouTube account?

New: enable viewer-created translations and captions on your YouTube channel!

Portuguese subtitles

← Como o governo dos EUA espia as pessoas que protestam — incluindo vocês

Get Embed Code
27 Languages

Showing Revision 6 created 01/22/2018 by Margarida Ferreira.

  1. Hoje, somos todos ativistas.

  2. (Aplausos)

  3. Obrigada,

  4. Vou ficar por aqui.

  5. (Risos)

  6. Desde as famílias que lutam para manter
    o financiamento das escolas públicas,

  7. as dezenas de milhares de pessoas
    que se juntaram ao Occupy Wall Street
  8. ou marcharam com
    Black Lives Matter,
  9. para protestar contra a brutalidade
    da polícia sobre os afro-americanos,
  10. as famílias que se juntam
    em manifestações
  11. pró-vida e pró-escolha,
  12. aqueles que receiam
  13. que os nossos amigos e vizinhos
    venham a ser deportados
  14. ou que sejam adicionados a listas
  15. só porque são muçulmanos,
  16. as pessoas que defendem o direito
    de usar armas e o controlo das armas
  17. e os milhões de pessoas
    que se juntaram às marchas das mulheres
  18. por todo o país, em janeiro passado.
  19. (Aplausos)

  20. Hoje, somos todos ativistas.

  21. Isso significa que todos temos
    qualquer coisa a recear da vigilância.
  22. Vigilância significa
    que o governo recolhe e usa
  23. dados privados e sensíveis sobre nós.
  24. A vigilância é essencial
  25. para impor a lei
    e a segurança nacional.
  26. Mas a história da vigilância
  27. inclui o abuso da vigilância
  28. em que estas informações sensíveis
    têm sido usadas contra as pessoas
  29. por causa da sua etnia,
  30. da sua origem nacional,
  31. da sua orientação sexual
  32. e, em especial,
    por causa do seu ativismo,
  33. das suas crenças políticas.
  34. Há cerca de 53 anos,

  35. o Dr. Martin Luther King Jr.
    fez o seu discurso "Eu tenho um sonho"
  36. no Mall, em Washington.
  37. Hoje, as ideias por detrás desse discurso
    de igualdade racial e de tolerância
  38. são tão incontroversas
  39. que as minhas filhas
    estudam o discurso no terceiro ano.
  40. Mas, naquela época,
  41. o Dr. King foi extremamente controverso.
  42. O lendário e famoso diretor do FBI,
    J. Edgar Hoover, acreditava
  43. — ou queria acreditar —
  44. que o Movimento dos Direitos Civis
    era uma conspiração comunista soviética,
  45. destinada a desestabilizar
    o governo dos EUA.
  46. Por isso, Hoover mandou pôr escutas
    no quarto de hotel do Dr. King.
  47. Essas escutas apanharam conversas
    entre líderes dos direitos civis
  48. que falavam sobre as estratégias e táticas
    do Movimento dos Direitos Civis.
  49. Também apanharam sons do Dr. King
  50. a ter relações sexuais com mulheres
    que não eram a mulher dele.
  51. J. Edgar viu aí a oportunidade
  52. de desacreditar e enfraquecer
    o Movimento dos Direitos Civis.
  53. O FBI enviou um pacote com essas gravações
  54. juntamente com uma nota manuscrita
    para o Dr. King.
  55. Anos mais tarde, encontrou-se uma minuta
    dessa nota, nos arquivos do FBI.
  56. A carta dizia:
  57. "Você não é nenhum homem do clero
    e sabe-o bem.
  58. "King, tal como todas as fraudes,
    o seu fim aproxima-se".
  59. A carta parecia encorajar
    o Dr. King a suicidar-se, dizendo:
  60. "King, só lhe resta fazer uma coisa.
  61. "Sabe bem o que é.
  62. "É melhor fazê-lo já,
    seu anormal, promíscuo e fraudulento,
  63. "antes que o denunciemos à nação o saiba".
  64. O importante é que
    o Dr. King não era anormal.

  65. Todos nós temos qualquer coisa
    que queremos esconder de alguém.
  66. Mas, mais importante ainda,
  67. J. Edgar Hoover também não era anormal.
  68. A história dos abusos da vigilância
  69. não é a história de um homem
    mau, megalomaníaco.
  70. Durante as dezenas de anos
    que esteve no FBI,
  71. J. Edgar Hoover teve o apoio
    dos presidentes da nação,
  72. tanto Democratas como Republicanos.
  73. Afinal, foi John F. Kennedy
    e o seu irmão Robert Kennedy
  74. que tiveram conhecimento
    e aprovaram a vigilância do Dr. King.
  75. Hoover dirigiu um programa,
    chamado Cointelpro, durante 15 anos,
  76. que se destinava a espiar
    e denegrir grupos cívicos
  77. dedicados a coisas
    como os direitos civis,
  78. o Movimento de Direitos das Mulheres,
  79. e grupos pela paz e contra a guerra.
  80. A vigilância não se limitava a isso.
  81. Lyndon Baines Johnson,
  82. durante a sua campanha eleitoral,
  83. tinha escutas no avião de campanha
    do seu rival Barry Goldwater,
  84. na tentativa de ganhar essas eleições.
  85. Depois, claro, aconteceu o Watergate.
  86. Foram apanhados assaltantes
  87. a penetrar na sede da Comissão
    Nacional dos Democratas,
  88. no Hotel Watergate.
  89. A administração de Nixon
    estava implicada na cobertura do assalto
  90. e Nixon acabou por ter
    que se demitir de presidente.
  91. O Cointelpro e Watergate
    foram um alerta para os norte-americanos.
  92. A vigilância estava fora de controlo
  93. e estava a ser usada
    para suprimir adversários políticos.
  94. Na ocasião, os norte-americanos protestaram
  95. e a lei da vigilância
    acabou por ser reformada.
  96. O principal instrumento usado
    para reformar a lei da vigilância
  97. foi exigir um mandado de pesquisa
  98. para o governo poder ter acesso
  99. às nossas chamadas telefónicas
    e correspondência.
  100. A razão por que é importante
    um mandado de pesquisa
  101. é porque interpõe um juiz
  102. na relação entre investigadores
    e cidadãos.
  103. Assim, a função do juiz é garantir
  104. que há uma boa razão
    para a vigilância,
  105. que a vigilância é dirigida
    para a pessoa certa
  106. e que as informações que são recolhidas
  107. vão ser usadas para fins legítimos
    do governo
  108. e não para fins discriminativos.
  109. Era este o nosso sistema.
  110. Significa que o presidente Obama
    não pôs escutas na Torre Trump.
  111. O sistema está instituído
    para impedir que isso aconteça
  112. sem haver o envolvimento de um juiz.
  113. Mas o que acontece,
    quando deixamos de ter

  114. chamadas telefónicas ou correspondência?
  115. Hoje temos uma tecnologia
  116. que torna mais barato e mais fácil
    para o governo recolher informações
  117. sobre o comum das pessoas.
  118. O registo das nossas chamadas telefónicas
  119. pode revelar se temos uma dependência,
  120. qual é a nossa religião,
  121. para que obras de caridade
    contribuímos,
  122. que candidato político apoiamos.
  123. Contudo, o nosso governo recolheu,
    ao estilo de arrastão,
  124. as chamadas telefónicas
    dos norte-americanos, durante anos.
  125. Em 2012, a Convenção Nacional
    dos Republicanos
  126. revelou que se planeava usar
    uma nova tecnologia
  127. de reconhecimento facial,
  128. para identificar pessoas
    no meio da multidão
  129. que podiam ser ativistas
    ou arruaceiros
  130. e detê-las antecipadamente.
  131. Hoje, mais de 50%
    dos adultos norte-americanos
  132. têm a sua fotografia
    numa base de dados governamental.
  133. O Gabinete do Álcool, do Tabaco,
    das Armas de Fogo e Explosivos
  134. traçou um plano
  135. para descobrir que norte-americanos
    vão a exposições de armas
  136. usando detetores de chapas de matrículas
  137. para detetar as chapas de matrículas
    dos automóveis
  138. que estavam nos parques
    de estacionamento das exposições.
  139. Pensamos que, hoje, mais de 70%
    dos departamentos da polícia
  140. têm uma tecnologia de deteção automática
    de chapas de matrículas
  141. que usam para detetar os carros
    das pessoas, enquanto circulam pela cidade.
  142. Todas estas informações,
  143. as chapas de matrícula, as fotografias,
  144. os registos de telefonemas,
  145. os nossos livros de endereços,
    as listas dos nossos amigos,
  146. as fotos que carregamos
    no Dropbox ou no Google Photos,
  147. e, por vezes, até as nossas
    conversas e os nossos "emails"
  148. não estão protegidos
    por exigência de mandado de busca.
  149. Isso significa que estas informações
    sobre pessoas comuns
  150. estão disponíveis a um custo muito baixo.
  151. É a idade de ouro para a vigilância.
  152. Todos os pais devem perceber
    o que é que isso significa.

  153. Quando temos um bebé,
  154. uma criança pequena,
  155. essa criança não consegue
    sair do seu berço.
  156. Mas, por fim, a criança cresce
  157. já consegue sair do berço,
    e nós dizemos-lhe:
  158. "Não saias do berço, ok?"
  159. Todos os pais sabem
    o que vai acontecer.
  160. Algumas dessas crianças
    vão sair do berço, não é?
  161. É essa a diferença entre
    capacidade e autorização.
  162. O mesmo acontece hoje
    com o governo.
  163. Antigamente, o nosso governo
    não tinha capacidade
  164. para alargar uma vigilância maciça
    a centenas de milhões de americanos
  165. e abusar dessas informações.
  166. Mas agora o nosso governo cresceu.
  167. Hoje temos essa tecnologia.
  168. O governo tem essa capacidade
  169. e isso significa que a lei
    é mais importante do que nunca.
  170. Supostamente, a lei deve dizer
  171. quando é que o governo
    tem autorização para o fazer
  172. e, supostamente, garantir
    que há uma ramificação.
  173. Damos por isso,
    quando essas leis são violadas
  174. e há qualquer ramificação ou punição.
  175. A lei é mais importante do que nunca,
    porque agora vivemos num mundo
  176. em que só as regras
    podem deter o governo
  177. de abusar destas informações.
  178. Mas a lei está a falhar na sua função.

  179. Especialmente a partir de 11 de setembro,
    a lei tem falhado na sua função
  180. e nós não temos as leis
    de que precisamos.
  181. Estamos a ver essas ramificações.
  182. Os centros de fusão
    são essas forças operacionais conjuntas
  183. entre governos locais,
    estatais e federais
  184. que se destinam a desmascarar
    o terrorismo interno.
  185. Temos visto relatos
    de centros de fusão
  186. que dizem que podemos ser perigosos
  187. se votamos num candidato
    de um terceiro partido,
  188. ou se possuímos uma bandeira
    "Não me pisem",
  189. ou se vemos filmes que são
    contra os impostos.
  190. Esses mesmos centros de fusão
  191. espiam listas de leitura de grupos
    da comunidade muçulmana
  192. e "quakers" que se opõem ao recrutamento
    militar nas escolas secundárias.
  193. O Serviço de Receitas Internas
    tem auditado desproporcionadamente
  194. grupos que têm no seu nome
    "Tea Party" ou "Patriota".
  195. E agora as patrulhas alfandegárias
    e de fronteiras
  196. estão a deter pessoas
    quando entram no país
  197. e a exigir as nossas senhas
    de acesso às redes sociais
  198. que lhes permitirá ver
    quem são os nossos amigos,
  199. o que dizemos
  200. e até a substituir-nos "online".
  201. Ora bem, os libertários civis,
    como eu sou,

  202. há anos que tentam chamar a atenção
    das pessoas para estas coisas
  203. e lutar contra elas.
  204. Isto foi um enorme problema
    durante a administração Obama
  205. mas hoje o problema ainda é maior.
  206. Quando o Departamento da Polícia
    de Nova Iorque
  207. espia os muçulmanos
  208. ou um departamento de polícia
    usa detetores de chapas de matrícula
  209. para descobrir onde estão
    as mulheres de oficiais
  210. ou esse tipo de coisas,
  211. isso é extremamente perigoso.
  212. Mas quando um presidente
    reutiliza o poder da vigilância federal
  213. e do governo federal
  214. para retaliar a oposição política,
  215. isso é uma tirania.
  216. Por isso, hoje somos todos ativistas
  217. e todos temos a recear com a vigilância.
  218. Mas, tal como no tempo
    do Dr. Martin Luther King,
  219. podemos reformar o modo
    como as coisas são.
  220. Primeiro que tudo,
    usem a encriptação.

  221. A encriptação protege as nossas informações
  222. de serem recolhidas, sem custos
    e oportunisticamente.
  223. Limita a idade de ouro
    da vigilância.
  224. Segundo, apoiem a reforma da vigilância.

  225. Sabiam que, se temos um amigo
  226. que trabalha para o governo
    francês ou alemão,
  227. ou para qualquer grupo
    internacional de direitos humanos,
  228. ou para uma empresa petrolífera
    multinacional,
  229. esse nosso amigo é um alvo válido
    para os serviços de informações?
  230. Isso significa que, quando temos
    uma conversa com esse amigo,
  231. o governo dos EUA
    pode estar a recolher essas informações.
  232. E, depois de recolhidas essas informações,
  233. apesar de serem conversas
    com norte-americanos,
  234. podem ser canalizadas para o FBI
  235. e o FBI tem permissão de as vasculhar
  236. sem precisar de um mandado,
  237. sem causa provável,
  238. procurando informações
    sobre norte-americanos
  239. e quaisquer crimes
    que possamos ter praticado
  240. sem precisar de documentar
    qualquer tipo de suspeita.
  241. A lei que permite que isto aconteça
  242. chama-se Secção 702
    da Lei de Emendas da FISA
  243. e, este ano, temos uma ótima oportunidade
  244. porque a Secção 702
    expira no final de 2017,
  245. o que significa que a inércia
    do Congresso está do nosso lado,
  246. se quisermos uma reforma.
  247. Podemos pressionar
    os nossos representantes
  248. para implementarem
    reformas importantes a esta lei
  249. e proteger os nossos dados
    em relação a esta direção e abuso.
  250. Finalmente, uma das razões
    por que as coisas se descontrolaram tanto

  251. é que muito do que acontece
    com a vigilância
  252. — a tecnologia, as normas
    que a permitem
  253. e as políticas que a defendem
    em vez de nos protegerem —
  254. é confidencial ou está sob reserva.
  255. Precisamos de transparência,
    precisamos de saber, enquanto americanos,
  256. o que é que o governo está a fazer
    em nosso nome,
  257. para que a responsabilidade
    por essa vigilância existente
  258. e pelo uso dessas informações
  259. seja democraticamente assumida.
  260. Hoje, todos somos ativistas,

  261. o que significa que todos temos
    que nos preocupar com a vigilância.
  262. Mas, tal como na época
    do Dr. Martin Luther King,
  263. podemos fazer certas coisas quanto a isso.
  264. Portanto, juntem-se a mim
    e mãos à obra.
  265. Obrigada.

  266. (Aplausos)