Return to Video

Por que devemos parar de dançar ao som de nossa própria opressão

  • 0:02 - 0:03
    Muitas vezes,
  • 0:03 - 0:05
    estou em uma aula na academia,
  • 0:05 - 0:08
    ou vou a uma casa de shows,
  • 0:08 - 0:11
    ou a qualquer lugar com música ambiente,
  • 0:11 - 0:14
    e me encontro adorando os ritmos,
  • 0:14 - 0:17
    as melodias e as batidas.
  • 0:17 - 0:20
    Então paro um pouco
    para escutar a letra das músicas
  • 0:20 - 0:24
    que, por exemplo, nos colocam
    em uma posição de subserviência
  • 0:24 - 0:27
    que jamais toleraríamos
    em qualquer outro contexto.
  • 0:27 - 0:28
    Fico horrorizada
  • 0:28 - 0:31
    com o grau de normalização
    do sexismo em nossa cultura.
  • 0:31 - 0:34
    Escuto as músicas e penso:
  • 0:34 - 0:37
    não quero ter que aumentar o som
    de minha própria opressão.
  • 0:37 - 0:43
    A música é uma das formas
    mais poderosas de comunicação
  • 0:43 - 0:47
    porque tem o potencial
    de elevar ou de oprimir.
  • 0:48 - 0:51
    A música satisfaz as emoções e a alma.
  • 0:51 - 0:53
    A música revela nossa alma.
  • 0:53 - 0:55
    Ela abre nossos canais
    para receber informações
  • 0:55 - 0:57
    sobre a classe social dos outros,
  • 0:57 - 0:59
    para informar nosso próprio papel.
  • 0:59 - 1:03
    Embora eu não tenha problemas
    com a fantasia masculina,
  • 1:03 - 1:06
    o que me incomoda
  • 1:06 - 1:11
    é que, segundo um estudo recente,
    só 2,6% de todos os produtores musicais
  • 1:11 - 1:13
    se identificam como mulheres,
  • 1:13 - 1:14
    ou seja, um percentual ainda menor
  • 1:14 - 1:17
    se identifica como transgênero
    ou não conformante de gênero.
  • 1:18 - 1:19
    E por que isso importa?
  • 1:20 - 1:23
    Porque, se não tivermos e controlarmos
    nossa própria narrativa,
  • 1:23 - 1:26
    outros contarão nossas histórias por nós
  • 1:26 - 1:28
    e o farão de modo errado,
  • 1:28 - 1:31
    perpetuando os próprios mitos
    que nos reprimem.
  • 1:32 - 1:35
    E não vim para dizer aos outros
    como fazer a música deles,
  • 1:36 - 1:40
    mas para oferecer e traçar a alternativa.
  • 1:40 - 1:43
    Uma estratégia que uso em minha música
  • 1:43 - 1:48
    é criar batidas globais inspiradoras,
    vigorosas e percussivas
  • 1:48 - 1:50
    e criar letras para elas
  • 1:50 - 1:54
    que descrevem verdadeiramente
    minhas experiências de vida
  • 1:54 - 1:57
    sem contribuir para a opressão de ninguém.
  • 1:57 - 1:59
    É engraçado, porque é o mesmo motivo
  • 1:59 - 2:03
    pelo qual perdoamos
    tantas letras problemáticas;
  • 2:03 - 2:06
    é porque adoramos a forma
    como as batidas nos fazem sentir.
  • 2:07 - 2:11
    Um exemplo disso é minha música
    "Top Knot Turn Up".
  • 2:14 - 2:16
    (Música: "Top Knot Turn Up")
  • 2:31 - 2:35
    ♪ Silenciei meu celular
    pra ter mais tempo ♪
  • 2:35 - 2:39
    ♪ Sem esquemas pra perturbar
    meu estado de espírito ♪
  • 2:39 - 2:41
    ♪ Saiba de uma coisa:
    não vim pra agradar ♪
  • 2:41 - 2:43
    ♪ Cabelo preso, eu o prendo direito ♪
  • 2:43 - 2:44
    ♪ Meu tempo não lhe pertence ♪
  • 2:44 - 2:47
    ♪ Quando sou produtiva
    como meus ovários, ei! ♪
  • 2:47 - 2:50
    ♪ Dê a uma garota espaço pra respirar,
    direitos básicos e liberdade ♪
  • 2:50 - 2:54
    ♪ Livre da insegurança
    que o mundo projeta sobre mim ♪
  • 2:54 - 2:56
    ♪ Por favor, não tire minha concentração ♪
  • 2:56 - 2:57
    ♪ O futuro é feminino, você já sabe ♪
  • 2:57 - 2:59
    ♪ Luto contra a corrupção na Justiça ♪
  • 2:59 - 3:01
    ♪ Meu coque surgiu
    desde quando compus isto ♪
  • 3:04 - 3:07
    ♪ E o coque surgiu
    e o coque surgiu, surgiu, surgiu ♪
  • 3:07 - 3:11
    ♪ E o coque surgiu
    e o coque surgiu, surgiu, surgiu ♪
  • 3:11 - 3:15
    ♪ E o coque surgiu, e o coque surgiu, ei ♪
  • 3:15 - 3:16
    ♪ E o coque surgiu ♪
  • 3:17 - 3:18
    (Fim da música)
  • 3:18 - 3:22
    Quero que continuemos criando músicas
    bonitas e positivas em relação ao sexo
  • 3:22 - 3:25
    sobre alegria e liberdade.
  • 3:25 - 3:29
    Quero que abracemos nosso próprio prazer
    tanto quanto abraçamos nossa própria dor.
  • 3:29 - 3:31
    Quero que comemoremos
    os aspectos autênticos,
  • 3:31 - 3:32
    diferenciados
  • 3:32 - 3:36
    e multidimensionais
    de nossa existência humana,
  • 3:37 - 3:42
    em vez de apresentar narrativas falsas
    de sexualidade degradante
  • 3:42 - 3:44
    para nos sentirmos aceitos ou amados.
  • 3:44 - 3:47
    E outra estratégia que uso em minha música
  • 3:47 - 3:50
    para combater a misoginia
    que existe nas ondas do rádio
  • 3:50 - 3:54
    é retratar visualmente o mundo
    em que eu gostaria que vivêssemos.
  • 3:54 - 3:56
    No vídeo de minha música "See Me Thru",
  • 3:56 - 4:01
    que é como uma música de R&B
    vibrante, não binária e eletrônica,
  • 4:01 - 4:05
    lanço duas amigas queridas, Ania e Dejha,
  • 4:05 - 4:09
    para fazer o papel de amantes,
    porque elas são casadas ​​na vida real.
  • 4:09 - 4:12
    Mas o que você não sabe é que elas
    também estão por trás das câmeras,
  • 4:12 - 4:15
    concebendo e dirigindo o vídeo inteiro.
  • 4:16 - 4:20
    (Vídeo) Eiiiii, ahhhh.
  • 4:20 - 4:24
    Minhas emoções estavam cansadas.
  • 4:26 - 4:30
    A música deve ser segura
    e acessível para todos.
  • 4:30 - 4:34
    Não se trata de perder a atração sexual
    ou o estilo que a música tem,
  • 4:34 - 4:38
    mas sim de escrever mensagens
    que inspirem ternura e positividade
  • 4:38 - 4:41
    na música que nos motiva e nos desafia.
  • 4:42 - 4:45
    Embora nós, como músicos,
    tenhamos a responsabilidade
  • 4:45 - 4:48
    de criar música que não enfraqueça,
  • 4:48 - 4:50
    os ouvintes também podem
    fazer parte da mudança.
  • 4:50 - 4:53
    Primeiro, escolhemos
    quais músicas queremos silenciar
  • 4:53 - 4:55
    e quais queremos tocar mais alto.
  • 4:55 - 4:58
    Vamos dizer: "Eu me respeito o bastante
    pra dizer que não quero ouvir isso
  • 4:58 - 5:01
    e também não quero isso para os outros".
  • 5:02 - 5:04
    Segundo, podemos apenas nos perguntar:
  • 5:04 - 5:08
    "Será que esta música ou esta mensagem
    contribui para a opressão de alguém?
  • 5:08 - 5:10
    Por que eu a tolero?"
  • 5:10 - 5:14
    Finalmente, todos nós podemos escolher
    fazer listas de reprodução ou música de DJ
  • 5:14 - 5:17
    que dê a sensação ou o clima certo
    que procuramos naquele momento,
  • 5:17 - 5:19
    sem as mensagens problemáticas.
  • 5:20 - 5:21
    Por que isso importa?
  • 5:21 - 5:24
    Porque vai ensinar aos algoritmos
    de nossos sistemas e de nosso mundo
  • 5:24 - 5:28
    exatamente o que queremos ouvir,
  • 5:28 - 5:31
    criando mudanças de longo prazo
    e um mecanismo de feedback
  • 5:31 - 5:33
    que afeta toda a indústria.
  • 5:34 - 5:36
    Esta não é uma mensagem
  • 5:36 - 5:38
    para apenas um pequeno grupo de pessoas.
  • 5:39 - 5:41
    Esta é uma mensagem que afeta todos,
  • 5:41 - 5:45
    porque, quando protegemos e libertamos
    nossos gêneros mais vulneráveis,
  • 5:45 - 5:47
    libertamos todos.
Title:
Por que devemos parar de dançar ao som de nossa própria opressão
Speaker:
Madame Gandhi
Description:

A música popular costuma estar repleta de letras misóginas, que tratam as mulheres como um objeto e as rebaixam. Então por que escutamos essas músicas e dançamos ao som delas? A ativista e musicista Madame Gandhi apresenta um trecho de sua canção original "Top Knot Turn Up" e compartilha cenas de seu videoclipe "See Me Thru", dirigido por mulheres. Ela explica por que cria músicas positivas em relação ao sexo, que não contribuem para a opressão, e pede aos amantes da música para escolherem músicas que concedam poder a todos.

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
06:03

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions