Return to Video

(h) TROM - 1.3 Environment

  • 0:12 - 0:19
    [ Ambiente ]
  • 0:21 - 0:26
    "Vamos dar uma olhada ao velho "Siggy"; Sigmund Freud, Ok, que teve definitivamente a sua importância...
  • 0:26 - 0:30
    Ele disse que o comportamento é influenciado pelos pais, sonhos, piadas e sexo;
  • 0:30 - 0:35
    não necessariamente nesta ordem. Ok, mas, o que é que ele diz?
  • 0:35 - 0:38
    que isto é o campo do Ambiente mais uma vez, certo?!"
  • 0:38 - 0:43
    Várias pesquisas cientificas têm mostrado um fato óbvio,
  • 0:43 - 0:46
    Que o comportamento de um ser humano é criado pelo ambiente.
  • 0:47 - 0:52
    Se os genes predispõem um certo comportamento, mas o ambiente não os suporta,
  • 0:52 - 1:00
    então esse comportamento não se vai manifestar, portanto neste caso, os genes não são importantes.
  • 1:04 - 1:06
    "Vivemos tempos notáveis
  • 1:07 - 1:08
    a Era da Genómica
  • 1:10 - 1:13
    O vosso genoma é a sequência completa do vosso ADN
  • 1:13 - 1:16
    A vossa sequência e a minha são ligeiramente diferentes.
  • 1:16 - 1:19
    É por isso que temos diferentes aparências.
  • 1:19 - 1:20
    Eu tenho olhos castanhos
  • 1:20 - 1:22
    Vocês podem ter azuis, ou cinzentos;
  • 1:23 - 1:24
    Mas não é assim tão superficial quanto a pele
  • 1:25 - 1:26
    As notícias dizem-nos que
  • 1:26 - 1:29
    genes podem provocar-nos doenças assustadoras
  • 1:30 - 1:33
    talvez até moldar a nossa personalidade
  • 1:33 - 1:35
    ou causar-nos perturbações mentais
  • 1:36 - 1:37
    Os nossos genes parecem ter
  • 1:38 - 1:41
    imenso poder sobre os nossos destinos;
  • 1:43 - 1:46
    E ainda assim, eu gostava de pensar que
  • 1:47 - 1:49
    eu sou mais que os meus genes...
  • 1:58 - 2:00
    Do mesmo modo, cada conectoma
  • 2:00 - 2:02
    muda ao longo do tempo.
  • 2:04 - 2:05
    Que tipo de mudanças acontecem?
  • 2:05 - 2:06
    Bem, os neurónios, como as árvores,
  • 2:06 - 2:08
    conseguem criar novos ramos,
  • 2:09 - 2:11
    e podem perder os antigos.
  • 2:12 - 2:15
    Sinapses, podem ser criadas
  • 2:15 - 2:18
    e podem ser eliminadas;
  • 2:18 - 2:20
    E as sinapses podem aumentar,
  • 2:20 - 2:22
    e podem diminuir.
  • 2:23 - 2:25
    Segunda questão:
  • 2:25 - 2:26
    O que causa estas mudanças?
  • 2:28 - 2:29
    Bem, é verdade;
  • 2:30 - 2:33
    em certa medida, elas são programadas pelos vossos genes.
  • 2:33 - 2:34
    Mas isso não é a história toda,
  • 2:35 - 2:37
    porque existem sinais: sinais elétricos,
  • 2:38 - 2:39
    que percorrem os ramos dos neurónios,
  • 2:39 - 2:40
    e sinais químicos,
  • 2:41 - 2:43
    que saltam de ramo em ramo.
  • 2:43 - 2:45
    A estes sinais dá-se o nome de atividade neural
  • 2:46 - 2:47
    E existem uma data de provas
  • 2:48 - 2:49
    que a atividade neural
  • 2:50 - 2:54
    é a codificação dos nossos pensamentos, sensações, e perceções,
  • 2:54 - 2:55
    as nossas experiências mentais.
  • 2:56 - 2:58
    E existe uma data de provas que a atividade neural
  • 2:59 - 3:01
    pode causar mudanças nas tuas conexões.
  • 3:02 - 3:04
    E se puserem esses dois fatos juntos,
  • 3:05 - 3:07
    quer dizer que as vossas experiências
  • 3:07 - 3:09
    podem mudar o vosso conectoma.
  • 3:10 - 3:12
    E é por isso que cada conectoma é único,
  • 3:12 - 3:15
    mesmo os de gémeos geneticamente idênticos.
  • 3:16 - 3:19
    O conectoma é onde o "inato" conhece o "adquirido".
  • 3:20 - 3:22
    E pode ser verdade
  • 3:22 - 3:24
    que apenas o mero acto de pensar
  • 3:24 - 3:26
    pode mudar o teu conectoma;
  • 3:26 - 3:29
    uma ideia que talvez possam achar poderosa...
  • 3:30 - 3:32
    Vocês ouviram todos aquela questão sobre,
  • 3:33 - 3:39
    o gênero ser criado "socialmente" versus ser "biológico" e "hormonal"?
  • 3:40 - 3:42
    Claro, eu venho um bocadinho mais do lado biológico, obviamente, mas..
  • 3:43 - 3:50
    Eu acredito, no final de todo este ciclo depois de ter estudado biologia por tantos anos,
  • 3:50 - 3:57
    acredito mesmo, que de certa maneira, o debate sobre o "inato", em vários aspectos, penso eu.. está encerrado,
  • 3:57 - 4:00
    nesta altura, pela seguinte razão:
  • 4:00 - 4:02
    O cérebro é muito, muito maleável;
  • 4:02 - 4:07
    Nós todos nascemos com predisposições masculinas ou femininas,
  • 4:07 - 4:10
    e depois teremos hormonas que aumentarão esse circuito
  • 4:10 - 4:13
    para o comportamento, que é o que uma hormona supostamente faz.
  • 4:13 - 4:18
    O trabalho de uma hormona é tornar-nos predispostos a certos comportamentos.
  • 4:18 - 4:22
    No entanto, a maneira como somos criados, por exemplo, os meninos pequenos:
  • 4:23 - 4:27
    Estudos têm mostrado que os meninos que foram ditos que não deveriam tocar em alguma coisa,
  • 4:27 - 4:34
    vão frequentemente agarra-la e toca-la, enquanto que a uma menina basta dar uma reprimenda verbal para não tocar mais..
  • 4:34 - 4:38
    Em todo o mundo os meninos são castigados mais frequentemente por transgressões.
  • 4:38 - 4:45
    Aos meninos diz-se que não devem chorar... Aos meninos diz-se que têm de se tornar homens, certo?
  • 4:45 - 4:51
    Mesmo em tenra idade, os pais às vezes estão muito mas muito preocupados se o seu pequeno rapaz estiver a ter
  • 4:51 - 4:55
    qualquer versão de comportamentos efeminados.
  • 4:55 - 4:58
    Por exemplo, eu lembro-me de viajar de um lado ao outro do país com um homem que se sentou ao meu lado,
  • 4:59 - 5:07
    Disse ele que o seu filho de 18 anos, quando viu a irmã a abrir um presente, no início da semana;
  • 5:08 - 5:10
    Que era uma bolsa, ela teve uma bolsa.
  • 5:10 - 5:14
    Ela tinha 4 anos. E ele disse, "Oh, também posso ter uma?"
  • 5:14 - 5:19
    E ele disse que se sentiu como se alguém lhe tivesse dado um pontapé no estômago,
  • 5:19 - 5:25
    e simplesmente gritou ao seu filho de 18 anos: "Não! Os rapazes não usam bolsas!"
  • 5:25 - 5:31
    E ele estava a relatar-me este evento... E sentiu-se tão envergonhado e constrangido mais tarde,
  • 5:31 - 5:39
    porque se apercebeu, que o seu filho não estava a expressar nada como sendo efeminado ou não.
  • 5:39 - 5:43
    Por isso, estas coisas: A maneira como criamos os meninos, e criamos as meninas...
  • 5:43 - 5:49
    Os nossos circuitos cerebrais são tão maleáveis. Por exemplo, nós não nascemos a saber tocar piano, certo?
  • 5:49 - 5:51
    Nós praticamos, praticamos e praticamos.
  • 5:51 - 5:55
    Nós podemos retreinar os circuitos cerebrais a fazer uma variedade de coisas.
  • 5:55 - 6:01
    E.. Toda a nossa vida, nós somos treinados, treinados em relação ao género, para ser mais para um lado ou para o outro [feminino ou masculino].
  • 6:02 - 6:08
    Homens: Expressões faciais, por exemplo, quando os analisam e põem eléctrodos neles,
  • 6:08 - 6:14
    e mostram-lhes uma fotografia cinzenta que é suposto fazer-nos atemorizar e emocionar.
  • 6:14 - 6:20
    As expressões faciais deles, versus as das mulheres, na verdade mostraram mais respostas emocionais
  • 6:20 - 6:27
    no tempo anterior a consciencializarem-se. Depois, logo a seguir ao segundo em que se consciencializam,
  • 6:27 - 6:33
    eles começam a comprimir os seus músculos faciais para franzir a testa ou sorrir.
  • 6:33 - 6:37
    Nas mulheres, os músculos faciais amplificam-se, e os dos homens diminuem.
  • 6:37 - 6:43
    Cientistas acreditam, que hipoteticamente, os homens foram treinados para reprimir sentimentos e emoções.
  • 6:43 - 6:48
    Portanto obrigado pela pergunta... (...)
  • 6:48 - 6:53
    As condições em que crescemos, o que nos permitem fazer, o que é considerado para meninos (e o que não é) ou não está certo para eles fazerem,
  • 6:53 - 6:57
    tem muito a ver com o modo como eles crescem para se tornarem homens.
  • 6:58 - 7:01
    Pensa na maneira como ages, a tua expressão facial,
  • 7:02 - 7:06
    os valores aceites por ti, a maneira como falas, tudo,
  • 7:06 - 7:09
    e lembra-te que é tudo um resultado do teu ambiente (onde estás inserido).
  • 7:09 - 7:14
    O cérebro humano não tem nenhum mecanismo para distinguir o que é relevante ou não.
  • 7:20 - 7:24
    [...]
  • 8:53 - 9:00
    [...]
  • 9:28 - 9:30
    "Estou-me a pintar,
  • 9:31 - 9:34
    porque quero ganhar a uma rapariga."
  • 9:37 - 9:43
    [...]
  • 10:58 - 11:00
    "Aquele rapaz é mesmo bonito."
  • 12:33 - 12:37
    "Quando bebemos sangue, tornamo-nos mais fortes."
  • 14:33 - 14:38
    [ Tribo vê um homem branco pela primeira vez... ]
  • 18:15 - 18:21
    [...]
  • 18:22 - 18:27
    Não existem coisas como: mau, criminoso, preguiçoso,
  • 18:27 - 18:32
    pessoas brilhante, ladrões, ou racistas.
  • 18:33 - 18:36
    Apenas pessoas predispostas a esse comportamento;
  • 18:36 - 18:39
    mas se o ambiente (que os rodeia) não os der a conhecer (ou influenciar),
  • 18:39 - 18:42
    esse comportamento nunca se manifesta.
  • 18:51 - 18:53
    Lembra-te:
  • 18:53 - 18:58
    O cérebro humano não tem nenhum mecanismo para distinguir o que é relevante ou não.
  • 19:04 - 19:08
    [...]
  • 19:58 - 20:01
    As crianças selvagens são o exemplo mais extremo.
  • 20:01 - 20:06
    Uma criança selvagem é uma criança que tem vivido isolada
  • 20:06 - 20:09
    do contato humano desde muito pequena,
  • 20:09 - 20:13
    e não tem nenhuma (ou pouca) experiência de atenção humana,
  • 20:13 - 20:18
    de amor ou comportamento social, e, principalmente, da linguagem humana.
  • 20:19 - 20:22
    As crianças selvagens carecem das mais básicas aptidões sociais,
  • 20:22 - 20:25
    que são normalmente aprendidas no processo de enculturação.
  • 20:25 - 20:30
    Por exemplo, elas podem ser incapazes de aprender a usar a sanita,
  • 20:30 - 20:33
    têm problemas para aprender a andar em pé.
  • 20:33 - 20:38
    e demonstram uma completa falta de interesse na actividade humana à sua volta.
  • 20:44 - 20:47
    "Oxana Malaya começou a sua vida a viver com cães,
  • 20:47 - 20:51
    rejeitada pelo pai e pela mãe, ela de alguma forma sobreviveu durante 6 anos,
  • 20:51 - 20:54
    a viver uma vida selvagem, antes de ser recolhida para tratamento.
  • 20:54 - 20:58
    Existem poucos casos de crianças selvagens que foram capazes de recuperar completamente
  • 20:58 - 20:59
    do abandono que sofreram.
  • 20:59 - 21:01
    A Oxana tem agora 22 anos
  • 21:01 - 21:03
    mas o seu futuro ainda está incerto.
  • 21:03 - 21:08
    Terão os cientistas aprendido o suficiente de casos anteriores para a reabilitarem?
  • 21:08 - 21:13
    Durante seis anos, Oxana Malaya passou a sua vida, a viver num canil, com cães.
  • 21:14 - 21:17
    Totalmente abandonada pela sua mãe e pelo seu pai,
  • 21:17 - 21:20
    ela foi encontrada a comportar-se mais como um animal,
  • 21:20 - 21:22
    do que como uma criança humana.
  • 21:22 - 21:26
    Durante dois séculos, crianças selvagens têm sido o objeto de um estudo fascinante.
  • 21:27 - 21:29
    Crescendo sem amor, ou interação social,
  • 21:29 - 21:32
    as crianças selvagens deixam uma questão:
  • 21:32 - 21:34
    O que é que nos faz humanos?
  • 21:34 - 21:37
    A Oxana nasceu em Novembro de 1983.'
  • 21:38 - 21:40
    (voz feminina)
  • 21:40 - 21:45
    "Quando a bebê nasceu, ela pesava 2 quilos e meio e não tinha quaisquer anormalidades."
  • 22:02 - 22:06
    A Genie passou 13 anos, isolada,
  • 22:06 - 22:10
    num quarto praticamente vazio, afastada de qualquer contacto social.
  • 22:10 - 22:14
    Apesar de não sofrer de nenhum problema mental,
  • 22:15 - 22:19
    por causa desse ambiente, ela comportava-se como uma pessoa mentalmente doente.
  • 22:20 - 22:23
    Ela não conseguia criar relações sociais,
  • 22:23 - 22:28
    ela não conseguia falar; até o seu próprio andar era estranho.
  • 22:29 - 22:34
    Depois de um certo tempo, devido à insistência de outros para a reabilitar,
  • 22:34 - 22:37
    a Genie começou a expressar-se através da linguagem por sinais,
  • 22:37 - 22:39
    e a socializar com as pessoas
  • 22:42 - 22:45
    "Elas também assumiram responsabilidade pela terapia da Genie,
  • 22:46 - 22:49
    tentando-a ajudar a combater o horror que foi a sua infância."
  • 22:49 - 22:51
    "Okay querida, abre a boca!"
  • 22:52 - 22:54
    'Neste primitivo exercício de representação,
  • 22:54 - 22:57
    Marilyn finge ser a mãe de Genie.'
  • 22:57 - 23:01
    "Despacha-te! Despacha-te, porque não há mais tempo.
  • 23:01 - 23:03
    O pai vai ficar chateado."
  • 23:04 - 23:08
    'Marilyn tenta extrair memórias do passado de Genie.'
  • 23:08 - 23:13
    (Marilyn) "Gostava de saber no que estarás a pensar."
  • 23:26 - 23:30
    A Genie é prova extrema da influência do ambiente.
  • 23:37 - 23:39
    'Apesar de tudo o que atravessou, os seus problemas estavam longe de acabar.'
  • 23:40 - 23:44
    No seu primeiro lar adotivo, Genie foi severamente punida por vomitar.
  • 23:45 - 23:51
    A experiência foi tão traumatizante que Genie acabou por voltar para o hospital infantil,
  • 23:51 - 23:55
    onde os Rigler's ofereceram ajuda.'
  • 23:55 - 23:57
    "Não o podias evitar."
  • 24:00 - 24:04
    "Então agora não abres a boca para não voltares a vomitar."
  • 24:04 - 24:07
    Genie tinha medo de abrir a boca.
  • 24:24 - 24:27
    Se não expões um ser humano ao assassínio,
  • 24:27 - 24:32
    violação, pedofilia, zoofilia, necrofilia, armas, racismo,
  • 24:33 - 24:35
    então ele não saberá o que é.
  • 24:35 - 24:37
    É como tentar imaginar
  • 24:37 - 24:39
    uma cor que nunca viste.
Title:
(h) TROM - 1.3 Environment
Description:

http://tromsite.com - Full documentary, very well organized (download, youtube stream, subtitles, credits, share, get involved, and many more)

Documentary´s description :
-------------------------------------------------------------------------
TROM (The Reality of Me) represents the biggest documentary ever created, it is also the only one that tries to analyse everything : from science to the monetary system as well as real solutions to improve everyone's life.

A new and ´real´ way to see the world.

"Before the Big-Bang, till present, and beyond."
-------------------------------------------------------------------------

more » « less
Video Language:
English
Duration:
24:53

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions Compare revisions