Return to Video

David MacKay: Uma checagem real em renováveis

  • 0:00 - 0:03
    Quando a Revolução Industrial começou
  • 0:03 - 0:05
    a quantia de carbono sob o solo
  • 0:05 - 0:09
    britânico, na forma de carvão, era tão grande quanto a quantia
  • 0:09 - 0:13
    de carbono sob o solo da Arábia Saudita, na forma de petróleo,
  • 0:13 - 0:16
    e esse carbono fortaleceu a Revolução Industrial,
  • 0:16 - 0:18
    colocou o "Grande" em Grã Bretanha,
  • 0:18 - 0:22
    e conduziu à temporária dominação mundial da Grã Bretanha.
  • 0:22 - 0:26
    Então, em 1918, a produção de carvão na Bretanha atingiu o pico
  • 0:26 - 0:28
    e tem declinado desde então.
  • 0:28 - 0:31
    No devido tempo, a Bretanha começou a usar petróleo e gás
  • 0:31 - 0:35
    do Mar do Norte, e, no ano de 2000,
  • 0:35 - 0:37
    a produção de petróleo e gás do Mar do Norte
  • 0:37 - 0:42
    também atingiu o pico, e agora está em declínio.
  • 0:42 - 0:45
    Essas observações sobre o quantidade limitada de combustíveis fósseis
  • 0:45 - 0:48
    próprios, seguros e de fácil acesso,
  • 0:48 - 0:52
    isto é uma motivação para se dizer: "Bom, o que vem agora?"
  • 0:52 - 0:55
    Como será a vida após os combustíveis fósseis?
  • 0:55 - 0:57
    Não deveríamos estar pensando seriamente em
  • 0:57 - 0:59
    como escapar dos combustíveis fósseis?"
  • 0:59 - 1:02
    Uma outra motivação, claro, é a mudança do clima.
  • 1:02 - 1:05
    E quando as pessoas falam sobre a vida após a ação dos combustíveis fósseis
  • 1:05 - 1:08
    e da mudança do clima, penso que há muito
  • 1:08 - 1:12
    discurso vazio, muita maquiagem verde, muita publicidade enganosa,
  • 1:12 - 1:15
    e sinto o dever de, como físico, tentar
  • 1:15 - 1:17
    guiar as pessoas em torno da conversa oca e ajudá-las
  • 1:17 - 1:20
    a entender as ações que realmente fazem diferença
  • 1:20 - 1:25
    e a focalizar em ideias que acrescentam.
  • 1:25 - 1:28
    Permitam-me ilustrar isto com o que os físicos chamam de
  • 1:28 - 1:30
    cálculo no verso de um envelope.
  • 1:30 - 1:32
    Adoramos cálculos no verso de um envelope.
  • 1:32 - 1:34
    Você faz uma pergunta, escreve alguns números
  • 1:34 - 1:35
    e tem uma resposta.
  • 1:35 - 1:38
    Pode não ser muito precisa, mas pode fazê-lo dizer:
  • 1:38 - 1:38
    "Hmm."
  • 1:38 - 1:41
    Então aqui temos uma questão: imagine se
  • 1:41 - 1:43
    disséssemos: "Oh, sim, podemos escapar dos combustíveis fósseis.
  • 1:43 - 1:45
    Usaremos biocombustíveis. Problema resolvido.
  • 1:45 - 1:47
    Transportes, não precisamos mais de petróleo."
  • 1:47 - 1:53
    Bem, e se cultivássemos biocombustíveis para uma rodovia
  • 1:53 - 1:57
    na orla verde à margem da rodovia?
  • 1:57 - 2:01
    Quão ampla teria que ser a orla para que isso funcionasse?
  • 2:01 - 2:03
    Ok, vamos considerar alguns números.
  • 2:03 - 2:06
    Digamos que os carros vão a 60 milhas por hora.
  • 2:06 - 2:08
    Digamos que façam 30 milhas por galão.
  • 2:08 - 2:11
    Essa é a média europeia para carros novos.
  • 2:11 - 2:13
    Digamos que a produtividade das plantações de biocombustíveis
  • 2:13 - 2:16
    seja 1.200 litros de biocombustível por hectare ao ano.
  • 2:16 - 2:19
    Isto é real para biocombustíveis europeus.
  • 2:19 - 2:22
    E imaginemos que os carros estejam a 80 metros
  • 2:22 - 2:24
    um do outro, e estão apenas indo infinitamente
  • 2:24 - 2:25
    ao longo dessa rodovia.
  • 2:25 - 2:27
    A extensão da rodovia não importa, porque quanto mais longa
  • 2:27 - 2:30
    a rodovia, mais plantação de biocombustíveis temos.
  • 2:30 - 2:31
    O que fazemos com estes números?
  • 2:31 - 2:33
    Bem, você pega o primeiro número, divide pelos
  • 2:33 - 2:35
    outros três e obtém oito quilômetros.
  • 2:35 - 2:36
    E essa é a resposta.
  • 2:36 - 2:39
    Isso é quão larga teria que ser a plantação,
  • 2:39 - 2:41
    considerada esta hipótese.
  • 2:41 - 2:44
    E pode ser que isso faça você dizer: "Hmm.
  • 2:44 - 2:48
    Talvez não vá ser tão fácil assim."
  • 2:48 - 2:51
    E pode fazer você pensar, talvez tenha alguma coisa
  • 2:51 - 2:54
    a ver com áreas e, nesta palestra,
  • 2:54 - 2:57
    eu gostaria de falar sobre áreas de terras e perguntar:
  • 2:57 - 3:00
    há alguma questão sobre áreas? A resposta vai ser
  • 3:00 - 3:03
    sim, mas depende do país em que você está.
  • 3:03 - 3:05
    Então, vamos começar com o Reino Unido,
  • 3:05 - 3:07
    já que é onde estamos hoje.
  • 3:07 - 3:10
    O consumo de energia do Reino Unido,
  • 3:10 - 3:14
    o consumo total de energia, mas não apenas com transporte, com tudo,
  • 3:14 - 3:16
    gostaria de quantificá-lo em lâmpadas.
  • 3:16 - 3:20
    É como se todos nós tivéssemos 125 lâmpadas acesas o tempo todo,
  • 3:20 - 3:23
    125 kilowatt-hora ao dia por pessoa
  • 3:23 - 3:27
    é o consumo de energia do Reino Unido.
  • 3:27 - 3:29
    Há o valor de 40 lâmpadas para transporte,
  • 3:29 - 3:31
    40 lâmpadas para aquecimento
  • 3:31 - 3:34
    e 40 lâmpadas para geração de eletricidade,
  • 3:34 - 3:35
    outras coisas são relativamente pequenas,
  • 3:35 - 3:38
    comparadas a esses três 'peixões'.
  • 3:38 - 3:41
    Na verdade a quantidade é maior se levarmos em conta
  • 3:41 - 3:43
    a energia incorporada nas coisas que importamos
  • 3:43 - 3:47
    para nosso país, e 90 por cento dessa energia hoje
  • 3:47 - 3:51
    ainda vêm de combustíveis fósseis, e apenas 10 por cento
  • 3:51 - 3:53
    de outras fontes mais verdes -- possivelmente mais verdes --
  • 3:53 - 3:56
    como energia nuclear e renováveis.
  • 3:56 - 3:57
    Então,
  • 3:57 - 4:01
    isto é o Reino Unido, e a densidade populacional do Reino Unido
  • 4:01 - 4:04
    é de 250 pessoas por quilômetro quadrado,
  • 4:04 - 4:06
    e agora vou mostrar-lhes outros países
  • 4:06 - 4:07
    por essas mesmas duas medidas.
  • 4:07 - 4:09
    No eixo vertical, vou mostrar-lhes
  • 4:09 - 4:12
    quantas lâmpadas -- o que é nosso consumo de energia
  • 4:12 - 4:15
    por pessoa, e estamos a 125 lâmpadas por pessoa,
  • 4:15 - 4:18
    e aquele pequeno ponto azul ali mostra a área de terra
  • 4:18 - 4:20
    do Reino Unido,
  • 4:20 - 4:23
    e a densidade populacional está no eixo horizontal,
  • 4:23 - 4:26
    e somos 250 pessoas por quilômetro quadrado.
  • 4:26 - 4:28
    Vamos acrescentar países europeus em azul,
  • 4:28 - 4:31
    e você pode ver que há uma grande variedade.
  • 4:31 - 4:33
    Devo enfatizar, ambos os eixos
  • 4:33 - 4:35
    são logaritimos. À medida que você vai de uma barra cinza
  • 4:35 - 4:39
    para a seguinte, está subindo um fator de 10.
  • 4:39 - 4:42
    A seguir, vamos acrescentar a Ásia em vermelho,
  • 4:42 - 4:45
    o Oriente Médio e o Norte da África em verde,
  • 4:45 - 4:49
    a África abaixo do Sahara em azul,
  • 4:49 - 4:52
    preto é a América do Sul,
  • 4:52 - 4:55
    roxo é a América Central,
  • 4:55 - 4:58
    e, em mostarda, temos América do Norte,
  • 4:58 - 5:00
    Austrália e Nova Zelândia.
  • 5:00 - 5:03
    E você pode ver a grande diversidade da densidade populacional
  • 5:03 - 5:06
    e do consumo per capita.
  • 5:06 - 5:08
    Os países são diferentes uns dos outros.
  • 5:08 - 5:11
    No alto, à esquerda, temos Canadá e Austrália, com enormes
  • 5:11 - 5:14
    áreas de terra, consumo per capita muito alto,
  • 5:14 - 5:16
    200 ou 300 lâmpadas por pessoa,
  • 5:16 - 5:20
    e densidade populacional muito baixa.
  • 5:20 - 5:23
    No alto, à direita, Bahrain tem o mesmo consumo de energia
  • 5:23 - 5:25
    por pessoa, aproximadmente, que o Canadá,
  • 5:25 - 5:28
    acima de 300 lâmpadas por pessoa,
  • 5:28 - 5:31
    mas a densidade populacional é um fator 300 vezes maior,
  • 5:31 - 5:32
    1.000 pessoas por quilômetro quadrado.
  • 5:32 - 5:36
    Embaixo, à direita, Bangladesh tem a mesma densidade populacional
  • 5:36 - 5:41
    que o Bahrain mas consome 100 vezes menos por pessoa.
  • 5:41 - 5:44
    Embaixo, à esquerda, bem, não há ninguém.
  • 5:44 - 5:46
    Mas costumava haver muitas pessoas.
  • 5:46 - 5:47
    Aqui está uma outra mensagem deste diagrama.
  • 5:47 - 5:51
    Acrescentei pequenos rabichos azuis atrás de Sudão, Líbia,
  • 5:51 - 5:52
    China, Ìndia, Bangladesh.
  • 5:52 - 5:55
    São 15 anos de progresso.
  • 5:55 - 5:57
    Onde estavam eles 15 anos atrás e onde estão agora?
  • 5:57 - 6:00
    E a mensagem é: a maioria dos países está indo para a direita
  • 6:00 - 6:01
    e para cima,
  • 6:01 - 6:03
    para cima e à direita -- maior densidade populacional
  • 6:03 - 6:05
    e consumo per capita mais alto.
  • 6:05 - 6:08
    Então, podemos estar fora, no topo do canto direito,
  • 6:08 - 6:11
    ligeiramente não comum, o Reino Unido acompanhado de
  • 6:11 - 6:14
    Alemanha, Japão, Coreia do Sul, Holanda,
  • 6:14 - 6:16
    e um punhado de outros países ligeiramente ímpares,
  • 6:16 - 6:18
    mas muitos outros países estão vindo
  • 6:18 - 6:20
    para a direita e se juntando a nós,
  • 6:20 - 6:24
    assim, somos um quadro, se preferirem, do que o futuro consumo
  • 6:24 - 6:28
    de energia pode ser em outros países também.
  • 6:28 - 6:32
    E também acrescentei neste diagrama algumas linhas rosa
  • 6:32 - 6:34
    que vão para baixo e para a direita.
  • 6:34 - 6:36
    Essas são linhas de igual consumo de energia
  • 6:36 - 6:40
    por unidade de área, que meço em watts por metro quadrado.
  • 6:40 - 6:41
    Assim, por exemplo, a linha média ali,
  • 6:41 - 6:45
    0.1 watts por metro quadrado, é o consumo de energia
  • 6:45 - 6:49
    por unidade de área da Arábia Saudita, Noruega e México, em roxo,
  • 6:49 - 6:53
    e Bangladesh, 15 anos atrás,
  • 6:53 - 6:56
    e metade da população mundial vive em países
  • 6:56 - 7:00
    que já estão acima daquela linha.
  • 7:00 - 7:03
    O Reino Unido está consumindo 1.25
  • 7:03 - 7:05
    watts por metro quadrado.
  • 7:05 - 7:09
    Também a Alemanha, e o Japão estão consumindo um pouco mais.
  • 7:09 - 7:12
    Bem, agora vamos
  • 7:12 - 7:14
    dizer por que isso é relevante. Por que isso é relevante?
  • 7:14 - 7:18
    Bem, podemos medir os recursos renováveis nas mesmas unidades
  • 7:18 - 7:20
    e outras formas de produção de energia nas mesmas unidades,
  • 7:20 - 7:23
    e uso de renováveis é uma das principais ideias de
  • 7:23 - 7:28
    como podemos escapar do hábito de 90 por cento de combustíveis fósseis.
  • 7:28 - 7:29
    Aqui estão alguns renováveis.
  • 7:29 - 7:32
    Biocombustível produz meio watt por metro quadrado
  • 7:32 - 7:34
    em clima europeu.
  • 7:34 - 7:37
    O que significa isso? E vocês podem ter antecipado
  • 7:37 - 7:39
    o resultado, já que lhes contei sobre a plantação de biocombustível
  • 7:39 - 7:41
    alguns momentos atrás.
  • 7:41 - 7:44
    Bem, consumimos 1.25 watts por metro quadrado.
  • 7:44 - 7:45
    Isso significa que, mesmo que você cobrisse
  • 7:45 - 7:48
    todo o Reino Unido com plantações para energia,
  • 7:48 - 7:52
    você não conseguiria igualar o consumo de energia de hoje.
  • 7:52 - 7:54
    Energia eólica produz um pouco mais,
  • 7:54 - 7:57
    2.5 watts por metro quadrado, mas isso é apenas o dobro
  • 7:57 - 8:01
    de 1.25 watts por metro quadrado,
  • 8:01 - 8:04
    e isso significa que se você quisesse literalmente produzir
  • 8:04 - 8:06
    o consumo total de energia em todas as formas por
  • 8:06 - 8:11
    fazendas eólicas, você precisaria transformar em fazendas metade da área do Reino Unido.
  • 8:11 - 8:15
    A propósito, tenho os dados que amparam todas essas asserções.
  • 8:15 - 8:18
    A seguir, olhemos para a energia solar.
  • 8:18 - 8:20
    Painéis solares, quando você os coloca no telhado,
  • 8:20 - 8:26
    produzem cerca de 20 watts por metro quadrado na Inglaterra.
  • 8:26 - 8:28
    Se você realmente quer extrair mais dos painéis solares,
  • 8:28 - 8:31
    você precisa adotar o método de coleta bávaro tradicional
  • 8:31 - 8:33
    no qual você salta do telhado e recobre também os campos
  • 8:33 - 8:35
    com painéis solares.
  • 8:35 - 8:37
    Fazendas de energia solar, por causa dos intervalos entre os painéis,
  • 8:37 - 8:39
    produzem menos. Produzem aproximadamente 5 watts
  • 8:39 - 8:42
    por metro quadrado de área de terra.
  • 8:42 - 8:44
    Aqui está uma fazenda de energia solar em Vermont, com dados reais,
  • 8:44 - 8:48
    produzindo 4.2 watts por metro quadrado.
  • 8:48 - 8:51
    Lembre-se de onde estamos, 1.25 watts por metro quadrado,
  • 8:51 - 8:55
    fazendas eólicas 2.5, fazendas de energia solar cerca de cinco.
  • 8:55 - 8:58
    Dessa maneira, seja qual for a energia renovável que você escolha,
  • 8:58 - 9:01
    a mensagem é, seja qual for a mistura desses renováveis
  • 9:01 - 9:04
    a ser usada, se você quer mover o Reino Unido com elas,
  • 9:04 - 9:06
    você precisará recobrir algo como
  • 9:06 - 9:09
    20 por cento ou 25 por cento do país
  • 9:09 - 9:11
    com esses renováveis.
  • 9:11 - 9:12
    E não estou dizendo que essa é uma ideia ruim.
  • 9:12 - 9:14
    Apenas precisamos entender os números.
  • 9:14 - 9:16
    Não sou absolutamente contra os renováveis. Adoro renováveis.
  • 9:16 - 9:21
    Mas tambem sou pró-aritmética. (Risadas)
  • 9:21 - 9:23
    Concentrar a energia solar nos desertos produz
  • 9:23 - 9:25
    maiores quantidades por unidade de área, porque você não tem
  • 9:25 - 9:27
    o problema das nuvens,
  • 9:27 - 9:30
    e, assim, esta usina produz 14 watts por metro quadrado,
  • 9:30 - 9:32
    esta, 10 watts por metro quadrado,
  • 9:32 - 9:35
    e esta, na Espanha, 5 watts por metro quadrado.
  • 9:35 - 9:37
    Sendo generoso com a concentração da energia solar,
  • 9:37 - 9:40
    penso que é perfeitamente possível que produzisse 20 watts
  • 9:40 - 9:42
    por metro quadrado. Isso é bom.
  • 9:42 - 9:45
    Claro, a Grã Bretanha não tem nenhum deserto.
  • 9:45 - 9:48
    Ainda. (Risadas)
  • 9:48 - 9:51
    Então, aqui está um resumo até agora.
  • 9:51 - 9:54
    Todos os renováveis, por mais que eu os ame, são difusos.
  • 9:54 - 9:56
    Todos têm pouca energia por unidade de área,
  • 9:56 - 9:58
    e temos que viver com esse fato.
  • 9:58 - 10:02
    E isso significa que, se você quer que os renováveis
  • 10:02 - 10:04
    façam uma diferença substancial para um país como
  • 10:04 - 10:07
    o Reino Unido na escala de consumo de hoje,
  • 10:07 - 10:10
    você precisa imaginar usinas de renováveis
  • 10:10 - 10:13
    que sejam do tamanho de países, não do país inteiro
  • 10:13 - 10:17
    mas uma parte do país, uma parte substancial.
  • 10:17 - 10:20
    Há outras opções para geração de energia também
  • 10:20 - 10:22
    que não envolvem combustíveis fósseis.
  • 10:22 - 10:25
    Há a energia nuclear e, neste mapa de Ordnance
  • 10:25 - 10:26
    Survey, você pode ver Sizewell B (usina nuclear)
  • 10:26 - 10:29
    dentro de um quilômetro quadrado azul.
  • 10:29 - 10:31
    Isso é um gigawatt em um quilômetro quadrado,
  • 10:31 - 10:33
    o que produz 1.000 watts por metro quadrado.
  • 10:33 - 10:36
    Dessa maneira, por esta métrica específica, a energia nuclear
  • 10:36 - 10:41
    não é tão intrusiva quanto as renováveis.
  • 10:41 - 10:44
    Claro, outras métricas importam também, e a energia nuclear
  • 10:44 - 10:46
    tem todo tipo de problemas com popularidade.
  • 10:46 - 10:48
    Mas o mesmo acontece com os renováveis também.
  • 10:48 - 10:51
    Aqui está uma fotografia de uma conferência a todo vapor
  • 10:51 - 10:54
    na pequena cidade de Penicuik, próxima a Edinburgh,
  • 10:54 - 10:56
    e você pode ver as crianças de Penicuik celebrando
  • 10:56 - 10:59
    a queima de uma representação de um moinho eólico.
  • 10:59 - 11:04
    As pessoas são contra-tudo, e temos que manter
  • 11:04 - 11:06
    todas as opções na mesa.
  • 11:06 - 11:10
    O que pode fazer um país como o Reino Unido com relação ao suprimento?
  • 11:10 - 11:13
    Bem, as opções são, eu diria, estas três:
  • 11:13 - 11:16
    energias renováveis, e reconhecendo que elas precisam ser
  • 11:16 - 11:19
    quase do tamanho do país; os renováveis de terceiros;
  • 11:19 - 11:22
    então poderíamos conversar muito delicadamente com as pessoas
  • 11:22 - 11:24
    no topo do lado esquerdo do diagrama e dizer:
  • 11:24 - 11:26
    "É, nós não queremos renováveis em nosso quintal,
  • 11:26 - 11:29
    mas, hum, poderíamos colocá-los no seu?
  • 11:29 - 11:31
    E essa é um opção séria.
  • 11:31 - 11:34
    É uma forma de o mundo lidar com esse problema.
  • 11:34 - 11:39
    Dessa maneira paises como Austrália, Rússia, Líbia, Cazaquistão
  • 11:39 - 11:43
    poderiam ser nossos melhores amigos na produção de renováveis.
  • 11:43 - 11:45
    E uma terceira opção é a energia nuclear.
  • 11:45 - 11:48
    Essas são algumas opções de suprimento paralelas.
  • 11:48 - 11:51
    Em acréscimo às alavancas de suprimento que podemos movimentar,
  • 11:51 - 11:53
    e lembre-se, precisamos de grandes quantidades,
  • 11:53 - 11:54
    porque, no momento,
  • 11:54 - 11:56
    obtemos 90 por cento de nossa energia de combustíveis fósseis.
  • 11:56 - 11:59
    Em acréscimo a essas alavancas, podemos falar de outras formas
  • 11:59 - 12:02
    de resolver este problema, ou seja, podemos reduzir a demanda
  • 12:02 - 12:04
    e isso significa reduzir a população
  • 12:04 - 12:06
    -- não sei como fazer isso --
  • 12:06 - 12:09
    ou reduzir o consumo per capita.
  • 12:09 - 12:12
    Vamos falar sobre mais três grandes alavancas
  • 12:12 - 12:14
    que poderiam realmente ajudar no lado do consumo.
  • 12:14 - 12:16
    Primeiro, transporte. Aqui estão os princípios da física que dizem
  • 12:16 - 12:19
    como reduzir o consumo de energia no transporte,
  • 12:19 - 12:22
    e as pessoas frequentemente dizem: "Oh, sim, a tecnologia pode resolver tudo.
  • 12:22 - 12:24
    Podemos fazer veículos que são cem vezes mais
  • 12:24 - 12:26
    eficientes." E isso é quase verdade. Deixem-me mostrar a vocês.
  • 12:26 - 12:29
    O consumo de energia deste tanque típico aqui
  • 12:29 - 12:33
    é de 80 kilowatt-hora por cem quilômetros por pessoa.
  • 12:33 - 12:37
    Esse é o carro europeu médio.
  • 12:37 - 12:39
    Oitenta kilowatt-hora. Podemos fazer algo cem vezes
  • 12:39 - 12:42
    melhor aplicando aqueles princípios de física que listei?
  • 12:42 - 12:47
    Sim. Aqui está. É a bicicleta. É 80 vezes melhor no consumo
  • 12:47 - 12:50
    de energia, e é movimentada por biocombustível, por Weetabix (cereal de aveia).
  • 12:50 - 12:52
    (Risadas)
  • 12:52 - 12:54
    E há outras opções, porque talvez
  • 12:54 - 12:55
    a senhora no tanque diga: "Não, não, não,
  • 12:55 - 12:58
    isso é uma mudança no estilo de vida. Não mude meu estilo de vida, por favor."
  • 12:58 - 13:01
    Bem, poderíamos persuadi-la a entrar num trem,
  • 13:01 - 13:03
    e isso ainda seria muito mais eficiente que um carro,
  • 13:03 - 13:04
    mas poderia ser uma mudança no estilo de vida;
  • 13:04 - 13:05
    ou há o carro ecológico, no alto, à esquerda.
  • 13:05 - 13:07
    Acomoda confortavelmente um adolescente
  • 13:07 - 13:09
    e é mais baixo que um cone de trânsito,
  • 13:09 - 13:11
    é quase tão eficiente quanto uma bicicleta,
  • 13:11 - 13:15
    desde que você o dirija a 15 milhas por hora.
  • 13:15 - 13:17
    Entre estas, talvez algumas opções mais realísticas
  • 13:17 - 13:20
    nesta alavanca, alavanca dos transportes, são os veículos elétricos,
  • 13:20 - 13:23
    bicicletas e carros movidos a eletricidade, no meio,
  • 13:23 - 13:25
    talvez quatro vezes mais eficientes na energia
  • 13:25 - 13:29
    que o tanque padrão movido a petróleo.
  • 13:29 - 13:31
    Em seguida, há a alavanca do aquecimento.
  • 13:31 - 13:34
    Aquecimento representa um terço de nosso consumo de energia na Grã Bretanha,
  • 13:34 - 13:36
    e muito disso vai para casas
  • 13:36 - 13:39
    e outros edifícios para aquecimento do local e da água.
  • 13:39 - 13:42
    Aqui está uma típica casinha britânica.
  • 13:42 - 13:46
    É minha casa, com a Ferrari na frente.
  • 13:46 - 13:47
    O que podemos fazer com isso?
  • 13:47 - 13:50
    Bem, as leis da física estão escritas ali em cima,
  • 13:50 - 13:55
    aquelas que descrevem o quê -- como o consumo de energia
  • 13:55 - 13:58
    para aquecimento é conduzido pelas coisas que você pode controlar.
  • 13:58 - 14:00
    As coisas que você pode controlar são a diferença de temperatura
  • 14:00 - 14:02
    entre o lado de dentro e o de fora, e há essa
  • 14:02 - 14:04
    notável tecnologia chamada termostato.
  • 14:04 - 14:06
    Você o pega, gira para a esquerda,
  • 14:06 - 14:09
    e seu consumo de energia na casa diminuirá.
  • 14:09 - 14:13
    Experimentei isso. Funciona. Algumas pessoas chamam de mudança de estilo de vida.
  • 14:13 - 14:17
    Você também pode pedir ao forrador para reduzir a perda de calor
  • 14:17 - 14:19
    de sua construção - coloque forração nas paredes, forração no telhado,
  • 14:19 - 14:22
    uma nova porta de entrada e assim por diante,
  • 14:22 - 14:26
    e a triste verdade é que isto economizará seu dinheiro.
  • 14:26 - 14:28
    Isso não é triste, isso é bom, mas a triste verdade é que isso tirará apenas
  • 14:28 - 14:32
    aproximadamente 25 por cento da perda de calor de sua construção.
  • 14:32 - 14:34
    Se você fizer essas coisas, que são boas ideias.
  • 14:34 - 14:37
    Se você realmente quer chegar um pouco mais perto dos padrões
  • 14:37 - 14:39
    suecos de construção com uma porcaria de casa como esta,
  • 14:39 - 14:43
    você precisa colocar isolamento externo na construção
  • 14:43 - 14:47
    como neste bloco de apartamentos em Londres.
  • 14:47 - 14:50
    Você também pode produzir calor mais eficientemente usando bombas de aquecimento
  • 14:50 - 14:53
    que usam uma pequena quantia de energia como a eletricidade
  • 14:53 - 14:56
    para conduzir o calor de seu jardim para sua casa.
  • 14:56 - 14:59
    A terceira opção no lado da demanda sobre a qual quero falar,
  • 14:59 - 15:00
    a terceira forma de reduzir o consumo de energia é:
  • 15:00 - 15:02
    leia seus medidores.
  • 15:02 - 15:04
    As pessoas falam muito sobre medidores inteligentes,
  • 15:04 - 15:05
    mas você mesmo pode fazer isso.
  • 15:05 - 15:08
    Use seus olhos e seja esperto, leia seu medidor,
  • 15:08 - 15:11
    e, se você é parecido comigo, isso mudará sua vida.
  • 15:11 - 15:12
    Aqui está um gráfico que fiz.
  • 15:12 - 15:15
    Estava escrevendo um livro sobre energia sustentável,
  • 15:15 - 15:17
    e um amigo me perguntou: "Bem, quanta energia você usa
  • 15:17 - 15:19
    em casa?" Fiquei envergonhado, realmente eu não sabia.
  • 15:19 - 15:22
    Assim, comecei a ler o medidor toda semana,
  • 15:22 - 15:24
    e as leituras do velho medidor estão mostradas
  • 15:24 - 15:26
    no alto do gráfico, e 2007
  • 15:26 - 15:28
    é mostrado em verde embaixo, e isso foi quando
  • 15:28 - 15:31
    eu lia o medidor toda semana e minha vida mudou,
  • 15:31 - 15:34
    porque comecei a fazer experimentos e ver
  • 15:34 - 15:36
    o que fazia diferença, e meu consumo de gás
  • 15:36 - 15:37
    diminuiu porque comecei a mexer
  • 15:37 - 15:39
    no termostato e no tempo de funcionamento do sistema de aquecimento
  • 15:39 - 15:42
    e abati mais da metade das minhas contas de gás.
  • 15:42 - 15:45
    Há uma história semelhante para meu consumo de eletricidade,
  • 15:45 - 15:49
    na qual desligar DVD, estéreos,
  • 15:49 - 15:52
    periféricos de computador que ficavam ligados o tempo todo,
  • 15:52 - 15:54
    e ligá-los apenas quando precisava deles,
  • 15:54 - 15:58
    abateu outro terço de minhas contas de eletricidade.
  • 15:58 - 16:01
    Assim, precisamos de um plano que acrescente, e descrevi para vocês
  • 16:01 - 16:04
    seis grandes alavancas, e precisamos de grandes ações porque obtemos
  • 16:04 - 16:06
    90 por cento de nossa energia de combustíveis fósseis,
  • 16:06 - 16:11
    e assim, você precisa forçar a maioria, se não todas essas alavancas.
  • 16:11 - 16:14
    E a maioria dessas alavancas tem problemas com a popularidade,
  • 16:14 - 16:17
    e se há uma alavanca que você não gosta de usar,
  • 16:17 - 16:19
    bem, por favor, tenha em mente que isso significa que você precisa
  • 16:19 - 16:23
    de um esforço ainda maior nas outras alavancas.
  • 16:23 - 16:26
    Sou um forte advogado de conversas adultas
  • 16:26 - 16:30
    que são baseadas em números e fatos, e gostaria de encerrar
  • 16:30 - 16:32
    com este mapa que visualiza para você
  • 16:32 - 16:37
    a necessidade de terra e assim por diante de forma a obter
  • 16:37 - 16:39
    apenas 16 lâmpadas por pessoa
  • 16:39 - 16:42
    de quatro das grandes fontes possíveis.
  • 16:42 - 16:46
    Assim, se quisesse obter 16 lâmpadas, lembrem-se,
  • 16:46 - 16:50
    hoje nosso consumo total de energia é o valor de 125 lâmpadas.
  • 16:50 - 16:54
    Se quisesse 16 da energia eólica, este mapa visualiza uma solução
  • 16:54 - 16:56
    para o Reino Unido. Ela é de 160 fazendas eólicas,
  • 16:56 - 16:59
    do tamanho de 100 quilômetros quadrados cada,
  • 16:59 - 17:01
    e isso seria um aumento de vinte vezes
  • 17:01 - 17:03
    sobre a quantia de energia eólica de hoje.
  • 17:03 - 17:06
    Energia nuclear, para obter 16 lâmpadas por pessoa, você precisaria
  • 17:06 - 17:09
    dois gigawatts em cada um dos pontos roxos no mapa.
  • 17:09 - 17:11
    Isso é um aumento de quatro vezes
  • 17:11 - 17:14
    sobre os níveis atuais de energia nuclear.
  • 17:14 - 17:17
    Biomassa, para obter 16 lâmpadas por pessoa, você precisaria
  • 17:17 - 17:21
    de uma área de terra com três vezes e meia a extensão de Wales,
  • 17:21 - 17:24
    seja em nosso país ou no país dos outros,
  • 17:24 - 17:27
    possivelmente Irlanda, possivelmente em outro local. (Risadas)
  • 17:27 - 17:30
    E uma quarta opção no lado do suprimento, concentrar energia solar
  • 17:30 - 17:32
    nos desertos dos outros.
  • 17:32 - 17:35
    se você quisesse obter o valor de 16 lâmpadas;
  • 17:35 - 17:38
    então estaríamos falando desses oito hexágonos
  • 17:38 - 17:39
    embaixo, à direita.
  • 17:39 - 17:41
    A área total desses hexágonos
  • 17:41 - 17:46
    é a extensão de duas Grande Londres, no Sahara dos outros,
  • 17:46 - 17:47
    e você precisará de linhas de transmissão pelo caminho através da Espanha
  • 17:47 - 17:53
    e da França para trazer energia do Sahara para Surrey.
  • 17:53 - 17:56
    Precisamos de um plano que acrescente.
  • 17:56 - 18:00
    Precisamos parar de gritar e começar a conversar,
  • 18:00 - 18:04
    e, se pudermos ter conversas adultas,
  • 18:04 - 18:07
    fazer um plano que acrescente e começarmos a construir,
  • 18:07 - 18:08
    talvez esta revolução de baixo carbono
  • 18:08 - 18:11
    seja realmente divertida. Muito obrigado por ouvirem.
  • 18:11 - 18:14
    (Aplausos)
Title:
David MacKay: Uma checagem real em renováveis
Speaker:
David MacKay
Description:

Quanta terra os recursos renováveis precisariam para fornecer energia a uma nação como o Reino Unido? Nesta 'talk' pragmática, David MacKay apresenta a matemática básica que mostra limitações preocupantes em nossas opções de energia sustentável e explica por que deveríamos buscá-las mesmo assim. (Filmado em TEDxWarwick.)

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
18:35
Dimitra Papageorgiou approved Portuguese, Brazilian subtitles for A reality check on renewables
Rafael Portezan accepted Portuguese, Brazilian subtitles for A reality check on renewables
Rafael Portezan commented on Portuguese, Brazilian subtitles for A reality check on renewables
Rafael Portezan edited Portuguese, Brazilian subtitles for A reality check on renewables
Rafael Portezan edited Portuguese, Brazilian subtitles for A reality check on renewables
Isabel Villan edited Portuguese, Brazilian subtitles for A reality check on renewables
Isabel Villan added a translation

Portuguese, Brazilian subtitles

Revisions