Return to Video

Que papel tem a sorte na vossa vida?

  • 0:01 - 0:03
    Olá a todos.
  • 0:03 - 0:06
    É uma honra estar aqui, a falar convosco,
  • 0:06 - 0:12
    hoje vou falar da sorte e da justiça
  • 0:12 - 0:14
    e da relação entre estes dois conceitos.
  • 0:14 - 0:16
    Há uns anos,
  • 0:16 - 0:19
    um antigo aluno meu ligou-me
  • 0:19 - 0:21
    para falar da sua filha,
  • 0:21 - 0:24
    que estava a terminar o secundário
  • 0:24 - 0:28
    e estava interessada
    em candidatar-se para a Swarthmore
  • 0:28 - 0:30
    onde eu lecionava.
  • 0:30 - 0:35
    Ele queria saber a minha opinião
    quanto a ela ser admitida.
  • 0:35 - 0:40
    É muito difícil ser aceite
    na escola de Swarthmore.
  • 0:40 - 0:42
    Então eu disse-lhe:
    "Fala-me um pouco dela."
  • 0:42 - 0:44
    E ele disse-me
  • 0:44 - 0:47
    como eram as notas dela
  • 0:47 - 0:49
    e as suas atividades extracurriculares.
  • 0:49 - 0:51
    E ela pareceu-me cinco estrelas,
  • 0:51 - 0:54
    uma miúda exemplar.
  • 0:54 - 0:56
    Então disse-lhe:
    "Ela parece-me fabulosa.
  • 0:56 - 0:59
    "Parece-me o tipo de estudante
  • 0:59 - 1:02
    "que a Swarthmore adoraria ter."
  • 1:02 - 1:06
    Então ele disse:
    "Bem, isso significa que ela vai entrar?"
  • 1:06 - 1:09
    E eu disse: "Não,
  • 1:09 - 1:13
    "não há vagas suficientes
    numa turma da Swarthmore
  • 1:13 - 1:15
    "para toda a gente que sobressai.
  • 1:15 - 1:19
    "Tal como não há vagas suficientes
    em Harvard, Yale, Princeton ou Stanford.
  • 1:19 - 1:23
    "Não há vagas suficientes
    na Google, na Amazon ou na Apple.
  • 1:24 - 1:28
    "Não há vagas suficientes
    numa conferência da TED.
  • 1:28 - 1:30
    "Há um número enorme
    de pessoas que se destacam
  • 1:31 - 1:34
    "e algumas delas
    não vão conseguir lá entrar."
  • 1:35 - 1:37
    Então ele disse-me:
    "Então o que devemos fazer?"
  • 1:38 - 1:41
    E eu disse:
    "Essa é uma questão pertinente."
  • 1:42 - 1:44
    O que devemos fazer?
  • 1:44 - 1:48
    Eu sei o que é que
    as faculdades têm feito.
  • 1:48 - 1:51
    No interesse da imparcialidade,
  • 1:51 - 1:56
    o que têm feito é continuar
    a aumentar a qualidade
  • 1:56 - 2:02
    porque não parece justo
    admitir pessoas menos qualificadas
  • 2:02 - 2:05
    e rejeitar pessoas mais bem qualificadas.
  • 2:05 - 2:09
    Assim, o nível da qualidade
    continua a aumentar,
  • 2:09 - 2:11
    até ser tão alto que só se admite
  • 2:11 - 2:15
    o número de estudantes
    para as vagas que há.
  • 2:16 - 2:22
    Isto contraria a ideia que a maioria
    das pessoas têm sobre o que é justo.
  • 2:22 - 2:25
    As pessoas na sociedade norte-americana
    têm diferentes opiniões
  • 2:25 - 2:29
    sobre o que significa dizer que
    um certo tipo de procedimento é justo,
  • 2:29 - 2:33
    mas eu penso que há uma coisa
    com que quase toda a gente concorda,
  • 2:33 - 2:36
    ou seja, que num sistema justo,
    num sistema bom,
  • 2:36 - 2:38
    as pessoas conseguem o que merecem.
  • 2:38 - 2:41
    O que eu expliquei ao meu antigo aluno
  • 2:41 - 2:45
    é que, em termos de acesso às faculdades,
  • 2:45 - 2:49
    não é verdade que as pessoas
    conseguem o que merecem.
  • 2:49 - 2:53
    Umas pessoas conseguem,
    mas outras não,
  • 2:53 - 2:56
    e é assim a vida.
  • 2:56 - 3:00
    Quando se aumentam os requisitos,
    como fazem as faculdades,
  • 3:00 - 3:03
    o que acontece é que cria-se
    uma competição absurda
  • 3:03 - 3:05
    entre os miúdos do secundário,
  • 3:05 - 3:08
    porque não basta ser bom,
  • 3:08 - 3:11
    não basta ser suficientemente bom,
  • 3:11 - 3:14
    têm que ser melhores
    do que os restantes candidatos.
  • 3:14 - 3:16
    O resultado disso,
  • 3:16 - 3:18
    ou seja, o que isso provoca,
  • 3:18 - 3:22
    é uma forma de epidemia
    da ansiedade e depressão
  • 3:22 - 3:25
    que está a devastar os adolescentes.
  • 3:25 - 3:28
    Estamos a destruir uma geração
    com este tipo de competição.
  • 3:29 - 3:31
    Enquanto pensava nisto,
  • 3:31 - 3:34
    ocorreu-me que há uma maneira
    de corrigir este problema.
  • 3:34 - 3:36
    Isto é o que podemos fazer:
  • 3:37 - 3:40
    quando alguém se candidata à faculdade,
  • 3:40 - 3:45
    nós distinguimos os candidatos
    que são bons para serem bem sucedidos
  • 3:46 - 3:47
    dos que não são.
  • 3:47 - 3:51
    Rejeitamos os que não são
    suficientemente bons para terem êxito,
  • 3:51 - 3:55
    pegamos em todos os outros,
    e colocamos os nomes deles num chapéu,
  • 3:55 - 3:57
    escolhemos ao acaso
  • 3:57 - 3:59
    e admitimos esses.
  • 3:59 - 4:02
    Por outras palavras, a admitissão
    nas faculdades é uma lotaria,
  • 4:03 - 4:08
    as ofertas de emprego em empresas
    de tecnologia talvez sejam uma lotaria
  • 4:08 - 4:10
    e — deus me livre —
  • 4:10 - 4:14
    talvez até venhamos a decidir
    quem é convidado da TED
  • 4:14 - 4:15
    numa lotaria.
  • 4:16 - 4:18
    Mas, não me entendam mal,
  • 4:18 - 4:22
    uma lotaria como esta
    não vai eliminar a injustiça.
  • 4:22 - 4:26
    Vai haver muita gente
    que não vai conseguir o que merece.
  • 4:26 - 4:29
    Mas pelo menos, é honesto.
  • 4:29 - 4:34
    Revela a injustiça que existe,
    em vez de pretender o contrário,
  • 4:35 - 4:38
    e rebenta o balão de ar
    que exerce uma pressão enorme
  • 4:38 - 4:41
    sobre os alunos do secundário.
  • 4:43 - 4:47
    Então, porque é que esta proposta
    perfeitamente razoável
  • 4:47 - 4:49
    — é o que eu digo para mim mesmo —
  • 4:49 - 4:51
    não merece uma análise séria?
  • 4:52 - 4:53
    Eu acho que sei porquê.
  • 4:54 - 4:57
    Eu penso que nós detestamos a ideia
  • 4:57 - 5:03
    de os eventos muito importantes na vida
    acontecerem por sorte ou por acaso,
  • 5:03 - 5:08
    de os eventos importantes na nossa vida
    não estarem sob o nosso controlo.
  • 5:08 - 5:09
    Eu detesto essa ideia.
  • 5:09 - 5:12
    Não é surpreendente
    que as pessoas não gostem desta ideia,
  • 5:12 - 5:16
    mas é assim que as coisas são
  • 5:17 - 5:22
    Primeiro que tudo, as admissões
    na faculdade já são como uma lotaria.
  • 5:22 - 5:25
    Só que os responsáveis pelas admissões
    pretendem que não é assim.
  • 5:25 - 5:27
    Então vamos ser honestos quanto a isto.
  • 5:27 - 5:29
    E segundo,
  • 5:29 - 5:32
    eu penso que, se aceitarmos
    que é uma lotaria,
  • 5:32 - 5:37
    também reconheceremos
    a importância da boa sorte
  • 5:37 - 5:39
    para a vida de toda a gente
    que conhecemos.
  • 5:39 - 5:41
    Vejam o meu caso.
  • 5:42 - 5:46
    Quase todos os acontecimentos
    mais significativos da minha vida,
  • 5:46 - 5:48
    ocorreram, em grande parte,
  • 5:48 - 5:50
    em resultado da boa sorte.
  • 5:51 - 5:54
    Quando eu estava no sétimo ano
    a minha família saiu de Nova Iorque
  • 5:54 - 5:57
    e fomos para o Westchester County
  • 5:57 - 5:58
    Logo no início da escola,
  • 5:58 - 6:01
    eu conheci uma rapariga amorosa
    que se tornou minha amiga,
  • 6:01 - 6:04
    mais tarde a minha melhor amiga,
  • 6:04 - 6:07
    depois mais tarde
    tornou-se a minha namorada
  • 6:07 - 6:09
    e por fim casámos.
  • 6:09 - 6:11
    Felizmente, tem sido a minha mulher
  • 6:11 - 6:14
    desde há 52 anos.
  • 6:14 - 6:17
    Eu tive pouco que ver com isto.
    Foi um acaso da sorte.
  • 6:18 - 6:20
    Mais tarde entrei na faculdade
  • 6:20 - 6:25
    e no primeiro semestre, inscrevi-me
    na cadeira de Introdução à Psicologia.
  • 6:25 - 6:27
    Eu nem sequer sabia o que era Psicologia,
  • 6:27 - 6:30
    mas adequava-se ao meu horário
    e satisfazia os requisitos,
  • 6:30 - 6:32
    por isso, fiz essa cadeira.
  • 6:32 - 6:34
    Por sorte, a cadeira era lecionada
  • 6:34 - 6:38
    por um professor fantástico, uma lenda.
  • 6:39 - 6:42
    Por causa disso,
    especializei-me em Psicologia.
  • 6:42 - 6:44
    Tirei uma pós-graduação
  • 6:44 - 6:46
    Quando estava a terminar,
  • 6:46 - 6:49
    um amigo meu que lecionava
    na Swarthmore
  • 6:49 - 6:51
    decidiu que não queria
    continuar a ser professor,
  • 6:51 - 6:55
    e despediu-se para estudar medicina.
  • 6:55 - 6:58
    O lugar que ele ocupava abriu uma vaga,
  • 6:58 - 7:00
    eu candidatei-me, e consegui o lugar,
  • 7:00 - 7:03
    o único a que me candidatei
    na minha vida.
  • 7:03 - 7:06
    Passei 45 anos a lecionar em Swarthmore,
  • 7:06 - 7:11
    uma instituição que teve um enorme impacto
    no rumo que teve a minha carreira.
  • 7:11 - 7:13
    Para dar um último exemplo,
  • 7:13 - 7:17
    eu estava a fazer uma palestra
    em Nova Iorque, sobre o meu trabalho,
  • 7:17 - 7:21
    e houve alguém na plateia
    que veio falar comigo depois da palestra.
  • 7:21 - 7:22
    Ele apresentou-se e disse:
  • 7:22 - 7:24
    "Chamo-me Chris.
  • 7:24 - 7:27
    "Gostaria de fazer uma palestra na TED?"
  • 7:27 - 7:30
    E eu respondi: "O que é a TED?"
  • 7:31 - 7:34
    Ele explicou-me o que era,
  • 7:34 - 7:37
    na altura a TED não era o que é agora.
  • 7:37 - 7:39
    Mas com o decorrer do tempo,
  • 7:39 - 7:41
    as palestras que eu fiz para a TED,
  • 7:41 - 7:44
    já foram vistas por mais
    de 20 milhões de pessoas.
  • 7:44 - 7:47
    Então a conclusão é
    que sou um homem com sorte.
  • 7:47 - 7:49
    Tive sorte no casamento.
  • 7:49 - 7:50
    Tive sorte nos meus estudos.
  • 7:50 - 7:52
    Tive sorte na minha carreira.
  • 7:52 - 7:58
    E tenho sorte por ter uma voz importante
    numa coisa da dimensão da TED.
  • 7:59 - 8:01
    Mereci o sucesso que tive?
  • 8:01 - 8:02
    Sim, de certeza que o mereço,
  • 8:03 - 8:05
    tanto como vocês provavelmente
    merecem o vosso sucesso.
  • 8:05 - 8:11
    Mas há muitas mais pessoas
    que merecem tanto sucesso como nós
  • 8:11 - 8:13
    mas que não o tiveram.
  • 8:14 - 8:16
    Então, as pessoas conseguem
    o que merecem?
  • 8:16 - 8:18
    A sociedade é justa?
  • 8:19 - 8:21
    Claro que não.
  • 8:21 - 8:24
    O trabalho árduo
    e o cumprimento das regras
  • 8:24 - 8:26
    não é garantia de nada .
  • 8:27 - 8:31
    Se apreciarmos a inevitabilidade
    deste tipo de injustiça
  • 8:31 - 8:34
    e a importância da boa sorte,
  • 8:34 - 8:36
    podemos perguntar-nos
  • 8:36 - 8:38
    que responsabilidades é que temos
  • 8:38 - 8:44
    para com as pessoas que são celebradas
    como heróis nestes tempos de pandemia,
  • 8:44 - 8:48
    quando uma doença grave
    incide na família
  • 8:48 - 8:52
    para ter a certeza que continuam unidas
    e que as suas vidas não sejam arruinadas
  • 8:52 - 8:56
    pelo custo de lidar com a doença?
  • 8:56 - 8:59
    O que devemos às pessoas com dificuldades,
  • 8:59 - 9:03
    que trabalham arduamente
    e têm menos sorte do que nós?
  • 9:04 - 9:06
    Há cerca de meio século,
  • 9:06 - 9:10
    o filósofo John Rawls escreveu um livro
    que se chama "Uma Teoria da Justiça,"
  • 9:10 - 9:15
    e no livro, ele introduziu um conceito
    a que chamou "o véu da ignorância".
  • 9:15 - 9:17
    A questão que ele propôs foi:
  • 9:17 - 9:22
    "Se não soubesses qual viria a ser
    a tua posição na sociedade,
  • 9:22 - 9:26
    "que espécie de sociedade
    é que gostarias de criar?"
  • 9:26 - 9:28
    O que ele sugeriu
  • 9:28 - 9:31
    é que, quando não sabemos
    se vamos entrar na sociedade
  • 9:31 - 9:33
    por cima ou por baixo,
  • 9:33 - 9:37
    queremos uma sociedade
    que seja igualitária,
  • 9:37 - 9:39
    para que até os desafortunados
  • 9:39 - 9:43
    estejam aptos a viver decentemente
    uma vida com sentido e satisfação.
  • 9:43 - 9:49
    Então, gente bem sucedida, levem isto
    para as vossas comunidades
  • 9:49 - 9:56
    e façam o que puderem para terem a certeza
    que honramos e cuidamos
  • 9:56 - 10:00
    das pessoas que merecem
    o sucesso tanto quanto nós merecemos
  • 10:00 - 10:02
    mas que não tiveram tanta sorte.
  • 10:02 - 10:04
    Obrigado.
Title:
Que papel tem a sorte na vossa vida?
Speaker:
Barry Schwartz
Description:

A sorte desempenha um papel muito mais importante na nossa vida do que estamos dispostos a reconhecer, diz o psicólogo Barry Schwartz. Claro que o trabalho árduo e o cumprimento das regras levam-nos longe — mas tudo o resto pode resumir-se à sorte. Schwartz analisa a ligação negligenciada entre sorte, mérito e sucesso, oferecendo uma solução interessante para igualar oportunidades — a começar pelas admissões à faculdade

more » « less
Video Language:
English
Team:
TED
Project:
TEDTalks
Duration:
10:16

Portuguese subtitles

Revisions