Portuguese, Brazilian subtitles

← Um dia na vida de um arquiteto da Grécia Antiga - Mark Robinson

Get Embed Code
26 Languages

Showing Revision 13 created 09/27/2020 by Leonardo Silva.

  1. Ao amanhecer em Atenas,
    Fídias já está atrasado para o trabalho.
  2. O ano é 432 AEC,
  3. e ele é o "architekton",
    ou mestre de obras,
  4. do Partenon, o maior
    e mais novo templo de Atenas.
  5. Quando estiver pronta, sua obra-prima será
    um enorme santuário para a deusa Atena
  6. e um testemunho à glória dos atenienses.
  7. Mas, quando ele chega ao local,

  8. encontra cinco "epistatai",
    ou autoridades da cidade,
  9. esperando-o para o confronto.
  10. Elas acusam Fídias de desviar ouro
  11. destinado à principal
    estátua sagrada do templo.
  12. Ele tem até o pôr do sol para entregar
    todas as despesas do templo
  13. e prestar contas de cada torrão de ouro,
  14. ou enfrentará o julgamento dos tribunais.
  15. Embora se sinta insultado
    por essas acusações falsas,

  16. Fídias não está surpreso.
  17. Péricles, o político
    que encomendou o Partenon,
  18. tem muitos inimigos
    na administração da cidade,
  19. e esse projeto é um tanto controverso.
  20. O público está à espera
    de um templo clássico no estilo dórico:
  21. colunas simples que sustentam
    um entablamento horizontal,
  22. coroado por uma cobertura triangular.
  23. Mas os planos de Fídias
    são muito mais revolucionários
  24. para os padrões atenienses.
  25. Seu design combina colunas dóricas
    com um amplo friso jônico
  26. e apresenta um enorme panorama
    das panateneias da cidade.
  27. Essa escultura não só mostrará
    humanos e deuses lado a lado,
  28. algo nunca antes visto
    na decoração de um templo,
  29. como também custará muito mais
    do que a construção tradicional.
  30. Pedindo aos deuses para que seus colegas
    tenham registrado as despesas,
  31. Fídias sai para provar sua inocência.
  32. Primeiro, ele entra em contato
    com seus arquitetos, Ictinos e Calícrates.

  33. Em vez de usarem uma planta,
  34. eles examinam minuciosamente
    o "syngraphai", ou plano geral,
  35. e o "paradeigma", um modelo 3D.
  36. Sem uma planta exata,
  37. a equipe muitas vezes precisa resolver
    problemas imediatamente,
  38. orientada apenas por cálculos cuidadosos
    e por seu instinto de simetria.
  39. A manutenção dessa simetria
    tem se mostrado particularmente difícil.

  40. O Partenon está construído
    em uma superfície curva
  41. com as colunas levemente
    inclinadas para dentro.
  42. Para transmitir força
  43. e manter as colunas retas
    vistas a uma certa distância,
  44. os arquitetos incorporaram êntase,
    ou uma leve curvatura, em cada coluna.
  45. Para outros elementos do templo,
  46. a equipe calcula a simetria
  47. com o emprego de proporções
    relativamente consistentes
  48. em todo o projeto.
  49. Mas seus planos instáveis
    exigem recálculos constantes.
  50. Depois de ajudar a resolver
    um desses cálculos,
  51. Fídias reúne os registros
    de ouro de seus colegas
  52. e sai para receber uma encomenda especial.
  53. Blocos imensos de mármore
    para o frontão do Partenon

  54. acabaram de chegar
    das pedreiras do Monte Pentélico.
  55. As rampas habituais desabariam
  56. sob o peso desses blocos de pedra
    de duas a três toneladas.
  57. Então Fídias ordena
    a construção de novas roldanas.
  58. Depois de registrar a despesa adicional

  59. e supervisionar a construção
    durante toda a tarde,
  60. ele chega finalmente
    à oficina de escultura.
  61. Seus escultores estão entalhando
    92 cenas míticas, ou métopas,
  62. para decorar o templo.
  63. Cada uma delas retrata lutas
    de batalhas épicas diferentes
  64. e é uma representação mítica
    da vitória da Grécia sobre a Pérsia
  65. cerca de 40 anos antes.
  66. Nenhum templo jamais usou tantas métopas,
  67. e cada cena aumenta
    as despesas crescentes do templo.
  68. Finalmente, Fídias se volta
    para sua responsabilidade principal,

  69. e o foco de todo o templo.
  70. Coberta por espessas camadas de ouro,
    minuciosamente decorada
  71. e elevando-se sobre seus adoradores,
  72. esta será uma estátua da padroeira
    e protetora da cidade: Atena Partenos.
  73. Quando o templo ficar pronto,
    multidões se reunirão ao redor dela,
  74. fazendo orações, realizando sacrifícios
  75. e derramando libações
    para a deusa da sabedoria.
  76. Fídias passa o restante do dia fazendo
    os acabamentos finais para a estátua

  77. e, ao entardecer, os epístatas
    chegam para o confronto.
  78. Após percorrerem os registros,
    erguem os olhos triunfantes.
  79. Fídias pode ter prestado contas
    pelas despesas gerais do templo,
  80. mas seus registros não fazem
    menção alguma ao ouro da estátua.
  81. Naquele momento, o próprio Péricles
    chega para salvar seu mestre de obras.

  82. O patrono do templo diz a eles
  83. que todo o ouro da estátua pode ser
    retirado e pesado individualmente
  84. para provar a inocência de Fídias.
  85. Depois de designar operários para a tarefa
  86. e encarregar as autoridades
    de vigiá-los até tarde da noite,
  87. Fídias e seu patrono
    deixam seus adversários
  88. à mercê da poderosa Atena.