YouTube

Got a YouTube account?

New: enable viewer-created translations and captions on your YouTube channel!

Portuguese, Brazilian subtitles

← É muito difícil animar mulheres? Tropos vs. Mulheres nos Videogames

Get Embed Code
7 Languages

Showing Revision 14 created 02/13/2017 by Rodrigo Gregoldo.

  1. Na Electronic Entertainment Expo de 2014,
  2. a desenvolvedora de jogos Ubisoft
  3. lançou um trailer mostrando
    a novidade do modo cooperativo
  4. do seu novo jogo, Assassin's Creed Unity.
  5. Uma coisa que chamou atenção no trailer
  6. foi que todos os assassinos eram homens.
  7. Quando questionada por que
    personagens femininas
  8. não eram uma opção nesse modo,
  9. o diretor de criatividade disse que
  10. apesar de haverem planos iniciais
    de se ter assassinas,
  11. o time de desenvolvimento não
    pôde adicioná-las
  12. porque isso requereria
    "o dobro de animações,
  13. vozes, e recursos visuais."
  14. Enquanto isso, um dos produtores do jogo
  15. afirmou que para incluir uma assassina
    seria necessário
  16. recriar 8000 animações num esqueleto novo.
  17. Estes comentários culminaram numa
    explosão de controvérsias
  18. e críticas no Twitter, com várias pessoas
  19. usando a hashtag sarcástica "mulheres
    são difíceis de mais de se animar."
  20. Vários desenvolvedores experientes
  21. se juntaram ao coro de vozes
  22. chamando atenção para o absurdo
    das afirmações da Ubisoft.
  23. Johnatan Cooper, animador que trabalhou
  24. para a Ubisoft no Assassin's Creed III,
    tweetou:
  25. "Eu estimo que seria trabalho
    de um ou dois dias,
  26. e não a substituição de
    8000 animações."
  27. E o designer Maveer Heir da Bioware
  28. resumiu o que a Ubisoft realmente
    quis dizer:
  29. "A gente não se importa o suficiente
    pra criar uma assassina."
  30. A negligência da Ubisoft por
    opções de personagens femininas
  31. não parou por aí.
  32. Também na E3 de 2014, o diretor de
    Far Cry 4
  33. admitiu ter passado por uma
    situação semelhante com
  34. o modo de cooperação online do jogo,
    dizendo:
  35. "Chegamos muito perto de permitir
    a escolha de uma garota ou um garoto
  36. para ser seu companheiro."
  37. De novo, a desculpa dada para explicar
    por que essa opção não estava disponível
  38. foi que daria muito trabalho.
  39. E mais uma vez, o que a Ubisoft
    realmente quis dizer
  40. foi que eles simplesmente não
    quiseram se esforçar
  41. pra fornecer essa opção.
  42. No entanto, é importante notar que
    dois anos depois dessa polêmica,
  43. a Ubisoft se esforçou para
  44. melhorar a representação feminina
  45. nos jogos da série,
  46. com o mais novo título
    "Assassin's Creed Syndicate"
  47. oferecendo a opção de jogar
    como Evie Frye
  48. pela maior parte da campanha.
  49. Claramente, a Ubisoft não foi
    e não é a única a ter
  50. essa atitude apática sobre a
    inclusão feminina.
  51. De fato, não fazer necessário
    para incluir mulheres
  52. tem sido o padrão na indústria de games
    há muito tempo.
  53. Os jogos da FIFA, cujo primeiro
    lançamento foi em 1993,
  54. levou mais de 20 anos
  55. até finalmente incluir
    times femininos no FIFA 16.
  56. "Tô dentro."
  57. E levou dez anos para o
    Call of Duty apresentar
  58. soldadas no modo de competição multiplayer
  59. no Call of Duty: Ghosts de 2013.
  60. A extensa série de jogos Battlefield,
  61. por outro lado, até hoje não dá a opção
  62. de jogar com personagens femininas
    no modo multiplayer.
  63. Há um debate importante a ser feito
  64. sobre a forma como os jogos de tiro
  65. glorificam a violência,
  66. mas enquanto esses jogos ainda existem,
  67. é melhor que eles possuam
    combatentes femininas.
  68. Agora você deve estar se perguntando,
  69. "O fato de ter adversárias ou
    inimigas num jogo
  70. perpetua a violência de gênero?"
  71. Essa é uma pergunta justa.
  72. Quando nos referimos à representação
  73. de violência contra mulheres,
  74. geralmente está se discutindo situações
  75. nas quais a mulheres estão sendo atacadas
    ou vitimizadas
  76. especificamente por serem mulheres,
  77. reforçando a percepção de que
    mulheres são vítimas.
  78. Estes cenários são muito diferentes
    de quando
  79. mulheres são mostradas
    participando ativamente.
  80. Nos jogos Street Fighter, por exemplo,
  81. quando Chun-Li e Ryu estão lutando,
  82. isso não se configura como violência
    de gênero,
  83. porque ambas as personagens estão
    sendo representadas
  84. em pé de igualdade,
  85. e porque Chun-Li é participante ativa,
  86. e não um alvo de ataque
  87. especificamente por ser mulher.
  88. Igualmente, as hordas
    de atacantes defrontadas
  89. em tantos jogos não são vítimas passivas.
  90. Elas são compostas de pessoas que
    participam ativamente do conflito,
  91. e, é importante notar, a violência contra
    elas não é enviesada pelo seu gênero.
  92. Você luta com eles porque
    eles são seus oponentes,
  93. e não porque são homens.
  94. Infelizmente, quando combatentes femininas
    aparecem nos jogos,
  95. elas geralmente aparecem
    de forma sexualizada
  96. o que inevitavelmente confere ao
    ataque
  97. um ar de violência de gênero.
  98. No jogo Saints Row The Third
  99. há um "Modo Prostituído"
  100. no qual você tem que derrotar
    hordas de mulheres sexualizadas,
  101. às vezes espancando-as até a morte
  102. com um enorme vibrador roxo.
  103. No jogo Wolfenstein de 2009
  104. a Guarda de Elite é uma unidade especial
    inimiga composta por mulheres
  105. cujo uniforme absurdo sexualiza
  106. não apenas as personagens
  107. como também os atos de violência
    contra elas.
  108. Analogamente, em Hitman Absolution (2012)
  109. as 'Santas' são uma unidade especial
    de assassinas
  110. que vestem roupas de látex debaixo
    dos hábitos de freira.
  111. É uma escolha ridícula de vestimenta
  112. com a intenção clara de sexualizar
    estas inimigas.
  113. E em Metal Gear Solid 4,
  114. a unidade 'Bela e a Fera' é
    um grupo inimigo
  115. composto por cinco mulheres
  116. que xs jogadorxs enfrentam
    no decorrer do jogo.
  117. Em determinado momento no jogo,
  118. cada chefona se desfaz da sua
    armadura
  119. e aparece vestindo
    roupas justas.
  120. "É tudo tão engraçado."
  121. Então, se você evitar o abraço
    mortal de Beauty
  122. por tempo suficiente
    sem matar ou neutralizá-la,
  123. os dois vão parar numa sala branca,
  124. e se você equipar sua câmera
  125. a personagem fará poses insinuantes.
  126. Engraçado como isso não acontece
  127. com outros chefões no jogo...
  128. Sempre que combatentes
    femininas são colocadas
  129. em trajes sexualizados, isso
    as distingue visivelmente
  130. de outras unidades inimigas.
  131. Com isso, os encontros com elas
  132. adquirem um teor sexual,
  133. e isso é especialmente perturbador
    visto que
  134. esses encontros via de regra envolvem
  135. atacar e matar essas personagens.
  136. A violência contra personagens femininas
  137. não deveria nunca ser retratada
    como "sexy".
  138. A melhor forma para lidar com
    combatentes femininas
  139. é não as tratar como
    um agrado sexual
  140. para x jogadorx.
  141. Ao invés disso, é tratá-las
    simplesmente como combatentes
  142. que por acaso também são mulheres
  143. lutando como iguais ao lado
    de outros combatentes masculinos.
  144. Em meio a tantos defeitos,
  145. uma coisa que o jogo Bioshock Infinite
    fez bem foi incluir
  146. policiais não-sexualizadas na
    Polícia de Columbia.
  147. E no Assassin's Creed Syndicate,
  148. tanto a sua gangue
    como a gangue inimiga
  149. possuem mulheres no seu bando
  150. que lutam lado a lado com os homens.
  151. Apesar da presença de
    combatentes femininas
  152. em jogos assim,
    ainda há uma tendência
  153. entre os estúdios de jogos
    de tratar a representação feminina
  154. como algo extravagante,
  155. ao invés de como algo
    padrão
  156. como o fazem com a representação
    masculina.
  157. A desculpa que mais ouço para
    justificar a ausência
  158. de combatentes femininas nos jogos
    é que as pessoas não vão acreditar.
  159. Mas mesmo os jogos que se baseiam
    em eventos ou locais históricos
  160. - como a série Assassin's Creed -
  161. criam seus próprios mundos
    e traçar os limites
  162. daquilo que vamos acreditar ou não.
  163. Para conseguir participar nos mundos
    criados pelos jogos,
  164. aceitamos contentes superpoderes,
    viagens no tempo,
  165. civilizações alienígenas remotas,
  166. a habilidade de portar itens infinitos,
  167. a ideia de que comer um cachorro-quente
  168. vai instantaneamente curar feridas,
    e milhões de coisas mais.
  169. Certamente não seria demais pedir que
  170. esses mundos fictícios nos dêem também
    combatentes femininas plausíveis.
  171. Os conteúdos com os quais nos engajamos
    têm um impacto poderoso
  172. nas nossas noções do que é plausível
    ou não.
  173. Jogos como Assassin's Creed Syndicate
  174. demonstram que quando a existência
    de mulheres combatentes
  175. é apresentada de maneira direta,
    normal e plausível,
  176. não encontramos problemas
    para acreditar nisso.
  177. E não deveria ter mesmo, já que,
  178. diferentemente dos cachorros quentes
    milagrosos,
  179. mulheres combatentes realmente existem.