YouTube

Got a YouTube account?

New: enable viewer-created translations and captions on your YouTube channel!

Portuguese subtitles

← O requiem da reciclagem de um historiador ambientalista | Bart Elmore | TEDxOhioStateUniversity

Get Embed Code
13 Languages

Showing Revision 5 created 01/04/2020 by Margarida Ferreira.

  1. Se usaram uma garrafa de plástico
    na semana passada
  2. e não a reciclaram,
  3. há uma forte hipótese
    de que, daqui a 450 anos,
  4. essa garrafa de plástico
    ainda esteja neste planeta.
  5. Isso porque investigadores da NOAA
    descobriram há pouco tempo
  6. que demora uns assustadores 450 anos
  7. para uma garrafa de PET,
    politereftalato de etileno
  8. uma garrafa de PET,
    se decompor totalmente.
  9. Posso imaginar a cena
    daqui a 450 anos
  10. quando qualquer pobre alma
    apanhe a vossa garrafa do chão,
  11. e se vire para falar com um amigo.
  12. Pode ser qualquer coisa do género:
  13. "Ei, mano" — eles ainda dizem mano,
    daqui a 450 anos —
  14. "Acreditas nisto?
  15. "Espera aí, eles usaram
    um recurso natural finito,
  16. "combustíveis fósseis,
  17. "e transformaram-no num recipiente
  18. "que só usaram uma vez?"
  19. "E, depois de terem
    usado esse recipiente,
  20. "deitaram-no fora?
  21. "Isto é de loucos!
  22. "Que raio de civilização
    avançada faz isso?"
  23. Acho que vão procurar uma explicação.
  24. Se eu quisesse oferecer-lhes
    uma explicação,
  25. virava-me para este logotipo.
  26. Um logotipo que sempre nos rodeou
    desde que andávamos na primária,
  27. uma coisa que vemos todos os dias.
  28. É o logotipo da reciclagem, claro,
    e foi criado em 1970
  29. por um estudante universitário
    chamado Gary Anderson
  30. que andava na Universidade
    da Califórnia do Sul.
  31. A reciclagem estava a aparecer
    "online" nessa época
  32. e ele queria arranjar uma forma
    de descrever esse sistema
  33. que fosse este tipo de laço fechado.
  34. Percebem, um sistema
    em que tudo no seu interior
  35. fosse usado vezes sem conta.
  36. Teríamos um mundo sem desperdícios.
  37. Parece ótimo e sentimo-nos
    muito bem, segundo penso,
  38. quando vamos ao ecoponto
    e colocamos as coisas ali.
  39. Mas o problema com esta imagem
    é que isto é uma mentira.
  40. Porque hoje, só cerca de 30%,
  41. 30% das garrafas de plástico PET
    usadas neste país são recicladas.
  42. Isso significa que 70% dessas garrafas
  43. acabam em aterros, nos nossos rios,
    e, por fim, nos oceanos.
  44. Isto está a contribuir
    para um problema de proporção épica.
  45. Os cientistas disseram e previram
    que, em 2050,
  46. pode haver mais plástico
    nos oceanos do que peixes,
  47. o que é uma loucura.
  48. Se pensarmos em todo o plástico
    que por aí anda,
  49. um dos problemas é que as partículas
    estão a acabar no abastecimento de água.
  50. Microplásticos.
  51. Um estudo que foi realizado recentemente
  52. mostrou que 94% da água da torneira
    analisada neste país
  53. continha microplásticos.
  54. Estamos a bebê-los.
  55. Por outras palavras, não é uma coisa
    que exista apenas nos oceanos.
  56. É uma coisa que já está dentro de nós.
  57. É uma coisa que temos de perceber.
  58. Como acabamos com esta praga
    da poluição do plástico que enfrentamos?
  59. Para responder a isto, vou sugerir
    que não precisamos duma nova tecnologia
  60. nem um novo artefacto
    para resolver este problema.
  61. Precisamos é de uma melhor
    compreensão do nosso passado,
  62. uma melhor compreensão da história.
  63. Quando penso em recipientes de plástico,
  64. penso que não há melhor história
    do que a história desta empresa,
  65. a Coca-Cola Company.
  66. Passei 10 anos a viajar pelo mundo,
  67. para o Peru, a Índia, e não só,
  68. para perceber a pegada ecológica
    desta empresa
  69. que começou na minha cidade natal.
  70. E consegui.
  71. É um ponto invulgar para começar
  72. quando pensamos numa solução
    para o problema do plástico.
  73. Porque acho que, quando pensamos
    na Coca-Cola, pensamos numa má empresa.
  74. Este plástico, estas garrafas
    que estão a produzir.
  75. A Greenpeace, por exemplo,
    disse que a Coca-Cola produz
  76. uns 100 000 milhões
    de garrafas de plástico por ano.
  77. É cerca de 1/5 de todas as garrafas
    de plástico, produzidas no planeta.
  78. Portanto, fazem parte do problema.
  79. Mas, se olharmos para o seu passado,
  80. se nos virarmos
    para a história da Coca-Cola
  81. enterrada nos seus arquivos,
  82. penso que há soluções para o futuro.
  83. Então, recuemos para o passado
  84. e façamos uma visita a John Pemberton
  85. que foi o criador da fórmula da Coca-Cola.
  86. John Pemberton era farmacêutico.
  87. Chegou a Atlanta nos anos 70,
    do século XIX,
  88. a tentar enriquecer no mercado
    da medicina patenteada.
  89. Mas, infelizmente, o negócio
    não singrou, por duas vezes.
  90. Acabou na falência
    no final dessa década.
  91. Não parece o tipo
  92. que vai ser a marca mais vendida
    em todo o mundo, não é?
  93. Parece alguém que nunca vai conseguir.
  94. O que é que fazemos, quando não temos
    sorte e queremos ganhar dinheiro?
  95. Olhamos para o mundo e dizemos:
  96. "Ok, qual é a bebida que é genial?
  97. "Vou tentar imitá-la".
  98. Foi o que John Pemberton fez.
  99. Olhou para uma bebida, Vin Mariani,
    vinda de França.
  100. Chamava-se assim, devido
    a um tipo chamado Angelo Mariani.
  101. Vendia-se como milho.
  102. Porque era um vinho de Bordéus,
    um vinho tinto,
  103. misturado com a folha de coca
    da América do Sul
  104. que tinha estado em infusão
    com pequenas concentrações de cocaína.
  105. Estamos a falar de um vinho
    com infusão de cocaína.
  106. (Risos)
  107. Era estimulante
  108. (Risos)
  109. e muito revigorante.
  110. O nosso presidente,
    Ulysses S. Grant, bebia isso:
  111. "Hum, faz-me sentir bem".
  112. Claro que faz, Ulysses S. Grant,
    contém cocaína.
  113. (Risos)
  114. E há outra coisa,
  115. ele está ali a dizer que é muito bom.
  116. Era como o Four Loko,
    do século XIX, se pensarmos nisso.
  117. Até o Papa bebia isto.
  118. Se não são católicos, imaginem isto.
  119. Se a comunhão tivesse Vin Mariani,
  120. penso que passávamos todos
    a ser católicos.
  121. O azarento John Pemberton
  122. a tentar imaginar como ganhar dinheiro
  123. viu isso e pensou:
    "Ok, vamos avançar com isto".
  124. Isto é o precursor
    do que virá a ser a Coca-Cola.
  125. É o primeiro anúncio nos anos 1880.
  126. Chamava-se o Vinho de Coca
    de Pemberton.
  127. Não era muito original,
    copiava aquela bebida, o Vin Mariani.
  128. Era um vinho tinto,
    misturado com a folha de coca.
  129. Mas tinha de conter algum vinho.
  130. Tinha de ter pequenas
    quantidades de cocaína.
  131. Ele fabricou-a!
  132. Esta ótima bebida vendia-se!
    Mas havia um problema.
  133. O problema não era a cocaína.
  134. O problema era o álcool
  135. porque a cidade de Atlanta aderiu
    à proibição da venda de álcool em 1885.
  136. Oh, meu Deus, ele arranjara
    aquela ótima bebida
  137. e agora tinha de desistir dela!
  138. O que é que havia de fazer?
  139. Vocês sabem o que é que ele fez:
    criou a Coca-Cola.
  140. É uma versão sem álcool,
  141. uma versão moderada
    daquela bebida inicial de vinho.
  142. Tornou-se nesta coisa ótima,
  143. anos mais tarde.
  144. Pemberton não a meteu em garrafas.
  145. Era vendida em máquinas de refrigerantes
  146. em pequenos copos, como os que vemos aqui.
  147. Nunca chegou a ver
    esta bebida engarrafada
  148. ou a vender-se mundialmente,
    porque morreu.
  149. É uma história triste.
  150. Quando finalmente consegue, morre.
  151. A pessoa que lhe sucede
    é Asa Candler, o seu sucessor.
  152. Este é o verdadeiro êxito da Coca-Cola.
  153. Asa Candler é farmacêutico
    que regista a Coca-Cola em 1892.
  154. Vai criar esta ótima marca.
  155. A propósito, Asa Candler,
  156. era uma espécie de catequista
    puritano, viciado no trabalho.
  157. Esquadrinhei os arquivos
  158. para encontrar a imagem
    mais feliz de Asia Candler.
  159. Este é Asa Candler, num dia feliz.
  160. Este é Asa Candler a sorrir.
  161. O importante aqui
  162. é que, como Pemberton, estes tipos
    estavam na Reconstrução do Sul.
  163. Não tinham muito dinheiro.

  164. Não tinham muito dinheiro,
  165. por isso sabiam que a única forma
    de poderem difundir esta bebida
  166. era associarem-se a outras pessoas.
  167. A brilhante ideia de Asa Candler
    foi engarrafar a Coca-Cola.
  168. Em 1899, toma a decisão
    de engarrafar a Coca-Cola.
  169. Isso iria mudar não só a Coca-Cola,
    iria mudar o mundo,
  170. criando uma das maiores redes
    de distribuição
  171. que o mundo já vira,
  172. que se estendia do Alabama ao Zimbabué.
  173. Era um sistema incrível.
  174. Mas a única forma de funcionar
  175. era se pequenos negociantes
    em pequenas cidades em todo o país
  176. e depois, em todo o globo,
    avançassem com algum dinheiro
  177. para criar as instalações
    de engarrafamento nas caves,
  178. em pequenos edifícios,
    por todo o país.
  179. Mais uma vez, eram pessoas
    sem muito dinheiro.
  180. Preocupavam-se com tudo,
  181. com todos os custos, com as garrafas,
    os trabalhadores, os camiões.
  182. Tinham de pensar em tudo isso.
  183. No que se referia à embalagem,
    não podiam desperdiçar a embalagem.
  184. Tinham de voltar a utilizá-la
    vezes sem conta, para pouparem nos custos.
  185. Portanto, usavam garrafas
    de vidro reembolsáveis,
  186. garrafas de vidro reembolsáveis
    no início do século XX,
  187. para pouparem nos custos.
  188. E o segredo era este.
    Como é que funcionava esse sistema?
  189. Punham um depósito nessas garrafas.
  190. Um depósito de um a dois cêntimos.
  191. Se os consumidores devolvessem
    a garrafa ao distribuidor,
  192. recebia um ou dois cêntimos de volta.
  193. Eram pagos!
  194. Era um sistema incrível!
  195. Funcionava.
  196. Percorri os arquivos
    para analisar este sistema.
  197. Estamos a falar de cerca
    de 80% de fornecedores de Coca-Cola
  198. que usavam um sistema
    de depósito, em 1929.

  199. As revistas comerciais da época
    diziam que a única coisa
  200. "sã e lógica" a fazer
    era pôr um preço na embalagem
  201. se queríamos que ela fosse devolvida.
  202. Naquela época,
    a bebida vendia-se por cinco cêntimos.
  203. Portanto, estamos a falar
    de um depósito de dois cêntimos,
  204. numa bebida de cinco cêntimos.
  205. "Oiça. Estou a devolver isto!
    Quero que me devolva dois cêntimos!
  206. Uma margem de 40%. Incrível!
  207. Tenho provas, nos anos 60,
  208. que mostram garrafas
    que fazem 40 ou 50 viagens
  209. entre o fornecedor e o cliente.
  210. A coisa funcionava realmente bem.
  211. Então, o que aconteceu?
  212. Nos anos 60 e 70,
  213. a Coca-Cola começa a mudar
    para as garrafas de usar e deitar fora
  214. que temos hoje.
  215. Primeiro, latas de aço,
    depois latas de alumínio
  216. e, por fim, garrafas de plástico,
    nos anos 70.
  217. Quando mudaram para este sistema,
    disseram:
  218. "Isto é uma nova era de automóveis.
  219. As pessoas estão em movimento,
    querem comodidade.
  220. Querem poder pôr as embalagens
    onde lhes apetecer.
  221. Não precisamos de um sistema
    de depósito ou de devoluções.
  222. Vamos acabar com esses depósitos.
  223. Como era de prever, o lixo começou
    a empilhar-se por toda a parte,
  224. nos parques nacionais,
    nos rios, nos oceanos.
  225. As pessoas disseram que havia um problema.
  226. Mas a Coca-Cola, uma das indústrias
    de bebidas mais influentes disse:
  227. "Não se preocupem.
  228. "porque há uma coisa chamada reciclagem",
  229. que estava a surgir nos anos 70.
  230. "É isso que vai tratar
    de todos esses desperdícios.
  231. "Não precisamos de um sistema de depósito.
  232. "Essa tecnologia de reciclagem
    pode recuperar tudo".
  233. Foi uma aposta enorme.
    Foi uma grande jogada.
  234. Pensaram que compensaria.
  235. Mas agora, os historiadores
    podem olhar para quatro décadas de dados
  236. e ver se essa jogada compensou.
  237. Olhando para o final dos anos 90,
  238. quando a reciclagem
    avançava aqui a todo o vapor,
  239. nos EUA, até hoje,
  240. é esta a realidade do que aconteceu.
  241. Não só a taxa de reciclagem
    não subiu em flecha
  242. quando começámos a impor
    estes sistemas de reciclagem,
  243. como diminuiu durante muitos anos.
  244. Nos últimos anos, estamos
    a assistir a uma estagnação
  245. com esta taxa por volta dos 30%.
  246. É um sistema numa crise total.
  247. Estão a ver este ciclo?
    Não é um ciclo.
  248. Como é que consertamos isto?
  249. Conhecemos as respostas, não é?
  250. Sabemos, pela história, que,
    quando pomos um preço na embalagem,
  251. quando damos valor à embalagem,
    ele será reclamado.
  252. Não temos de adivinhar
    se esse sistema funcionará hoje.
  253. Podemos vê-lo em ação.
  254. Refiro-me a Michigan,
    no estado de Ohio.
  255. Mas isto é Michigan a fazer
    aqui uma coisa ótima.
  256. Arranjaram um sistema
    que disponibiliza locais de depósito.
  257. Os cidadãos desse estado e do Maine
  258. aprovaram os depósitos,
    através da lei,
  259. para dizerem que temos de pôr
    um preço num recipiente.
  260. Nesses estados, se entregarmos
    esses recipientes,
  261. recebemos algum dinheiro de volta.
  262. Queria mostrar-vos que as taxas
    já atingiram o máximo
  263. — 80 a 90% de taxas de reciclagem.
  264. Se formos à Dinamarca
    ou à Alemanha,
  265. — eu podia listar muitos países diferentes
  266. cujas nações assumiram
    adotar este sistema —
  267. vemos que as taxas de reciclagem
    atingiram o máximo.
  268. Funciona.
  269. Podemos pôr isso a funcionar
    em toda a nação.
  270. A Coca-Cola disse que, em 2030,
  271. vão receber e reciclar todas as garrafas
  272. que puserem no meio ambiente.
  273. Esta é a promessa que fizeram
    há pouco tempo.
  274. Vão reclamar todos os recipientes.
  275. Vai ser um mundo
    sem desperdícios, é o que dizem.
  276. E aplaudo-os por isso.
  277. Há muitas pessoas
    bem intencionadas nas empresas
  278. que pensam nestas estratégias ótimas.
  279. Mas o problema é que, em 2016,
    já em 2016,
  280. num documento empresarial divulgado
  281. a Coca-Cola dizia que ia
  282. "contrariar os sistemas de depósito
    na União Europeia".
  283. Meus amigos, não temos de esperar
    que a Coca-Cola acorde.
  284. (Risos)
  285. Os cidadãos deste país
    podem fazer uma escolha conscienciosa
  286. para acabar com a prática inadmissível
    de não pôr um preço na embalagem,
  287. especialmente, de recursos finitos
    como o plástico.
  288. Se o fizermos, se aprendermos
    com a História,
  289. penso que faremos História.
  290. Será uma história de que os nossos
    descendentes se orgulharão
  291. daqui a 450 anos.
  292. Obrigado.
  293. (Aplausos)