Return to Video

Por que ignoramos problemas óbvios - e como agir sobre eles

  • 0:01 - 0:05
    E se houvesse um problema muito óbvio
  • 0:05 - 0:07
    bem diante de você?
  • 0:07 - 0:10
    Um sobre o qual todos estivessem falando,
  • 0:10 - 0:13
    um que afetasse você diretamente.
  • 0:14 - 0:18
    Você faria tudo ao seu alcance
    para consertar as coisas
  • 0:18 - 0:19
    antes que elas piorassem?
  • 0:21 - 0:22
    Não tenha tanta certeza.
  • 0:22 - 0:27
    Estamos todos muito mais propensos do que
    qualquer um de nós gostaria de admitir
  • 0:27 - 0:30
    a perder o que está bem
    diante de nossos olhos.
  • 0:30 - 0:31
    De fato,
  • 0:31 - 0:35
    às vezes, é mais provável
    que nos afastemos das coisas
  • 0:35 - 0:40
    justamente por causa da ameaça
    que representam para nós,
  • 0:40 - 0:42
    nos negócios, na vida e no mundo.
  • 0:43 - 0:48
    Quero dar um exemplo
    de meu mundo: política econômica.
  • 0:49 - 0:52
    Quando Alan Greenspan era presidente
    do Sistema de Reserva Federal,
  • 0:52 - 0:58
    todo o trabalho dele era cuidar
    dos problemas da economia dos EUA
  • 0:58 - 1:00
    e garantir que não saíssem do controle.
  • 1:00 - 1:02
    Depois de 2006,
  • 1:02 - 1:05
    quando os preços dos imóveis
    atingiram o pico,
  • 1:05 - 1:09
    cada vez mais líderes
    e instituições respeitadas
  • 1:09 - 1:12
    começaram a soar o alarme
  • 1:12 - 1:16
    sobre empréstimos arriscados
    e bolhas de mercado perigosas.
  • 1:17 - 1:21
    Como vocês sabem,
    em 2008, tudo desmoronou.
  • 1:21 - 1:23
    Os bancos entraram em colapso,
  • 1:23 - 1:26
    os mercados acionários globais
    perderam quase metade de seu valor,
  • 1:26 - 1:31
    milhões e milhões de pessoas perderam
    suas casas para execuções de hipotecas.
  • 1:31 - 1:32
    E, no fundo,
  • 1:32 - 1:35
    quase um em cada dez norte-americanos
    estava desempregado.
  • 1:37 - 1:39
    Depois que as coisas
    se acalmaram um pouco,
  • 1:39 - 1:44
    Greenspan e muitos outros
    revelaram publicamente:
  • 1:44 - 1:46
    "Ninguém poderia ter previsto essa crise".
  • 1:47 - 1:49
    Eles a chamaram de "cisne negro",
  • 1:49 - 1:52
    algo inimaginável,
  • 1:52 - 1:56
    imprevisível e completamente improvável.
  • 1:58 - 1:59
    Uma surpresa total.
  • 2:00 - 2:03
    Exceto que nem sempre foi uma surpresa.
  • 2:03 - 2:08
    Por exemplo, meu apartamento
    em Manhattan quase dobrou de valor
  • 2:08 - 2:10
    em menos de quatro anos.
  • 2:10 - 2:13
    Percebi o que estava por vir, e o vendi.
  • 2:13 - 2:16
    (Risos)
  • 2:16 - 2:18
    (Aplausos)
  • 2:20 - 2:22
    Muitos também perceberam
    o sinal de perigo,
  • 2:22 - 2:24
    falaram publicamente
  • 2:25 - 2:27
    e foram ignorados.
  • 2:27 - 2:31
    Não sabíamos exatamente
    como seria a crise,
  • 2:31 - 2:33
    não os parâmetros exatos,
  • 2:33 - 2:35
    mas todos nós podíamos dizer
  • 2:35 - 2:41
    que o que vinha em nossa direção
    era tão perigoso, visível e previsível
  • 2:42 - 2:45
    quanto um rinoceronte cinza
    gigantesco vindo nos atacar.
  • 2:46 - 2:48
    O cisne negro se presta
  • 2:48 - 2:52
    à ideia de que não temos poder
    sobre nosso futuro.
  • 2:53 - 2:58
    Infelizmente, quanto menos controle
    achamos que temos,
  • 2:58 - 3:01
    mais provável é que minimizemos
  • 3:01 - 3:03
    ou ignoremos totalmente isso.
  • 3:04 - 3:08
    Essa dinâmica perigosa
    mascara outro problema:
  • 3:08 - 3:11
    que a maioria dos problemas
    que enfrentamos
  • 3:11 - 3:13
    é tão provável e óbvia;
  • 3:13 - 3:17
    são coisas que podemos ver,
    mas ainda não fazemos nada a respeito.
  • 3:18 - 3:20
    Criei a metáfora do rinoceronte cinza
  • 3:20 - 3:23
    para satisfazer o que senti
    como uma necessidade urgente:
  • 3:23 - 3:26
    ajudar-nos a ter um novo olhar,
  • 3:26 - 3:29
    com a mesma paixão que as pessoas
    tinham pelo cisne negro,
  • 3:29 - 3:32
    mas, desta vez, pelas coisas
    que eram altamente óbvias,
  • 3:32 - 3:37
    altamente prováveis,
    mas ainda negligenciadas.
  • 3:39 - 3:41
    Esses são os rinocerontes cinza.
  • 3:41 - 3:47
    Depois de começar a procurá-los,
    você os vê nas manchetes todos os dias.
  • 3:47 - 3:51
    Vejo nas manchetes
    outro grande rinoceronte cinza,
  • 3:51 - 3:55
    uma nova crise financeira
    altamente provável.
  • 3:56 - 4:00
    E me pergunto se aprendemos algo
    nos últimos dez anos.
  • 4:00 - 4:04
    Se você prestar atenção
    em Washington ou Wall Street,
  • 4:04 - 4:06
    poderia quase ser perdoado
  • 4:06 - 4:11
    por achar que apenas
    a navegação suave estava à frente.
  • 4:11 - 4:14
    Mas, na China, onde passo muito tempo,
  • 4:14 - 4:17
    a conversa é totalmente diferente.
  • 4:17 - 4:20
    Toda a equipe econômica,
  • 4:20 - 4:23
    até o presidente Xi Jinping,
  • 4:23 - 4:25
    fala de maneira muito específica e clara
  • 4:25 - 4:29
    sobre os riscos financeiros
    como rinocerontes cinza,
  • 4:29 - 4:31
    e como eles podem domá-los.
  • 4:32 - 4:35
    Para deixar claro, a China e os EUA
    têm sistemas de governo muito diferentes,
  • 4:35 - 4:38
    o que afeta o que eles podem fazer ou não.
  • 4:38 - 4:41
    E muitas das causas principais
    de seus problemas econômicos
  • 4:41 - 4:42
    são totalmente diferentes.
  • 4:42 - 4:46
    Mas não é segredo
    que os dois países têm problemas
  • 4:46 - 4:50
    com dívidas, desigualdade
    e produtividade econômica.
  • 4:51 - 4:53
    Como as conversas são tão diferentes?
  • 4:54 - 4:56
    Poderíamos realmente fazer essa pergunta,
  • 4:56 - 4:58
    não apenas sobre países,
  • 4:58 - 5:01
    mas sobre quase todos.
  • 5:01 - 5:05
    As montadoras, que colocam
    a segurança em primeiro lugar,
  • 5:05 - 5:07
    e as que não se incomodam
    em fazer o recall de seus carros
  • 5:07 - 5:10
    até depois de as pessoas morrerem.
  • 5:12 - 5:14
    Os avós,
  • 5:14 - 5:18
    aqueles que se preparam para o inevitável,
  • 5:18 - 5:20
    que têm o tributo escrito,
  • 5:21 - 5:23
    o cardápio para o almoço do funeral...
  • 5:23 - 5:25
    (Risos)
  • 5:25 - 5:26
    Meus avós fizeram isso.
  • 5:26 - 5:27
    (Risos)
  • 5:27 - 5:32
    Têm tudo, exceto a data final
    esculpida na lápide.
  • 5:32 - 5:35
    Mas, por outro lado, há avós
  • 5:35 - 5:38
    que não deixam
    os assuntos finais em ordem,
  • 5:38 - 5:40
    que não se livram de todo o lixo
    que acumularam por décadas
  • 5:40 - 5:43
    e deixam para seus filhos cuidarem disso.
  • 5:44 - 5:48
    O que faz a diferença
    entre um lado e o outro?
  • 5:48 - 5:51
    Por que algumas pessoas
    veem as coisas e lidam com elas,
  • 5:51 - 5:53
    e outras apenas desviam o olhar?
  • 5:55 - 5:58
    Em primeiro lugar, tem a ver
    com cultura, sociedade,
  • 5:58 - 6:00
    as pessoas ao seu redor.
  • 6:01 - 6:04
    Se você acha que alguém ao seu redor
  • 6:04 - 6:06
    vai ajudar a levantá-lo quando você cair,
  • 6:06 - 6:10
    é muito mais provável que você veja
    um perigo como sendo menor.
  • 6:11 - 6:15
    Isso nos permite aproveitar
    as boas chances, não apenas as ruins.
  • 6:15 - 6:18
    Por exemplo, arriscar-se a ser criticado
  • 6:18 - 6:21
    quando você fala sobre o perigo
    que ninguém quer que você fale.
  • 6:21 - 6:24
    Ou aproveitar as oportunidades
    que são meio assustadoras,
  • 6:24 - 6:27
    e, do jeito delas, são rinocerontes cinza.
  • 6:27 - 6:31
    Os EUA têm uma cultura
    muito individualista,
  • 6:31 - 6:32
    do tipo "faça sozinho".
  • 6:32 - 6:34
    E, paradoxalmente,
  • 6:34 - 6:37
    isso deixa muitos norte-americanos
    muito menos abertos a mudanças
  • 6:38 - 6:39
    e assumindo bons riscos.
  • 6:39 - 6:41
    Na China, em contraste,
  • 6:41 - 6:45
    as pessoas acreditam que o governo
    vai impedir que os problemas aconteçam,
  • 6:45 - 6:48
    o que pode nem sempre ser o que acontece,
    mas elas acreditam nisso.
  • 6:48 - 6:50
    Acreditam que podem confiar
    em suas famílias,
  • 6:50 - 6:53
    o que as torna mais propensas
    a assumirem certos riscos,
  • 6:53 - 6:55
    como comprar imóveis em Pequim,
  • 6:55 - 6:59
    ou serem mais abertas sobre o fato
    de que precisam mudar de rumo,
  • 6:59 - 7:03
    e, de fato, o ritmo de mudança na China
    é absolutamente incrível.
  • 7:04 - 7:05
    Em segundo lugar,
  • 7:06 - 7:08
    quanto você sabe sobre uma situação,
  • 7:08 - 7:10
    quanto está disposto a aprender?
  • 7:11 - 7:14
    Está disposto a ver as coisas
    mesmo quando não são o que você quer?
  • 7:15 - 7:18
    É muito improvável que muitos de nós
  • 7:18 - 7:21
    prestem atenção nas coisas
    que apenas queremos apagar da memória,
  • 7:21 - 7:22
    não gostamos delas.
  • 7:22 - 7:26
    Prestamos atenção ao que queremos ver,
    o que gostamos, com o que concordamos.
  • 7:27 - 7:32
    Mas temos a oportunidade e a capacidade
    de corrigir esses pontos cegos.
  • 7:32 - 7:35
    Passo muito tempo conversando
    com pessoas de todas as classes sociais
  • 7:36 - 7:39
    sobre os rinocerontes cinza
    na vida e na atitude delas.
  • 7:39 - 7:40
    E você pode pensar
  • 7:40 - 7:43
    que as pessoas que têm mais medo de risco,
  • 7:43 - 7:44
    que são mais sensíveis a eles,
  • 7:44 - 7:48
    seriam aquelas que estariam
    menos abertas a mudanças.
  • 7:48 - 7:50
    Mas, na realidade, o oposto é verdadeiro.
  • 7:50 - 7:54
    Descobri que as pessoas dispostas
    a reconhecer os problemas ao seu redor
  • 7:54 - 7:55
    e fazer planos
  • 7:55 - 7:59
    são aquelas capazes
    de tolerar mais riscos bons
  • 7:59 - 8:01
    e lidar com os riscos ruins.
  • 8:01 - 8:04
    Isso porque, ao buscarmos informações,
  • 8:04 - 8:09
    aumentamos nosso poder de fazer algo
    sobre as coisas de que temos medo.
  • 8:10 - 8:12
    Isso me leva a meu terceiro ponto.
  • 8:12 - 8:15
    Quanto controle você sente que tem
  • 8:15 - 8:18
    sobre os rinocerontes cinza em sua vida?
  • 8:18 - 8:20
    Uma das razões pelas quais não agimos
  • 8:20 - 8:23
    é que, muitas vezes,
    nos sentimos muito impotentes.
  • 8:23 - 8:26
    Pense na mudança climática;
    ela pode parecer tão grande
  • 8:26 - 8:30
    que nenhum de nós sozinho
    pode fazer diferença.
  • 8:30 - 8:33
    Algumas pessoas
    passam a vida negando isso.
  • 8:33 - 8:36
    Outras culpam a todos, exceto a si mesmas,
  • 8:36 - 8:39
    como meu amigo que diz
    que nunca vai desistir de seu SUV
  • 8:39 - 8:41
    até que parem de construir
    usinas de carvão na China.
  • 8:41 - 8:45
    Mas temos uma oportunidade de mudar.
  • 8:45 - 8:47
    Nenhum de nós é igual ao outro.
  • 8:47 - 8:52
    Cada um de nós tem a oportunidade
    de mudar nossas atitudes
  • 8:52 - 8:54
    e as atitudes das pessoas ao nosso redor.
  • 8:54 - 8:58
    Hoje quero convidar todos vocês
  • 8:58 - 9:02
    para se unirem a mim para ajudar a ativar
    uma conversa aberta e sincera
  • 9:02 - 9:04
    com as pessoas ao seu redor,
  • 9:04 - 9:07
    sobre os rinocerontes cinza
    em nosso mundo,
  • 9:07 - 9:11
    e serem tremendamente sinceros
    sobre como estamos lidando bem com eles.
  • 9:11 - 9:14
    Ouço tantas vezes nos Estados Unidos:
  • 9:14 - 9:17
    "É claro que devemos lidar
    com problemas óbvios,
  • 9:17 - 9:19
    mas, se você não vê
    o que está à sua frente,
  • 9:19 - 9:21
    ou você é burro, ou é ignorante".
  • 9:21 - 9:24
    É o que dizem, e discordo totalmente.
  • 9:25 - 9:27
    Se você não vê o que está à sua frente,
  • 9:27 - 9:30
    você não é burro, nem ignorante.
  • 9:31 - 9:32
    Você é humano.
  • 9:32 - 9:37
    E, uma vez que todos reconheçamos
    essa vulnerabilidade compartilhada,
  • 9:38 - 9:42
    isso nos dará o poder
    de abrir nossos olhos,
  • 9:42 - 9:44
    ver o que está diante de nós
  • 9:44 - 9:48
    e agir antes de sermos pisoteados.
  • 9:49 - 9:51
    (Aplausos)
Title:
Por que ignoramos problemas óbvios - e como agir sobre eles
Speaker:
Michele Wucker
Description:

Por que muitas vezes negligenciamos grandes problemas, como a crise financeira e as mudanças climáticas, até que seja tarde demais? A estrategista política Michelle Wucker nos estimula a substituir o mito do "cisne negro", aquela catástrofe rara, imprevisível e inevitável, pela realidade do "rinoceronte cinza", o perigo evitável que escolhemos ignorar. Ela mostra por que crises previsíveis nos pegam de surpresa e mostra alguns sinais de que pode haver um rinoceronte em sua vida neste momento.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
10:05

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions