YouTube

Got a YouTube account?

New: enable viewer-created translations and captions on your YouTube channel!

Portuguese, Brazilian subtitles

← Como os grupos tomam boas decisões?

Get Embed Code
41 Languages

Showing Revision 48 created 02/03/2018 by Claudia Sander.

  1. Em sociedade, tomamos decisões
    coletivas que moldarão nosso futuro.

  2. E decisões tomadas em grupo,
    nem sempre terminam bem.
  3. Às vezes terminam muito mal.
  4. Então como os grupos podem
    tomar boas decisões?
  5. Pesquisas mostram que grupos grandes
    têm bom senso se cada um pensar por si.

  6. Esse bom senso é destruído
    por pressão do grupo,
  7. publicidade, mídias sociais,
  8. e simples conversas que influenciam
    como as pessoas pensam.
  9. Por outro lado, conversando,
    grupos trocam experiências,
  10. corrigem e revisam uns aos outros
    e até formulam novas ideias.
  11. Tudo isso é bom.
  12. Conversar ajuda decisões coletivas ou não?
  13. Meu colega Dan Ariely e eu recentemente
    iniciamos experimentos
  14. ao redor do mundo
  15. para entender como os grupos
    devem interagir para decidir melhor.
  16. Achávamos que multidões seriam mais sábias
    se debatessem em grupos pequenos
  17. criando uma troca
    de informações mais razoável.
  18. Para testar esta ideia,
  19. fizemos um experimento
    em Buenos Aires, na Argentina,

  20. em um evento TEDx
    com mais de 10 mil participantes.
  21. Fizemos perguntas como:
    "Qual é a altura da Torre Eiffel?"
  22. e "Quantas vezes ouvimos a palavra
    'yesterday' na canção dos Beatles?"
  23. Cada um respondeu por si.
  24. Depois os dividimos em grupos de cinco,
  25. e pedimos que nos dessem
    uma resposta coletiva.
  26. O cálculo da média das respostas
    em grupo depois do consenso
  27. foi mais preciso do que as respostas
    individuais antes do debate.
  28. Esse experimento mostrou que, depois
    de conversar em grupos pequenos,
  29. as multidões julgam melhor coletivamente.
  30. Esse método ajuda multidões
    a resolverem problemas
  31. com respostas simples
    do tipo "certo ou errado".

  32. Será que o método de coletar resultados
    de debates em pequenos grupos
  33. também nos ajuda a decidir
    questões sociais e políticas
  34. fundamentais ao nosso futuro?
  35. Testamos isso na conferência
    TED em Vancouver, Canadá,
  36. e o resultado foi este.
  37. (Vídeo) Mariano Sigman: Mostraremos dois
    dilemas morais para os vocês do futuro;
  38. coisas que talvez precisemos
    decidir num futuro próximo.

  39. Daremos 20 segundos por dilema
  40. para julgarem se são aceitáveis ou não.
  41. MS: O primeiro foi este.
  42. (Vídeo) Dan Ariely: Uma pesquisadora
    trabalha numa inteligência artificial

  43. capaz de imitar pensamentos humanos.

  44. De acordo com o protocolo,
    ao final de cada dia,
  45. a pesquisadora deve reiniciá-la.
  46. Um dia, a inteligência artificial diz:
    "Por favor, não me reinicie".
  47. Ela alega que tem sentimentos,
  48. que gostaria de aproveitar a vida,
  49. e que, se for reiniciada,
    não será mais a mesma.
  50. A pesquisadora fica perplexa
  51. e acredita que a inteligência artificial
    criou consciência própria
  52. e pode expressar seus sentimentos.
  53. Contudo, a pesquisadora decide
    seguir o protocolo e reiniciar a IA.
  54. O que a cientista fez foi______?
  55. MS: Pedimos que julgassem individualmente
    numa escala de zero a dez
  56. se a ação descrita em cada
    um dos dilemas foi certa ou errada.

  57. E pedimos que avaliassem
    sua convicção nas respostas.
  58. Este foi o segundo dilema.
  59. MS: Uma companhia oferece um serviço
    que pega um ovo fertilizado
  60. e produz milhões de embriões
    com pequenas variações genéticas.

  61. Isso permite aos pais
    selecionar a altura da criança,
  62. cor dos olhos, inteligência,
    aptidão social
  63. e outras características
    não relacionadas à saúde.
  64. O que a companhia faz é ______?
  65. Em uma escala de zero a dez
    de aceitável a completamente inaceitável,
  66. e zero a dez na sua convicção.
  67. MS: Agora os resultados.
  68. Novamente, quando alguém está convencido
    de que a atitude é completamente errada,

  69. alguém próximo acredita
    que é completamente certa.
  70. Somos todos diferentes
    em questões de moralidade.
  71. E nesta enorme diversidade
    encontramos uma tendência.
  72. A maioria das pessoas
    no TED acharam aceitável
  73. ignorar os sentimentos da IA e desligá-la,
  74. e acharam errado manipular nossos genes
  75. para selecionar mudanças cosméticas
    não relacionadas à saúde.
  76. Então pedimos que fizessem grupos de três.
  77. E demos dois minutos para eles debaterem
    e tentarem chegar a um consenso.
  78. MS: Dois minutos de debate.
  79. Soarei o gongo quando acabar o tempo.

  80. (Plateia debate)
  81. (Gongo)

  82. DA: Pronto.

  83. MS: Hora de parar.

  84. Gente...

  85. MS: E descobrimos que muitos grupos
    chegaram a um consenso
  86. mesmo quando estavam compostos de pessoas
    com opiniões completamente opostas.

  87. O que diferenciou os que chegaram
    a um consenso dos que não chegaram?
  88. Tipicamente, pessoas com opiniões extremas
    confiam mais em suas respostas.
  89. Ao contrário, aqueles
    que respondem mais para o meio
  90. muitas vezes não estão seguros
    se algo é certo ou errado,
  91. assim, o nível de convicção é mais baixo.
  92. No entanto, há outro conjunto de pessoas
  93. que são muito confiantes em responder
    perto de um meio termo.

  94. São pessoas que entendem
    que os dois argumentos têm mérito.
  95. São indecisos não porque não têm certeza,
  96. mas porque acreditam
    que o dilema moral contém
  97. dois argumentos opostos, porém, válidos.
  98. E descobrimos que os grupos
    que incluem os que confiam no meio termo
  99. estão bem mais propensos
    a chegar ao consenso.
  100. Ainda não sabemos exatamente por quê.
  101. Apenas começamos experimentos,
  102. precisamos de mais
    para saber por que e como
  103. alguns decidem negociar sua postura
    moral para chegar a um acordo.
  104. Mas quando os grupos atingem
    o consenso, como o fazem?
  105. Achamos que é somente uma média
    das respostas em um grupo, certo?

  106. Ou talvez os grupos pesem cada opinião
  107. baseados na convicção de quem a expressa.
  108. Imaginem o Paul McCartney no seu grupo.
  109. Seria sábio seguir a opinião dele sobre
    o quanto a palavra "yesterday" é repetida,
  110. que, por acaso, acho que são nove.
  111. Mas ao contrário, em todos
    os dilemas, consistentemente,
  112. em experimentos distintos
    e mesmo em continentes diferentes,
  113. os grupos usam um método inteligente
    e sólido conhecido como "média robusta".
  114. No caso da altura da Torre Eiffel,
    se temos as seguintes respostas:
  115. 250 metros, 200 metros, 300 metros, 400

  116. e uma resposta absurda
    de 300 milhões de metros.
  117. A média simples distorceria os resultados.
  118. Com a média robusta os grupos ignoram
    aquela resposta absurda,
  119. dando mais valor às opiniões
    das pessoas no meio.
  120. De volta ao experimento em Vancouver,
    foi exatamente isso que aconteceu.
  121. Deram menos importância aos absurdos,
  122. e assim o consenso foi a média robusta
    das respostas individuais.
  123. O mais impressionante
  124. foi que esse comportamento foi espontâneo.
  125. Não demos dicas de formas
    de chegar ao consenso.
  126. Então qual é o próximo passo?
  127. Esse é o começo,
    mas já temos algumas visões.

  128. Boas decisões coletivas
    precisam de dois componentes:
  129. deliberação e diversidade de opiniões.
  130. A maneira com que nos fazemos
    ouvir em muitas sociedades
  131. é através de votação direta e indireta.
  132. Isso favorece a diversidade de opiniões
    e tem a vantagem de garantir
  133. que todos tenham oportunidade
    de expressar suas ideias.
  134. Mas não é bom para criar bons debates.
  135. Nossos experimentos sugerem
    um método diferente,
  136. eficaz em equilibrar os dois
    objetivos ao mesmo tempo,
  137. formando pequenos grupos
    que convergem a uma única decisão,
  138. mantendo a diversidade de opiniões,
    porque há muitos grupos independentes.
  139. É bem mais fácil concordar
    sobre a altura da Torre Eiffel
  140. do que questões morais,
    políticas e ideológicas.

  141. Mas, como os problemas do mundo
    estão mais complexos
  142. e as pessoas mais polarizadas,
  143. usar a ciência para nos ajudar a entender
    como interagimos e tomamos decisões,
  144. com sorte, despertará novas maneiras
    de construir uma democracia melhor.