Return to Video

Como ter conversas políticas melhores

  • 0:01 - 0:04
    Provavelmente, têm a sensação,
    como a maioria das pessoas,
  • 0:04 - 0:08
    que a polarização está
    a ficar pior no nosso país;
  • 0:08 - 0:11
    que a divisão entre
    a esquerda e a direita
  • 0:11 - 0:15
    está tão má como nunca esteve
    durante a nossa vida.
  • 0:15 - 0:20
    Mas também poderão questionar-se
    se a investigação apoia a vossa intuição.
  • 0:21 - 0:25
    E, em suma, a resposta é sim,
    infelizmente.
  • 0:25 - 0:27
    (Risos)
  • 0:27 - 0:29
    Estudo após estudo, descobrimos
  • 0:29 - 0:34
    que liberais e conservadores
    separaram-se ainda mais.
  • 0:33 - 0:38
    Isolam-se a si mesmos, cada vez mais,
    nos seus asilos ideológicos,
  • 0:38 - 0:43
    consumindo diferentes notícias,
    falando só com pessoas que pensem igual,
  • 0:43 - 0:46
    e escolhendo viver
    em partes diferentes do país.
  • 0:47 - 0:50
    E eu penso que
    o mais alarmante disto tudo,
  • 0:50 - 0:54
    é observar esta animosidade
    crescente em ambos os lados.
  • 0:55 - 0:56
    Liberais e conservadores,
  • 0:56 - 0:58
    Democratas e Republicanos,
  • 0:58 - 1:02
    cada vez gostam menos uns dos outros.
  • 1:02 - 1:05
    É possível observar isto
    de várias maneiras.
  • 1:05 - 1:07
    Não querem ser amigos,
    Não querem namorar uns com os outros.
  • 1:08 - 1:11
    Se o fizerem, e se o descobrirem,
    julgarão o seu parceiro menos atraente.
  • 1:12 - 1:14
    Cada vez mais, não querem
    que os seus filhos se casem
  • 1:14 - 1:17
    com alguém que apoie o partido oposto
  • 1:17 - 1:19
    — uma estatística
    particularmente chocante.
  • 1:20 - 1:23
    No meu laboratório,
    os estudantes com quem trabalho,
  • 1:23 - 1:26
    falamos sobre uma espécie
    de padrão social:
  • 1:26 - 1:30
    Eu sou um viciado em filmes,
    portanto, penso frequentemente:
  • 1:30 - 1:34
    "Que tipo de filme é este
    em que existe este padrão?
  • 1:33 - 1:37
    "Que tipo de filme é este
    com esta polarização política?"
  • 1:39 - 1:41
    Podia ser um filme de catástrofe.
  • 1:41 - 1:43
    Certamente, parece ser uma catástrofe.
  • 1:44 - 1:45
    Podia ser um filme de guerra.
  • 1:46 - 1:47
    Também serve.
  • 1:47 - 1:51
    Mas o que eu continuo a pensar é que
    estamos num filme de apocalipse zombie.
  • 1:51 - 1:53
    (Risos)
  • 1:53 - 1:55
    Não é? Vocês conhecem o tipo.
  • 1:55 - 1:58
    Há pessoas que vagueiam em matilhas,
  • 1:58 - 2:00
    que não pensam por si mesmas,
  • 2:00 - 2:02
    conquistados por este
    pensamento de grupo
  • 2:02 - 2:05
    tentando espalhar a sua doença
    e destruir a sociedade.
  • 2:05 - 2:08
    Vocês, provavelmente, pensam como eu,
  • 2:09 - 2:11
    que vocês são o herói neste filme
    de apocalipse de zombies
  • 2:11 - 2:15
    e que todo este ódio e polarização
    estão a ser propagados pelos outros,
  • 2:15 - 2:18
    porque nós somos o Brad Pitt, certo?
  • 2:18 - 2:21
    Livres pensadores, justos,
  • 2:21 - 2:23
    a tentar agarrarmo-nos
    ao que mais amamos,
  • 2:23 - 2:27
    não somos soldados-rasos
    no exército dos mortos-vivos.
  • 2:27 - 2:29
    Isso não.
  • 2:28 - 2:30
    Isso nunca.
  • 2:30 - 2:32
    Mas eis o que se passa:
  • 2:32 - 2:35
    em que filme julgam
    que eles pensam estar?
  • 2:35 - 2:37
    Certo?
  • 2:37 - 2:39
    Eles pensam convictamente
    que são os heróis
  • 2:39 - 2:41
    neste filme apocalíptico. Certo?
  • 2:41 - 2:44
    Podem ter certeza que eles
    pensam que são o Brad Pitt
  • 2:44 - 2:47
    e que nós, nós é que somos os zombies.
  • 2:49 - 2:52
    E quem somos nós para dizer
    que eles estão errados?
  • 2:53 - 2:56
    Eu penso que a verdade
    é que fazemos todos parte disto.
  • 2:56 - 3:00
    E o lado bom nisso é que também
    podemos fazer parte da solução.
  • 3:00 - 3:03
    Então o que é que vamos fazer?
  • 3:03 - 3:08
    O que é que podemos fazer para afastar
    a polarização do nosso quotidiano?
  • 3:08 - 3:11
    O que é que podemos fazer
    para estabelecer uma ligação
  • 3:11 - 3:14
    e comunicarmos com os nossos
    oponentes políticos?
  • 3:14 - 3:18
    Foi exatamente com estas questões
    que eu e o meu colega, Matt Feinberg,
  • 3:18 - 3:20
    ficámos fascinados, aqui há uns anos,
  • 3:20 - 3:23
    e começámos a investigar o tema.
  • 3:24 - 3:26
    Uma das primeiras coisas
    que descobrimos,
  • 3:26 - 3:29
    que eu penso ser realmente útil
    para compreender a polarização,
  • 3:30 - 3:32
    é perceber que a divisão
    política no nosso país
  • 3:32 - 3:35
    é subjacente a uma divisão
    moral mais profunda.
  • 3:36 - 3:40
    Uma das descobertas mais robustas
    na história da psicologia política
  • 3:40 - 3:45
    foi o padrão identificado
    pelos psicólogos Jon Haidt e Jesse Graham,
  • 3:45 - 3:49
    de que liberais e conservadores
    tendem a apoiar diferentes valores
  • 3:49 - 3:51
    em diferentes graus.
  • 3:51 - 3:56
    Por exemplo, vemos que os liberais
    tendem a apoiar valores como a igualdade,
  • 3:56 - 4:00
    a justiça e o cuidado
    e a proteção contra danos,
  • 4:00 - 4:02
    mais do que os conservadores.
  • 4:02 - 4:07
    E os conservadores tendem a apoiar
    valores como a lealdade, o patriotismo,
  • 4:07 - 4:11
    o respeito pela autoridade
    e a pureza moral,
  • 4:11 - 4:13
    mais do que os liberais.
  • 4:15 - 4:18
    Matt e eu pensámos
    que talvez esta divisão moral
  • 4:18 - 4:20
    fosse útil para percebermos
  • 4:20 - 4:23
    como é que liberais e conservadores
    comunicam uns com os outros
  • 4:23 - 4:27
    e porque é que, amiúde,
    parecem não dar ouvidos uns aos outros.
  • 4:27 - 4:29
    Portanto, realizámos um estudo
  • 4:30 - 4:33
    em que convidámos liberais para um estudo
  • 4:33 - 4:35
    em que escreveriam
    uma dissertação persuasiva
  • 4:35 - 4:40
    que fosse convincente para um conservador
    em apoio do casamento homossexual.
  • 4:40 - 4:43
    Descobrimos que os liberais
    tendem a fazer argumentos
  • 4:43 - 4:47
    em termos dos valores morais liberais
    de igualdade e justiça.
  • 4:47 - 4:49
    Portanto, afirmavam coisas como:
  • 4:49 - 4:53
    "Todos devem ter o direito
    de amar quem queiram amar,"
  • 4:53 - 4:55
    e "Eles" — sendo 'eles' os
    americanos homossexuais —
  • 4:55 - 4:58
    "merecem os mesmos direitos
    que os outros americanos."
  • 4:58 - 5:02
    No total, descobrimos
    que 69% dos liberais
  • 5:02 - 5:07
    utilizaram um valor moral mais liberal
    na redação da sua dissertação,
  • 5:07 - 5:11
    e só 9% utilizaram um dos valores
    morais mais conservadores,
  • 5:11 - 5:14
    apesar de o seu objetivo ter sido
    tentar persuadir os conservadores.
  • 5:15 - 5:19
    Quando estudámos os conservadores e os
    mandamos escrever argumentos convincentes
  • 5:19 - 5:22
    em apoio de tornar o inglês
    a língua oficial dos EUA,
  • 5:22 - 5:24
    uma posição política
    tradicionalmente conservadora,
  • 5:24 - 5:26
    descobrimos que eles
    não eram muito melhores.
  • 5:27 - 5:28
    59% fizeram argumentos
  • 5:28 - 5:31
    em torno de um dos valores morais
    mais conservadores,
  • 5:31 - 5:33
    e só 8% invocaram um valor moral liberal,
  • 5:33 - 5:36
    apesar de ser suposto
    persuadirem os liberais.
  • 5:37 - 5:41
    Assim, é fácil perceber porque
    é que estamos em apuros.
  • 5:43 - 5:46
    Os valores morais das pessoas
    são as suas crenças mais profundas.
  • 5:46 - 5:49
    As pessoas estão dispostas
    a lutar e a morrer pelos seus valores.
  • 5:50 - 5:53
    Porque é que abdicariam disso
    só para concordarem com alguém
  • 5:53 - 5:55
    em algo que eles nem sequer
    desejam concordar?
  • 5:56 - 5:59
    Se aquele apelo persuasivo
    que fazem ao vosso tio republicano
  • 5:59 - 6:02
    significa que ele não só
    tem que mudar a sua visão,
  • 6:02 - 6:04
    mas também tem de mudar
    os seu valores subjacentes,
  • 6:04 - 6:06
    isso não vai muito longe.
  • 6:06 - 6:08
    Então, o que funcionaria melhor?
  • 6:08 - 6:12
    Bem, acreditamos que é uma técnica
    a que chamamos "reformulação moral",
  • 6:13 - 6:15
    e estudamos isso
    numa série de experiências.
  • 6:15 - 6:17
    Numa dessas experiências,
  • 6:17 - 6:20
    recrutámos liberais e conservadores
    para um estudo
  • 6:20 - 6:22
    em que eles leram
    uma de três redações
  • 6:22 - 6:26
    antes de serem avaliadas
    as suas atitudes ambientais.
  • 6:26 - 6:27
    A primeira dessas redações
  • 6:27 - 6:31
    era um ensaio pró-ambiental
    relativamente convencional
  • 6:31 - 6:35
    que invocava valores liberais
    de cuidado e proteção contra danos.
  • 6:35 - 6:37
    Dizia coisas como:
    "De muitas maneiras importantes,
  • 6:37 - 6:40
    "provocamos reais danos
    nos lugares em que vivemos,"
  • 6:40 - 6:43
    e "É essencial que
    tomemos atitudes agora
  • 6:43 - 6:46
    "para evitar mais destruição
    na nossa terra."
  • 6:47 - 6:49
    Outro grupo de participantes
  • 6:49 - 6:51
    foi escolhido para ler
    um ensaio bem diferente
  • 6:51 - 6:56
    concebido para seguir o valor
    de pureza moral dos conservadores.
  • 6:56 - 6:58
    Também era uma redação
    pró-ambiental,
  • 6:58 - 7:00
    e dizia coisas como:
  • 7:00 - 7:05
    "É importante manter a pureza
    das nossas florestas, da água e do céu".
  • 7:05 - 7:08
    "Devíamos considerar nojenta
    a poluição dos lugares em que vivemos."
  • 7:09 - 7:12
    "A redução da poluição
    pode ajudar-nos a preservar
  • 7:12 - 7:15
    "o que é puro e bonito
    nos lugares em que vivemos."
  • 7:16 - 7:17
    Tínhamos um terceiro grupo
  • 7:17 - 7:19
    escolhido para ler
    um ensaio não político.
  • 7:20 - 7:22
    Era um grupo de comparação
    para podermos ter uma base.
  • 7:22 - 7:25
    Depois, quando avaliámos as pessoas
  • 7:25 - 7:26
    sobre as suas atitudes ambientais,
  • 7:27 - 7:30
    descobrimos que os liberais,
    independentemente da redação que liam,
  • 7:30 - 7:32
    tendiam a ter atitudes
    altamente pró-ambientais.
  • 7:33 - 7:35
    Os liberais concordam
    com a proteção ambiental.
  • 7:35 - 7:37
    Os conservadores, no entanto,
  • 7:37 - 7:41
    apoiavam mais fortemente as políticas
    a favor do ambientalismo progressista
  • 7:41 - 7:43
    e da proteção ambiental
  • 7:43 - 7:45
    se tivessem lido a redação
    de pureza moral
  • 7:45 - 7:48
    do que se tivessem lido
    uma das outras duas redações.
  • 7:48 - 7:51
    Até descobrimos que conservadores
    que leram a redação de pureza moral
  • 7:51 - 7:55
    eram mais passíveis de dizer que
    acreditavam no aquecimento global
  • 7:55 - 7:56
    e que se preocupavam com isso,
  • 7:56 - 8:00
    apesar de essa redação nem sequer
    mencionar o aquecimento global.
  • 8:00 - 8:02
    É só um problema
    ambiental relacionado com ele.
  • 8:02 - 8:06
    Mas mostra como era robusto
    esse efeito de reformulação.
  • 8:07 - 8:10
    Estudamos isso numa grande
    variedade de questões políticas.
  • 8:10 - 8:14
    Então, se querem mudar os conservadores
  • 8:14 - 8:17
    em questões como o casamento
    homossexual ou o seguro de saúde,
  • 8:17 - 8:20
    ajuda reunir essas questões liberais
    com valores conservadores,
  • 8:20 - 8:23
    como o patriotismo e a pureza moral.
  • 8:24 - 8:26
    Também estudámos isso
    de outra forma.
  • 8:26 - 8:30
    Se querem mover os liberais para
    a direita, em políticas conservadoras,
  • 8:30 - 8:34
    como gastos militares e tornar
    o inglês a língua oficial nos EUA,
  • 8:34 - 8:36
    serão mais convincentes
  • 8:36 - 8:40
    se ligarem essas questões políticas
    conservadoras a valores liberais
  • 8:40 - 8:42
    como a igualdade e a justiça.
  • 8:43 - 8:45
    Todos os estudos têm a mesma mensagem.
  • 8:46 - 8:49
    Se querem convencer
    alguém nalguma política,
  • 8:49 - 8:53
    é útil ligar esta política
    aos seus valores morais básicos.
  • 8:54 - 8:57
    Quando a expõem dessa forma,
    parece óbvio.
  • 8:57 - 8:59
    Porque é que viemos aqui esta noite?
  • 9:00 - 9:02
    (Risos)
  • 9:02 - 9:05
    É incrivelmente intuitivo.
  • 9:05 - 9:09
    E ainda assim, é algo que
    realmente lutamos para fazer.
  • 9:09 - 9:13
    Quando tentamos convencer alguém
    sobre alguma questão política,
  • 9:13 - 9:16
    falamos como se estivéssemos
    a conversar com um espelho.
  • 9:16 - 9:20
    Não persuadimos tanto
    como quando ensaiamos os argumentos
  • 9:20 - 9:23
    para o porquê de acreditarmos
    nalguma atitude política.
  • 9:23 - 9:28
    Continuamos a dizer, quando projetamos,
    estes argumentos morais reformulados:
  • 9:28 - 9:31
    "Empatia e respeito,
    empatia e respeito."
  • 9:31 - 9:33
    Se conseguem fazer isso,
  • 9:33 - 9:34
    conseguem interligar-se
  • 9:34 - 9:37
    e talvez possam persuadir
    alguém neste país.
  • 9:38 - 9:42
    Então, pensem de novo
    em que filme estamos,
  • 9:43 - 9:45
    talvez me tenha enganado antes.
  • 9:45 - 9:47
    Talvez não seja um filme
    de apocalipse zombie.
  • 9:48 - 9:50
    Talvez, em vez disso, seja um
    filme de "polícias camaradas".
  • 9:51 - 9:52
    (Risos)
  • 9:52 - 9:54
    Apenas envolvam-se, por favor.
  • 9:54 - 9:56
    (Risos)
  • 9:56 - 9:59
    Vocês conhecem o tipo:
    há um polícia branco e um polícia negro,
  • 9:59 - 10:02
    ou um polícia trapalhão
    e um polícia organizado.
  • 10:02 - 10:04
    O que quer que seja,
    eles não se entendem
  • 10:04 - 10:06
    por causa dessa diferença.
  • 10:06 - 10:09
    Mas, no final, quando chega a hora
    de se unirem e cooperarem,
  • 10:09 - 10:11
    sentem uma solidariedade maior
  • 10:11 - 10:14
    por causa do abismo
    que tiveram de atravessar.
  • 10:15 - 10:17
    Lembrem-se que, nestes filmes,
  • 10:18 - 10:20
    o segundo ato é geralmente o pior
  • 10:20 - 10:23
    quando os protagonistas estão
    mais distantes do que nunca.
  • 10:23 - 10:26
    Talvez seja aí
    que nós estamos neste país,
  • 10:26 - 10:29
    atrasados no segundo ato de um
    filme de "polícias camaradas"...
  • 10:29 - 10:31
    (Risos)
  • 10:31 - 10:34
    separados, mas prestes
    a voltarmos a juntar-nos.
  • 10:35 - 10:37
    Parece bom
  • 10:37 - 10:39
    mas, se queremos que isso aconteça,
  • 10:39 - 10:42
    acho que a responsabilidade
    tem que começar connosco.
  • 10:43 - 10:45
    Esta é a minha chamada de atenção:
  • 10:45 - 10:49
    vamos voltar a reunir este país.
  • 10:49 - 10:52
    Vamos fazê-lo, apesar dos políticos
  • 10:52 - 10:55
    apesar dos "media",
    do Facebook, do Twitter
  • 10:55 - 10:57
    e da alteração dos distritos no Congresso
  • 10:57 - 11:00
    e de todas as coisas que nos dividem.
  • 11:01 - 11:03
    Vamos fazê-lo porque é o que está certo.
  • 11:04 - 11:08
    Vamos fazê-lo porque este ódio e desprezo
  • 11:08 - 11:11
    que fluem através de todos nós,
    todos os dias,
  • 11:12 - 11:15
    deformam-nos e corrompem-nos,
  • 11:15 - 11:18
    e ameaçam o tecido
    da nossa sociedade.
  • 11:20 - 11:23
    Devemos isso uns aos outros
    e ao nosso país,
  • 11:23 - 11:26
    alcançar e tentar interligarmo-nos.
  • 11:26 - 11:30
    Não podemos continuar
    a dar-nos ao luxo de odiá-los.
  • 11:30 - 11:33
    Não podemos permitir
    que eles nos odeiem também.
  • 11:34 - 11:36
    Empatia e respeito.
  • 11:36 - 11:38
    Empatia e respeito.
  • 11:38 - 11:42
    Se pensarem nisso, é o mínimo
    que devemos aos nossos compatriotas.
  • 11:42 - 11:44
    Obrigado
  • 11:44 - 11:47
    (Aplausos)
Title:
Como ter conversas políticas melhores
Speaker:
Robb Willer
Description:

Robb Willer estuda a força que nos une e divide. Como psicólogo social, ele pesquisa como os valores morais — uma fonte típica de divisão — também podem ser usados para reunir as pessoas. Willer partilha ideias convincentes sobre como podemos superar a divisão ideológica e oferece alguns conselhos intuitivos sobre como sermos mais persuasivos quando falamos de política.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
12:01

Portuguese subtitles

Revisions