Return to Video

Monopólio de Markup

  • 0:00 - 0:06
    ♪ [música] ♪
  • 0:09 - 0:12
    -[Alex] Em um mercado competitivo,
    sabemos que preço é igual
  • 0:12 - 0:14
    ao custo marginal e o equilíbrio.
  • 0:14 - 0:16
    Em um mercado com um monopólio,
    sabemos que o preço
  • 0:16 - 0:19
    será maior que o custo marginal.
  • 0:19 - 0:23
    Mas, o quanto será maior?
    O que determina o markup?
  • 0:23 - 0:25
    O que iremos apresentar aqui
  • 0:25 - 0:28
    é que o monopólio de markup depende
  • 0:28 - 0:30
    da elasticidade da demanda.
  • 0:35 - 0:38
    Certo, faremos uma breve revisão
    de onde paramos da última vez.
  • 0:39 - 0:41
    Tudo neste diagrama
    deve parecer familiar agora.
  • 0:41 - 0:43
    Sabemos como encontrar
    a curva da receita marginal
  • 0:43 - 0:45
    como a curva que se inicia
    no eixo vertical
  • 0:45 - 0:47
    no mesmo ponto
    que a curva da demanda
  • 0:47 - 0:48
    com o dobro da inclinação.
  • 0:48 - 0:51
    Sabemos que a quantidade
    da maximização do lucro se encontra
  • 0:51 - 0:54
    onde a receita marginal é
    igual ao custo marginal.
  • 0:54 - 0:57
    E sabemos que podemos ver
    a maximização do lucro
  • 0:57 - 1:00
    como o maior preço
    que as pessoas pagariam
  • 1:00 - 1:03
    pela unidade para aquela quantidade,
    nesse caso, $12.50.
  • 1:04 - 1:07
    O monopólio do markup é
    a diferença entre preço
  • 1:07 - 1:09
    e custo marginal.
  • 1:09 - 1:11
    Sabemos que em um mercado competitivo,
  • 1:11 - 1:13
    o preço deve ser igual ao custo marginal.
  • 1:13 - 1:16
    Aqui no equilíbrio,
    temos um preço maior
  • 1:16 - 1:18
    que o custo marginal,
    este é o monopólio de markup.
  • 1:19 - 1:22
    Fora do diagrama,
    também podemos ver
  • 1:22 - 1:26
    que o lucro total
    de um monopolista é maior que o normal.
  • 1:26 - 1:29
    Os lucros são a diferença
    entre o preço e custo de produção
  • 1:29 - 1:32
    vezes a quantidade,
    que é essa area em azul.
  • 1:33 - 1:34
    Certo, essa foi a revisão.
  • 1:34 - 1:39
    Agora, daremos um exemplo
    do que determina o tamanho
  • 1:39 - 1:41
    de um monopólio de mercado.
  • 1:43 - 1:46
    Como exemplo,
    vejamos o caso de um farmacêutico.
  • 1:46 - 1:50
    Dois efeitos aumentarão
    o monopólio de markup neste caso.
  • 1:50 - 1:53
    Primeiro, o efeito
    que chamamos de "não levaremos".
  • 1:53 - 1:55
    Isto é, pessoas com doenças graves
  • 1:55 - 1:58
    serão mais insensíveis em relação ao preço
  • 1:58 - 2:01
    de um remédio que pode salvar a vida.
  • 2:02 - 2:04
    Já que não levará o dinheiro,
    poderá gastar tudo o que tem
  • 2:04 - 2:06
    tentando salvar sua vida.
  • 2:06 - 2:09
    Se o preço para salvar uma vida aumentar,
  • 2:09 - 2:14
    a quantidade demandada não abaixará muito.
  • 2:15 - 2:18
    Como os clientes
    estão insensíveis ao preço,
  • 2:18 - 2:21
    os monopolitas dirão:
    "Olhe, posso aumentar o preço
  • 2:21 - 2:24
    e eles ainda comprarão,
    então devo aumentar.
  • 2:24 - 2:28
    Terei uma maximização do lucro
    caso aumente."
  • 2:29 - 2:32
    O outro efeito
    é "o dinheiro de um terceiro."
  • 2:32 - 2:35
    Se outra pessoa está pagando pelo remédio,
  • 2:35 - 2:38
    o consumidor será menos sensível ao preço.
  • 2:38 - 2:41
    E para o farmacêuticos,
    sempre sabem que algum seguro de vida,
  • 2:41 - 2:43
    ou de saúde, ou um programa do governo
  • 2:43 - 2:45
    que estará pagando pelo medicamento.
  • 2:46 - 2:49
    Ou seja, quem está demandando o remédio
  • 2:49 - 2:50
    não está pagando por ele.
  • 2:50 - 2:55
    Então mesmo que o preço aumente
    ainda irão solicitar ao farmacêutico,
  • 2:55 - 2:56
    a quantidade demandada
  • 2:56 - 2:58
    não irá abaixar muito.
  • 2:58 - 3:00
    Concluímos então,
  • 3:00 - 3:05
    que quanto menos sensível
    é a demanda pelo preço,
  • 3:05 - 3:08
    maior será o markup.
  • 3:08 - 3:10
    Se as pessoas não são sensíveis ao preço,
  • 3:10 - 3:13
    os monopolistas dirão:
    "Ótimo. Posso aumentar o preço
  • 3:13 - 3:16
    e ainda vender tanto quanto antes."
  • 3:17 - 3:21
    Ou seja, quanto menos flexível
    for a curva da demanda,
  • 3:22 - 3:25
    maior será o markup.
    E essa é a nossa lição básica.
  • 3:26 - 3:29
    Agora que temos um exemplo,
    vamos testá-lo com alguns diagramas
  • 3:29 - 3:30
    e variações de demandas.
  • 3:30 - 3:32
    Há duas curvas de demandas,
  • 3:32 - 3:34
    Qual é mais flexível, a da direita
  • 3:34 - 3:35
    ou da esquerda?
  • 3:37 - 3:41
    A curva da esquerda é mais flexível.
  • 3:41 - 3:45
    E a curva da direita é menos flexível.
  • 3:45 - 3:50
    Então, seguindo nosso exemplo,
    devemos esperar po um baixo markup
  • 3:50 - 3:53
    na esqueda, e alto markup na direita.
  • 3:54 - 3:57
    Sabemos como encontrar o preço
    da maximização do lucro
  • 3:57 - 3:59
    e as quantidades, então vamos fazer isso.
  • 3:59 - 4:00
    Primeiro, começamos pela esquerda.
  • 4:01 - 4:03
    Vemos que quando a curva da demanda
  • 4:03 - 4:08
    é relativamente flexível,
    temos um pequeno preço de markup
  • 4:08 - 4:09
    sobre o custo marginal.
  • 4:10 - 4:11
    E na direita?
  • 4:12 - 4:16
    Agora temos uma curva de demanda
    pouco flexível
  • 4:16 - 4:20
    e vemos que o preço aumenta muito
    sobre o custo marginal.
  • 4:20 - 4:22
    Temos uma demanda relativamente inflexível
  • 4:22 - 4:24
    e temos um grande markup.
  • 4:25 - 4:30
    Note que o custo marginal
    desses dois mercados são o mesmo.
  • 4:31 - 4:35
    O que os difere é que
    a curva desta demanda na direita
  • 4:35 - 4:36
    é mais inflexível.
  • 4:37 - 4:41
    Lembre a lógica:
    os monopolistas veem que os consumidores
  • 4:41 - 4:43
    são insensíveis ao preço.
  • 4:43 - 4:46
    Então sabe que se o preço aumentar,
  • 4:46 - 4:49
    a quantidade demandada cairá só um pouco.
  • 4:50 - 4:53
    Portanto, um aumento no preço elevará
  • 4:53 - 4:55
    o lucro dos monopolistas,
    é isso que eles querem,
  • 4:56 - 4:58
    logo, os monopolistas aumentarão o preço,
  • 4:58 - 5:02
    assim, você terá um grande preço de markup
    sobre o custo marginal.
  • 5:02 - 5:06
    Não se esqueça também,
    que para uma empresa competitiva,
  • 5:06 - 5:10
    a demanda por seu produto
    é perfeitamente flexível
  • 5:10 - 5:13
    e neste caso, o preço é
    equivalente ao custo marginal.
  • 5:14 - 5:15
    Faz sentido que
  • 5:15 - 5:17
    quanto mais flexível é a curva da demanda
  • 5:17 - 5:22
    para um monopolista,
    mais fácil é sua decisão de precificar
  • 5:22 - 5:24
    do que a de uma empresa competitiva.
  • 5:24 - 5:27
    Então, quando a curva da demanda
    para um monopolista
  • 5:27 - 5:30
    é relativamente flexível,
    o preço está mais próximo
  • 5:30 - 5:31
    do custo marginal.
  • 5:32 - 5:35
    Quanto mais flexível
    a curva da demanda fica
  • 5:35 - 5:36
    para o monopolista,
  • 5:36 - 5:40
    mais próximo estará de render
    uma maximização do lucro
  • 5:40 - 5:42
    em relação à uma empresa competitiva.
  • 5:42 - 5:44
    O preço se aproxima do custo marginal.
  • 5:45 - 5:46
    Certo, muito bem.
  • 5:46 - 5:50
    Novamente, lembre-se
    que quanto mais inflexível é a demanda,
  • 5:50 - 5:51
    maior é o markup.
  • 5:52 - 5:55
    Veremos se agora
    podemos usar nossa teoria
  • 5:55 - 5:57
    para solucionar
    um desafio de precificação.
  • 5:57 - 6:00
    Recentemente, olhei alguns voos
    da American Airlines
  • 6:00 - 6:03
    e encontrei um de Washington para Dallas
  • 6:04 - 6:09
    mais caro do que um voo
    de Washington para São Francisco.
  • 6:09 - 6:11
    Há duas coisas intrigantes sobre isso.
  • 6:12 - 6:16
    Primeiro, obviamente que São Francisco
    é muito mais longe de Washington
  • 6:16 - 6:18
    do que Dallas, o esperado é que o gasto,
  • 6:18 - 6:21
    o custo do combustível
    e os demais sejam mais altos.
  • 6:21 - 6:25
    Seguinte, o desafio é mais complexo
    pois o voo de Washington
  • 6:25 - 6:29
    para São Francisco passa por Dallas.
  • 6:29 - 6:33
    Na realidade, o segmento
    de Washington para Dallas
  • 6:33 - 6:35
    do voo de Washington para São Francisco
  • 6:35 - 6:40
    é exatamente o mesmo
    que o de Washington para Dallas.
  • 6:41 - 6:46
    Então, por que um segmento
    do voo de Washington
  • 6:46 - 6:47
    para São Francisco seria mais caro
  • 6:48 - 6:49
    do que o voo inteiro?
  • 6:50 - 6:54
    A resposta requer o entendimento
    de como as companhias aéreas
  • 6:54 - 6:56
    são estruturadas nos Estados Unidos.
  • 6:56 - 6:59
    A maioria das companhias aéreas
    possuem um aeroporto central
  • 6:59 - 7:01
    sempre próximo ao centro do país,
  • 7:01 - 7:03
    que é dominada
    por uma companhia aérea particular.
  • 7:04 - 7:06
    No caso da American Airlines, é Dallas.
  • 7:06 - 7:08
    Já no caso da United, é Chicago.
  • 7:08 - 7:12
    A Northwest controla Minnesota,
    St. Paul e assim por diante.
  • 7:12 - 7:15
    Significa que se quiser um voo para Dallas
  • 7:15 - 7:18
    em um horário oportuno
    é muito mais fácil você encontrar
  • 7:18 - 7:22
    um bom voo na American Airlines
    que nas outras companhias.
  • 7:22 - 7:25
    Se quiser um voo
    de Minneapolis, St Paul,
  • 7:25 - 7:27
    será muito mais conveniente
  • 7:27 - 7:29
    voar com a Northwest, e assim por diante.
  • 7:29 - 7:34
    Certo, isso te dá algumas ideias
    de como solucionar o desafio?
  • 7:35 - 7:37
    Imagine alguém voando
    de Washing para Dallas,
  • 7:37 - 7:39
    quais opções eles têm?
  • 7:40 - 7:42
    Não muitas.
    Há poucos substitutos.
  • 7:43 - 7:47
    E poucos significam
    uma demanda inflexível.
  • 7:48 - 7:51
    Agora pense em alguém voando
    de Washington para São Francisco.
  • 7:52 - 7:55
    Quais opções eles têm?
    Bem, eles têm muitas.
  • 7:55 - 7:59
    Podem voar através de Chicago,
    ou através de Denver,
  • 7:59 - 8:03
    ou Minneapolis, St. Paul
    ou podem voar direto.
  • 8:03 - 8:06
    Existem mais e melhores opções de voo
  • 8:06 - 8:09
    de Whashington para São Francisco,
    já que São Francisco
  • 8:09 - 8:11
    não é uma cidade central.
  • 8:12 - 8:13
    Então, o que observamos?
  • 8:13 - 8:16
    Observamos que a demanda de Washington
  • 8:16 - 8:20
    para São Francisco
    será relativamente flexível,
  • 8:20 - 8:23
    e a demanda de Washington para Dallas
  • 8:23 - 8:25
    é relativamente inflexível.
  • 8:25 - 8:30
    E a teoria nos diz
    que com uma demanda flexível,
  • 8:30 - 8:31
    nós temos um baixo markup.
  • 8:32 - 8:35
    Com a demanda inflexível,
    temos um alto markup.
  • 8:35 - 8:38
    A teoria é bem completa e consistente
  • 8:38 - 8:41
    nesse desafio de precificação,
    e o explica.
  • 8:42 - 8:44
    -[Narrador] Quer se testar?
  • 8:44 - 8:45
    Clique em "Questões Práticas."
  • 8:46 - 8:49
    ou caso esteja pronto para seguir,
    clique em "Próximo video"
Title:
Monopólio de Markup
Description:

Já se perguntou por que farmacêuticos são tão caros? Nesse video, mostraremos como a baixa flexibilidade da demanda resulta em monopólios de markup. Esses são especialmete os casos de mercadorias que envolvem o efeito que chamamos de "não levaremos dinheiro após a morte" (pessoas que possuem uma séria condição de saúde e são mais insensíveis ao preço dos medicamentos), e o efeito "dinheiro de um terceiro" (Caso em que outras associações pagam pelos medicamentos, as pessoas são menos sensíveis ao preço).

Pergunte sobre o video em: http://mruniversity.com/courses/principles-economics-microeconomics/monopoly-markup-elasticity#QandA

Próximo video: http://mruniversity.com/courses/principles-economics-microeconomics/costs-benefits-monopoly-pharmaceutical-companies

more » « less
Video Language:
English
Team:
Marginal Revolution University
Project:
Micro
Duration:
08:55

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions