Return to Video

O que é "squillo", e por que cantores de ópera precisam dele? - Ming Luke

  • 0:07 - 0:12
    Acometida por paixão vingativa,
    a Rainha da Noite corre pelo palco.
  • 0:12 - 0:14
    Ela começa a cantar sua ária titular,
  • 0:14 - 0:18
    uma das peças mais famosas
    da amada ópera de Mozart:
  • 0:18 - 0:19
    "A Flauta Mágica".
  • 0:19 - 0:22
    A orquestra enche o salão com música,
  • 0:22 - 0:25
    mas a voz da rainha
    se sobrepõe aos instrumentos.
  • 0:25 - 0:29
    Sua melodia é aguda e clara
    para milhares de espectadores,
  • 0:29 - 0:31
    alcançando assentos
    a 40 metros de distância,
  • 0:31 - 0:34
    tudo sem a ajuda de um microfone.
  • 0:34 - 0:38
    Como é possível ouvir uma única voz
    com tanta clareza,
  • 0:38 - 0:41
    acima das melodias
    de dezenas de instrumentos?
  • 0:41 - 0:44
    A resposta está na física da voz humana
  • 0:44 - 0:48
    e na técnica cuidadosamente aprimorada
    de uma cantora de ópera experiente.
  • 0:49 - 0:52
    Toda a música nesse teatro de ópera
    tem origem a partir das vibrações
  • 0:52 - 0:53
    criadas por instrumentos,
  • 0:53 - 0:58
    sejam as cordas de um violino
    ou as pregas vocais de um artista.
  • 0:58 - 1:03
    Essas vibrações enviam ondas para o ar,
    que o cérebro interpreta como som.
  • 1:03 - 1:05
    A frequência dessas vibrações,
  • 1:05 - 1:08
    especificamente
    o número de ondas por segundo,
  • 1:08 - 1:11
    é a forma como o cérebro determina
    o tom de uma única nota.
  • 1:11 - 1:14
    Mas, na realidade, cada nota que ouvimos
  • 1:14 - 1:17
    é uma combinação de múltiplas vibrações.
  • 1:17 - 1:21
    Imagine uma corda de violão
    vibrando em sua frequência mais grave.
  • 1:21 - 1:23
    Ela é chamada de fundamental,
  • 1:23 - 1:27
    e esse tom grave é o que o ouvido
    usa geralmente para identificar uma nota.
  • 1:27 - 1:32
    Mas essa vibração mais grave aciona
    frequências adicionais chamadas sobretons,
  • 1:32 - 1:35
    que se sobrepõem à fundamental.
  • 1:36 - 1:39
    Esses sobretons se dividem
    em frequências específicas
  • 1:39 - 1:41
    chamadas harmônicas, ou parciais,
  • 1:41 - 1:46
    e cantores de ópera as manipulam
    para produzir sua magia.
  • 1:46 - 1:50
    Cada nota tem um conjunto de frequências
    que compõem sua série harmônica.
  • 1:50 - 1:55
    A primeira parcial vibra com o dobro
    da frequência da fundamental.
  • 1:55 - 1:59
    A parcial seguinte é três vezes
    a frequência da fundamental,
  • 1:59 - 2:00
    e assim por diante.
  • 2:00 - 2:02
    Praticamente todos
    os instrumentos acústicos
  • 2:02 - 2:04
    produzem séries harmônicas,
  • 2:04 - 2:06
    mas a forma e o material
    de cada instrumento
  • 2:06 - 2:08
    alteram o equilíbrio de suas harmônicas.
  • 2:08 - 2:13
    Por exemplo, uma flauta
    enfatiza as primeiras parciais.
  • 2:13 - 2:14
    (Vibração de flauta)
  • 2:15 - 2:18
    Mas, no registro mais grave
    de um clarinete,
  • 2:18 - 2:21
    as parciais ímpares
    ressoam com mais força.
  • 2:21 - 2:23
    A força de várias parciais
  • 2:23 - 2:27
    é parte do que dá a cada instrumento
    sua assinatura sonora única.
  • 2:27 - 2:31
    Também afeta a capacidade
    de um instrumento se destacar na multidão,
  • 2:31 - 2:34
    porque o ouvido está
    mais fortemente acostumado
  • 2:34 - 2:36
    com algumas frequências do que com outras.
  • 2:37 - 2:41
    Esse é o segredo para o poder de projeção
    de um cantor de ópera.
  • 2:41 - 2:42
    Uma soprano de ópera,
  • 2:42 - 2:45
    a mais aguda das quatro vozes padrão,
  • 2:45 - 2:48
    pode produzir notas
    com frequências fundamentais
  • 2:48 - 2:53
    que variam de 250 a 1,5 mil
    vibrações por segundo.
  • 2:53 - 2:56
    O ouvido humano
    é mais sensível a frequências
  • 2:56 - 3:00
    entre 2 mil e 5 mil vibrações por segundo.
  • 3:00 - 3:04
    Portanto, se a cantora conseguir produzir
    as parciais nesse intervalo,
  • 3:04 - 3:08
    ela poderá atingir uma região sensorial
    onde é mais provável que seja ouvida.
  • 3:08 - 3:11
    As parciais mais agudas
    também são vantajosas
  • 3:11 - 3:14
    porque competem menos com a orquestra,
  • 3:14 - 3:16
    cujos sobretons são mais fracos
    nessas frequências.
  • 3:17 - 3:19
    O resultado de enfatizar essas parciais
  • 3:19 - 3:24
    é um timbre de som característico
    chamado "squillo" de um cantor.
  • 3:25 - 3:28
    Cantores de ópera trabalham por décadas
    para criar seu squillo.
  • 3:28 - 3:30
    Eles podem produzir
    frequências mais agudas
  • 3:30 - 3:35
    modificando a forma e a tensão
    nas pregas vocais e no trato vocal.
  • 3:35 - 3:39
    E, mudando a posição
    da língua e dos lábios,
  • 3:39 - 3:43
    eles acentuam alguns sobretons,
    enquanto atenuam outros.
  • 3:43 - 3:47
    Os cantores também aumentam
    sua gama de parciais com "vibrato",
  • 3:47 - 3:51
    um efeito musical no qual uma nota
    oscila levemente no tom.
  • 3:51 - 3:53
    Isso cria um som mais forte
  • 3:53 - 3:55
    que se sobrepõe aos vibratos
    comparativamente estreitos
  • 3:55 - 3:57
    dos instrumentos.
  • 3:57 - 3:58
    Ao conseguirem as parciais certas,
  • 3:58 - 4:02
    eles empregam outras técnicas
    para aumentar o volume de voz.
  • 4:02 - 4:06
    Os cantores ampliam a capacidade pulmonar
    e aperfeiçoam a postura
  • 4:06 - 4:08
    para um fluxo de ar
    controlado e consistente.
  • 4:08 - 4:10
    A sala de concertos também ajuda,
  • 4:10 - 4:14
    com superfícies rígidas que refletem
    as ondas sonoras para a plateia.
  • 4:14 - 4:17
    Todos os cantores
    se aproveitam dessas técnicas,
  • 4:17 - 4:21
    mas assinaturas vocais diferentes
    exigem preparação física diferente.
  • 4:21 - 4:24
    Um cantor wagneriano
    precisa aumentar a resistência
  • 4:24 - 4:28
    para passar pelas epopeias
    de quatro horas do compositor,
  • 4:28 - 4:32
    enquanto cantores de "bel canto"
    exigem pregas vocais versáteis
  • 4:32 - 4:34
    para saltar por árias acrobáticas.
  • 4:34 - 4:37
    A biologia também estabelece
    alguns limites.
  • 4:37 - 4:40
    Nem toda técnica é viável
    para todos os músculos,
  • 4:40 - 4:43
    e as vozes mudam
    conforme os cantores envelhecem.
  • 4:43 - 4:46
    Mas, seja em uma sala de ópera
    ou no chuveiro,
  • 4:46 - 4:49
    essas técnicas podem transformar
    vozes não amplificadas
  • 4:49 - 4:52
    em obras-primas musicais impressionantes.
Title:
O que é "squillo", e por que cantores de ópera precisam dele? - Ming Luke
Speaker:
Ming Luke
Description:

Veja a lição completa: https://ed.ted.com/lessons/what-s-a-squillo-and-why-do-opera-singers-need-it-ming-luke

Uma orquestra enche um teatro de ópera com música, mas a voz de um cantor se sobrepõe aos instrumentos. Sua melodia é aguda e clara para milhares de espectadores, tudo sem a ajuda de um microfone. Como é possível ouvir uma única voz com tanta clareza? A resposta está na física da voz humana. Ming Luke explica a técnica cuidadosamente aprimorada de um cantor de ópera experiente.

Lição de Ming Luke, direção de Franz Palomares.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TED-Ed
Duration:
04:52

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions