Portuguese subtitles

← Onde estão os dinossauros bebés?

Onde estão os dinossauros bebés? Numa palestra mágica do TEDxVancouver, o paleontólogo Jack Horner descreve como o corte dos crânios fósseis revelou um segredo chocante, sobre alguns dos nossos mais amados dinossauros.

Get Embed Code
30 Languages

Showing Revision 4 created 12/10/2016 by Isabel Vaz Belchior.

  1. Devo pedir um levantar de mãos
  2. ou um bater de palmas
  3. às pessoas de diferentes gerações?
  4. Estou interessado em quantos de vós
  5. têm de 3 a 12 anos de idade.
  6. (Risos)
  7. Ninguém, hã?
  8. Está bem.
  9. Bem, vou falar sobre dinossauros.
  10. Lembram-se dos dinossauros
    quando tinham essa idade?
  11. (Aplausos)
  12. Os dinossauros até são engraçados, sabem.
  13. (Risos)

  14. Vamos numa direção diferente agora.

  15. Espero que todos se apercebam disso.
  16. Portanto, só vos vou dar
    a minha mensagem, de antemão:
  17. Tentem não se tornarem extintos.
  18. (Risos)
  19. É isso.
  20. (Risos)

  21. As pessoas perguntam-me muito

  22. -- de facto, uma das perguntas
    que mais me fazem é:
  23. "Porque é que as crianças
    gostam tanto de dinossauros?
  24. "Qual é o fascínio?"
  25. E eu costumo simplesmente dizer:
  26. "Bem, os dinossauros eram grandes,
  27. "diferentes e desapareceram".
  28. Desapareceram todos.
  29. Bem, isso não é verdade,
  30. mas já lá chegaremos daqui a nada.
  31. Então esse é mais ou menos o tema:
  32. grandes, diferentes e extintos.
  33. O título da minha palestra:
  34. "Dinossauros que Mudam de Forma:
  35. "A Causa de uma Extinção Prematura".
  36. Agora, eu presumo
    que nos lembremos dos dinossauros.

  37. E há-os de todas as formas e feitios.
  38. Muitos tipos diferentes.
  39. Há muito tempo,
  40. no início de 1900,
  41. os museus andavam à procura
    de dinossauros.
  42. Exploravam e recolhiam-nos.
  43. E esta é uma história interessante.
  44. Todos os museus queriam um
    ligeiramente maior ou melhor,
  45. que ninguém ainda tivesse.
  46. Por isso, se o museu em Toronto
  47. fosse recolher um Tiranossauro,
    um dos grandes,
  48. então, o museu em Otava
    queria um maior
  49. e melhor.
  50. E isso acontecia em todos os museus.
  51. Por isso, todos andavam à procura
  52. destes dinossauros maiores e melhores.
  53. E isto foi nos inícios de 1900.
  54. Por volta de 1970,

  55. alguns cientistas
    estavam de braços cruzados a pensar:
  56. "Mas que diabo?
  57. "Olhem para estes dinossauros.
  58. "São todos grandes.
  59. "Onde é que estão os pequenos?"
  60. E eles pensaram sobre isso
  61. e até escreveram artigos sobre isso:
  62. "Onde estão os dinossauros pequenos?"
  63. (Risos)
  64. Bem, vão a um museu, e verão,
  65. vejam quantos dinossauros bebés há lá.
  66. As pessoas presumiram
    -- e isto foi, de facto, um problema --
  67. as pessoas presumiram
  68. que, se tivessem dinossauros pequenos,
  69. se tivessem dinossauros juvenis,
  70. eles seriam fáceis de identificar.
  71. Teriam um grande dinossauro
  72. e um dinossauro mais pequeno.
  73. Mas tudo o que eles tinham
    eram dinossauros grandes.
  74. E tudo se resume a duas coisas.

  75. Primeiro, os cientistas têm egos,
  76. e os cientistas gostam de dar nomes
    aos dinossauros.
  77. Eles gostam de dar nomes a tudo.
  78. Toda a gente gosta de ter
    o seu próprio animal, nomeado por si.
  79. (Risos)
  80. E assim, cada vez que encontravam
    alguma coisa
  81. que parecesse um pouco diferente,
  82. davam-lhe um nome diferente.
  83. E o que aconteceu, claro,
  84. é que acabámos com um monte
    de dinossauros diferentes.
  85. Em 1975,

  86. fez-se luz na cabeça de alguém.
  87. O Dr. Peter Dodson,
  88. na Universidade da Pensilvânia,
  89. apercebeu-se de que
    os dinossauros cresciam
  90. mais ou menos como as aves crescem,
  91. que é diferente da forma
    como os répteis crescem.
  92. E de facto,
  93. ele usou o casuar como exemplo.
  94. E é de certa forma fixe
    -- se olharem para o casuar,
  95. ou para qualquer das aves
    que têm cristas nas cabeças,
  96. elas crescem até cerca de 80%
    do tamanho adulto
  97. antes que as cristas comecem a crescer.
  98. Agora, pensem nisso.
  99. Elas retêm as suas características juvenis
  100. até muito tarde,
    no que chamamos de ontogenia.
  101. Então, a ontogenia craniana alométrica
  102. é o crescimento relativo do crânio.
  103. Deste modo,
  104. podem ver que se encontrassem,
    de facto, um com 80% de crescimento
  105. e não soubessem que iria crescer
    e tornar-se um casuar,
  106. vocês pensariam que eles
    eram dois animais diferentes.
  107. Portanto, isto era um problema,

  108. e Peter Dodson chamou à atenção para isto,
  109. usando alguns dinossauros de bico de pato
  110. então chamados de Hipacrossauros.
  111. E ele demonstrou que, se se pegasse
    num bébé e num adulto,
  112. e se fizesse uma estimativa
    do que se deveria parecer,
  113. se crescesse de uma forma linear,
  114. ele teria uma crista
  115. com cerca de metade do tamanho do adulto.
  116. Mas o próprio subadulto,
  117. aos 65%, não teria crista nenhuma.
  118. Portanto, isto era interessante.
  119. Então foi aqui
  120. que as pessoas se perderam outra vez.
  121. Quero dizer, se elas tivessem
    simplesmente aceitado isso,
  122. aceitado o trabalho de Peter Dodson
    e seguido em frente,
  123. então, nós teríamos
    muito menos dinossauros
  124. do que temos.
  125. Mas os cientistas têm egos;
  126. eles gostam de dar nomes às coisas.
  127. E, assim, eles continuaram a dar nomes
    aos dinossauros
  128. porque eles eram diferentes.
  129. Ora, nós temos uma forma
    de realmente testar

  130. para ver se um dinossauro,
    ou qualquer animal,
  131. é um jovem ou um adulto.
  132. E é, efetivamente, através do corte
    dos seus ossos.
  133. Mas cortar os ossos de um dinossauro
  134. é difícil de fazer, como podem imaginar,
  135. porque nos museus
  136. os ossos são preciosos.
  137. Vocês vão a um museu
    e eles tomam muito bem conta deles.
  138. Eles põem-nos em espuma,
    em pequenos recipientes.
  139. Eles são muito bem cuidados.
  140. Eles não gostam que vocês cheguem lá
  141. e os queiram serrar ao meio
    para ver o interior.
  142. (Risos)
  143. Portanto, normalmente,
    eles não vos deixam fazer isso.
  144. Mas eu tenho um museu
  145. e coleciono dinossauros
  146. e posso serrá-los ao meio.
  147. Por isso, é o que eu faço.
  148. (Risos) (Aplausos)

  149. Portanto, se cortarem ao meio
    um pequeno dinossauro,

  150. é muito esponjoso por dentro,
    como em A.
  151. E se cortarem um dinossauro mais velho,
  152. é muito maciço.
  153. Percebe-se que é um osso maduro.
  154. Portanto, é realmente fácil distingui-los.
  155. Por isso, o que quero fazer
  156. é mostrar-vos estes.
  157. Na América do Norte,
    nas planícies do norte dos EUA
  158. e nas planícies do sul de Alberta
    e de Saskatchewan,
  159. há uma formação rochosa
    chamada Hell Creek Formation
  160. que produz os últimos dinossauros
    que viveram na Terra.
  161. E há 12 deles
  162. que todos reconhecem
  163. -- estou a referir-me
    aos 12 dinossauros primários
  164. que se tornaram extintos.
  165. E portanto, vamos avaliá-los.
  166. E é mais ou menos isso
    o que tenho estado a fazer.
  167. Então, os meus alunos, o meu pessoal,
  168. temos estado a cortá-los ao meio.
  169. Agora, como podem imaginar,
  170. cortar ao meio uma perna é uma coisa,
  171. mas quando se vai a um museu
    e se diz:
  172. "Não se importam que eu corte ao meio
  173. "o vosso crânio de dinossauro, pois não?",
  174. eles dizem: "Vá-se embora."
  175. (Risos)
  176. Então, aqui estão 12 dinossauros.
  177. E queremos olhar primeiro para estes três.
  178. Então, estes são os dinossauros
    chamados Paquicéfalossauros.

  179. E todos sabem
  180. que estes três animais são aparentados.
  181. E a suposição
    é que eles são aparentados,
  182. como primos ou qualquer coisa.
  183. Mas ninguém alguma vez considerou
  184. que eles pudessem estar
    mais intimamente ligados.
  185. Por outras palavras,
  186. as pessoas olhavam-nos
    e viam as diferenças.
  187. E todos vocês sabem
  188. que se forem determinar
  189. se são aparentados ou não
    com o vosso irmão ou irmã,
  190. não o podem fazer
    olhando para as diferenças.
  191. Vocês só conseguem determinar
    o grau de parentesco
  192. olhando para as semelhanças.
  193. Assim, as pessoas
    estavam a olhar para estes

  194. e a discutirem sobre
    o quão diferentes eles eram.
  195. O Paquicéfalossauro tem uma grande
    e espessa cúpula na cabeça,
  196. e tem alguns altinhos
    na parte posterior da cabeça,
  197. e tem montes de protuberâncias rugosas,
    na ponta do focinho.
  198. E depois o Estigimoloque, outro dinossauro
  199. da mesma era, que viveu ao mesmo tempo,
  200. tem espigões a saírem
    da parte posterior da cabeça.
  201. Tem uma cúpula pequena e minúscula
  202. e tem montes de protuberâncias rugosas
    no focinho.
  203. E depois, há esta coisa chamada
    "Dracorex hogwartsia".
  204. Adivinhem de onde vem o nome?
    Dragão.
  205. Portanto, aqui está um dinossauro
  206. que tem espigões a sair da cabeça,
    sem cúpula
  207. e protuberâncias rugosas no focinho.
  208. Ninguém reparou que as protuberâncias
    rugosas, até pareciam todas iguais.

  209. Mas eles olharam para estes três
    e disseram:
  210. "Estes são três dinossauros diferentes,
  211. "e o Dracorex é provavelmente
    o mais primitivo deles.
  212. "E o outro é mais primitivo do que
    aquele outro".
  213. Não é claro para mim
  214. como é que eles ordenaram estes três.
  215. Mas se os alinharem,
  216. se simplesmente pegarem
    naqueles três crânios e os alinharem,
  217. eles alinham-se assim.
  218. O Dracorex é o mais pequeno,
  219. o Estigimoloque é o de tamanho médio,
  220. o Paquicéfalossauro é o maior.
  221. E pensar-se-ia,
  222. que isso me daria uma pista.
  223. (Risos)
  224. Mas não lhes deu uma pista.
  225. Porque, bem, sabemos porquê.
  226. Os cientistas gostam de dar nome
    às coisas.
  227. Por isso, se cortarmos ao meio o Dracorex

  228. -- eu cortei ao meio o nosso Dracorex --
  229. e olharmos, é esponjoso por dentro,
  230. realmente esponjoso por dentro.
  231. Quero dizer, é um juvenil
  232. e estava a crescer muito depressa.
  233. Portanto, ia ficar maior.
  234. Se cortarem ao meio o Estigimoloque,
  235. ele estava a fazer o mesmo.
  236. A cúpula, aquela pequena cúpula,
  237. estava a crescer muito depressa.
  238. Estava a aumentar muito depressa.
  239. O que é interessante, é que o espigão
    da parte posterior do Dracorex
  240. também estava a crescer muito depressa.
  241. Os espigões na parte posterior
    do Estigimoloque
  242. estavam, na verdade, a ser reabsorvidos,
  243. o que significa que estavam a ficar
    mais pequenos
  244. à medida que a cúpula
    estava a ficar maior.
  245. E se olharmos para o Paquicéfalossauro,
  246. o Paquicéfalossauro tem uma cúpula sólida
  247. e os altinhos na parte posterior da cabeça
  248. estavam também a ser reabsorvidos.
  249. Portanto, só com estes três dinossauros,

  250. podemos facilmente -- como cientistas --
  251. podemos facilmente levantar a hipótese
  252. de que são apenas fases de crescimento
  253. do mesmo animal.
  254. O que, claro, significa
    que o Estigimoloque e o Dracorex
  255. estão extintos.
  256. (Risos)
  257. Ok.
  258. O que, claro, significa que temos
    10 dinossauros primários com que lidar.
  259. Então, eu e um colega meu
    na Universidade de Berkley

  260. estávamos a olhar para o Tricerátopo.
  261. E antes do ano 2000
  262. -- agora lembrem-se,
  263. o Tricerátopo foi descoberto
    pela primeira vez nos anos de 1800 --
  264. antes de 2000, nunca ninguém tinha visto
  265. um tricerátopo juvenil.
  266. Há um tricerátopo
    em todos os museus no mundo,
  267. mas ninguém alguma vez
    recolheu um juvenil.
  268. E nós sabemos porquê, certo?
  269. Porque toda a gente quer ter um grande.
  270. Então toda a gente tinha um grande.
  271. Então, saímos e recolhemos
    montes de coisas
  272. e encontrámos um monte de pequeninos.
  273. Eles estão em todo o lado.
    Estão por toda a parte.
  274. Por isso, temos um monte deles
    no nosso museu.
  275. (Risos)
  276. E toda a gente diz que é
    porque eu tenho um pequeno museu.
  277. Quando se tem um pequeno museu,
    tem-se dinossauros pequenos.
  278. (Risos)

  279. Se olharem para o Tricerátopo,

  280. podem ver que ele está a mudar,
    está a mudar de forma.
  281. À medida que os juvenis crescem,
  282. os seus chifres, curvam-se para trás.
  283. E depois, à medida que envelhecem,
  284. os chifres crescem para a frente.
  285. E isso é bastante fixe.
  286. Se olharem ao longo do limite do escudo,
  287. eles têm estes pequenos ossos triangulares
  288. que crescem como triângulos
  289. e que depois se achatam contra o escudo
  290. mais ou menos como acontece
    com os espigões no Paquicéfalossauro.
  291. E depois, porque os juvenis
    estão na minha coleção,
  292. eu corto-os ao meio...
  293. (Risos)
  294. e olho para o interior.
  295. E o pequeno é mesmo esponjoso.
  296. E o de tamanho médio
    é mesmo esponjoso.
  297. Mas o que foi interessante
  298. foi que o Tricerátopo adulto
    era também esponjoso.
  299. E este é um crânio
    que tem 2 metros de comprimento.
  300. É um grande crânio.
  301. Mas há outro dinossauro

  302. que é encontrado nesta formação
  303. que se parece com um Tricerátopo,
    exceto por ser maior,
  304. e que se chama Torossauro.
  305. E o Torossauro, quando o cortámos,
  306. tinha um osso maduro.
  307. Mas ele tem estes grandes buracos
    no seu escudo.
  308. E toda a gente diz:
    "Um Tricerátopo e um Torossauro
  309. "não podem ser o mesmo animal
  310. "porque um deles é maior do que o outro".
  311. (Risos)
  312. "E tem buracos no seu escudo".
  313. E eu perguntei:
    "Bem, temos algum Torossauro juvenil ?"
  314. E eles disseram: "Bem, não,
    mas ele tem buracos no seu escudo".
  315. Então um dos meus alunos
    de licenciatura, John Scannella,

  316. examinou toda a nossa coleção
  317. e descobriu que o buraco
    se começava a formar no Tricerátopo
  318. -- e, claro que está aberto,
    no Torossauro.
  319. Ele encontrou aqueles em transição,
  320. entre o Tricerátopo e o Torossauro,
  321. o que foi bastante fixe.
  322. Portanto, agora sabemos
  323. que o Torossauro
  324. é na verdade, um Tricerátopo adulto.
  325. Agora, quando damos nomes
    aos dinossauros,
  326. quando damos nome a qualquer coisa,
  327. o nome original tende a ficar
  328. e o segundo nome é descartado.
  329. Portanto, o Torossauro está extinto.
  330. O Tricerátopo, se ouviram as notícias,
  331. muitos dos apresentadores
    deram a notícia erradamente.
  332. Pensaram que Torossauro
    se devia manter
  333. e o Tricerátopo seria descartado,
  334. mas isso não vai acontecer.
  335. (Risos)

  336. Está bem, então, podemos fazer isto
    com montes de dinossauros.

  337. Aqui estão o Edmontossauro
  338. e o Anatotitã.
  339. Anatotitã: pato gigante.
  340. É um dinossauro bico de pato gigante.
  341. Aqui está outro.
  342. Olhamos para a histologia óssea.
  343. A histologia óssea diz-nos
  344. que o Edmontossauro é um juvenil,
  345. ou pelo menos, um subadulto,
  346. e que o outro é um adulto
  347. e nós temos uma ontogenia.
  348. E livramo-nos do Anatotitã.
  349. Podemos continuar a fazer isto.

  350. E o último
  351. é o T. Rex.
  352. Temos estes dois dinossauros,
  353. o T. Rex e o Nanotirano.
  354. (Risos)
  355. Mais uma vez, faz-nos pensar.
  356. (Risos)
  357. Mas eles tinham uma boa pergunta.
  358. Eles estavam a olhar para eles
    e disseram:
  359. "Um tem 17 dentes,
    e o maior tem 12 dentes.
  360. "E isso não faz de todo sentido,
  361. "porque não conhecemos
    nenhum dinossauro
  362. "que ganhe dentes
    à medida que envelhece.
  363. "Portanto, deve ser verdade
  364. "-- eles devem ser diferentes".
  365. Então, cortámo-los ao meio.
  366. E como era de esperar,
  367. o Nanotirano tinha um osso juvenil
  368. e o maior tinha mais osso maduro.
  369. Parece que podia ainda ser maior.
  370. E no Museu das Rockies onde trabalhamos,
  371. eu tenho quatro T. Rex,
  372. por isso, posso cortar bastantes.
  373. Mas, na verdade,
    não tive de cortar nenhum deles,
  374. porque me bastou alinhar os seus maxilares
  375. e descobriu-se que o maior
    tinha 12 dentes,
  376. e que o próximo mais pequeno
    tinha 13 dentes,
  377. e que o próximo mais pequeno
    tinha 14.
  378. E, claro, o Nano tinha 17.
  379. E saímos para vermos as coleções
    dos outros
  380. e descobrimos um que tinha uns 15 dentes.
  381. Portanto, mais uma vez,
  382. é muito fácil dizer que
    a ontogenia do Tiranossauro
  383. incluía o Nanotirano,
  384. e portanto, podemos descartar (Pop!)
    outro dinossauro.
  385. (Risos)

  386. Portanto, no que se refere

  387. ao nosso final do Cretácico,
  388. sobram-nos sete.
  389. E é um bom número.
  390. É um bom número para se ser extinto,
    penso eu.
  391. Agora, como podem imaginar,
  392. isto não é muito popular
    entre os alunos do 4.º ano.
  393. Os alunos do 4.º ano
    adoram os seus dinossauros,
  394. eles memorizam-nos.
  395. E eles não ficaram nada contentes
    com isto.
  396. (Risos)

  397. Muito obrigado.

  398. (Aplausos)