Portuguese, Brazilian subtitles

← Um videogame que nos ajuda a entender a solidão

Entre no videogame visualmente impressionante "Sea of Solitude" da artista Cornelia Geppert, que explora como combater os "monstros" da solidão e da dúvida pode nos ajudar a lidar melhor com a complexidade e as dificuldades da saúde mental.

Get Embed Code
31 Languages

Showing Revision 15 created 02/09/2020 by Maurício Kakuei Tanaka.

  1. Vocês já se sentiram solitários?
  2. O desejo de se relacionar com as pessoas,
  3. mas parece não haver ninguém
    com quem desejam se comunicar?
  4. Ou, numa sexta-feira à noite,
    querem estar com outras pessoas,
  5. mas não têm energia para sair
    e ficam em casa a noite toda
  6. vendo Netflix
  7. e se sentindo mais sozinhos do que nunca?
  8. Sentem-se como um monstro
  9. no meio de seres humanos que sabem viver.
  10. A solidão era assim para mim.
  11. Sou artista

  12. e processo meu mundo emocional
    compartilhando meus sentimentos pela arte.
  13. Se compartilharmos
    nossos sentimentos com as pessoas,
  14. e elas entenderem e também
    compartilharem os sentimentos delas,
  15. criaremos um vínculo emocional profundo.
  16. É por isso que podemos estar cercados
    por centenas de pessoas,
  17. passar de uma pessoa para outra,
  18. mas continuar a nos sentir solitários.
  19. É porque não conseguimos criar
    vínculos mais profundos.
  20. Eu era uma criança sempre feliz.

  21. Acho que não há nenhuma foto minha
  22. em que eu não esteja sorrindo,
    rindo ou brincando.
  23. E continuou assim até...
  24. Bem, ainda sou assim.
  25. Mas eu tinha muitos amigos
  26. até que, quando jovem,
    eu me mudei para outra cidade
  27. para meu primeiro emprego como comediante.
  28. Como muitos jovens promissores
    em todo o mundo,
  29. concentrei toda a minha energia
    em meu trabalho.
  30. Mas, se usarmos 90%
    de nossa capacidade diária
  31. tentando ter sucesso no trabalho,
  32. é lógico que não sobrará nada
  33. para cuidar dos outros aspectos
    importantes de nossa vida,
  34. como as relações humanas.
  35. Fomentar amizades
    na vida adulta é trabalhoso.
  36. Precisamos ser consistentes nas relações.
  37. Precisamos ser abertos e sinceros.
  38. Eu tinha dificuldades com tudo isso,
  39. porque tenho a tendência de camuflar
    meus sentimentos reais,
  40. tentando parecer sempre feliz
  41. e também fazer os outros felizes,
  42. tentando resolver os problemas deles.
  43. Sei que muitos de nós
    somos culpados disso,
  44. porque é o modo mais fácil
    de não pensar em nossos problemas.
  45. Não é?
  46. Hein?
  47. (Risos)

  48. Tudo bem.

  49. O momento decisivo veio

  50. quando tive um relacionamento
    emocionalmente abusivo
  51. há alguns anos.
  52. Ele me isolou
  53. e me fez sentir mais sozinha do que nunca.
  54. Eu estava no fundo do poço,
  55. mas isso também me fez acordar,
  56. porque foi a primeira vez
  57. que senti realmente a solidão.
  58. Muitas pessoas colocam
    seus sentimentos na arte.

  59. Há uma infinidade de livros,
    filmes, pinturas, músicas,
  60. impregnados com as emoções de um artista.
  61. Então, como artista, fiz o mesmo.
  62. Compartilhei meus sentimentos.
  63. Eu queria ajudar as pessoas
    a lidar com a solidão.
  64. Queria que elas a entendessem,
  65. que a vivenciassem por meio de minha arte
  66. na forma de uma história interativa,
  67. um videogame.
  68. Em nosso jogo,

  69. chamado "Sea of Solitude",
  70. somos um personagem chamado Kay,
  71. que sofre de uma solidão tão profunda
  72. que seus sentimentos internos,
  73. como a raiva,
  74. a falta de esperança e de valor,
  75. voltam-se para o exterior,
  76. e ela se transforma num monstro.
  77. O jogo, ou Kay,
  78. é, na verdade, uma representação de mim
  79. e do caminho que percorri
    para superar minhas dificuldades.
  80. Na verdade, o jogo
    acontece na mente de Kay.
  81. Estamos em um mundo
    inundado pelas lágrimas dela,
  82. e o tempo muda
  83. conforme a mudança de humor dela.
  84. A única coisa que Kay carrega,
  85. a única coisa,
  86. é uma mochila.
  87. É a bagagem que todos carregamos
    por toda a nossa vida.
  88. Como Kay não sabe lidar
    corretamente com suas emoções,
  89. a mochila se torna cada vez maior,
  90. até que explode,
  91. e ela finalmente é forçada
    a superar seus conflitos.
  92. Em nossa história, apresentamos
    muitas formas diferentes de solidão.

  93. A solidão por exclusão
    social é muito comum.
  94. No jogo, o irmão de Kay
    sofre "bullying" na escola
  95. e só quer se esconder e desaparecer.
  96. Nós o retratamos como um enorme
    pássaro-monstro cercado por névoa espessa.
  97. O jogador precisa passar pela escola dele
  98. e sentir na pele os abusos
  99. que o irmão sofreu,
  100. porque, durante muito tempo,
    ninguém o escutava.
  101. Mas, quando a família e os amigos
    começam a escutá-lo,
  102. é dado o primeiro passo
    para superar essa forma de solidão.
  103. Também mostramos a solidão
    nos relacionamentos,

  104. como quando os pais permanecem juntos
    por causa dos filhos,
  105. mas acabam magoando a família inteira.
  106. Colocamos o jogador entre os pais
    enquanto eles brigam,
  107. e ele acaba sendo magoado.
  108. Eles não conseguem ver
    que a filha, Kay, está logo ali
  109. até que ela sofre um colapso nervoso.
  110. Também mostramos a solidão
    causada por problemas de saúde mental,

  111. com o namorado de Kay,
    que sofre de depressão
  112. e mostra que, às vezes,
  113. é mais importante se concentrar primeiro
    em seu próprio bem-estar.
  114. O namorado também tem a tendência
    de camuflar os sentimentos dele
  115. e, por isso, é representado
    por um lobo solitário branco e brilhante.
  116. Mas, quando ele começa a interagir
    com a namorada, Kay,
  117. a máscara dele cai,
  118. e vemos o cão preto por trás dela:
  119. a depressão.
  120. Às vezes, esboçamos um sorriso

  121. em vez de lidar
    com os problemas iminentes,
  122. e isso pode piorar tudo,
  123. afetando as pessoas ao nosso redor
  124. e estragando nossos relacionamentos.
  125. Retratamos Kay

  126. dilacerada por suas emoções básicas.
  127. Há quem nos ajude,
  128. há quem tente nos deter.
  129. A Dúvida é um monstro enorme,
  130. que sempre diz a Kay o quanto ela é inútil
  131. e que ela deve desistir.
  132. Como na vida real,
  133. a Dúvida bloqueia o caminho,
  134. e parece impossível superá-la.
  135. Destruir a onipresença da Dúvida
    é um processo lento,
  136. mas, no jogo, pouco a pouco,
    conseguimos diminuí-la,
  137. até que ela se transforma
  138. em uma dúvida saudável,
  139. e podemos finalmente
    confiar nos conselhos dela.
  140. Também mostramos a Autodestruição.
  141. É um monstro enorme
  142. sempre à espreita, por perto,
    sob a superfície da água.
  143. A Autodestruição
    é a principal adversária do jogo
  144. e está sempre tentando nos afogar
    no oceano de lágrimas.
  145. Mas, quando ela nos afoga,
  146. despertamos, alguns momentos antes,
  147. e temos a chance de recomeçar.
  148. Queríamos mostrar
  149. que todos nós passamos
    por dificuldades na vida.
  150. Mas se, pelo menos, nos levantarmos
    e tentarmos seguir em frente,
  151. é bem provável que consigamos
    por nosso próprio esforço,
  152. um passo de cada vez.
  153. A Felicidade é algo que Kay
    não consegue sentir nem tocar.

  154. Está sempre fora de alcance.
  155. A Felicidade é uma versão infantil de Kay
    com capa de chuva amarela.
  156. Ela está invulnerável
    ao oceano de lágrimas.
  157. Mas a Felicidade também pode
    se transformar em obsessão
  158. e começar a ser prejudicial para Kay,
  159. como quando começa a ficar
    obcecada pelo namorado.
  160. A Felicidade só voltará ao normal
    quando Kay perceber
  161. que a felicidade dela não deve
    depender de mais ninguém
  162. a não ser de si mesma.
  163. Nossos monstros parecem
    enormes e assustadores

  164. mas, se superarmos nossa relutância
    e nos aproximarmos deles,
  165. logo veremos que eles não são
    monstros de verdade,
  166. mas almas frágeis sobrecarregadas
    pelo que a vida lhes impôs.
  167. Todas essas emoções,

  168. seja a dúvida ou a autodestruição,
  169. não desaparecem totalmente do jogo.
  170. A mensagem principal
    é não apenas perseguir a felicidade,
  171. mas aceitar todas as emoções
  172. e equilibrá-las,
  173. sentindo-se bem com o fato
    de nem sempre estar bem.
  174. Todos têm sua história de solidão.

  175. Compreender isso mudou tudo para mim,
  176. como ser mais aberta com minhas emoções
  177. e me concentrar mais
    em minha vida pessoal,
  178. meus amigos, minha família.
  179. Quando lançamos esse jogo,
  180. milhares de fãs nos escreveram
  181. compartilhando suas histórias
  182. e dizendo que não se sentiam
    mais tão sozinhos,
  183. só por terem jogado nosso jogo.
  184. Muitos escreveram que tinham
    esperança por um futuro melhor
  185. pela primeira vez em décadas.
  186. Muitos disseram
    que estão procurando terapia
  187. só por terem jogado nosso jogo
  188. e têm esperança de superar seus conflitos.
  189. Nosso jogo não é uma terapia.
  190. Não deveria ser.
  191. É apenas eu e meus amigos
    compartilhando nossas histórias
  192. por meio de nossa arte, videogames.
  193. Mas ficamos profundamente gratos
    por todas as mensagens
  194. daqueles que se sentem melhor
  195. apenas porque compartilhamos
    nossas histórias com eles.
  196. Então...

  197. ainda não superei totalmente
    meu desejo de ajudar os outros.
  198. Mas não quero mais superar.
  199. Eu adoro.
  200. Só preciso deixá-lo
    em uma dimensão saudável,
  201. para não atrapalhar mais
    minhas relações mais profundas,
  202. mas me ajudar a me relacionar
    com as pessoas.
  203. Portanto, se tiverem um monstro interior,

  204. nascido de emoções negativas,
  205. o único objetivo não é matar esse monstro,
  206. mas entender que nós, humanos,
    somos seres complexos.
  207. Analisem qual parte de sua vida
    se sobrepõe às demais.
  208. Analisem quais emoções
    que vocês quase não sentem
  209. ou talvez sentem demais
  210. e comecem a diminuir esses picos.
  211. Trata-se, principalmente, de entender
  212. que a vasta gama de emoções e dificuldades
  213. nos torna o que somos:
  214. seres humanos.
  215. Obrigada.

  216. (Aplausos)