Portuguese, Brazilian subtitles

← Como uma tecnologia melhor pode nos proteger da distração

Get Embed Code
27 Languages

Showing Revision 538 created 07/15/2016 by Maricene Crus.

  1. O que significa utilizar bem nosso tempo?
  2. Eu passo boa parte do meu tempo
  3. pensando em como utilizá-lo.
  4. Talvez tempo demais.
    Fico preocupado com isso.
  5. Meus amigos dizem que eu fico.
  6. Mas, sinto como se tivesse
    que me preocupar pois, hoje em dia,
  7. é como se pedacinhos do meu
    tempo fossem sugados de mim.
  8. E, quando isso ocorre, é como se partes
    da minha vida também fossem sugadas.
  9. Particularmente,

  10. parece que pedaços
    do meu tempo são sugados
  11. por diversas coisas assim,
  12. como: a tecnologia, eu verifico coisas...
  13. Vou dar um exemplo.
  14. Se esta mensagem aparece...
  15. quantos de vocês já receberam
    uma mensagem assim, certo?
  16. Eu fui marcado em uma foto.
  17. Quando ela aparece,
  18. eu não consigo deixar de clicá-la na hora.
  19. Pois, e se for uma foto ruim?
  20. Então, tenho que clicá-la na hora.
  21. Mas, não vou apenas clicar em "Ver foto".
  22. Vou gastar os próximos
    20 minutos fazendo isso.
  23. (Risos)

  24. O pior é eu que sei
    que é isso que vai acontecer.

  25. E, mesmo sabendo,
  26. isso não me impede de fazê-lo
    de novo da próxima vez.
  27. Ou, me vejo em uma situação assim:
  28. eu verifico meu e-mail e deslizo
    a tela para baixo, para atualizar, certo?
  29. Acontece que, 60 segundos depois,
  30. deslizo a tela para atualizar novamente.
  31. Por que estou fazendo isso?
  32. Não faz o menor sentido!
  33. Vou dar-lhes uma pista
    do motivo disto estar acontecendo.

  34. O que vocês acham
    que dá mais dinheiro nos EUA
  35. do que filmes, parques
    temáticos e beisebol juntos?
  36. Máquinas caça-níqueis.
  37. Como elas podem fazer todo este dinheiro
  38. se jogamos quantias
    tão pequenas de dinheiro?
  39. Nós jogamos com moedas!
  40. Como isto é possível?
  41. Bem, o fato é que...
  42. meu celular é um caça-níquel.
  43. Toda vez que verifico meu celular,
  44. estou jogando em um caça-níquel
    para saber o que vou ganhar.
  45. O que eu vou ganhar?
  46. Toda vez que verifico meu e-mail,
    estou jogando em um caça-níquel
  47. dizendo: "O que eu vou ganhar?"
  48. Sempre que verifico um "feed" de notícias
  49. estou jogando em um caça-níquel
  50. para saber o que vou fazer a seguir.
  51. O fato é que, de novo,
  52. por saber exatamente como isso funciona,
  53. eu sou designer e sei exatamente
    como a psicologia disso funciona,
  54. sei o que acontece,
    não me resta outra escolha:
  55. eu, simplesmente,
    ainda sou sugado por isto.
  56. Então, o que iremos fazer?

  57. Porque ficamos com este
    relacionamento de tudo ou nada
  58. com a tecnologia, certo?
  59. Ou você está ligado,
  60. conectado e distraído o tempo todo,
  61. ou você está desligado.
  62. Mas, então, imagina:
    "Estou perdendo algo importante?"
  63. Em outras palavras: ou se está distraído,
  64. ou com medo de perder algo.
  65. Certo?
  66. Nós precisamos restabelecer a escolha.

  67. Queremos ter uma relação com a tecnologia
  68. que nos dê de volta a escolha
    de como gastar nosso tempo com ela.
  69. E precisaremos da ajuda de designers
  70. porque saber isso tudo não vai ajudar.
  71. Vamos precisar de ajuda do design.
  72. Como seria isso, então?
  73. Vamos ver um exemplo
    que todos nós enfrentamos:

  74. o chat, a mensagem de texto.
  75. Suponha que há duas pessoas:
  76. Nancy, à esquerda, está
    trabalhando em um documento
  77. e John está à direita.
  78. John, de repente, lembra-se:
  79. "Preciso pedir à Nancy aquele
    documento antes que me esqueça".
  80. Quando ele envia esta mensagem,
    isso tira a atenção dela.
  81. É isso que fazemos o tempo todo:
    tiramos a atenção uns dos outros,

  82. por todos os lados.
  83. Há um alto custo nisso,
  84. pois, sempre que interrompemos
    uns aos outros,
  85. levamos cerca de 23 minutos, em média,
  86. para retomar o foco de nossa atenção.
  87. Na verdade, alternamos
    entre dois projetos diferentes
  88. antes de retomar aquilo
    que estávamos fazendo a princípio.
  89. Foi a pesquisa de Gloria Mark,
    juntamente com a Microsoft,
  90. que mostrou isso.
  91. A pesquisa dela também mostra
    que isso cria maus hábitos.
  92. Quanto mais interrupções
    externas nós recebermos,
  93. estaremos nos condicionando e treinando
    a interromper a nós mesmos.
  94. Nós nos interrompemos
    a cada três minutos e meio.
  95. Isso é loucura.

  96. Como resolvemos isto?
  97. Nancy e John estão nessa
    relação de tudo ou nada.
  98. Nancy pode querer se desconectar,
    mas aí ela ficaria preocupada:
  99. "E se eu estiver perdendo
    algo importante?"
  100. Design pode resolver este problema.

  101. Digamos que, de novo, temos
    Nancy à esquerda e John à direita.
  102. E John se lembra: "Preciso enviar
    aquele documento à Nancy".
  103. Só que, desta vez, Nancy
    pode indicar que está concentrada.
  104. Digamos que ela arraste
    um sinalizador e diga:
  105. "Quero ficar concentrada por 30 minutos".
  106. Pronto! Ela está concentrada!
  107. Quando John quiser enviar
    uma mensagem a ela,
  108. ele poderá tirar este
    pensamento da cabeça,
  109. pois ele tem essa necessidade,
    esse pensamento
  110. e precisa livrar-se dele
    antes que ele se esqueça.
  111. Só que, desta vez,
  112. a mensagem fica suspensa
    para que Nancy continue concentrada
  113. e John possa se livrar daquele pensamento.
  114. Porém, isto só funciona
    se uma última coisa for verdadeira:

  115. Nancy precisa saber
  116. que, se algo for mesmo importante,
  117. John ainda poderá interrompê-la.
  118. Ao invés de constantes interrupções
    acidentais ou sem sentido,
  119. agora criamos interrupções conscientes.
  120. Estamos fazendo duas coisas aqui.

  121. Estamos criando uma nova opção,
    tanto para Nancy, quanto para John.
  122. Mas há uma segunda sutileza aqui:
  123. deveríamos mudar a pergunta
    que estamos fazendo.
  124. Ao invés do objetivo do chat
  125. ser desenhá-lo para que seja
    muito fácil enviar mensagens,
  126. pois este é o objetivo do chat,
  127. deveria ser realmente fácil enviar
    uma mensagem a alguém,
  128. nós o alteramos para algo mais
    profundo e humanamente valioso
  129. que é criar uma comunicação
    da mais alta qualidade possível
  130. no relacionamento entre duas pessoas.
  131. Nós melhoramos o objetivo.
  132. Designers realmente se preocupam com isso?

  133. Queremos discutir os objetivos
    humanos mais profundos?
  134. Bem, vou lhes contar uma história.
  135. Pouco mais de um ano atrás,
  136. eu ajudei a organizar uma reunião
  137. entre os principais líderes em design
    de tecnologia e Thich Nhat Hanh.
  138. Thich Nhat Hanh é porta-voz internacional
    da meditação de atenção plena.
  139. Aquela foi uma reunião incrível.
  140. Imagine uma sala:
  141. de um lado da sala, um monte
    de "geeks" de tecnologia;
  142. do outro lado da sala,
  143. um monte de monges budistas carecas,
    em longas vestes marrons.
  144. As discussões eram sobre
    os mais profundos valores humanos,
  145. como: "Com o que se parece
    o futuro da tecnologia
  146. quando se projeta para
    as questões mais profundas
  147. e os mais profundos valores humanos?"
  148. Nossa discussão centrou-se
    em ouvir mais profundamente
  149. quais seriam esses valores.
  150. Ele brincou durante nossa conversa:
  151. "E se, ao invés de correção ortográfica,
  152. existisse correção compassiva?",
  153. ou seja, poderíamos
    identificar uma palavra
  154. percebida como rude por alguém.
  155. Este tipo de discussão
    acontece no mundo real

  156. e não apenas em reuniões de projeto?
  157. Bem, a resposta é sim.
  158. E uma de minhas favoritas
    é a do Couchsurfing.
  159. Caso não saibam, Couchsurfing é um website
  160. que combina pessoas em busca
    de um lugar para ficar,
  161. com outras tentando oferecer esta opção.
  162. Um ótimo serviço.

  163. Qual seria o objetivo de design deles?
  164. O que você está projetando
    ao trabalhar no Couchsurfing?
  165. Você poderia achar que trata-se
    de correlacionar hóspedes com anfitriões.
  166. Certo?
  167. Este é um objetivo muito bom.
  168. Mas esse seria como o objetivo
    da mensagem de texto
  169. em que, apenas, tentamos
    entregar uma mensagem.
  170. Então, qual é o objetivo
    humano mais profundo?

  171. Eles definiram o objetivo deles
  172. como a necessidade de criar experiências
    positivas duradouras e relacionamentos
  173. entre pessoas que não se conheciam.
  174. E o mais fantástico disto é que, em 2007,
  175. eles criaram uma maneira
    incrível de medir isso.
  176. Vou contar como funciona.
  177. Para cada objetivo de design
  178. deve haver uma medição equivalente
    para conhecer o seu desempenho,
  179. e medir o resultado desejado.
  180. No Couchsurfing, digamos
    que duas pessoas se conheceram.
  181. Eles contam o número de dias
    que as duas pessoas passaram juntas,
  182. estimam quantas horas
    havia naqueles dias,
  183. quantas horas as duas
    pessoas passaram juntas,
  184. e, após passarem esse tempo juntas,
    eles perguntam às duas:
  185. "Quão positiva foi sua experiência?
  186. Você teve uma boa experiência
    com a pessoa que conheceu?"
  187. Então, eles subtraem
    destas horas positivas
  188. a quantidade de tempo
    que as pessoas gastaram no website,
  189. pois isto é um custo na vida das pessoas.
  190. Por que deveríamos
    contabilizá-lo como sucesso?
  191. E o que sobra disso
  192. é o que eles chamam
    de "saldo de convívio orquestrado",
  193. ou, apenas, "saldo de bons momentos".
  194. O saldo de horas que jamais existiria,
    se o Couchsurfing não existisse.
  195. Dá para imaginar como seria
    inspirador ir para o trabalho todo dia

  196. e medir seu sucesso
  197. por este novo saldo de contribuição
    de horas nas vidas das pessoas
  198. que são positivas e que nunca existiria
  199. se você não fizesse o que deveria
    fazer no trabalho hoje?
  200. Dá para imaginar um mundo
    que funcionasse deste jeito?
  201. Dá para imaginar uma rede social que...

  202. Digamos que você goste de cozinhar
  203. e medisse seu sucesso por noites
    de culinária que organizou
  204. e pelos artigos de culinária
    que você gostou de ter lido;
  205. e subtraísse daqueles
    os artigos dos quais não gostou
  206. ou o tempo que navegou
    sem achar nada que gostasse.
  207. Imagine uma rede social profissional
  208. que, ao invés de medir seu sucesso
    em termos de conexões criadas
  209. ou mensagens enviadas,
  210. o fizesse em termos de ofertas
    de trabalho recebidas pelas pessoas,
  211. aquelas que elas estavam
    animadas em conseguir,
  212. e subtraísse a quantidade
    de tempo gasta no website.
  213. Ou, imagine um serviço de namoro,
  214. como o Tinder ou outro parecido,
  215. que, ao invés de medir o número
    de deslizes para a esquerda ou direita,
  216. que é como eles medem o sucesso hoje,
  217. medisse as conexões românticas
    fortes e plenas criadas pelas pessoas,
  218. seja lá o que tenham significado a elas.
  219. Dá para imaginar todo um mundo
    que funcionasse deste jeito

  220. e que lhe ajudasse a usar bem o seu tempo?
  221. Para isto acontecer,
    será preciso um novo sistema
  222. porque, provavelmente,
    você está pensando
  223. que a economia da Internet hoje,
  224. a economia de hoje, em geral,
    é medida por tempo gasto.
  225. Quanto mais usuários você tem,
  226. quanto mais utilização você tem,
    quanto mais tempo se gasta,
  227. é assim que medimos o sucesso.
  228. Mas, nós resolvemos este problema antes.

  229. Nós o resolvemos com produtos orgânicos
  230. ao dizer que precisávamos valorizar
    as coisas de forma diferente.
  231. Dissemos: "Este é um tipo
    diferente de alimento".
  232. Não podemos compará-lo apenas pelo preço;
    é uma categoria diferente de alimento.
  233. Nós resolvemos isso com Certificação Leed
  234. ao dizer que este é um tipo
    diferente de edifício,
  235. que defendia diferentes valores
    de sustentabilidade ambiental.
  236. E se houvesse algo parecido
    com isso para a tecnologia?

  237. E se houvesse algo
  238. cujo total propósito e objetivo
  239. fosse criar novas contribuições
    de saldo positivo para a vida humana?
  240. E se pudéssemos valorizá-las
    de um modo diferente,
  241. de forma que realmente funcionasse?
  242. Imagine ter espaço de prateleira
    privilegiado nas lojas de aplicativos.
  243. Imagine ter navegadores
    que nos ajude a chegar
  244. até este tipo de produtos.
  245. Dá para imaginar como seria empolgante
    viver e criar esse mundo?
  246. Nós podemos criar esse mundo hoje.

  247. Líderes de empresas,
    tudo o que devem fazer...
  248. só vocês podem priorizar uma nova métrica
  249. de contribuições de saldo
    positivo para a vida humana
  250. e ter uma discussão sincera sobre isto.
  251. Talvez vocês não sejam
    tão bons em começá-las,
  252. mas vamos iniciar estas discussões.
  253. Designers, vocês podem redefinir
    o que é sucesso e design.

  254. Sem dúvida, vocês têm mais poder
    do que muitas pessoas em suas organizações
  255. para criar as novas escolhas
    pelas quais todos nós vivemos.
  256. Talvez, como na medicina
    em que há o juramento de Hipócrates
  257. de reconhecer a responsabilidade
    e um valor mais nobre
  258. que temos ao tratar pacientes.
  259. E se designers tivessem algo parecido
    em termos deste novo tipo de projeto?
  260. Usuários, nós todos,

  261. podemos buscar tecnologias
    que funcionem desta forma.
  262. Pode parecer difícil,
  263. mas o McDonald's não vendia saladas
    até o cliente criar a demanda.
  264. O Walmart não vendia alimentos orgânicos
    até o cliente criar a demanda.
  265. Temos que criar demanda
    para este novo tipo de tecnologia.
  266. E nós podemos fazer isso.
  267. E, fazendo isso,
  268. seria como passar de um mundo,
    conduzido e executado
  269. inteiramente por tempo gasto,
  270. para um mundo conduzido
    por tempo bem gasto.
  271. Eu quero viver neste mundo
    e quero que essa conversa aconteça.

  272. Vamos dar início a esta conversa hoje.
  273. Obrigado.

  274. (Aplausos)