Portuguese, Brazilian subtitles

← Por que você deve levar seu "eu" completo para o trabalho

Dan Clay estava preocupado em ser rejeitado como "gay demais" no trabalho. Então, reduziu a intensidade da personalidade dele. Mas, então, o alter ego dele, Carrie Dragshaw, viralizou on-line. Eis o que aconteceu depois.

Get Embed Code
30 Languages

Showing Revision 14 created 03/07/2019 by Maricene Crus.

  1. Um líder é seguro, firme,
    decidido, resoluto.
  2. Nunca deixe vê-lo suar;
    tenha sempre uma resposta.
  3. [A Maneira como Trabalhamos]

  4. Meu nome é Dan; sou sócio
    de uma consultoria criativa global.

  5. Mas tenho um outro lado:
  6. Carrie Dragshaw,
  7. o personagem que criei no Instagram.
  8. Enquanto pensava sobre minha vida dupla,
    não pude deixar de me perguntar:
  9. "Quando seu verdadeiro 'eu'
    não é um tanto tradicional,
  10. quanto dele você pode realmente
    levar ao escritório?
  11. Para alguns de nós,
    a autenticidade é proibida?"
  12. Nos primeiros dez anos de minha carreira,

  13. pensei que havia
    um único jeito de ser líder:
  14. decisivo e sério.
  15. Mas esse não sou eu.
  16. Então, eu vestia basicamente a pressão
    do escritório para me ajustar ao papel:
  17. falava com voz mais grave,
    tentava evitar gesticular demais.
  18. Eu me empolgo muito com as coisas.
  19. Então, eu moderava isso.
  20. Havia uma vozinha
    em minha mente me dizendo:
  21. "Você é gay demais, feminino demais,
    e extravagante demais".
  22. Um conselheiro bem-intencionado me disse:
  23. "Todos sabem que você é gay,
    e isso é ótimo.
  24. Mas você não precisa
    salientar isso pra eles".
  25. Este sou eu usando uma tutu,
    no Halloween de 2016.

  26. Eu me fantasiei como minha personagem
    de TV favorita, Carrie Bradshaw,
  27. achando que meus amigos curtiriam isso.
  28. Então, foi uma loucura.
  29. A publicação viralizou e, no começo,
    foi pura diversão.
  30. Comecei a receber mensagens
    incríveis das pessoas
  31. sobre como ficaram felizes,
  32. e como isso as incentivou
    a serem autênticas.
  33. E comecei a pensar:
  34. "Talvez seja hora de mandar aquela vozinha
    em minha mente calar a boca
  35. e me permitir ser eu mesmo".
  36. Mas a coisa passou um pouco dos limites.
  37. Carrie Dragshaw estava em toda parte:
    no "New York Post", "US Weekly",

  38. e fiquei apavorado:
    "O que meus chefes vão achar?
  39. Meus colegas ainda
    vão me respeitar como líder?
  40. O que meus clientes vão pensar?"
  41. Achei que deveria procurar outro emprego.
  42. Mas, então, aconteceu uma coisa trivial.
  43. Recebi uma mensagem curta
    do meu chefe, que dizia:
  44. "Uau, Cosmo!",
  45. com um link pra um artigo
    que tinha acabado de sair sobre mim.
  46. Isso permitiu que eu deixasse
    aquela vozinha assustada de lado
  47. e ficasse animado com tudo isso,
  48. em vez de surtar.
  49. Esse é o poder de uma pessoa.

  50. Às vezes, basta um aliado
    para deixar você à vontade.
  51. Meus colegas começaram a agir diferente.
  52. Ficaram mais abertos e brincalhões comigo.
  53. Era como se conhecer esse meu outro lado
  54. também lhes desse permissão
    para serem mais de si mesmos.
  55. Pensei que a franqueza e a vulnerabilidade
  56. na verdade, fossem diminuir
    minha reputação com a equipe.
  57. Mas foi o contrário.
  58. Dois anos depois,

  59. eu nunca poderia imaginar que essa
    parte de mim seria não apenas aceita,
  60. mas, na verdade, ajudaria minha carreira.
  61. Sou um cara de sorte.
  62. Trabalho em Nova York,
  63. num escritório em que
    valorizam a criatividade,
  64. e eu já estava bem estabelecido
    na carreira quando tudo começou.
  65. Talvez seja você, talvez não.
  66. Mas tudo isso me ensinou muito
  67. sobre a importância de levar
    seu "eu" completo para o trabalho.
  68. Desafiei realmente minhas próprias
    percepções erradas
  69. sobre o que é preciso para ter sucesso.
  70. Não há um único jeito de ser líder.

  71. Trata-se de encontrar seus pontos fortes
    e maneiras de fortalecê-los.
  72. Antes, se uma reunião era difícil,
    eu vestia minha máscara de líder perfeita.
  73. Agora posso dizer: "Puxa, que frustrante!"
  74. Podemos falar abertamente
    sobre desafios e esforços,
  75. em vez de todos fingirem que está
    tudo bem até que seja tarde demais.
  76. Esconder uma identidade dá trabalho.
  77. Pense em toda a energia
    desperdiçada fingindo,
  78. querendo ser alguém diferente.
  79. O mais interessante pra mim é que,
    em um grande estudo sobre dissimulação,
  80. 93% daqueles que dizem estar fazendo isso
  81. também acreditam que a empresa
    em que trabalham valoriza a inclusão.
  82. Claramente, nossos locais de trabalho
    e todas as nossas estranhas vozes internas
  83. ainda têm muito para resolver
    quanto à aceitação.
  84. Há uma grande diferença
    entre adaptar e dissimular.

  85. E acho que aprendi isso um pouco tarde.
  86. Pessoalmente, estou encarando tudo isso
    como um chamado para ser o aliado
  87. que, como meu chefe fez por mim,
  88. permite que as pessoas saibam
    que não há problema em se abrir.
  89. Se você é gay ou tem orgulho
    de sua origem étnica,
  90. se tem uma deficiência
    ou é profundamente religioso,
  91. veja como é ser você mesmo no trabalho.
  92. Você pode ter uma grata surpresa.