YouTube

Got a YouTube account?

New: enable viewer-created translations and captions on your YouTube channel!

Portuguese, Brazilian subtitles

← Por que você deve ler Flannery O’Connor? - Iseult Gillespie

Get Embed Code
21 Languages

Showing Revision 12 created 01/31/2019 by Maricene Crus.

  1. Uma avó teimosa e um bandido fugitivo
    discutem em uma estrada de terra.
  2. Um vendedor de bíblias atrai uma filósofa
    de uma perna só para um celeiro.
  3. Um faz-tudo ensina para uma mulher surda
    sua primeira palavra em um velho sítio.
  4. De sua fazenda na zona rural da Geórgia,

  5. cercada por um bando de aves de estimação,
  6. Flannery O’Connor escreveu
    contos de rejeitados,
  7. intrusos e desajustados que se passam
    no mundo que ela melhor conhecia:
  8. o Sul dos Estados Unidos.
  9. Ela publicou dois romances,
  10. mas é talvez mais conhecida
    por seus contos,
  11. que exploravam a vida em cidades pequenas
    com linguagem ácida, humor peculiar,
  12. e cenários deliciosamente desagradáveis.
  13. No seu tempo livre,
    O'Connor desenhava cartuns,

  14. e sua escrita também esbanja caricatura.
  15. Nos seus contos, uma mãe tem um rosto
    "tão largo e inocente quanto um repolho",
  16. um homem tem a mesma
    motivação de um "esfregão",
  17. e o corpo de uma mulher tem
    a forma de uma "urna funerária".
  18. Os nomes dos personagens
    dela são igualmente sagazes.

  19. Veja o conto "A Vida
    que Salvar Pode Ser a Sua”,
  20. na qual, com apenas uma mão
    e sem rumo, Tom Shiftlet entra na vida
  21. de uma velha senhora
    chamada Lucynell Crater
  22. e sua filha surda e muda.
  23. Embora a Sra. Carter seja segura de si,

  24. sua casa isolada está caindo aos pedaços.
  25. De início, podemos suspeitar
    dos motivos de Shiftlet
  26. quando ele se oferece para ajudar,
  27. mas O'Connor logo revela
    que a velha senhora
  28. é tão cheia de segundas intenções
    quanto seu novo hóspede,
  29. e atiça as presunções do leitor sobre
    quem está tirando vantagem de quem.
  30. Para O’Connor, nenhum
    tema passava dos limites.

  31. Apesar de ser uma católica devota,
  32. ela não tinha medo
    de explorar a possibilidade
  33. de pensamentos puros
    e comportamento impuro
  34. coexistirem na mesma pessoa.
  35. No seu romance "O Céu É dos Violentos" ,
  36. o personagem principal está em conflito
    sobre se tornar um homem de Deus,
  37. mas também provoca incêndios
    e comete assassinatos.
  38. O livro começa com o relutante profeta
    numa situação particularmente complicada:
  39. "O tio de Francis Marion Tarwater
    estava morto há meio dia apenas
  40. quando o rapaz ficou demasiadamente
    bêbado para acabar de abrir a sepultura".
  41. Deixando para um transeunte "arrastar
    o cadáver para longe da mesa
  42. à qual estava ainda sentado,
    e sepultá-lo […]
  43. com terra em cima quanto bastasse para
    desencorajar os cães a desenterrá-lo."
  44. Embora seu posicionamento
    ainda seja debatido,

  45. a ficção de O’Connor também contém
    aspectos do racismo sulista.
  46. Em "Tudo o Que Sobe Deve Convergir",
  47. ela descreve um filho enfurecido
    com a intolerância de sua mãe.
  48. Mas a história revela que ele
    também tem seu lado ignorante
  49. e sugere que simplesmente
    reconhecer a maldade
  50. não isenta seu caráter de ser avaliado.
  51. Ainda que O'Connor examine os aspectos
    mais desagradáveis da humanidade,

  52. ela deixa uma porta
    semiaberta para redenção.
  53. Em "Um Bom Homem É Difícil de Encontrar",
  54. ela redime uma avó insuportável
    ao perdoar um criminoso insensível,
  55. mesmo com ele encurralando sua família.
  56. Embora fiquemos chocados
    com o preço pago por essa redenção,
  57. somos forçados a confrontar
    as nuances de momentos
  58. que geralmente consideraríamos
    puramente violentos ou perversos.
  59. A maestria do grotesco de O’Connor

  60. e as explorações dela da insularidade
    e superstição do Sul,
  61. a levaram a ser considerada
    como uma escritora gótica sulista.
  62. Mas o seu trabalho foi além
    do puramente ridículo
  63. e das características assustadoras
    associadas ao gênero
  64. para revelar a variedade
    e nuance do caráter humano.
  65. Ela sabia que parte dessa
    variedade é desconfortável
  66. e que as histórias dela poderiam
    ser um gosto adquirido,
  67. mas ela tinha prazer
    em desafiar seus leitores.
  68. O’Connor morreu de lúpus aos 39 anos,

  69. após a doença a manter confinada
    em sua fazenda na Geórgia por 12 anos.
  70. Durante esses anos,
  71. ela cunhou a maioria de seus
    trabalhos mais imaginativos.
  72. Sua habilidade de pairar
    entre a repulsão e a revelação
  73. continua a atrair leitores para seu mundo
    ficcional infinitamente surpreendente.
  74. Como o seu personagem Tom Shiftlet que diz
  75. que o corpo "é como uma casa:
  76. não vai a lugar nenhum;
  77. mas o espírito, senhora,
    é como um automóvel:
  78. está sempre em movimento".