YouTube

Got a YouTube account?

New: enable viewer-created translations and captions on your YouTube channel!

Portuguese, Brazilian subtitles

← Como fugir do hábito e seguir seus objetivos | Sabine Doebel | TEDxMileHigh

Get Embed Code
14 Languages

Showing Revision 16 created 05/02/2019 by Claudia Sander.

  1. Então, tenho uma confissão a fazer.
  2. Só recentemente aprendi a dirigir.
  3. E foi muito difícil...

  4. Mas isso não é por eu ser velha.
  5. Você se lembra como era
    quando aprendeu a dirigir,
  6. quando cada decisão que tomava
    era muito consciente e deliberada?
  7. Eu voltava para casa das aulas de direção
    completamente esgotada mentalmente.
  8. Agora, como cientista cognitiva,
    sei que isso ocorre por ter usado muito
  9. algo chamado de "função executiva".
  10. Função executiva é nossa
    incrível habilidade
  11. para conscientemente controlarmos
    nossos pensamentos, emoções e ações
  12. a fim de alcançarmos objetivos:
  13. como aprender a dirigir.
  14. É o que usamos,
  15. quando precisamos fugir de hábitos,
    inibir nossos impulsos e fazer planos.
  16. Podemos ver isso mais claramente
    quando as coisas dão errado.
  17. Você já colocou suco de laranja,
    acidentalmente, em seu cereal?
  18. (Risos)
  19. Ou ficou rolando a tela no Facebook
  20. e de repente percebeu
    que perdeu uma reunião?
  21. Talvez este seja mais familiar:
  22. já planejou parar na loja
    no caminho de casa para o trabalho
  23. e percorreu todo o caminho
    no piloto automático?
  24. (Risos)
  25. Essas coisas acontecem com todos
  26. e costumamos chamar de "distração".
  27. Mas o que realmente está acontecendo
    é um lapso na função executiva.
  28. Usamos a função executiva todos os dias,
    em todos os aspectos de nossas vidas.
  29. Nos últimos 30 anos,
  30. pesquisadores descobriram que ela
    determina todo tipo de coisas boas
  31. desde a infância,
  32. como habilidades sociais, desempenho
    acadêmico, saúde mental e física,
  33. ganhar dinheiro, economizar dinheiro
    e até mesmo ficar fora da prisão.
  34. Parece ótimo, não é?
  35. Não é surpresa que pesquisadores, como eu,
  36. estejam tão interessados em entendê-la
    e descobrir maneiras de melhorá-la.
  37. Mas, ultimamente,

  38. a função executiva se tornou a palavra
    da moda para autoaperfeiçoamento.
  39. As pessoas acham que podem aprimorá-la
  40. através de aplicativos de treinamento
    cerebral e jogos de computador.
  41. ou praticando de alguma maneira
    específica, como jogar xadrez.
  42. Os pesquisadores estão tentando
    treiná-la em laboratório,
  43. esperando melhorá-la,
  44. assim como outras coisas
    relacionadas a ela, como a inteligência.
  45. Bem, estou aqui para dizer
  46. que essa maneira de pensar
    sobre a função executiva está errada.
  47. Treinamento cerebral não vai melhorar
    a função executiva em sentido amplo,
  48. porque isso envolve
    exercitá-la de forma restrita,
  49. fora do contexto do mundo real,
    em que realmente a usamos.
  50. Você pode dominar o aplicativo
    de função executiva,
  51. mas isso não te ajuda a parar
    de colocar suco de laranja no cereal
  52. duas vezes por semana.
  53. (Risos)
  54. Se realmente quer melhorar
    sua função executiva
  55. de uma maneira que faça
    diferença na sua vida,
  56. você tem que entender como ela
    é influenciada pelo contexto.
  57. Deixe-me mostrar o que quero dizer.
  58. Existe uma ótima tarefa
    usada no laboratório
  59. para medir função executiva
    em crianças pequenas,
  60. chamada de Cartão de Mudança Dimensional.
  61. As crianças devem organizar os cartões
    de um jeito, como, por exemplo, em formas,
  62. repetidamente, até se habituarem a ele.
  63. Então, são convidadas a mudar e ordenar
    as mesmas cartas de outra maneira,
  64. como, por exemplo, pela cor.
  65. Crianças muito pequenas
    têm muita dificuldade com isso.
  66. As crianças de três e quatro anos
    continuam arrumando do jeito antigo,
  67. apesar de serem avisadas
    do que deveriam estar fazendo.
  68. (Vídeo)
  69. Instrutora: Se for azul, coloque aqui;
    se for vermelha, aqui. Aqui está um azul.
  70. Certo, agora vamos jogar
    um jogo diferente.
  71. Não vamos mais jogar o jogo de cores.
  72. Vamos jogar o jogo das formas.
  73. No jogo das formas, as estrelas
    vão aqui e os caminhões aqui.
  74. Certo?
  75. Estrelas aqui. Caminhões aqui.
  76. Para onde vão as estrelas?
  77. Para onde vão os caminhões?
  78. Excelente. Certo.
  79. Estrelas aqui. Caminhões aqui.
  80. Aqui está um caminhão.
  81. Estrelas aqui. Caminhões aqui.
  82. Aqui está uma estrela.
  83. (Fim do vídeo)
  84. (Risos)
  85. Então é realmente interessante,
  86. e é óbvio quando ela deixa de usar
    sua função executiva.
  87. O fato é que poderíamos treiná-la
    nessa tarefa e em outras como essa,
  88. e por fim ela iria melhorar.
  89. Mas isso significa que ela melhorou
    sua função executiva fora do laboratório?
  90. Não, porque no mundo real ela
    precisa usar a função executiva
  91. para fazer muito mais
    do que escolher entre forma e cor.
  92. Ela vai precisar alternar
    da adição para multiplicação,
  93. ou da brincadeira para a arrumação,
  94. ou de pensar em seus próprios sentimentos
    para pensar na amiga.
  95. Ter sucesso em situações do mundo real,
  96. depende do quanto você está motivado
  97. e do que seus colegas estão fazendo.
  98. Isso também depende
    da estratégia que você executa,
  99. quando usa a função executiva
    em uma determinada situação.
  100. Estou dizendo que o contexto
    realmente é importante.
  101. Agora vou dar um exemplo
    da minha pesquisa.
  102. Recentemente trouxe um grupo de crianças
    para o clássico teste do marshmallow,
  103. que mede o atraso na gratificação
  104. e que também, provavelmente,
    requer muita função executiva.
  105. Vocês já devem conhecer esse teste,
  106. mas, basicamente,
    as crianças têm uma escolha:
  107. podem ganhar um marshmallow imediatamente,
  108. ou esperar que eu vá na outra sala
    buscar mais marshmallows,
  109. e então podem ganhar
    dois doces em vez de um.
  110. A maioria das crianças realmente
    querem o segundo marshmallow.
  111. Mas a questão chave é:
    quanto tempo podem esperar?
  112. (Risos)
  113. Adicionei uma reviravolta
    para olhar os efeitos do contexto.
  114. Disse a cada criança que ela estava
    em um grupo, por exemplo o grupo verde,
  115. e dei a elas uma camiseta verde para usar.
  116. Eu disse:
  117. "Seu grupo esperou por dois marshmallows,
  118. e o grupo laranja, não".
  119. Ou o contrário:
  120. "Seu grupo não esperou
    por dois marshmallows,
  121. o outro grupo sim".
  122. Então deixei a criança sozinha na sala,
  123. e assisti em uma webcam
    para ver quanto tempo ela esperava.
  124. (Risos)
  125. Descobri que as crianças
  126. que acreditavam que seu grupo
    tinha esperado por dois marshmallows,
  127. eram mais propensas a esperar.
  128. Elas foram influenciadas
    por um grupo que nunca conheceram.
  129. Muito legal, não é?
  130. Bem, com esse resultado, eu não sabia
    se elas apenas estavam copiando seu grupo
  131. ou se era algo mais profundo que isso.
  132. Então trouxe mais crianças.
  133. Depois do teste de marshmallow,
  134. mostrei fotos de pares de crianças.
  135. Disse que uma dessas crianças gostava
    de ter as coisas imediatamente,
  136. como biscoitos e adesivos,
  137. e a outra gostava de esperar,
    para poder ganhar mais dessas coisas.
  138. Então perguntei a elas:
  139. "De qual dessas crianças você gosta mais?
    Com quem gostaria de brincar?"
  140. E descobri que as crianças que acreditaram
    que seu grupo tinha esperado
  141. tendiam a preferir as crianças
    que gostavam de esperar pelas coisas.
  142. Então, saber a escolha de seu grupo
    fez elas valorizarem a espera.
  143. E não só isso.
  144. Essas crianças provavelmente
    usam a função executiva
  145. para gerar estratégias
    que as ajudam a esperar,
  146. como sentar sobre suas mãos,
    se afastar do marshmallow,
  147. ou cantar uma música para se distrair.
  148. (Risos)
  149. Então, o que isso tudo mostra
    é apenas o quanto o contexto importa.
  150. Não é que essas crianças tinham
    uma função executiva boa ou ruim.
  151. O contexto as ajudou a usá-la melhor.
  152. O que isso significa
    para você e seus filhos?
  153. Bem, digamos que queira aprender espanhol.
  154. Poderia tentar mudar seu contexto
  155. e se cercar de outras pessoas
    que também querem aprender.
  156. Melhor ainda: se essas são pessoas
    que realmente gosta,
  157. estará mais motivado
    a usar a função executiva.
  158. Digamos que você queira que seu filho
    faça melhor um trabalho de matemática.
  159. Poderia ensinar estratégias

  160. para usar a função executiva,
    nesse contexto particular,
  161. como deixar o telefone longe
    antes de começar a estudar,
  162. ou planejando uma recompensa
    depois de estudar por uma hora.
  163. Não quero fazer soar
    como se o contexto fosse tudo.

  164. A função executiva é realmente complexa
    e é moldada por vários fatores.
  165. O que quero que lembre,
  166. é que, se quiser melhorar
    sua função executiva
  167. em algum aspecto da sua vida,
  168. não procure por soluções rápidas.
  169. Pense no contexto, em como seus objetivos
    podem ser mais importantes para você,
  170. em como usar estratégias e se ajudar,
    em sua situação particular.
  171. Acho que os antigos gregos
    falaram melhor quando disseram:
  172. "Conhece a ti mesmo".
  173. Uma parte fundamental disso é saber
    como o contexto molda seu comportamento
  174. e como usar esse conhecimento
    e mudar para melhor.
  175. Obrigada.
  176. (Aplausos)